Pesquisando

Mostrando postagens com marcador dia de são patrício. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dia de são patrício. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 18 de março de 2013

De boa na Lagoa - meu St. Paddy 2013

Dia 17 de março para mim é quase tão sagrado quanto dia 31 de outubro. Não por serem feriados internacionais, mas por estarem ligados a práticas de muuuuuuito tempo atrás, bem além do meu entendimento.

Dia de São Patrício é como Natal para mim, dia de ficar feliz, usar verde e espalhar boas vibrações para quem quiser recebê-las. Todo o Universo pode ser uma caquinha, mas não no dia do maior feriado irlandês. Como postei anteriormente, há os que discordam da adoção desse feriado por conta da ligação com o santo católico que representa a Irlanda. Haters gonna hate, mas para alguém que crê por tabela em um universo mágico e invisível como eu, não ligo se for no mesmo dia em que o cara que acabou com o paganismo comemora aniversário/morte. O importante é que essa data está há séculos na pauta e juntamente nesse dia que coisas boas acontecem, perder isso por conta de anti-feriadismos é besteira.

Lots of glamour, lots of them...

Dia de São Patrício

Soooooo, segunda-feira, dia do hangover do St. Paddy's Day. Se você é ou foi um truly Irish, irá entender como ocorre esse evento lindo.

Fontes históricas dizem que o Santo chamado Patrício, nasceu nesse mesmo dia ou morreu no mesmo dia - 17 de março - em algum lugar da Bretanha (Não, ele não era irlandês, pasmem!). Em suas andanças de menino fagueiro, ele foi capturado por bárbaros (???) e foi vendido como escravo no Eire por 6 anos. Okay, aí já sabemos que pode haver um enredo de vingança e mágoas, mas ao invés disso, o "pobre" garoto (Vamos frisar isso, porque a família dele era bem abastada na época) fugiu do "cativeiro" e voltou para casa. A decisão tomada foi: entrar pra Igreja Católica Romana e virar padre.

Talvez o primeiro a usar o mote: "Se nada der certo: Viro padre/freira". Well done, Patrick!

Como todos sabem, há o que se desconfiar de católicos e suas boas intenções em outros continentes. Esse Patrício aqui fez algo singularmente legal para a época: ensinou muita gente a ler. Sim, foi a Bíblia, sim, foi de acordo com os preceitos fechados da Igreja, mas já é um começo para algo maior. Em sua peregrinação durante seu serviço como pregador da Palavra, ele passou por muitos povoados distintos do Norte ao Sul da Irlanda e deixando um bocado de seu conhecimento, assim como se comunicava nos dialetos das regiões com as tribos celtas da época sem chiar de não poder falar em latim. O que pode parecer tramóia de dominação lenta e massiva religiosa, se tornou uma lenda, já que nessas andanças aconteceu o milagre a ele atribuído.