Pesquisando

Mostrando postagens com marcador changeling o sonhar. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador changeling o sonhar. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 4 de julho de 2017

[conto com angie] humanidade é carvão

Título: Humanidade é carvão (por BRMorgan)
Cenário: Projeto Feérico.
Classificação: PG-13.
Tamanho: 1.150 palavras.
Status: Completa.
Disclaimer: Esse conto faz parte de algum rascunho perdido meu do Projeto Feérico que vocês podem ver os pedaços sendo costurados aqui nesse post [x]
Personagens: O Devorador de Sonhos, Angie.
Resumo: Quando uma criatura primordial do Sonhar decide sair da Neutralidade, é isso que acontece.
N/A: Trilha sonora? Vai ver o post anterior, sim? ;)

Piscar os olhos.
Piscar.
Umedecer esse órgão novo.
Dois órgãos novos.
Muitos novos de muitos como os outros.

Quando o Vazio era o único sentido, agora o emaranhado de órgãos amontoados em um fluxo quase perfeito. O universo inteiro engendrado dentro de si, de si, como um ser vivente.
“Só eu sei...
Só eu sei...”
Dizia a velha canção...

E doía.

Em uma manhã chuvosa em algum lugar de algum lugar. Diferente do que estava acostumada em outras vidas. Ser vivente agora. Poderia categorizar as suas experiências em outros tempos como “vidas”. Era dessa forma que os Filhos mais novos entendiam o Tempo, a Sina, a Morte, o Destino.

E nessa chuva desgraçada que molhava os ossos.
(Ossos, ossos, nervos, músculos, sangue, fluidos, ritmos)
Nessa chuva que entrava em cada poro, orifício, encharcando alma, espírito, película fina de essência de glamour puro despedaçado para abrigar esse corpo frágil, real. Ser vivente real. Vivo.
Ritmo de tambores, barulho do mar, quebra das ondas, ritmo, canção, Vida.

E doía.

Os órgãos que piscavam focalizaram a sombra ali, bem perto, ao lado da comoção no beco sujo e cinzento da Metrópole. Fazendo as últimas anotações em seu livro anterior. Aquele maldito livro que carregava acorrentado em seu corpo como um mártir da própria existência. 
Juiz, carrasco, júri, advogado, vítima, acusado.
Julgamento. Neutralidade. 
Era isso que se lembrava de outros mundos.
Não lembrava do porquê estar doendo.
De qual crime que cometera para sua Sombra estar ali, tão perto e tão longe, observando corpos vivos em uma roda irregular, exclamações altas, gritos de agonia. 

Neutralidade. 
Deve ter sido isso.
Quebrara com a regra que não se quebrava: Neutralidade.
Juiz, carrasco, júri, advogado, vítima, acusado.
Julgamento. 
Neutralidade. 
Era isso que era no Mundo Além dos olhos dos Filhos mais novos.

A Neutralidade que nutria em seu ser vazio era o horror dos Filhos de Danuu. Temerosos por estarem sendo julgados sem perceberem (Como se fosse possível), horrorizados por existir personificações da Sorte, da Sina, da Morte, do Destino. E isso os abusados Feéricos morriam de medo: pregados eternamente em um Destino diferente dos Filhos mais Novos, Destino desconhecido, silencioso, cruel, devastador. 

Banalidade.
O mundo preto e cinza.
A perda do Glamour.
O fim da Magia.
O insuportável vício pelo Tédio.
A destruição completa de uma alma tão antiga e carregada de Sonhos.

O Fim.
(Fora isso que questionara? O Fim?)

Em outro piscar lembrou de vozes, muitas vozes, vociferando acusações, uma jaula, um palanque, uma forca, um espetáculo, uma multidão. Cabelos de fogo, diferentes dos seus. Um antigo, primitivo, antes deles mesmos, renascido, selvagem em seu estado catatônico de nascer. A Vida foi devolvida antes do esperado. Sentia isso se tivesse órgãos para sentir, coração, emoções. Julgamento sem seguir a Lei Maior.

Sem Neutralidade.
(Fora isso que questionara?)

A execução pelas mãos de outrem. Mesmo suas palavras sendo proferidas. 
Profetizadas. 
Algo sobre o castigo de um crime maior. 
A Traição na Casa de Fiona.
(Fora isso que questionara?!)

O que seria real?
Por esses olhos recém-abertos via que aquele mundo de antes não agradaria seus Ensinamentos, sua Lei Maior, seu Caminho Prateado. 
Não desistiu, escolheu.  
Por que não escolher? 
Em definir quem deveria acolher.
“Só eu sei o que será
De nossos sonhos
Só eu sei o que virá
De outros mundos
Pra dizer...”
A velha cantiga ia e voltava, como um eco em um precipício sem fim, repetia com os tambores, as ondas do mar, os ritmos de um corpo vivo então: “A Humanidade é carvão em meu suor, então saí da minha cela...”

Cinza era o céu, a manhã chuvosa no beco de algum lugar da Metrópole.
Nada mais era como antes achava. Acordou no chão sem entender a confusão ao seu redor.
(Por que doía tanto? Por que não reconhecia mais sua Sombra, acorrentada no imenso livro da Neutralidade?)

Acordou no chão, despido, minúsculo, dolorido e sem razão, e percebeu que foi desconstruído de seu vazio, castigado para a renovação. Da boca de um estranho vivo, imundo, maltrapilho, vagabundo, sem teto ouviu as primeiras palavras em seus ouvidos agora atentos ao mundo:
“Óia só esse tiquim de gente! Vestida que nem acidente de carro!”

Risos.
Choro.
Agonia.
Saiu da cela.
A jaula do vazio da Neutralidade.

O que era real?
“Só eu sei o que será
De nossos sonhos
Só eu sei o que virá
De outros mundos
Pra dizer...”

A música retumbava em seus ouvidos vivos. Os olhos pequeninos em uma cabecinha de recém-nascido, parto sofrido e acidental debaixo de um viaduto em uma manhã chuvosa. O cheiro veio aos poucos. O tato, dedos trêmulos sem coordenação. O paladar amargo, as nuances de uma existência que jamais tocou comida ou bebida.

E doía.

A sua Sombra se afastou lentamente, sem dar Adeus, dar explicação. Apenas uma lembrança que não mais ficaria ali, entre a vaga impressão de uma ilusão e uma alucinação. Tentou se movimentar naquele corpo gelatinoso sem sustentação. Frágil, sem orientação. A memória definhava, desintegrava como areia em um deserto infinito. O ritmo dos tambores codificado para o seu coração pequeno, no peito descoberto, a comoção urrava.

Sirenes.
Gritos.
Agonia.
E doía.

“ – Todo mundo pra parede! Todo mundo pra parede! Agora!”
“ – Afasta aí vagabundo! Tira a mão!”
“ – Não força a barra senão leva chumbo nas fuça!”
“ – Ajuda aí, seu puliça! Ajuda!”
“ – Falei pra ficar de cara pra parede, porra! Mãos na cabeça, abre as perna!”

A Fome.
Com tudo no mundo dos Filhos mais novos iria se acostumar, com uma habilidade invejável de transformar Sorte, Sina, Morte, Destino em ferramentas para ajudar as pessoas. Mas a Fome?
Essa permaneceria.

“- Bota essa coisa aí no camburão! Levar pro Hospital, porra!”
“ – Leva nossa anjinha, não, seu puliça!”
“ – Cala essa boca, vagabundo. Tá vendo a merda que deu aqui?”
“ – Chama o rabecão, véi... Tem jeito não...”
“ – Deixa a nossa anjinha aqui, seu dotô puliça... A gente cuida dela...”

Estampido, alto, forte, cheiro de pólvora.
A Humanidade é carvão em seu suor, vestida como um acidente de carro.

Piscou os olhos.
A maldição dos antigos em seu corpo renovado.
Esquecimento.

Era uma manhã chuvosa de 1969.
E a Humanidade deslumbrava a ida à Lua no mesmo dia.
Não se lembraria de quem era até segurar a mão de Stardancer em um beco imundo como aquele em alguma parte de alguma cidadezinha ao redor da Metrópole.
Não se lembraria do que era capaz de fazer ao entrar naquele ônibus-quimera em 2013 quando o meteoro caiu lá do outro lado do mundo.
Quando conseguiu enganar um de seus antigos associados.
Quando voltou a entrar no Caminho Prateado sozinha.
Quando voltou ao Vazio e se lembrou de que Neutralidade fora seu pior pecado.
Vagueava nessa realidade para não voltar mais àquela ilusão.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

os viajantes do conhecimento

Arte de Otto Arantes no Deviantart: Eshu, Changeling
Atrás do balcão de uma biblioteca pode-se ter uma experiência incrível em observar o mundo de uma maneira mais crua que o de costume. Quem está ali atendendo (E gosta de observar) percebe que há diferentes formas de vida circulando pelas imediações, em seus próprios mundinhos, afazeres e realidades constantes. Uma microscópicas, outras só notadas em equações da física quântica, mas outras bem perceptíveis.

Como foi apelidado por uma das meninas da Biblio, os viajantes do conhecimento são um caso à parte.

Reconhecemos eles logo de cara.
Brotam do nada, abrindo a porta da biblioteca, saindo atrás de uma estante, levantando de uma mesa, caindo do céu como quem não quer nada. Costumam estar em roupas simples, chinelos ou tênis surrado, rosto meio detonado do sol e pelo tempo, exalam vigor, astúcia e falam bastante. 

E como falam.

A aparição deles em bibliotecas é rara, ocasionando um atraso nas práticas biblioteconomistas, mas um avanço quase ilegal no processo de amadurecimento espiritual.
Eles falam de tudo, absolutamente tudo, desde o início do Cosmos, a poeira estelar que nos molda em carne e osso, os mistérios entre as entrelinhas, as linhas que traçam os livros, as traças que comem os livros, os dissecadores de livros até chegar em alguma teoria caótica de vida, seja ela saudável, filosofável, palpável ou alternativa.

Essas pessoas não tem raízes ou ao menos se importam em fazer algo sobre isso.

São pessoas que necessitam falar de alguma maneira, com seus pés ansiosos, mãos gesticulando seus discursos infindáveis de pura sabedoria e experiência pragmatista até a hora do expediente acabar, ou deles atrasarem para seus compromissos.

Como bibliotecária de referência que pretendo ser, um viajante do conhecimento é um prato cheio de links, ligações, acordoamentos e nós em toda a teia de conhecimento que prezo em manter acionada a todo instante. Eles dão dicas, jogam desafios, iniciam charadas, trazem o novo no velho e o velho no novo para percebemos que tudo é uma coisa só. E é. Tudo é tudo, é mais perceptível quando eles estão por perto. 

Por mais que o diálogo possa ser aberto e agradável, é impossível fazer uma retrospectiva semântica (Descobri que tenho esse pequeno probleminha de revisitar tópicos de assuntos mentalmente para não perder o fio da meada) de tudo que eles abordam em uma conversa, e pode esquecer qualquer linearidade. Eles não possuem alguma no gingado, na fala e na mente.

Essas pessoas são fora da casinha.
Elas não tem casinha.
Elas não consideram a casinha, uma casinha.
Para elas a casinha nem existe. 
E quanto menos a casinha existir melhor, porque se a casinha não existe, não há limites para o estar fora dela.

Assim como os notórios Eshus de Changeling - o Sonhar - esses viajantes do conhecimento passam pelas nossas vidas, deixam a peça de sabedoria e simplesmente desaparecem assim como apareceram. Em um passe de mágica, um respirar fundo, uma piscadela, e eles somem.

Não é à toa que o cenário de RPG que me cativa mais a escrever estórias seja uma referência para eu tentar entender essas criaturas peculiares quando surgem aqui na biblioteca (Mesmo sendo escolar! Eles aparecem, brotam do chão mesmo!). A Maria Maricotinha Ângela, minha personagem cutch-cutch do coração é uma Eshu com um destino macabro no passado, mas tem esse dom de aparecer nos lugares mais inusitados possíveis para dispersar informação e renovar energias.
(E ahem, de certa forma essa característica é emprestada da fonte primária desses personagens, o orixá Exú da mitologia Iorubá tem as mesmas "propriedades")

O que fazer nessas ocasiões?
Tudo bem atrasar um dia todo de tarefas para escutar esses seres criativos e improvisadores - lembram-me os bardos e storytellers medievais que caminhavam à esmo por aí, de taverna em taverna, cantando e contando sobre o mundo exterior para dar notícias aos que viviam em suas casinhas - tudo bem ganhar olhar feio do chefe por não cumprir a meta do dia, tudo bem mesmo não atender telefone, não responder email, etc. A oportunidade é única, os viajantes do conhecimento são raros.

Aproveitem bem quando eles aparecerem. Façam perguntas, ouçam com atenção, tenham cuidado em seus julgamentos, apenas entendam que eles estão ali para compartilhar conhecimento e informação e nada mais que isso. Se vão assim como chegam, puft! E se vão...

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Projeto Feérico - Raine, a exilada.

[processando rascunhos da fila]

Como já sabem, estou formulando um Projeto de um possível livro ou talvez quadrinhos - ou sei lá, o que vier primeiro - sobre fadas, meio-fadas, coisas com glitter, pózinho de pirimpimpim e contos infantis. O Projeto Feérico está firme e forte e conforme o tempo vai passando vai tomando mais forma que o idealizado cerca de 2 anos atrás.

Parte desse Projeto foi influenciado por uma sessão de RPG de Changeling the Dreaming e contos espalhados sobre os personagens. Anteriormente eu havia apresentado o perfil da Angela (agora com nome) aqui no Blog e pretendo continuar colocando alguns destrinchamentos de personagens conforme a inspiração vem.

A escolhida de hoje é Raine, a sidhe de sangue Real e líder do grupo de Caçadores de Quimeras.



A concepção de Raine veio de uma velha fórmula que gosto de repetir até para poder dar peso aos outros personagens: alguém que quer se livrar do Passado, mas as pessoas ao seu redor sempre a lembram de seu status político. Partindo daquela de "Quem foi Rainha, nunca deixa o trono", é essa situação em que Raine se encontra. Como um estereótipo de sidhe básico, ela é obrigada a ser a detentora de responsabilidades que estão além dela, às vezes de forma inusitada e absurda.

A maioria das pessoas que a conhece sentem essa liderança exalando dela e sem perceberem se apoiam nas atitudes e ideias que ela tem durante as caçadas. Querendo ou não, Raine se torna uma líder mesmo quando tenta não mostrar que é - #aragornfeelings.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

advogados de regras de RPG: changeling the dreaming

Advogados de regras de RPG: Loki tá de olho nessa zoiera aí.
Se vocês pisarem em uma casca de banana, chiclete ou cachorro fazer xixi nas suas pernas não é aleatório não.

Loki tá de olho.


A discussão começou quando a linda Chai postou a artwork da boggan awesome dela em um grupo no Facebook sobre o RPG Changeling, os primeiros comentários foram sobre a Monique Gauthier (A boggan) não ser gorda e baixa.

Peraê.
Peraê?
Sério isso?

Sério que em um cenário de RPG em que a imaginação e o sonho são fontes principais de poderes e formam a Realidade dos personagens PRECISAM MESMO seguir os padrões ferrados e hipócritas dessa sociedade aqui fora? Vade Retro me valha Eru Ilúvatar, para tudo que eu quero descer...

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

[direto do Tumblr] E se o ursinho é o pesadelo e a criatura o protetor?

Postei isso no Facebook um tempo atrás, mas vi a fonte no Tumblr por aí. Adorei a explicação do porquê de ursinhos Teddy e o porquê de monstros debaixo da cama, dentro do armário:

Tá em inglês, foi mal. Não vou traduzir, vai perder a graça.

On the importance of a teddy bear…

(artwork by Begemott)

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

[Projeto Feérico] Trecho nº 3 - Estrelas estão no chão

A conversa não era tão amena como costumava ser. Havia aquela sensação de urgência disfarçada, às vezes palavras escapavam sem poder se conter. Na maioria das vezes era melhor respeitar o maldito silêncio que pregavam do que ter uma conversa amigável.
 - Andas muito quieta. Aprontando alguma? - a voz ao seu lado a fez sair dos pensamentos difusos que tinha para o próximo plano. Não era tão arriscado, mas precisava ter certeza que nada sairia errado. Não desta vez. Havia muita coisa nas entrelinhas para alguém perceber no que realmente aquela caçada a quimera-ônibus-escolar realmente significava. Ela fora o começo, e pelo jeito seria o fim.
 - Não que eu saiba... O clima não tá muito bom pra travessuras... - respondeu apenas abanando a cabeça com uma das mãos enluvadas.
 - Perdes um pouco do brilho quando o Inverno chega.
 - É esse vento frio chatonildo... Não gosto de ficar tremendo que nem vara verde... - o homem ao seu lado riu baixo, como se estivesse esperando aquela exata resposta. Tudo com ele parecia ser tão esperado e constatado, ele sabia de absolutamente tudo sobre ela, e ela apenas sabia que seu Dom da Sina não adivinhava nada sobre ele. Deu de ombros, não poderia reagir de outra forma. Quando criança ainda tinha fôlego para discutir sobre os encantos e adivinhações enigmáticas do Mestre, agora que passava para a vida adulta aprendera a escolher bem as palavras com algumas pessoas. Os dois mirando a escuridão do céu limpo do Inverno na Metrópole era como um ritual de entendimento solidário e solitário. Cada um em sua forma de se expressar carinho. A aprendiz cobriu a cabeça com o capuz felpudo de seu casaco, soltou um suspiro de frio e viu a condensação do ar formando em volta de seu rosto pálido, gostou do que viu. - Cê acha que vai nevar?

domingo, 13 de janeiro de 2013

Projeto sem Título - planejamentos

Uma das coisas mais belas que já presenciei em minha vida nérdica foi saber que há pessoas lá fora que tem a incrível capacidade de te entender em um piscar de olhos. Não o óbvio, mas as entrelinhas que tanto deixamos para que algum sortudo (Ou decifrador, programador, psicopata, etc) saiba que temos mais conteúdo que a superfície rasa.

Poucas pessoas com quem conversei sobre RPG conhecia o cenário de Mago - a Ascensão - ou Changeling - O Sonhar. Parecia que o Mundo das Trevas da White Wolf era reduzido a Vampiro - a Máscara - e Lobisomem - o Apocalipse. Wraith - the Oblivion? Sequer foi traduzido pela Editora Devir (Detentora dos direitos de tradução e copiões de todos os suplementos que existem do Mundo das Trevas) e dificilmente acharia algum jogador de Múmia - a Ressurreição.

Pois então deparo-me com essa formosa figura que se interessa imensamente pelo cenário de Changeling - o Sonhar - e de ter a mesma sintonia de contos/mini aventuras e cenas sobre o mundinho encantado das fadinhas do Mundo das Trevas. Antes eu só escrevia para mim mesma (Ou tentava persuadir alguém para conhecer esses cenários diferentes da WW), mas devido a linda inspiração vinda da formosa figura, estou cá eu iniciando um Projeto de longo prazo para o Mundo das Trevas. Todo ele se der.

A premissa veio de dois sonhos (As usual, os meus sonhos malucos e com detalhes me fornecem mais idéias para escrita do que qualquer outra coisa) sobre caçadores de relíquias, alguém totalmente clueless do que se passa naquele lugar e monstros do tamanho de ônibus, torneios de pretendentes em Corte Nobre de Sidhes,  lobisomens amantes de sátiros e quimeras, lots of quimeras.

O interessante de mexer com esse Universo todo do Mundo das Trevas é que alguns lores se misturam devagar na massa literária, e realmente minha intenção é explorar o máximo possível de crossovers entre os cenários. Enquanto os contos vão sendo produzidos, deixo algumas coisinhas por aqui para possíveis deliberações posteriores.