Pesquisando

sábado, 4 de julho de 2015

a constância, me gusta


Uma das coisas muito boas de se perceber às 02:38 da manhã é que a constância do Universo é infinita. Pode até não ser a mesma, mas a trajetória é linear de uma forma muito bizarra.

Porque o mundo pode estar desabando dentro de um universo interno específico, mas o restante ao redor continua de acordo com o plano geral das coisas.

Nada e nem ninguém vai parar para apreciar a completa destruição de alguma coisa dentro de alguém. E mesmo que se expresse o quanto está prestes a deixar algo muito ruim sair pra ver se algo de bom ou pelo menos neutro apareça pra preencher aquele conteúdo vazio, o Universo não dá a mínima. Quem diria as pessoas, essas estão mais perdidas do que cego em briga de foice no escuro.

Não é que é tempestade em copo d'água, é que a importância/relevância disso no esquema geral das coisas é ínfimo, então não me resta mais nada a não ser deixar o feeling vir, e esperar que ele vá embora do mesmo jeito que veio. Há monstrinhos que alimentamos que costumam ficar cheios e vão embora, há outros que se escondem do banquete e esperam pelas sobras da mesa quando tudo termina. O importante aqui é não deixar sobras, nem dar comida pra ninguém. Nem pro Universo.

A constância continua, o mundo não vai parar de girar, movimento de translação e rotação forévis. O mundo não acabou como muitos dizem que parece. Na verdade... é até esperançoso. Assim que esse blues for embora (Ou fazer questão de anular toda uma existência em favor da minha sanidade fraquinha), tudo vai estar do mesmo jeito.

Inclusive as leis da Física!
Fascinante!