Pesquisando

sábado, 1 de dezembro de 2018

[bibliotequices] grandes corporações, grandes quebras

Tá, deixa eu entender...
Tem as PECs de destruição total da Educação e Saúde em 2016, ninguém do ladinho capitalista das editoras e livrarias se manifesta (pra quê se meter né? Livre mercado!).

O setor que cuida dos livros didáticos no MEC vai pro ralo de forma horrenda, nenhum pio.
Há mais de 20 anos liberando estatísticas em forma de relatório de instituto que verifica se brasileiro está lendo, sendo alfabetizado, *cof cof* consumindo livro *cof cof* - no tal instituto, maioria grandes editoras e mega corporações de livrarias. Nenhum órgão de bibliotecários e/ou professores de escolas públicas no meio.

Aí os caras levam porrada no meio das fuças com a tal da "crise" (migolhes, a crise tá aqui desde 1888, cês perderam essa aula de História do desmonte da pátria "educadora e educada"?) e saem fazendo panfletagem, chorando as pitangas, escrevendo carta de amor ao livro, apelando em rede social sobre "oooooh brasileiros que estatisticamente a gente disse que não leem/compram livros, tenham piedade, comprem livros!"??? 

Cês tão zoando né?! 

Em nenhum momento houve mobilização para projetos nacionais para políticas públicas para FOMENTO DA LEITURA E ESCRITA dentro das escolas (potencial alto de consumidores, lembram? Se essa molecada sai lendo de forma proficiente, mais chances de ir lá comprar as suas ofertas gigantes das Internet) e não "políticas sobre [comprar] o livro". Nenhuma empreitada de "Vamo república das bananas, vamos crescer como potência pro G7!" tinha em pauta Educação, Bibliotecas, Cidadãos Leitores.

Em nenhum momento teve mobilização da e para a classe de bibliotecários nesse rolo pra pelo menos, PELO MENOS vocês grandões choramingando soubessem o que fazemos o favor de prestar propaganda de graça pra vocês nas bibliotecas de diversas esferas e o mínimo que esperamos que nos chamem nas deliberações sobre o que raios vamos fazer nesse país pra atingir uma meta mínima de alfabetização, escolarização, leitura proficiente e cidadania. 

Aí os caras choram, final de ano, apelando pro espírito natalino pras pessoas comprarem livros pra salvar "a quebra do mercado editorial e de grandes livrarias"?! 

Gente, se enxerguem por favor!!
Bora botar mãozinha na consciência e usar o que o Iluminismo chamou de "Razão"? Façam por onde DENTRO DAS ESCOLAS que em poucos anos tem retorno de consumidores ávidos por seus produtos.
(Mas se a meta é realmente ajudar no desmonte, aí sim, vocês tem todo o direito de continuar escrevendo relatório acusando que brasileiro não lê Afinal no livre mercado, o choro também é livre, não é?)

[tá bacana ler artigos e reportagens circulando por aí sobre como esse movimento de grandes livrarias e editoras está se tornando desesperador.Se alguém não sabe a definição de hipocrisia, só dar uma vasculhada nos textos desiludidos desse povo. A resposta dos livreiros - a galera de empresa pequena, que faz por amor e pra sobrevivência - está sendo ótima também de ler, eles sim merecem nosso dinheiro, nosso apoio e nossa parceria]

Agora na real mesmo?
Bora mandar uma banana fenomenal pra esses caras e frequentar mais bibliotecas? Sai de graça, tem uma porção de possibilidades de coisas para se fazer lá e ainda dá um gás no trabalho do bibliotecário que se rala todo o ano todo lá dentro tentando fazer algo de bom pra população.

[Fun fact do Brasil republicano: vocês sabiam que certa grande editora/livraria que teve que fechar lojas em grande metrópole por ooooh peninha, tá faltando lucro, foi a precursora do advento de livros didáticos em escolas públicas? Que essa indústria maldita de LDs em escolas, que gera bilhões em licitações absurdas e pouco retorno pra sociedade veio dessa grande editora/livraria? Que infeliz coincidência ver que eles estão quebrando né?]