Pesquisando

Mostrando postagens com marcador escorregadios. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador escorregadios. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 13 de março de 2017

[rosenrot: o colégio carmim] pequenos fatos

[esses são alguns rascunhos na fila sobre o meu cenário de RPG para Mundo das Trevas Clássico - Rosenrot: o colégio carmim. Tava ativo entre 2003 a 2006, mas acabei não escrevendo mais. Peguei alguns contos que já tava na cachola e coloquei alguns elementos do cenário. É praticamente ressuscitar plot já morto *no pun intented*]

É uma cadeira simples, madeira, escurecida pelo tempo e pelo o que seja que já passou por ela. Disseram que seria indolor, duraria por alguns segundos. 
Pareceu uma eternidade.


Os gritos estridentes, o ruído da tempestade, os grilhões, o calor escaldante, a areia. 
Areia em tudo quanto é canto. 
E de repente essa memória que me persegue desde criança, uma masmorra escura, fria, congelante, mãos para cima, braços doloridos e esfolados, pés mal tocando o chão, apenas um breve aliviar dos dedões do pé encostando para manter um ponto de apoio. O cheiro é horrível, invade meu nariz e me faz querer vomitar, mas aí percebo que não há comida em minha barriga há muito tempo.

Tudo é quieto e assustador. Estou com medo, muito medo. Tremendo e evitando não gritar para fazer esse silêncio maldito ir embora. A areia está em alguns cantos, mas está ali, cobrindo meus pés, salgando parte do meu corpo, ferindo meus olhos com alguns grãos. O tilintar dos grilhões é de minhas mãos, correntes presas no teto da cela e me pendurando como um pedaço de carne em açougue.
É isso que sou para ele.

A noção de tempo aqui não existe mais e se o inferno cristão é verdade, não poderiam ser mais criativos. Eu sei bem quem é meu captor, quem é meu inimigo particular, meu demônio sangrento que irá me atormentar para resto de minha existência. Até ele morrer de verdade, não terei paz. 

Não quero paz, não aprovo a paz. Se o sangue é a vida, é isso que ele apenas terá. Sangue dos que ama nas suas mãos e nas minhas. Principalmente nas minhas.


Passos no silêncio, arrastados, sem coordenação, não é ele, é um dos outros. Tento desesperadamente puxar os grilhões para fora da armação de correntes no teto, nada além de mais dor e feridas em meus punhos. Preciso sair daqui, preciso sair daqui, preciso...
 - Oh minha criança... Tão aflita e fraca... - a voz me atinge como uma faca de lâmina fria, descendo do peito para meu estômago, vagarosamente. Não é um deles, é pior. Era a minha amada até a desgraça atingir nossa família.

===
A rotina é a mesma aqui em Rosenrot
A escola pode ter ido pro chão uns anos atrás, mas não há nada que os Corvinus não façam pra manter a mamata deles. Desvio, lavagem de dinheiro, sonegação de impostos, falsificação ideológica e de propriedade. Tudo que for para manter o verdadeiro motivo desse lugar funcionar será feito.

Por isso tou aqui. Observando. 
Vendo se está tudo nos conformes, vendo se não quebram as regras. 
Por mais nobre que seja a missão da Irmandade, não quer dizer que não sejam capazes de cometer pecados. A pedra fundamental dessa construção está impregnada de sangue dos inocentes e a corrupção é a opção que temos.
Minima de malis.

Pelo menos mantemos essas aberrações longe do convívio dos inocentes. 
Aquele moleque do terceiro ano, por exemplo. Vai virar um psicopata com aquele fetiche de ficar seguindo os professores. E aquela turminha que acha que não sei que usam o banheiro em reforma pra fumar? Todos uns delinquentes que se saírem daqui vão causar muito estrago lá fora. As novas aquisições também não estão sendo as melhores, muito pirralho do interior, cheio de manias esquisitas, se comportando como animais nos intervalos e antes de irem pra cama. Vi um deles com outro no portão dos fundos fazendo você sabe o quê. 
Não tem noção alguma de decência.

A maioria não comparece a missa de domingo, não respeita o Evangelho, não dá a mínima pra palavra do Senhor. Todos condenados. E essa Irmandade também é. 

Última vez que tentaram invadir o prédio pra pegar um dos guris do interior na porrada (algo a ver com ter mordido o traseiro de algum traficante aí), o povo da biblioteca botou eles pra correr. Aí que os boatos começaram.
E boatos aqui não costumam ser meras fofocas.

sábado, 19 de novembro de 2016

[os escorregadios] in manus dominum

Título: in manus dominum (por BRMorgan)
Cenário: Original - os escorregadios.
Classificação: PG-13.
Tamanho:  palavras.
Status: Incompleta - 1/?
Disclaimer: A escrita de EngeL começou há muito tempo atrás e como um elemento de ligação fez a união entre os cenários (a Morte de Triciclo), resolvi juntar tudo no masterpost de Feéricos [x]. EngeL agora foi rebatizado de Os Escorregadios. Quem acompanha o que escrevo sobre Feéricos vai ver algumas alusões aqui. Sim, é de propósito lol
Personagens: Morgenstern, Micaela, Catherina "estrangeira pintora", Abraham "Bram-bram", enfermeira Carlson, enfermeira Woöls, zeladora Todd



“Just one medicated peaceful moment.” : A Perfect Circle – Orestes.


CAPITULO 1 – “IN MANUS DOMINUM”


Parte 1: O Hospital.


A Metrópole era uma cidade de negócios, o maior aeroporto da região. Linda cidade. Separada por dois rios que subiam e entravam na cidade. Em outros tempos, aqueles rios eram limpos e cristalinos, aproveitados pelos habitantes locais com suas choupanas, seus sonhos simples, seu cultivo de grãos para sobreviver. Não havia prédios altos e antenas de tv. Nem barulho de carros e fumaça das fábricas de automóveis. Era tudo quieto e passarinhos voavam por aí.
- Assim como eu... – disse Micaela, a paciente nº 416 perto da janela blindada e com grades de ferro em seu quarto.
- Micaela, saia dessa janela, por favor? – ela nem ouviu a enfermeira do centro psiquiátrico – Da última vez não foi uma boa você ficar aí até mais tarde lembra? – a paciente jovem (Aparentava ter quase 21 anos) virou na cama de limpos lençóis e murmurou algo para si. – Vamos querida... Hora do chá... – disse a enfermeira com um sorriso cansado, tão cansado por estar trabalhando quase 20 horas ali que mal pensava que teria que enfrentar mais duas horas de trem para ir para casa cuidar de seus dois filhos homens e aguentar mais uma noite com o marido insensível.

No corredor da ala feminina, ela passou por alguém que insistentemente desenhava nas paredes, era a estrangeira que ninguém conseguia pronunciar o nome. Era de origem russa e tinha pouca paciência com quem a atrapalhasse em seu trabalho. Para precaver que a adolescente muda não rabiscasse por todo lugar, instruíram uma enfermeira para vigiá-la e lhe dar boas levas de papel para que ela desenhasse sem prejudicar a tinta do recinto. Em seu quarto, era coberto com papel de parede especial (E que eram seus pais que pagavam por qualquer dano que ela causasse ali) que era retirado frequentemente quando ela completava todas as quatro paredes até a altura que sua mão alcançava.

- Cat-cathy... Aqui... – disse a enfermeira que cuidava dela, dando um pote de giz de cera. A menina pegou com um rápido gesto da mão e voltou ao seu trabalho, a enfermeira observou ela fazer um circulo perfeito para pintar o Sol de laranja. Abaixo dele havia um gramado verde cheio de flores de diversas cores, uma árvore solitária em um morrinho perto de dois rios que se encontravam no final do papel.

Ao seu lado estava a mulher aficionada por música. Sabia de toda programação de cabo a rabo, mudava as estações com cuidado e informava as horas das notícias e músicas favoritas às enfermeiras. Seu nome era apenas Mo, ninguém a visitava nos feriados e muitas enfermeiras mal percebiam na presença da menina grudada no rádio de pilha laranja que ganhara de alguém que não se lembravam. Mo era quieta e sorria muito para os outros, gostava tanto de ouvir música que ficava horas com o rádio na orelha direita e cantarolando as músicas baixinho enquanto movia a cabeça no ritmo da música. Nas sessões de recreamento, ela apreciava ficar perto do piano velho que nem usavam na sala. Ficava olhando o velho instrumento como se esperasse que ele tocasse para ela, mas nada acontecia e ela não fazia exercícios como as outras, apenas sentava e observava o piano intocado.
- Enfermeira Carlson... – ela disse baixinho para a enfermeira que cuidava da estrangeira. – Vai começar o programa do Jëss na TWD, 97,9. – a enfermeira agradeceu e ligou o radinho da sala de enfermeiras para as colegas de trabalho escutarem, todas adoravam a voz sensual do locutor e como ele mandava abraços e beijos e declarações de casais apaixonados para os ouvintes. A estrangeira chiou algo em sua língua natal e olhou irritada para a sala das enfermeiras. Mo sorriu para a garota e apontou para o céu que ela desenhava em outra folha. – Bonito... Céu amarelo... Como se o Sol estivesse, ahn... iluminando tudo...? – tentou começar uma conversa, mas a estrangeira voltou a desenhar sem dar-lhe ouvidos. Voltou sua atenção a outra estação que gostava de ouvir, era a 107,1 que era o canal de notícias.
- Micaela, saia dessa janela já! – gritou outra enfermeira já correndo para aparar a jovem paciente 416 que abria a janela pesada e olhava para baixo como se quisesse pular.
- Por Deus!!! – disse a chefe das enfermeiras e fechou a pesada janela com a ajuda de uma enfermeira bem forte, seu nome era Zildi e ela era um doce de pessoa, tratava todos como seus amigos e dava balinhas macias para as meninas mais novas. 
- Mas eu preciso aprender a voar, enfermeira Woöls... – disse a garota inocentemente.
- Que voar o quê? – disse a mulher indignada pelo susto. – Coloquem ela no quarto separado... Só sairá para o banho, Micaela...
E todas ali ficaram caladas. Todo mundo sabia o que significava ficar no quarto separado.


Parte 2.

Hora do banho. Eram grupos de 5 em 5, pois as 2 enfermeiras encarregadas vigiavam as pacientes nos banhos. Os boxes de banho eram abertos na frente, mas separados por divisórias de acrílico temperado. Mo sentia vergonha por tomar banho vigiada, mas sabia que as mulheres ali não tinham receio nenhum, todo cuidado era pouco, já que na última terça, a viciada conseguiu fugir do banho e sair pelada pelo corredor. Houve só uma vez em que Mo se sentiu inteiramente enojada e medrosa, quando uma das enfermeiras da noite, vigiou todas as meninas sozinha. Como era alguém de olhar frio e dominador, ninguém se atreveu a fazer nada errado para não sofrer conseqüências. A enfermeira era bem perfeccionista e chamava atenção de quem estivesse fazendo algo fora do comum (mas era só um banho, oras! Pensou Mo depois.). 

A estrangeira foi a que sofreu mais, pouco entendia o idioma e pouco se interessava como a enfermeira falava para ela fazer. Mo soube depois que a estrangeira foi para o quarto separado, mas desta vez foi à noite. Melhor seria não perguntar, tomou seu banho de uma vez, lavou os cabelos curtos quase rentes ao cocuruto com destreza e saiu se enxugando.
- Muito bem, Mo... – disse Carlson com um sorriso, aparando a estrangeira de pular a parte de se secar e depois pentear os cabelos. Mo viu Micaela entrar com alguns tremeliques característicos de uma sessão. Deu um breve aceno para a garota e não recebeu nada em resposta. Ficou ao lado dela.
- Micaela... Empresta seu creme de cabelo...? – ela pediu apenas para puxar conversa. A garota mais velha deu o pote pequeno com as mãos tremendo. Apontou para o pente e Mo entendeu, a ruiva começou a passar o pente disfarçando com um ar de despreocupada. – Amanhã terá o jogo de perguntas na 92,8. Nós poderíamos tentar a sorte, não? – Micaela virou para Mo e murmurou perto dela.
- Eles tentaram arrancar minhas asas...
- Eles quem...?
- Aqueles... aqueles seres malditos... – dizia a garota baixinho. – Invejam a gente por termos asas... Eles não têm mais asas e nem sabem como voar... Quando eu voltar a voar aí eles irão ver como é que...
- Meninas, se apressem! O jantar está esfriando! – disse outra enfermeira. A expressão de Micaela mudou e ela agarrou o pente de Mo com ferocidade e a empurrou para longe, o chão escorregadio fez Mo desequilibrar e cair de costas no chão frio, sua cabeça quicou várias vezes no chão e ela sentiu que algo quente estava escorrendo em seu pescoço. Grande alvoroço aconteceu minutos depois, Micaela gritava sem parar que haviam tentado cortar suas asas, que não a deixavam em paz porque ela era um anjo escolhido por Deus.

Mo não ouviu a gritaria, desmaiara no chão e ganhou um corte perto da orelha.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

[os escorregadios] apegos e afetos

Título: Apegos e afetos (por BRMorgan)
Cenário: Original - Projeto Feéricos.
Classificação: PG-13.
Tamanho: 2.985 palavras.
Status: Completa.
Disclaimer: Esse conto faz parte de algum rascunho perdido meu do Projeto Feéricos que vocês podem ver os pedaços sendo costurados aqui nesse post [x]
Personagens: Raine (aqui chamada de Myrna Reyners), Kristevá Todd



O afeto não era de agora, o conforto de ter um corpo tão perto do seu era familiar, como se aquele momento ali já houvesse disso escrito em algum lugar. Acariciou de leve os cabelos revoltos da pessoa a sua frente, esparramada no sofá maior, ressonando a respiração calma e pausada de sempre. Se acostumara a ouvir esse ritmo desde muito tempo, quando a vira pela primeira vez, dormindo como pedra dentro do vagão de metrô do Arges. O rosto havia mudado muito, a aura tão caótica e confusa também, uma criança domesticada com remédios, tratamentos psiquiátricos, rasurada e esquecida em algum quarto daquele maldito lugar que sugava os sonhos de quem entrava.

Como deixara isso acontecer?

Ela, ou ele, não sabia como denominar mais com quem lidava ali a sua frente, não parecia ser daquela época, alguém deslocado do tempo-espaço, colocado em um corpo que às vezes mostrava que não encaixava na normalidade. Muito confuso para a lógica tradicional de Raine.

Em seus lindos anos em Hibernia, Raine achava que sua vida fútil e cheia de caprichos na Corte a deixariam anestesiada quanto as frivolidades emotivas das donzelas medievais. Acostumada a fugir de qualquer aspecto romântico de sua vida - coisa essa inventada por malvados deuses desordeiros para atrapalhar a vida dos seres vivos - se refugiava solitária nas florestas densas de sua terra Natal ou em incursões nas cavernas de gelo abaixo da grande costa congelada no litoral das terras afastadas do Clã do Profundo Inverno. Estar sozinha era a opção mais acertada em sua vida milenar, e também a mais divertida. Trocar essa sensação de liberdade - o espírito livre de uma folha que se solta da árvore mais frondosa e segue um rumo sem destino - era uma heresia em sua conduta pessoal de viver no mundo dos humanos. Não trocaria isso por nada e nem ninguém.

Até ver que não era necessário trocar sua ética a favor de algo ou alguém. Era apenas se deixar sentir.

Os companheiros de caçada entendiam seu lado aventureiro, sua veia estratégica, sua liderança nata, mas não compreendiam que debaixo das camadas que acobertara pra si residia aquela menininha feérica que adorava ouvir música dos menestréis e apreciar o nascer do sol. O de respirar fundo a atmosfera em uma lua cheia, corpo aquecido por uma fogueira tímida e um jarro de vinho. O dançar sozinha debaixo da torrencial que assolava as divisões entre os reinos sei e o deles.

Kittie sorriu rápido em seu sonho pesado, isso distraiu seu pensamento dos tempos de outrora. Às vezes isso acontecia quando Raine estava por perto, mesmo quando acordada. Prince havia advertido como Kittie a observava quando ninguém prestava atenção, como isso era corriqueiro, pois ninguém se importava com pessoa esquisita que acordava todos os dias em um banco dos fundos do hotel sem saber como chegara ali. Depois foi Angie, explicando que a vida era uma imensa balança de pesos diferentes. E que a paz no sono de Kittie era o pior dos pesadelos no mundo real. Óbvio que entender o que a menina eshu falava era perda de tempo: Angie nunca entregava informações sem haver uma negociação de valores (No caso dela: comida).

Seus dedos caminharam cautelosos pelos cabelos revoltosos, impregnados com grãos de areia da última aventura, rosto não mais transparecendo a dor interna. Kittie parecia ser mais feliz dormindo e sonhando. E isso deixava Raine particularmente infeliz.

Pois se era nos sonhos que Kittie encontrava paz, era exatamente lá que Raine não queria mais habitar. Estar no Sonhar era se sujeitar as regras esquisitas da Corte, das ordens dos elderes, de ter que fazer seu papel odioso de futura monarca mais importante de todo mundo feérico. De ser quem as pessoas queriam que ela fosse, não quem ela realmente era.

Mas Kittie era feliz dormindo. Único lugar de paz e segurança. Com o que ela sonhava, Raine já sabia de cor, mas viver uma ilusão permanente é mais doloroso que acordar para uma vida de sofrimento.

- Eu gostaria de te livrar dessa dor...

terça-feira, 6 de setembro de 2016

[conto com angie] os escorregadios - prelúdio


Créditos: http://www.openbooktoronto.com/events/diaspora_dialogues_presents_short_history_change

O pesado livro em uma mão, a caneca cheia de vinho na outra.

"Heresia!!" diriam seus ancestrais, por estar bebendo perto de conteúdo tão antigo e sagrado, mas do jeito que se encontrava na cadeira de madeira que aquela biblioteca reservava para pesquisadores, a admoestação dos antigos não surtiria tanto efeito. Melhor estar confortável com o gosto de vinho barato e o metálico de 2 balas dentro de seu sistema digestório que obedecer velhas regras.

O rosto com hematomas na linha do queixo e subindo pela bochecha, enfeitado por uma breve cor esverdeada da lenta circulação sanguínea comum de seu corpo semi-morto, a camiseta branca que usava como uma armadura empapada de manchas de sangue, sujeira e estilhaços. Remendos feitos à mão em um torso machucado pela pólvora e a tempestade. Os pulmões voltaram a funcionar lentamente após tossir parte do tecido queimado pelo tiro certeiro em uma cavidade vazia.

A mão do vinho virou uma página em pressa de ler a próxima frase, os hieróglifos indecifráveis para sua cultura (e quantas tinha!), mas que de alguma forma faziam sentido. Ali deveria conter algum sentido para o que passava, a angústia de viver sem respostas, a dor de estar entre os vivos, mas se sentir menos viva que aqueles que se diziam mortos.

Era uma linha tênue que constantemente não se aplicava ao seu estado atual.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

[contos] a moeda, a balança e a foice

[escorregadios - a moeda, a balança e a foice] por: @_brmorgan.
Cenário: Múmia - a Ressurreição (Mundo das Trevas).
Classificação: 16 anos (morte, distorção de convenções morais, violência)
Resumo: O primeiro alarme foi dado, sutil, com um leve vibrar, logo as marcas na areia, a presença esmagadora, o silêncio, a sombra escurecendo cada pedaço daquele local, a foice, o manto, o corte, o peso, a pena, o coração, o julgamento, tudo em poucos segundos.

Trilha sonora para esse capítulo:



O clube estava lotado, som reverberando em todas as superfícies, giros de feixes de luz, incontroláveis no pulsar da música de baixo grave, a voz arrastada do vocalista levava a melodia, a pista, corredores e bar cheio de gente espremida, cada um em um universo individual de prazer momentâneo e simultâneo.

O som do tiro não foi ouvido, ou o baque do corpo esvaindo de vida. Os passos apressados, a corrida em fuga pelo delito maior, a respiração fraca de quem deixava a paz da eterna amiga encontrar seu semblante.

Morrer não era novidade para um escorregadio. Eles costumavam levantar dos mortos como se nada tivesse acontecido e faziam o que tinham que fazer. A poça de sangue e fluidos manchava agora o tapete caro da gerência. A arma usada caída ali perto, única testemunha da atrocidade feita. Um único tiro no meio do peito, furando um pulmão em poucos segundos inundando vias aéreas e cobrindo órgãos internos com a viscosa substância que ditava a vida e a morte de qualquer ser no universo.
Ninguém ouvira ou sabia o que acontecera e pelo jeito como a noite estava agitada lá fora daquele escritório, as chances de se encontrarem o cadáver frio ali era mínima até o dia seguinte na manutenção.

O cano da arma ainda se encontrava quente, cartucho da bala perdida em algum lugar do espaço, gelado pressentimento de que se mexesse seria esforço demais. E nas atuais condições não poderia arriscar. Deixou o morno virar frio, coagulado, podre, ter a certeza de que sua vida escapulia de sua percepção aguçada era comum. E quando não era?

Olhos sem vida que agora enxergavam o infinito das areias de Duat. Não acreditava mais nessas baboseiras egípcias de "vida após a morte" - apenas se incomodava por não poder entrar no portão da cidade bonita. Gostava de olhá-la de longe, quando ainda era pequena, escondida entre o céu e o Mar cristalino de onde morava, entre um passeio e outro na neblina. A cidade bonita estava ali, sempre a esperar, com seus habitantes silenciosos e o porteiro sombrio.

A tempestade nunca a deixava entrar. A tempestade sempre estava em seu caminho entre o corpo caído ao chão, quase transparente por não ser visível ou palpável para sua alma (alma, sério isso? Os cristãos estavam certos?) alcançar. As alternativas era juntar o que tivesse por perto, socar uma alma perdida qualquer e conseguir a restauração do corpo físico que precisava. Às vezes demorava quando era algo sério (aquela vez do 9° andar e as lâminas afiadas de um sanguessuga foram as mais demoradas. As outras, essas não lembrava mais), mas nesse caso era apenas saber a palavra certa, a entoação certa, e pronto. Novinha em folha.

Bala no pulmão, certo. Estudara fisiologia como doida na faculdade, sabia que calibre de 9mm causava ferimento fundo, mas não deixava bala atravessar. O ruído ensurdecedor da tempestade, logo ali perto dela, não atrapalhava sua concentração, fechou os olhos por um momento e tentou visualizar todo seu sistema respiratório, a bala estava entre a pele e o tecido grosso da jaqueta, o tiro fora perto para obrigar o projétil cortar carne, tecido, músculo. Ótimo, menos tempo de espera.

Ao abrir os olhos viu o que costumava acontecer quando um dos seus - os escorregadios - aparecia perto da tempestade. Algum bicho-papão espreitava o corpo físico lá do outro lado para arrastar para dentro do turbilhão de areia, vento, destroços e almas (sério mesmo que esse papo metafísico era realidade? Ainda não conseguia entender como aquela coisa de juízo final, Apocalipse e inferno e paraíso poderiam se concretizar naquele lugar). A oportunidade estava bem perto, a criatura desengonçada, humanoide, disforme e contorcida em seu próprio sofrimento primitivo farejava a carcaça deixada lá do outro lado do véu, mais um pouquinho e teria a chance de...

- Puta que pariu, que merda que cê fez pirralho???? - ouviu a voz estridente do outro lado e conhecia a droga da voz. - Cê matou ela!!!!
- E-eu n-não sabia que...  Ela chegou cobrando a moeda do Bispo!! E a ordem é não...
- Foda-se o Bispo, cê sabe com quem cê mexeu, seu merdinha?! Quando essa porta levantar vai vir direto no teu pescoço!! No nosso pescoço!!
- Foi mal chefia, eu não sabia!!! Atirei porque ninguém chega perto das relíquias do Bispo sem levar chumbo!!
- Merdamerdamerda!! A gente tem que se desfazer dessa coisa antes que...
- Alguém pode me dizer a demora pra pegar uma simples moeda? - essa voz também conhecia e sorriu para si mesma ali atrás do véu. Daria tempo para pegar carona com a criatura, roubar a moeda, recuperar o corpo, mamão com açúcar. - Ah não... Não-não-não-não.... Vocês não fizeram isso...
- Foi culpa dele!! Esse idiota atirou!
- Eu não sabia, porra!! Ela tava com a mão nas coisas do Bispo!! - um grito histérico anunciou o fim da desculpa que o rapazinho de mãos trêmulas e alto por cocaína estava tentando dar.

A criatura disforme tentava vasculhar seu corpo pelo coração, não acharia nenhum nem que se pedisse muito, já o segundo corpo decomposto e coberto de raízes sufocantes chamou sua atenção, a distraindo do verdadeiro banquete. Essa era a hora. Retirou de dentro da boca, puxando lentamente o cordão dourado de grilhões antigos alojado em algum lugar na garganta, um souvenir que aprendera usar para casos como aquele. Quando terminou de regurgitar a ferramenta, enlaçou no pé do cadáver recém chegado, e com um puxão bem dado levantou a "alma" do pobre coitado. O garoto de menos de 20 anos levantou num susto, cuspindo areia e gritando tão alto que o ruído da tempestade não sufocou o eco. Era sempre assim quando um novato chegava. A criatura grunhiu de prazer, um novato era mais apetitoso que uma alma antiga como ela, esperou a isca se recompor e deixou que a criatura pulasse em suas costas para parasita-la como sempre faziam.

A garra aprontava adentrar no peito do jovem morto, o coração seu destino, o tesouro mais cobiçado naquela terra maldita do Além. O primeiro alarme foi dado, sutil, com um leve vibrar, logo as marcas na areia, a presença esmagadora, o silêncio, a sombra escurecendo cada pedaço daquele local, a foice, o manto, o corte, o peso, a pena, o coração, o julgamento, tudo em poucos segundos. A criatura disforme da Dja-ahk foi ceifada de sua existência, deixando para trás um pedaço daquilo que fora anteriormente, um pequeno frasco prateado de relíquia que nas mãos certas (as suas) seria de grande valia para retornar sem ter que passar pela balança.

O seu duplo tenebroso, uma versão pálida e ossuda com mesma aparência surgiu por trás daquele que nem deveria dirigir o olhar. O Porteiro sempre olhava de cima para baixo, e nesse caso seus olhos pousaram no frasco, no duplo, na balança em sua mão. Eram duas opções, deixar o maldito fazer a pesagem ou pegar o frasco e barganhar. Como era péssima nesse tipo de negociação, fez o que sua mente afiada mandava, jogou o frasco na direção do duplo, atraindo a atenção do julgamento para ele (Por todos os deuses profanos, essa era a sua parte ruim? Sua triste existência enjaulada em um ritual macabro dos antigos para viver e reviver para todo o sempre? Era mesmo aquela coisa ali, sem motivação, poder, felicidade, amor? Como poderiam deixar que...).

 - A moeda, Kittie... - murmurou alguém em seu ouvido. E era tão cristalino que pensou por um segundo que estava sonhando com tudo aquilo. Um horrível pesadelo que parecia não ter fim. O porteiro levantou a foice e a balança simultâneamente, indo em direção de seu duplo, a Sombra que todos os escorregadios temiam que controlasse finalmente suas consciências. O ceifador era o Guardião de todas as almas, mas com os duplos Ele era implacável. A mão da balança pesava o coração e a pena, e a garota que fugiu de seu próprio funeral não tinha coração algum para ofertar ao Porteiro.

Os segundos entre o movimento da balança e da foice foram longos, uma ideia veio de muito muito longe, algo de alguma vida anterior a qualquer uma de suas vidas, com o cordão dourado se atreveu a fazer um delito (Já estava sendo punida por tantas coisas que esquecera mesmo o que mais poderia ser danada nesse circo de horrores do Além-túmulo): laçou um dos braços do Porteiro e esperou que ele derrubasse a balança nas areias, o puxão brusco do cordão atrasou o movimento do corte em seu duplo, e também fez com que o cretino se afastasse como o covarde que era, correndo em direção da onde estava o que realmente queria.

Se bem conhecia a si mesma, o seu maior medo era de ser pega pelos monstros de sua imaginação, aquele ser majestoso e sombrio em sua presença era um deles, povoando seus sonhos desde pequena e cercando sua cama no Hospital onde se encontrava em coma há anos. O Ceifador aguardava sua nova aquisição nas tropas, mas ela, oh não, ela não se deixaria levar. Não quando sabia o que o Destino reservara para sua pessoa.

Enquanto o seu duplo se perdia nas areias, o Ceifador notou o deslize, a traição, o delito. A balança em sua mão não caíra, a foice na outra estava mais firme. O silencioso carrasco deu dois passos em sua direção e com um leve bufar quente de seu focinho canino, ele a pegou pelo pescoço e a içou até ficar na altura de seus olhos impiedosos. Não havia como escapar do Julgamento. Não mais.

Esta seria uma boa hora para o timing perfeito da velha bruxa. Se ela realmente sabia o que estava acontecendo ali embaixo, por que não agir logo?

A não ser que ela havia desistido da moeda.
A não ser que ela havia desistido do pacto.
A não ser que aquela impressão estúpida de que finalmente encontrara alguém que pudesse se abrir era apenas... ilusão?

A mão da balança agora a esganava, espremendo seja lá o que fosse de sua essência, uma agonia horrenda de se descrever com palavras, uma dor que superava qualquer coisa que seu corpo já sentira, a balança pesaria seu coração que não estava ali. Não havia mais escapatória.

Antes de sucumbir a escuridão, ao silêncio e ao final de sua existência como uma pária entre os escorregadios, ouviu o arfar suave ganhando seus lábios, soprando ar quente para dentro de sua garganta, enchendo seus pulmões, a enganando mais outra vez que a Vida era maior que a Morte, não adiantava o que o ceifador fizesse, era sua sina voltar e voltar e voltar até o final dos tempos. o tilintar de uma moeda pesada de cobre perturbou seu crânio, sua língua seca sentiu o formato do objeto, redondo, em auto-relevo, coberto de uma fina camada de poeira e terra úmida. A moeda estava ali agora, onde jamais deveria ter saído.

Seu duplo tenebroso, acovardado, voltara a ficar atrás do Porteiro. Temendo para o resto de sua existência patética o Julgamento, a balança, a pena e o coração. Babaca: que continuasse ali. Não era de grande serventia em sua vida terrena.

Seu corpo frio e rígido deu uma guinada para frente, em um espasmo brusco, contraindo e relaxando todos os músculos de seu corpo recém acordado para a Vida. Odiava ter que sentir isso. Por que ao morrer era tão sereno, calmo e gostoso? Mas ao se acordar para a Vida era como receber uma injeção de todas as desgraças daquela caixa de Pandora? Havia algo de errado nessa sensação.

Encolhendo em si mesma, cuspiu a moeda de cobre com um salivar excessivo. O gosto metálico perdurava em seu paladar, sua cabeça explodia de dor com as novas sensações de ter todos os nervos e estímulos ao mesmo tempo. A dor do peito era imensa, a obrigando se contorcer para livrar do estiramento de músculos e dar lugar a sua respiração falha. Como odiava voltar.

Mãos quentes seguravam sua cabeça e um corpo delicado se encontrava acima do seu, palavras de poder faziam o restante do caminho de volta. Por que viver era tão difícil?

 - Pela deusa! Pensei que tinha te perdido! - reconheceu a voz novamente, a mesma que a advertira da moeda e sua missão. Um abraço apertado foi ofertado, colocando todos seus ossos no lugar onde pertenciam. O rosto que roçava seu pescoço suado pelo esforço de voltar estava febril, os lábios murmuravam preces e orações para que a proteção fosse feita. Como se precisasse desse tipo de magia em sua vida. O encontro de olhares, o sentimento mútuo de dever cumprido. A missão acabara inesperadamente, mas a parceria parecia estar perdurando. Teve seus cabelos afastados do rosto cansado, pequenas mechas atrás das orelhas, o encostar de testa com a outra, o suspiro de alívio. - Não faça mais isso, por favor... - pediu a velha bruxa (Que não aparentava ser tão velha assim), seus murmúrios agora se tornando soluços de choro incontido.

Abraçou-a de volta para não deixá-la chorar. Era demais para ela ver a velha bruxa chorando. Suas mangas de jaqueta e blusa ensopadas com seu próprio sangue, encolhidas uma na outra, esperando o momento entre o Acordar e o saber que se está sonhando. Um breve beijo em seu rosto. Era a primeira vez que a velha bruxa demonstrava afeição com alguém.

 - Eu disse que ia conseguir... - disse com a voz embargada pela falta de uso por semanas.
 - V-você conseguiu... - a moeda estava ali, depositada ao chão, úmida de saliva.
 - Tente não duvidar... - riu-se de sua falta de humildade. Mas estranhou o porquê de ser abraçada novamente com mais força.
 - Prometa que jamais faremos isso novamente!
 - Não dou garantia alguma de gente atirando pro meu lado, oras... - riu-se novamente e sentiu um nó na garganta subir sem saber o motivo. Não tinha mais o coração, mas tinha outros órgãos para fiscalizar suas emoções. A velha bruxa (Não tão velha na aparência assim) apanhou a moeda cuspida do chão, colocou em suas vestes e se direcionou para a porta de saída do escritório no clube lotado e barulhento.
 - Vamos, vamos para casa... - a mão ofertada para ela levantar foi aceita, suas pernas não falharam como achava que iriam e caminhou lentamente ao lado da talentosa feiticeira. Apenas alguém com um imenso poder e conhecedora da Vida poderia trazer uma morta-viva no cativeiro do Além de volta.

Não sabia se era sortuda ou mais amaldiçoada ainda por desobedecer novamente as Leis que regiam a cidade bonita no meio da tempestade de areia. Apenas sabia que seguir aquela velha bruxa havia sido a coisa mais acertada que fizera em todas suas vidas.


$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });