Pesquisando

Mostrando postagens com marcador fernanda abreu. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fernanda abreu. Mostrar todas as postagens

domingo, 21 de janeiro de 2018

o funkodélico anos 90 ouvindo Fernanda Abreu

Vi um doc bacana no Canal Arte 1 - "Nas Nuvens" - sobre a produção dos primeiros álbuns da cantora carioca Fernanda Abreu e fiquei hipnotizade com a narração do processo criativo do Liminha e da Fernanda nos anos 90. Um mundo antes da Internet e sem leis de copyright sobre samples em música autoral.

Não tem o doc inteiro nas interwebs (Estreou em dezembro do ano passado, logo...), mas abaixo tem um trechinho da conversa dos dois.



Ver o doc me remeteu a muitas lembranças bacanas do começo da adolescência trash, reconhecer o quanto o álbum "Da Lata" fez diferença no gosto musical que fui curiosamente buscar depois. E esse álbum de 1996 foi o 1º CD (compact disc) físico que comprei. Tocava ele em um system da Toshiba com altas caixa de som de madeira que depois consegui juntar mais outras 2 de uma antiga vitrola. Não era dolby surround, mas pô, era a gambiarra de uma criança de 12 anos que amava o baixo das melodias.

Esse conjunto estava no quarto que dividia com minha irmã mais velha (6 anos a mais) e ficou ali até ser movido para a cozinha, já que era nosso maior espaço para fazer coisas.
(Aliás, me fez perceber o quanto as cozinhas mineiras são enooooormes comparadas as daqui de Floripa. A minha antiga costumava ocupar 2/4 da casa e a sala era mínima)

O trabalho que ela desenvolveu foi incrível e valorizo pra caramba a mistureba criativa dela com as ideias mirabolantes de gravações do Liminha. Em uma das passagens, disseram que gravaram as buzinas de "Garota Sangue-Bom" rodando as principais vias com um aqueles gravadores com fitinha, e pedindo pro pessoal ao lado buzinar. Depois iam pro estúdio e emendavam com máquina de sample que nem existia no Brasil, botavam base do baixo no meio, jogavam cavaquinho, batucada de escola de samba (O famoso grupo da época Funk'n'Lata) e batidão funk e plim! Era assim Fernanda Abreu!

Não lembro de alguém fazendo a mesma coisa que ela naquela época (Ed Motta não era a mesma coisa, gente, era música de rico.), com as poucas informações que chegavam na roça onde morava, menos ainda. A MTV era nossa única fonte boa de música estranha, mas que nem a Fernanda? Nope, ninguém ganha de Kátia Flávia.

E era uma mulher cantando, sabe? Isso fez uma diferença total em como fui enxergar a música produzida no Brasil daquela época. Anos 90 tinha muita gente bacana, mas poucas levavam versos para retratar a mulher como poderosa, dona de si e o modo carioquês sem ser sexista. Tá, tem o Fausto Fawcett, mas tira ele da composição e tudo fica feliz.
(E obrigade Wikipedia por informar a data de aniversário dela, virginiana phodaaaaaaaaaaaaaa!!!)

O álbum todo tá aqui, só clicar e ser feliz, ou ouvir pela 1ª vez o que raios era o cenário musical inusitado no Brasil dos anos 90.




E "Jorge de Capadócia" de 1992 né? Oh letra foda! Jorge Ben Jor era um artista que meus pais tocavam até furar o disco na vitrola, ouvir novamente com essa roupagem groove/funk foi aqueles momentos de mindblow. Mãe desenterrou os vinis dentro do armário, tava lá a música original.

Aliás mãe me lembrou que tem umas raridades naquele armário. Tem um ao vivo da Rita Lee que minha irmã insistia em ouvir, e outro do Lulu Santos. Quando o system chegou lá em casa ficou revezando os vinis de antes, o "Da Lata" e "Bridges to Babylon" do Rolling Stones, mas aí esse é assunto para outra postagem :D

Lembrar das letras do álbum sem saber como também me é um mistério. Fui ouvir "Tudo vale a pena" e meu coração bateu bem forte aqui na caixa torácica, a carioquice que tá no sangue, mas pouco praticada, sobe devagar quando ouço os versos "Seus santos são fortes, adoro seu sorriso, Zona Sul ou Zona Norte, seu ritmo é preciso. Tudo vale a pena, sua alma 'não-é' pequena.", parece besteira, mas esse verso cantado é de levantar a alma de gente morta-viva, sabe?
É algo que eu imaginaria a Angie de Feéricos cantarolando dentro do busão para animar geral após um dia inteiro de trabalho ou caçada.

Ps: "É hoje!" vai ser meu tema de formatura, quiriduns! Oh se vai!

(to be continued...)