Pesquisando

domingo, 30 de julho de 2017

[eu não sei fazer poesia] Aluga-se


Quando tenho tempo para esticar as costas dentro do busão
e levantar o olhar para a paisagem lá fora,
o que me deparo é essa realidade
bem diferente que a gente tem aqui no chão. 

Da imensidão de construções na beira mar
com suas fachadas estonteantes,
para mais adiante termos mais desses construtos
mini-jaulas-gaiolas-com-redes-grades,
alumínio em janelas,
varandas lotadas de roupas a secar,
aluga-se

Dentro das gaiolinhas,
pessoinhas vivendo um padrão acima da maioria. 
Pequenas caixinhas
de concreto para pessoinhas. 

É dar um upgrade no Purgatório.