Pesquisando

Mostrando postagens com marcador conceito de imersão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador conceito de imersão. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de julho de 2012

Diablo 3 - Considerações sobre o Ato I.


Okay, eu me rendo. Me deixei levar pelas emoções ontem e passei boa parte da madrugada fungando por essa cena pro Ato II de Diablo 3.



TL;DR se você não se interessar por coisas fangirlísticas de Diablo 3, pule essa postagem. Se sim, pode até estar interessado(a) por uma confissão de adolescente gamer sobre o jogo,continue, sente-se e escute um bocadim...

Quem me apresentou o Universo Santuário foi o incrível Arkakan com o Diablo 2 para PC - joguei uma vez para Playstation e blergh! - e me senti devidamente explorada intelectualmente no jogo. #1 porque era todo em inglês, sem tradução, #2 porque mesmo nos diálogos era um bocado difícil de compreender só ouvindo. Uma tradução de fã não oficial com erros terríveis de ortografia (Não costumo reclamar, mas era hilário ler as traduções à la programas de tradução simultânea) me serviu como base para certas situações.
(Nota: A parte de Kurast Docks, ato 3? JAMAIS ENTENDEREI!)

Não sei ao certo ano, mas lembro do primo Ark ir para a escola e eu voltar tremendo canelinhas para jogar com meu Necromancer nada perfeito no Ato I no Rogue Encampment. Sim, tremer, porque minha fobia por zumbis era tanta que ouvir os mobs de low level chegando e gemendo lamuriosamente era fonte pra ter pesadelos de noite.

E era lindo, tudo lindo! Os gráficos avançados para um top de linha Pentium 4, os efeitos sonoros, a trilha? Eu só sabia colocar a trilha no último volume e deixar o restante bem baixinho para não perder a misticidade da música lúgubre de Diablo 2. Você clicava e matava! OMG! Clicava com botão contrário e saía magia! E keybinds? Gente, colocar magias e itens nas barrinhas e numerá-las e poder usar quando apertasse o tal botão/número? Isso pra mim foi a revolução...

domingo, 15 de janeiro de 2012

Processo de Imersão Nada Amigável

[originalmente postado em 09/07/11 12:59]
imersão (i-mer-são)
s. f.
Ação de mergulhar um corpo em um líquido; resultado dessa ação: a imersão de um submarino.
Astronomia. Entrada de um astro na sombra de outro.


imersão. [Do lat. immersione.] S. f. 1. Ato de imergir (-se); imergência. 2. Astr. Fase inicial de um eclipse.

Isso foi do Aurélio catatau cheio de página edição de 1972 velhaco pra baraleo.

E tem outras definições complicadas para o conceito de imersão, o que inclui a versão religiosa (batismo em águas), lingüístico (Aprendizado de idiomas através de imersão), literário (cibernarrativas como a fanfiction te obriga a fazer imersão sem querer) e teatral (que realmente ainda não compreendi o conceito, mas sinto isso toda vez que preciso escrever fanfiction).

A briga toda com essa última definição que não tenho aparato teórico para explicar é o que mais me incomoda quando volto a escrever uma história que está paradinha por um tempo,a imersão dos personagens não estão lá, eu preciso recriar todo o processo para voltar a “vestir” as personagens. Acontece que isso não acontece comigo faz tempo. Faço o possível para me imergir dessa coisa toda e ver a história como leitor e não como quem escreve (Isso é ótimo às vezes, dá pra ver mais erros/furos de narrativas que o normal, mas te desprende completamente do cenário depois de um tempo.)

Como o Twitter é o SAC da vida e também um antro de discórdia vil e perigoso, me vem a @cleoamachado escrever algo sobre Lothlórien e uma suposta mudança de chefia no local. Eu brinquei que não havia votado na última eleição e onde poderia justificar. E isso desenrolou em uma imersão imediata na personagem da Haryel (De muuuuuito tempo atrás que apareceu pouco por aqui, mas que me definiu como blogueira lalala) que começou a proclamar sobre Política na Terra-média. Okay, isso foi em menos de alguns segundos e já estava a falar com o monitor que o sistema carcerário de Mandos era falho e digitando apressadamente no Twitter que deveriam instalar logo uma CPI contra Irmo pelos maus tratos eternos em Valinor e sua conduta Inexorável com os Noldor.

Por pouco não incitei outra rebelião imaginária em minha cabeça que só terminava com a cabeça de Irmo (Ele tem cabeça? É tangível?) fincada numa estaca e passando as chaves do Palácio de Mandos para a irmã mais nova dele, Nienna. Isso em meros segundos fui reduzida a uma elvish raaaaage testemunhadas por ninguém. Graças a Eru, mas foi assustador.

A imersão é isso? Eu imagino. Você estar tão ligada a um personagem que acaba comprando briga pelo partido dela. Agora sei como os fanáticos religiosos se sentem, e os torcedores de futebol e os jogadores de WoW mais aficionados a lutarem com unhas e dentes pela Facção que pertence. E é estranho porque a Sorena, a personagem que deveria personificar isso tudo não está nem aí pra quem tá brigando ou não. Acabou caindo na Haryel (Como sempre obsessiva-compulsiva em honrar o nome da família fictícia) essa parte da imersão teatral.
Continua sendo assustador.

Eu queria ter mais disso com a Sorena, ou até mesmo com a Tia Anna Danwells Doida de Pedra Rowan, mas a @cleoamachado me proibiu de ir de Cosplay no último HP7 parte2 (Motivos ela tem de sobra, o que inclui a minha idade mental vs minha idade biológica). Medidas drásticas? Nem vou na estréia, nem espero ver o filme. Se não é para imergir na minha personagem favorita de todos os tempos, não vou me deixar ir. E tem DVD daqui há 3 meses e tem na internet 1 dia depois. Pra quê sofrer antecipadamente?!

Agora vou remoer porque perdi essa vontade de imersão em personagens… Eu seria uma péssima atriz… Vivendo sempre na sombra da única personagem em que conseguiu imergir totalmente. Crap.
Oh oh eu consigo imergir na Jojo Ulhoa às vezes, mas isso é biograficamente discutível.

Esse é um post patrocinado pelo Desabafo e o Nonsense. Realidades Alternativas também nos apóia incondicionalmente. (E acabo de perceber que escrevo muito sobre mim com pronome da 1ª pessoa do plural.)