Pesquisando

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

[bibliotequices] por que me arrombar com TCC?


São coisas que deveríamos nos questionar, ao invés de apenas fazer/obedecer.

Se desde as primeiras fases nos alertam que referenciar TCCs pode dar uma "desvalorizada" em sua escrita de trabalhos acadêmicos e artigos e tudo mais pelo status quo da produção acadêmica louvar apenas artigos de certos tipos de revistas A2 pra cima, então para quê exatamente serve a feitura de um TCC?

Se verificarmos socialmente a usabilidade de um TCC dentro de nosso percurso na graduação e vermos que ao ser colocado como subalterno na coleção de "fontes valorizadas de pesquisa", então por que nos preocuparmos ao ponto de travamentos, ataques de ansiedade, pânico, sentimentos ambíguos e altamente ferozes e destrutivos ao produzir algo que não necessariamente será usado em um futuro por qualquer pessoa?

Por que a atualização de repositórios de TCCs acabam sendo não priorizados, pois é academicamente mais "rentável" buscar fontes mais seguras e confiáveis (???) como artigos nessas A1 e A2, teses e dissertações?

Começa assim...

Entende a incoerência desse discurso?

É como se me dissessem que o 1 ano que botei todas minhas forças, funções, pensamentos, horas, escritas e atenção para a redação do TCC não servissem para absolutamente nada, em raros casos, caso alguém se interessar e ainda assim sofrer esse estigma de não ser muito adequado para se referenciar em trabalhos, seja lá onde for produzido.

Entende que ao desvalorizar uma referência de TCC, de quebra, posso inferir que também estão desvalorizando o que aprendemos na graduação por um conceito mercadológico de produção academicista que prefere invisibilizar esse tipo de produção? E que desvalorizando a graduação feita - e a vivência da pessoa ao produzir tal trabalho, e o orientador que também gastou horas auxiliando, e banca ao analisar e o ritual da defesa e o armazenamento desse esforço em algum lugar (Repositório, disquete, CD, pendrive, lá nos fundilhos de alguma biblioteca, lalalala, dentro de uma caixa).

Aí se transpomos essa noção de rasura de referência sobre um TCC para o cenário atual da pós-graduação com os cortes e as sandices interinas e golpistas, como é que vocês acham que a gente da graduação arruma estímulo pra redigir um trabalho que não vai servir de nada, não será resgatado por outros pesquisadores/estudantes por conta dessa cultura de apagamento e plim! Plim! Nós bibliotecários, os profissionais da informação se virando nos trinta para estabelecer prioridades na hora de fazer escolhas tanto para nós mesmos em nossos locais de trabalho, assim como auxiliar pesquisadores. Vamos atrás de quê? Artigos na maioria das vezes.

Então a produção acadêmica feita na graduação em seu sentido literal é virar lixo eletrônico, como mais um grãozinho de areia na poeira cósmica da recuperação de informação. Se usar o TCC para a pós, aí talvez tenha uma chance de virar o começo de uma estrelinha e ser referenciado posteriormente, mas quando se limita ao limbo cósmico? Vai ficar lá e não vai voltar dos mortos.

Entende que é esse tipo de educação formal que se preocupa obsessivamente tanto com a produção final, mas só se mantém no processo daquela coisa e é isso que arruína a valorização de nossa própria identidade acadêmica?
(Alguém cita Marx aqui, não sou tão na dele...)

Parks and Recreation traduzindo a vida acadêmica...

Pra quê estamos produzindo na graduação?
Pra servir a quem?
Por quê produzir afinal?
E principalmente: por quê cês tão perdendo pontos de sanidade por algo que vai pro limbo cósmico biblioteconômico se a própria academia/mercado não valoriza sua produção?

Incoerência, a gente vê muito aqui.

Bejas de luzes e intézes!