Pesquisando

Mostrando postagens com marcador inércia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador inércia. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

[bibliotequices] eleições de direção do centro de educação

Essa merece uma repostagem aqui no #minhaVidaDeEscriba porque não posso deixar de registrar a revolta imensa que certo episódio ocorrido ontem no curso de Biblioteconomia trouxe à tona.

Sobre eleições no Centro da Educação (CED):
(Disclaimer: texto meu, apenas meu, de minha autoria, vou colocar um selinho de copyright/whatever, nada de creative commons, porque a tendência atualmente é dizer que o que 1 pessoa fala quer dizer a palavra final sobre o lugar/entidade/instituição que ela pertence. Ah! o texto é cheio de sarcasmo tá? Se ofender, continua a passar o scroll na timeline e a vida segue, não faz diferença)

Aquele textão lindo que ninguém vai ler, mas aaaaaaah eu sei que vai chegar a algum lugar, nem que seja para instigar a curiosidade do colega.

Vamos entender umas coisinhas, de uma forma bem lógica e linear para não haver desentendimentos, más interpretações ou deslizes discursivos dentro de salas de aulas devido a falta de aperfeiçoamento na Ética Profissional.

Quando se há uma eleição, nós estudantes de graduação esperamos que haja... ahn, como se chama? Divulgação de chapas. Sabe esse carnaval épico de cartazes, carro de som, conversas amigáveis nos corredores, jingles, fotos segurando criança no colo e tals? É, é como a nossa alegoria de "espírito democrático" foi estabelecida. Adoramos festas! Pão e circo!

Só que ainda não finalizou o período de inscrições de chapas para a próxima eleição do CED - que aliás a data de votação acontece possivelmente ANTES da greve geral nacional instituída por diversos coletivos, sindicatos de grevistas em todo Brasil. Muito espertinhos, adoro! - logo eu, como estudante de graduação inserida no CED não necessito de ter as aulas interrompidas com o carnavalesco eleitoral com promessas de 10/15 anos atrás que não foram cumpridas e pasmem! Não serão, porque olhem só! Prioridades tão esmurrando na porta como algo chamado: PEC 241 e greve Geral na Educação. Alguém chegou a receber o memorando? Não?

Vamos lá então. O que é a PEC 241 resumidamente? Um pacote de ações que visa cortar gastos na Educação, Saúde e afins (Coisas que políticos não se interessam muito em manter bem estruturadas no nosso país desde... ahn... lembra dum cara chamado Pedro Álvares Cabral? pois é...), que já está atingindo a gente desde 2014, com cortes de verbas para Ensino Superior, Médio e Fundamental. o mais legal dessa PEC é que se for aprovada e colocada como Lei, os próximos 20 anos tão fadados a um sucateamento dessas áreas que citei ali acima.

O que afeta nós aqui na graduação? Com licença, mas vocês tão percebendo bem no ensino de qualidade que estamos recebendo? Estão percebendo que no Departamento os bibliotecários estão minguando? Que o nosso curriculo mesmo tendo sido mudado para abrigar egressos mais competentes para o mercado de trabalho, na verdade não está sendo suficiente para a demanda da sociedade? Já perceberam que a gente não vai se formar bem nesses 4 anos, com noções básicas de como é o mundo lá fora por conta de:
1) falta de estrutura nas salas de aula
2) falta de quadro docente preparado e estruturado para nos dar aula
3) sem verbas para projetos de extensão, estágios na área, sem vivência sobre a nossa profissão

Já perceberam que ao entrar dentro de uma aula, passar 4 horas ouvindo um discurso de repetição de cerca de 11 anos atrás, porque hey! Bibliotecário em produção aqui, neném! É óbvio que vou atrás dos egressos para saber como eram as aulas deles anos atrás. O ruim mesmo, o amargor que sobe na garganta é descobrir que nada mudou, a aula continua a mesma, o ensino de qualidade prometido no curriculo novo só foi enfeitado com mais tecnologia e tá tudo bem. Tá tudo muito bem.

Sorrie e acene que vocês só querem pegar canudo, certo? Que só entraram no curso pra passar pra uma Federal. Que só estão aqui de paraquédas e nem sabem o que querem da vida. Só estão aqui por um tempinho e não fazem diferença pro Departamento. Só começam a ter alguma importância quando passam na pós-graduação, aí sim estrelinha na Scopus, status acadêmico e curriculo Lattes impecável é que vale na maratona de subir. É aí que a ciranda dança. E é nesse detalhe que a gente, que está na ponta/base deveria prestar atenção.

Agora imagina isso que já está agora congelado por mais vários anos, com a mesma política café-com-leite (olha ensino de História aí gente!) que anda ocorrendo e cadê as prioridades? Oh sim, elas estão no umbigo. É aquele tréco, cicatriz hedionda sinalizadora do parto que a gente tem abaixo dos peitos e acima da pélvis. O umbigo é uma parte do corpo perigosíssima!

Se a gente cavucar as leis que regem a nossa profissão - Código de Ética, manifestos da IFLA/UNESCO, leis federais, estaduais, municipais - tem um negócio esquisito lá dizendo sobre "hey você, bibliotecário mixuruca, cê deveria fazer inter/trans/multidisciplinaridade. É tipo, pré-requisito pra você ser alguém que cuida e organiza informação" - às vezes me pego pensando se precisamos chamar a galera do Design pra fazer gráficos bem explícitos pra gente entender essa parte. Pra ser bibliotecário a gente precisa saber dos outros. Sim, os Outros que o Sartre adorava dizer que eram um Inferno! Esses mesmos! Que droga! Como é que vou lidar com os Outros se só quero ficar aqui alisando o meu Umbigo?

Se estamos num Centro de Educação e há cursos como Pedagogia, Educação do Campo, Arquivologia, Ciência da Informação, Biblioteconomia, NDI e Colégio de Aplicação, o umbigo deveria ser esse grupo não? A lógica não tá cartesiana não? Tem que ser umbigo unilateral, tipo só umbigo Ciência da Informação? Umbigo só Pedagogia? Por que não Umbigo CED? Faz tanto sentido né? Já que temos que lidar com 5 cursos diferentes e mais 2 espaços de Educação importantes aqui na Universidade. Por que não Integração?! Por que essa palavra parece reza braba de benzedeira em cima do povo do CIN?!

Véi, a gente ganha dinheiro lá fora no mercado de trabalho às custas dos cursos dos Outros! Procurando, organizando, tratando, mediando informações Deles, é como se o Umbigo além de querer ser uma panelinha de "como iremos favorecer melhor os nossos interesses em detrimento dos outros cursos aqui alojados, porque por favor né? Já tiveram regalia demais esses anos!" - tão esquecendo da sacada mais legal da nossa área: a gente tem a Informação como ferramenta de trabalho.

Integração, gente. Lembrem dessa palavra.
É possível de durante as eleições ouvirmos sinônimos dela como "união" (mas atentos se é de uma via só, nunca compartilhada), ou uma máxima linda de "porque o Departamento sempre foi esquecido aqui no CED." - seguinte, com a apatia, burocracia e castração acadêmica que ronda esse curso desde muito tempo, não é surpresa que alguém da Biblio vai se manifestar ativamente sobre algo.

O que nos leva ao próximo tópico da incrível eleição de direção no CED: atividade e passividade! E eu não simpatizo com coisas binárias, pois elas me trazem um ranço não muito legal de padronização de comportamentos que devemos associar as pessoas sem antes conhecê-las. Mas hey, relações de poder! Foucault escrevia isso, assim como aquele carinha super bacanudo Maquiavel: livro de cabeceira de alguns amiguinhos por assim dizer.

Cês tão sabendo que a Pedagogia está com um ano todo embaralhado por conta de uma greve GERAL que houve em 2014/2015? Que afetou os estudantes, entrou os professores e os Técnicos-administrativos? Não sabiam? Pois então recapitulando: no primeiro pacote de medidas daquele final de ano 2014 com o corte de verbas nas Universidade Federais e retirando apoio principalmente dos estudantes de graduação como Auxílio-moradia, bolsa-auxílio em estágios, moradia estudantil, acessibilidade ao serviços e/ou ingresso à Universidade e pasmem! Afetou os salários e progressão de carreira dos fessores e TAEs também! *insira emoticon assustadíssimo aqui*

O que a Pedagogia fez? GREVE GERAL.
Se é pra parar, é pra parar. É ensino de qualidade com perspectiva do aluno se formar com alguma coisa válida e contribuir pro mundo ou não. Foi greve, foi aulas públicas na Reitoria, foi palestra no meio do Hall, foi mobilização dos alunos para deixar todos sabendo o que ocorria.

E o que aconteceu no CIN?
Não sei. Realmente não sei. Se aconteceu não chegou até a base de graduantes. O Centro Acadêmico que tava morto por 2 anos - a mesma apatia, a mesma inércia, a mesma passividade - foi dissolvido e uma Assembleia foi chamada para ver o que os alunos da Graduação de Biblioteconomia queriam para o curso.

Assembleia
De
Estudantes
De 
Biblioteconomia 


O HORROR!! MEU RANGANATHAN, O HORROR!! VALEI-ME DEWEY DOS ESTUDANTES DE BIBLIOTECONOMIA SE MEXEREM EM PROL DE UM DIREITO DELES!!

Estudante só reclama, estudante não sabe o que quer, estudante não vale muita coisa no grande esquema das coisas (Começa a valer se passar pra pós, lembram?), estudante com cartazinho, protestando timidamente por um posicionamento do Centro, do Departamento, da Coordenação não vai fazer diferença. Nunca fez, por que vai fazer agora?

E fez.

Aquela Greve Geral da Pedagogia abriu os olhos de muitos dos nossos colegas, aqueles que passavam ali no Hall do lanche do CED e viam os estudantes mais fora de sala de aula discutindo política e permanência estudantil do que estudando. Os muitos (E foram muitos, ok? A passividade aparente que o curso impregna na gente ao entrar não surtiu muito efeito naquela época) entenderam que a coisa tava ficando feia, que o curso ia ser depredado mais ainda, que não iríamos ter uma melhora, a Assembleia foi feita.

E o Centro Acadêmico voltou. 
E tá aí ainda. Aos trancos e barrancos, ouvindo, escutando, agindo quando pode, mantendo os estudantes informados, abrindo espaço para diálogo, questionamentos e o fazer Política (Olha a Linguistica na Etimologia da palavra aí gente!) dentro do curso, dentro do Departamento, dentro do Centro. Integração. Sem umbigos. Umbigo sozinho não faz acontecer. Esquece o Umbigo. Umbigo é coisa feia. Uma cicatriz de uma dor que a gente esquece quando nasce. Umbigo não é a solução, é antiquado.

E nosso curso tá aí, com curriculo novo, em que os alunos estão participando no que dá para ajudar uns aos outros, a Integração com os outros estudantes está indo bem, temos colegas e amigos da Arquivologia conosco, galera da Ciência da Informação também, volta e meia os estudantes de Pedagogia trocam umas ideias, está caminhando, está indo, estamos nos esforçando, porque não foi isso ensinado pra gente fazer desde pequenos, sermos integrados, sermos colaborativos, sermos um só. A gente foi criado pra ser Umbigueiro.

Mas Umbigueiro não resolve as parada, gente. Cês tão vendo o que tá acontecendo aí fora? Tão contentes com os rumos do país e como a nossa Educação está sendo levada à sério no circo politiqueiro? E a atividade? por que a passividade?

PEC 241, Lei da mordaça, Leis contra minorias étnicas, comunidade LGBTT, Leis contra as mulheres, Leis contra acesso à cultura, lazer e esportes, Leis contra a Integração. Leis ditam as regras do jogo, assim como nossos manuais CDD, CDU, AACR², mas quem está manuseando os códigos é a gente, sempre foi, sempre será. Atividade, não passividade.

E o que vemos no nosso CED?
O que vemos? Alguém vê?

Desde agosto temos manifestações gerais contra os absurdos políticos, setembro foi o estopim de tudo com passeata, fechando ponte, discutindo política na rua enquanto esperava a mobilização chegar e irmos pedindo por Democracia, Justiça e Igualdade.

E o que nosso Centro fez?
O que o Centro está fazendo agora que a coisa está martelando na porta da Universidade?
O que você tá fazendo sobre isso?

Passividade. Inércia. Méh. Sem envolvimento.
Eleições de Centro não é desculpa para não se posicionar.
Se é pra queimar filme sendo reaça, seja. Se posicione. Diga que não vai se envolver. Diga que está pouco se lixando, que lava as mãos, que vai resolver isso quando tiver tempo. Mas se posicione.

Não deixa os estudantes, a base, o populacho, o 1/3 de voto nessas eleições (Mais do que os TAEs por número, olha só que legal, Umbigo!) sem saber a sua posição. O teu também tá na reta. Teu feijão pra tua família, tuas contas, teus títulos no Lattes, tuas estrelinhas na Scopus, tua imagem perante a comunidade universitária.

Eu não preciso de promessas de 10/15 anos atrás. Preciso de Posicionamento das Instâncias que nos regem aqui dentro do CED. 

E galera da Biblio, por favor fiquem ligados a qualquer informação que vocês recebem dentro da sala de aula sobre as Eleições. se sentirem assustados, ofendidos, intimidados pelas manifestações de Atividade durante a campanha eleitoral, se expressem, falem, sejam protagonistas de si mesmos. É a gente que paga o feijão desses camaradas, é a gente da base que sustenta essa balança acadêmica aqui dentro (apesar de particularmente eu me sentir cobaia desse povo), a gente não é o Umbigo, não precisamos ser.

Prestem bem atenção nas propostas das chapas, perguntem dúvidas para os candidatos, peguem os contatos, sigam cada ação feita por eles nessa época de eleição, porque chuchus, quem seja que entre na Direção vai comandar o que fazemos ou não por 4 anos. E se for pra favorecer só um lado, se for para olhar só para o nosso Umbigo, tenho uma triste notícia pra te dar: você tá no curso errado. dá a volta que a Engenharia te abraça feliz por essa forma de olhar o mundo.

Biblioteconomia nasceu da Integração da Informação e do Conhecimento. Vamos fazer uma História diferente, né? Chega de Umbigos. Estamos no mesmo barco e se ele tá afundando, o mínimo que espero é que o capitão honre o compromisso de ficar na embarcação até atingir o fundo do oceano.
(Em palavras diretas: se não lutar por uma Graduação melhor e em prol dos estudantes, esquece.)

Chega né?
Beleza. Ótimo fim de semana.

Ah! Se você verem esse texto circular em algum lugar dizendo que foi o CAB ou GAB que escreveu, pode falar na cara dura que foi tudo culpa daquela pessoa Bruna Morgado, tá? Que CAB ou GAB ou pessoa jurídica alguma tem a ver com isso, ok?

Tem gente demais nesse meio acadêmico que adora usar o nome de entidades para demarcar território e confundir as pessoas. Especialmente nessas eleições.