Pesquisando

prest'enção nesse trem aqui! [clica cá]

mudanças do eu-lírico/bibliotequices

Entonces... Resolvi dar uma repaginada nos esquemas do Bibliotequices - uma sessão que eu mantinha aqui desde outubro de 2015 - para or...

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

o melhor conselho: terapia

"Diga a um terapeuta, não pro Facebook" - crédito
Algo que tem demonstrado forte o quanto as pessoas ainda não sacaram a questão de limites é quando você próprio tá no limite - tipo puxando a linha imaginária até ela ficar tensa que nem elástico antes de se soltar com toda força - e ainda assim te cobram por algo.

Qualquer coisa.

Um dos conselhos que vivo recebendo repetidamente da psicóloga em que me oriento é sobre não levar mais carga emocional de outrem. Isso já ferrou comigo desde criança, com todo rolo de viver em uma família em que abuso emocional era prato diário (e a criança madura aqui tinha que aguentar as pontas que supostamente nem eram dela, mas de adultos irresponsáveis e que não sabiam se comunicar?), não quero que cave um buraco a mais o que eu mesmo faço por vontade própria e com louvor (overthinking achievement aqui, muito obrigado).

Aí todo cuidado é pouco.

Porque a minha tendência é de ajudar ouvindo - aconselhar é um problema, isso já me abstenho - mas quando você está invariavelmente RUIM da cabeça, não é saudável tentar ajudar outra pessoa ruim também. Isso não é recomendável por diversos motivos, pois dependendo da situação, ou posso ser interpretada como alguém extremamente rude e egoísta, salvando a minha cabeça de piorar algo que já não tá mil maravilhas. Ou posso piorar as coisas dando uma opinião que não vai ser aquela que querem ouvir. ou eu simplesmente sumo que nem ninja e só apareço 5 anos depois como se nada tivesse acontecido (E aconteceu e guess what? Ainda estou remoendo por ter feito isso.)

É uma luta diária.

Ser fdp nessas horas pode te custar uma amizade, um amor, um laço de confiança. Mas gostaria de explicar o que que rola quando se está no poço, abraçando a Samara e cavando mais fundo no lodo com uma pá feita com meus pensamentos. Pode ou não acontecer como todo mundo que tem um bode balindo na canela. Pode ou não ser aplicado em todos os casos, pode ou não.

A gente não consegue sacar quando alguém precisa de ajuda, porque dependendo de como estamos, não vai rolar de adivinhar. Também aceitar ajuda é tenso, porque a bagunça é tanta dentro da cachola que nos convencemos que aquele problema é nosso e de mais ninguém, não importa o que nos digam para acreditarmos que é merecido ter ajuda de fora.

E aquele medo irracional que estamos atrapalhando a vida dos outros quando elas entram em nossos círculos de convívio. Aí imagina isso, esse bode balindo alto acima das vozes de quem quer ajudar e plim, aparece alguém que tá ferrado das ideias como você pedindo ajuda igualmente. E justamente pra você, diretamente ou indiretamente, e a única coisa que dá pra responder é algo nada feliz.

No meu caso, sempre aconselho pra procurar um profissional o mais rápido possível.

Às vezes o que a pessoa gostaria de ouvir NÃO É isso, talvez uma palavra de conforto, um "calma que vai melhorar", um sacudidão, um ombro amigo?

Como é que dá pra ser o ombro amigo se o complexo de Atlas chegou ao limite aqui? Como é que vou ajudar se eu mesma não consigo tirar os pés afundados da lama, dentro do poço, Samara abraçada? Faz sentido?

É que estava pensando nisso, das vezes em que fui âncora para resolução de cabeças perdidas, sendo que a minha sequer chegou a um ponto de começar a se consertar. E é injusto para ambas as partes, extremamente egoísta de ambas as partes, mas estranhamente rude somente de um lado.

Parece que o mantra do "amigos não são terapeutas" [x] está me perseguindo de uma maneira espetacular. E dizer isso em voz alta incomoda quem precisa de ajuda urgente, ou que acha que é urgente, mas que dá para procurar alguém especializado pra entender e trabalhar juntos nisso. Às vezes somos impacientes, e demandamos respostas para pessoas que sinceramente não tem estrutura emocional e racional para nos apoiar de forma mais adequada, por isso parentes, amig@s, namorad@s, bibliotecári@s (isso foi uma indireta, não sou terapeuta), tiozinh@ da esquina que tá esperando o mesmo busão não são terapeutas. Tem gente que não está preparada a ouvir o que tem a ser dito de nossas bocas, tem gente que se apavora por estarmos nessa condição horrível e não conseguirmos sair.

Tem gente que vai falar que é falta de Deus na vida. Falta de louça ou roupa pra lavar, falta de palmadas e surras, falta de homem na vida, falta de alguma coisa... Tem nada faltando não, é porque tou no mesmo barco, não tenho como ajudar se estou afundando também né?

Escrevi mais sobre isso aqui [x] [x] [x]

Nenhum comentário:

Postar um comentário