Pesquisando

domingo, 3 de maio de 2015

S01E01 - Ato I: Os Caça-Quimeras - Capítulo 2

Chapters: 2/?
Fandom: Original Work
Rating: Teen And Up Audiences
Warnings: Creator Chose Not To Use Archive Warnings
Characters: Angela, Raine, Toby, Emilio, smithens, Prince, madame fabulária
Additional Tags: fadas, feéricos, quimeras
Summary:
Uma metrópole comum em algum lugar do mundo.
O grupo de caçadores liderado por Raine é especializado em capturar criaturas criadas pelo imaginário dos Filhos-Mais-Novos (os humanos) e pelo seu próprio povo (os feéricos), manter tudo na devida ordem e paz nunca foi tão difícil até encontrarem um desafio a altura.

(História original, para mais informações visitem: http://tinyurl.com/feericos)

===xxx===

[cenário: alguma lojinha de penhores entranhada em algum prédio caindo aos pedaços na Metrópole. É dia, mas a chuva que cai traz um ar de melancolia na cidade.]


A vida é mais ou menos assim, sabe? A gente procura, procura, procura, acha e vai lá caçar. Bem facinho, sem surpresas. É até um bom ramo de trabalho se for pensar nos ganhos: a patroa não chia tanto, os colegas não são chatos (Tá, tirando o seu Smithens, ele é um porre!), a remuneração vai de boa, tenho sempre dimdim pra comer o que quiser. O grande problema é a barganha. Sempre mia.



Madame Fabulária é o ser vivo mais velho dessa cidade (Arrãm, podicrê maluco que a véia é antiga!), viu uma pancada de coisa, vendeu boa parte delas e não se surpreende com o que acaba caindo nas nossas mãos. Semana passada deu um preço mixaria pra uma parte da armadura de Leopoldo, o Bravo. A coisa ficou séria quando ela nos acusou de roubar propriedade alheia, dignamente a Chefia respondeu à altura e disse que continua sendo um direito dela de nascimento em fazer o que raios quiser fazer com qualquer um de nosso povo.

Macaquinhos amestrados com polenta frita: a coisa ficou REALMENTE séria.

Meus colegas de trabalho consentem com esse poder invejável, Raine da Floresta do Inverno Profundo é irresistível em fazer qualquer um obedecer suas ordens. Ela não faz por mal, a Chefia quer se manter na dela sempre, mas esse povo com complexo de procurar salvadores da pátria... Pffff...



- Oh Filha dos Ventos, não tinha uma roupinha melhor pra se vestir não? - e lá se foi minha raríssima paciência para tratar Prince com educação. Apontei o dedo do meio pro babaca e esperei o nosso convidado de honra chegar de táxi. A missão hoje era convencer a velha a pegar leve na troca, nada de alardes, nada de respostas ferinas, apenas falar o que ela queria ouvir... Nada melhor do que chamar o Prince pra fazer o trabalho, ahn... delicado... (Ele tem mais jeito com mulheres do que eu). Tudo seria perfeito se não estivéssemos com o senhor-eu-sei-de-tudo-sobre-fadinhas Nakamori, o menino-inseto.



- É um belo espécime... - murmurou menino-inseto. Todo mundo chamava o camarada assim porque ele era diferente do que a gente tava habituado, sabe? Os Feéricos do Oriente jamais botam o pé aqui nessas quebrada, tanto por rancor como por nojinho. Menino-inseto rodava meio mundo atrás das coisas que ele pesquisava, não ia ser a família que ia impedir ele de vir pra cá saber sobre nós. Com aqueles óculos fundo de garrafa, espiava minuciosamente um jarro de conserva (Era picles, cebolinha ou tomates secos? Hmmmmm deu fome agora...) cheio de larvas em uma cor azul doentia. Parecia que as praguinhas tinham umas inscrições em cada corpinho de menos de uma ponta do meu polegar com o menor sinal de luz. O pouco que conseguia captar da vibe: eram farejadoras e das boas.



Sim, porque o Toby não consegue fazer o trabalho de cheirador sozinho: precisamos de mais narizes nos esquemas.



Madame Fabulária era dura na queda pra negociar mercadoria, mas justa quando via que o cliente precisava realmente do item. Mercenarismo não era a cara dela, apenas o saber que não está



- 3 mil cada uma... - menino-inseto endireitou a postura pra parecer mais homem e fez uma expressão de escândalo em seguida. Falhou na primeira tentativa, rapaz...

- 3 mil?! Tá maluca?! - foi a minha vez de falar. - Tá doida a gente gastar esse dinheiro todo?! - O galã aqui do meu lado nem piscou pelo preço.

- Maluca estaria se te ofertasse pelo preço que você sugeriu... Esses são preciosos, menino-inseto. E se quiser um deles, é dinheiro pra cá, larvinha asquerosa para aí...

- V-você não tem idéia do que está falando!! 3 mil por larvas da Componésia?! - realmente o menino-inseto tá abalado. Quem mandou mexer com a velhaca?

- Matar o ninho foi um perrengue, o caçador anterior me disse isso... - o oriental andou um pouco em círculos, coçou a cabeça e me olhou com dúvida.

- Oh, crias da Componésia! - disse o pomposo de forma majestosa e teatral, parecia que tinha acordado de um sonho bom, o safado - Que honra ver que seus negócios sempre prosperam, Madame Fabulária... - se a velha ruiva cair nessa… não me chamo Maria Maricotinha Ângela da Silva Sauro...

- Pelo menos alguém aqui tem que ser sortuda em alguma coisa... -a velhota deu de ombros e logo mudou o tom de voz - E hey hey hey japinha! Nada de pegar mercadoria que não foi paga...

- Mas a senhora precisa entender que… - menino-inseto segurava o jarro de Componésias contra o peito como se fosse a coisa mais preciosa do mundo. Ainda me pergunto por que raios querem uma coisa dessas.

- Não me venha com o sermão novamente! - disse ela pegando o jarro de conserva e escondendo debaixo do balcão. - 3 mil e nada mais.

- Poxa vida, tá aí uma negociação que eu não perderia...

[continua...]

Para ler o texto na íntegra, clica cá!

$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });