Pesquisando

Mostrando postagens com marcador momento de reflexão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador momento de reflexão. Mostrar todas as postagens

domingo, 22 de dezembro de 2013

[interlúdio] dominação e submissão

Não, esse post não vai falar de coisas pervas e nem NC-17 ou R+18, okay. O trem é sério, o trem é real, o trem está em qualquer camada social até mesmo da sua casa. Pelo menos na minha está e é foda admitir que esse tipo de hierarquia social/emocional/semântica/parental possa estar afetando tanto as nossas vidas novamente.

Debaixo do link TL;DR;, mimimi de coisa séria: Dominação & Submissão. Enquanto faço uma autoavaliação da situação em que a vida chegou dentro da minha família, pode servir de ajuda para alguém que esteja passando o mesmo perrengue.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

quinta-feira, 16 de maio de 2013

[conto] Cons(c)erto nº1

A casa era humilde, datada de muito tempo antes de muita gente nascer. A madeira em que pisavam rangia debaixo das dezenas de pés que já o pisotearam e o amarelado das paredes brancas pintadas com gesso mostrava os anos que aquela pequena residência estava ali, enfrentando vento, chuva e frio, à beira com o Grande Mar, sentindo as ondas incertas baterem em seu alicerce, as pedras de sua base tão firmes que nenhuma rachadura se abrira até então. Sua fachada era um branco sem graça, com as janelas marcadas em um azul escuro que trazia falhas em alguns pedaços, o acabamento das janelas e portas era em madeira sólida, mas como o tempo não perdoava, se encontravam empenadas e com frestas visíveis.

O vento fazia um espetáculo diferente todo dia de chuva, trazendo a brisa fria do Oceano e esfriando o  terreno amplo em que a casa se encontrava, uma fina névoa descansava sobre os terrenos, aumentando a umidade, mas as paredes bem vedadas com madeira e tijolos artesanais faziam com que a casa mantivesse o calor para aconchegar os residentes. O som que o vento produzia era alto e distinguível para quem estivesse dentro da casa, como um assovio mal feito, até ser engasgado pela bufada de vento mais rude.

Aquela casa jazia no meio de uma vila abandonada que não trazia ou levava ninguém. Exatamente ali, escolheram o seu refúgio de muitos anos, a morada de muitos na família, agora jogada ao resto que sobrara após a Guerra. O dono era um senhor robusto, muito alto e de poucos cabelos. O rosto rechonchudo denotava o seu labor diário - era agricultor - e as ancas mostravam que a idade finalmente o vencera. Uma bengala ele segurava firme em uma mão e o cachimbo na outra, sempre cheio de tabaco colhido da sua própria terra,o meio sorriso no lábio superior defeituoso causado por uma antiga cicatriz de briga nos tempos da juventude o deixava mais ameno para a criançada, mas os mais velhos sabiam o quão severo aquele senhor poderia ser quando provocado.

A vida era simples para ele, apesar de tudo.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Conto: O lugar mais esquecido


O lugar é frio e nada hospitaleiro, mas sinto uma familiaridade espetacular ao dar meu primeiro passo. A pegada que se fixa na neve fofa e congelada não me traz lembranças, mas sim dores antigas. Já estive ali em alguma vez na vida ou em meus sonhos, um lugar distante, esquecido e sem muito eco para denotar algum vazio. É apenas neve branca e sem graça. Meus passos são arrastados, cobrindo uma vasta extensão na planície ampla. Eu sinto frio, claro que sentiria, como alguém vestido com poucas peças de roupa para um clima tão hostil. Não há vento, o que agradeço profundamente enquanto sigo meu caminho sem destino na imensidão clara.

Ruminando uma canção antiga e esquecida, eu sigo. de olho no horizonte como se ele fosse me guiar a um lugar mais aprazível, mas todos nós sabemos qual é a finalidade disso tudo: é a sobrevivência. Desta vez não carrego bagagens, nem tenho bolsos, apenas a roupa do corpo e a vontade de descobrir o que vou fazer em seguida. A curiosidade vai além de qualquer racionalidade, sempre foi. As melhores conquistas vieram dela, mas também admito que os piores erros foram abençoados pelo mesmo mal. Mais alguns passos e vejo que não estou sozinha. Há pessoas comigo nessa caminhada no gelo que não termina mais.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Momentos de reflexão com Shane Walsh - The Walking Dead

A minha análise reflexiva sobre o personagem Shane Walsh do seriado The Walking Dead, televisionado pela FOX Brasil toda terça-feira às 22 horas.

[originalmente postado no Fórum The Walking Dead Brasil no dia 08 de dezembro de 2011 às 15:44]

{Edit - Alguns trechos serão editados para fluência na leitura}

Nhaaaa o Shane não é psicopata, ele é vítima das circunstâncias atreladas a uma situação de Caos e Terror.

Famoso TL;DR - LONGO POST É LOOOOOONGO, SE TIVER PACIÊNCIA LEIA.
(Se não tiver, pule para o próximo post, mas é pq estou estudando o perfil psicológico do Shane faz tempo e defender os Direitos Insanos dele virou a meta desde 02x03 "Save the Last One")

Parte do que o Shane se tornou pode ser derivada de uma série de eventos desde o começo - tanto no quadrinhos quando no seriado - e culminou nesse cara totalmente frustrado, sem juízo algum, perdido e insano de certa forma. E lá vamos nós:

sábado, 14 de janeiro de 2012

Momentos de reflexão com Vanessão

[originalmente postado em 28/04/11 14:18]

Porque pensa bem: Se a maricona não tivesse falado que havia apalpado o Vanessão, a história dele poderia ser legitimada na Delegacia.

Traveco te acusando de não pagar o programa? Isso tem de monte, agora foi conferir a “mercadoria” pra ver se era de verdade? Tá entregando o ouro meu chapa, tá entregando o ouro…