Pesquisando

domingo, 26 de abril de 2015

S01E01 - Ato I: Os Caça-Quimeras - Capítulo 1

Chapters: 1/?
Fandom: Original Work
Rating: Teen And Up Audiences
Warnings: Creator Chose Not To Use Archive Warnings
Characters: Angela, Raine, Toby, Emilio, Smithens, Prince, Madame Fabulária
Additional Tags: fadas, feéricos, quimeras
Summary: Uma metrópole comum em algum lugar do mundo.
O grupo de caçadores liderado por Raine é especializado em capturar criaturas criadas pelo imaginário dos Filhos-Mais-Novos (os humanos) e pelo seu próprio povo (os feéricos), manter tudo na devida ordem e paz nunca foi tão difícil até encontrarem um desafio a altura.

(História original, para mais informações visitem: http://tinyurl.com/feericos)


--------------------------------------------------------------
É noite na Metrópole e há traços de chuva torrencial por todos os lados.

O cenário é debaixo de um viaduto de concreto, uma aglomeração de poucas pessoas em um trailer de cachorro quente ao lado de uma construção não-acabada de um edifício de muitos andares. Mesinhas amarelas de plástico com cadeiras e banquinhos de diversos formatos estão espalhados uniformemente perto do trailer, alguns clientes estão ali, aproveitando o final da noite para lancharem, um grupo de trabalhadores está em uma mesa dupla. O barulho da chapa fritando ovos e bacon é o som que mais se ouve, um homem alto de aproximados 30 anos, impecavelmente vestido encara seu smartphone com certa adoração e recita:


"A chuva da noite caía implacável no grosso teto de ferro escuro, uma dessas maravilhas da Humanidade depois que descobriram que podem moldar aço com fogo e martelo. As cristalinas gotas que se turvam com o cinzento de uma cidade que nunca dorme, turbulenta por sua ferocidade de concreto e óleo, como uma grande máquina alimentada por esperanças, emoções e sonhos. Pobre és chuva da noite por tocar chão tão..."


 - Quer parar de filosofar sobre a chuva? - disse o mais baixinho, cara emburrada e enfurnado na capa de chuva amarela berrante que cobria seu corpo atarracado.

 - Atrapalhas o dom de um poeta? Como ousas...? - respondeu o que segurava o celular novo, reluzindo a capa de prata e uma correntinha de ouro maciço no pulso. Ele desligou o aplicativo de gravação de voz e certificou-se de que não havia mensagens ou ligações novas na telinha de pura tecnologia.

 - Desde quando trambiqueiro é ser poeta?

[continua...]

Para ler o texto na íntegra, clica cá!