Pesquisando

sexta-feira, 24 de junho de 2016



"Nunca diga seus sentimentos"



[Edit] Esse video apareceu na minha timeline no facebook, abençoadx seja a pessoa que decidiu fazer um video osbre esse panorama.
(Porque afinal de contas, parte da minha briga interna é por conta disso)
Tem umas bad vibe que acontece sempre quando chega à noite. ou meio quando tou pra entrar no chuveiro. É um sentimento de inutilização que costuma ser seguido por umas rememorações nada boas. Quando eu passo muito tempo tentando ficar bem e pensando positivo e criando coragem para as coisas mais básicas do mundo (Como chegar adiantada em um compromisso ou estar preparada bem para uma apresentação de trabalho), parece que isso me drena um pouco mais do que o esperado.

Ultimamente tenho chegado com a sensação de dever cumprido, mas é ficar um tempinho all by myself que o feeling vem subindo do baço pelo diafragma, invadindo a traqueia e parando ali na garganta, porque dali não sobe mais. Fica tudo retido porque não faz sentido eu deixar choro sair quando não se tem mais nada pra chorar.

Ir a terapia está ajudando em partes. Tento seguir o que parece ser mais acertado para os estados de altos e baixos não virem tão intensamente, mas tem coisa que não dá para extrair do HD mental. Não é para me chicotear pelos meus erros, mas é difícil não lembrar deles em detalhes em full HD e Dolby Surround Sound. Isso desencandeia uma porção de consequências minúsculas, até eu parar para respirar, olhar pro chão e lembrar que ainda estou aqui, ainda resisto, ainda sobrevivo, ainda existo.

E como Oscarzinho já disse uma vez: tem gente que só existe, viver que é bom, nada.
(Às vezes me enquadro nessa categoria)

Como disse, tou tentando, tou fazendo por onde, um dia de cada vez, mas tem hora em que só quero que alguém me sacuda um bocado até aquele parafuso solto que devo ter, sair pelas narinas ou ouvidos e me dizer: "Olha, tá uma m**** agora, mas vai melhorar." - constantemente tenho que me lembrar disso pra não cair na besteira de botar tudo a perder com um mínimo deslize (Não é uma opção, nunca foi, por que agora vai ser?).

Tem umas cicatrizes cabulosas que o Tempo não tende a apagar, nessas horas que penso o quanto ter perda de memória pode ser um milagre, se metade das coisas que lembro que me causam mal fossem embora, assim do nada, teria mais paz. Odeio me sentir tão perdida com tantos mecanismos nas mãos para não ficar assim. Chega a ser idiota em ter todo o aparato técnico de evitar tais recaídas e mesmo assim acontecer. Se eu não tivesse consciência que a depressão faz esse terrible sith mind trick, teria me lascado.

Ser robôzim dói menos.
Mesmo que na programação default tenho algumas diretivas bem bizarras para me autosabotar.