Pesquisando

Mostrando postagens com marcador jesus. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador jesus. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

cristandade mutiladora

Reitoria, pessoas perdidas, "Onde é PRAE?", indico o lugar, vou junto (Vai que se perde né?), pessoa pergunta se já consegui algum beneficio estudantil com a PRAE, se é difícil conseguir, dou de ombros, quando tentei havia a regrinha do "se já tem 1 faculdade, nopes, cê não entra", mas tá valendo, muitos colegas comigo conseguiram, tão indo como dão, tão fazendo por onde.
Pessoa pergunta o que eu faço nessa escola, acho engraçado o uso da palavra, digo que sou do CED, ali atrás, prédio alto lá nos fundos, curso legal que faço, Biblioteconomia, pessoa não entende na hora, "é pra cuidar de gente e de bibliotecas", pessoa entende e sorri, agradece pela ajuda, diz que vou conseguir essas coisas da PRAE com o poder do sangue de Jesus.

Me encolho.
Dou meio sorriso, um tchauzinho, desejo um bom dia e "se cuide!".

Não quero "sangue de Jesus" envolvido, nem metaforicamente falando. É estranho, é intruso, é violento, me soa ruim e o que custava apenas dizer "se cuida também". Eu quero me cuidar, desejo isso pra todo mundo que passa por mim, cuide-se você também, tenha bons pensamentos, viva intensamente, seja feliz acima de tudo, não assim desejar que em nome de alguém que não acompanho muito (Ou pelo sangue dele, seja lá o que deva significar pra galera cristã).

Sei que não vou conseguir esses trem da PRAE, porque há a regrinha do ter feito já uma faculdade, mas mesmo com esse encontro aleatório com pessoa que jamais vi na vida, ainda me encolho.

Não quero conseguir nada na vida através do pensamento nos fluidos de uma pessoa talvez (Por que sim, por que não?) imaginária. Era mais fácil dizer que a Força estava comigo, sempre. Cresci com a máxima daquela cartinha linda pra galerinha maneira de Corinto (Que aliás, fica na Grécia, perto de Atenas):
Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? 
(I Coríntios 3:16)

Crucifixos me incomodam. A forma de retratar Jesus Cristo nos filmes de Páscoa e todo festival de martírio, dissecação e mutilação pra "salvação". Não me inspira nada ler um livro que termina no sacrifício de um cara bacana e gentil que pregava sobre o Amor e talz sendo severamente punido pelos romanos. Mesmo que seja historicamente refutável. Mesmo que seja estranho.

Tem muita coisa na simbologia cristã que não me desce mais por ser baseado em uma noção de vida de pura submissão e "é, méh, pode bater na outra face". Esse não é propósito de um ser racional aqui nesse plano terrestre, não pode ser só isso: ser servente de uma entidade imaginária.

Também não me sinto confortável quando dizem palavras assim, como se fosse o mais natural possível, sendo que carrega toda uma subjetividade dentro e fora, "sangue de Jesus", véi, sério?! Cês reclamam de religião que sacrifica animais como parte de ritual, mas continuam usando "sangue de Jesus", retratando ele pregado medonhamente em crucifixos, ostentando a tortura dele nos altares das igrejas e em suas palavras diárias de doutrinação. Isso não tá certo, viver a vida com medo da dor dos outros não é certo. 

Custava falar: "Que o sorriso de Jesus te ilumine!" ou "Que a sabedoria de Cristo guie teus passos!"? - assusta menos, ajuda mais, faz bem pro mundo. Não o sangue dele, metaforicamente ou literalmente dizendo.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Saint Young Men - Saint onii-san por Hikaru Nakamura

Saint Young Men
Saint Young Men (Photo credit: Wikipedia)
 Jesus e Buda decidem passar as férias de final de ano aqui na terra, em um subúrbio de Tóquio, em uma pensãozinha de uma senhorinha muito ordeira e irritada.

Yep, esse é o enredo de Saint Young Men - ou Seinto Oni-san - de Hikaru Nakamura, possivelmente a mangaká mais aloprada que já vi. O mangá lá na Terra do Sol Nascente está no volume 8, produzido desde 2007 e já conta com dois OVAs e um filme completo.

A premissa da história vai pelo cotidiano que os curiosos estrangeiros vão descobrindo durante sua estada na Terra, desde a escolha do nabo perfeito em uma liquidação de mercadinho, ir ao Parque de Diversões pra ficar quase duas horas na fila, escapar das broncas da tia da pensão, uma tarde boa na piscina comunitária, dividir a sauna com um chefe local da Yakuza e ir a um festival de um templo de um deus pagão.

Com muita sátira, piadas bem encaixadas e um clima jovial dos protagonistas quanto ao Destino do mundo moderno, essa obra vale a pena ser lida de cabo a rabo para ter alguns momentos de reflexão e risadas.

$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });