Pesquisando

Mostrando postagens com marcador nerdivinas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador nerdivinas. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 14 de março de 2013

RPG parte 1 - Cenários Medievais

[Texto originalmente produzido e publicado para o blog Nerdivinas no dia 10 de março de 2013. Reprodução total do conteúdo com permissão da autora]


Olá, olá! Conforme o post anterior sobre o Roleplaying Game, continuamos essa introdução básica sobre o RPG. As aventuras retratadas nos jogos de RPG podem abranger diversos universos, desde as masmorras escuras de uma cidadela de Reis e heróis à combates de espaçonaves nas estrelas em algum lugar bem bem distante da galáxia. Nesse post trataremos do cenário mais bem sucedido aqui no Brasil - e no mundo - a Fantasia Medieval.


Dungeon & Dragons surgiu na década de 70, acompanhando uma nova febre entre os nerds da época - a literatura fantástica medieval épica - que era propagada por diversos autores nossos conhecidos: J.R.R. Tolkien (que ganhou uma adaptação em RPG não muito bem sucedida), C.S. Lewis, mitologia nórdica e européia, etc. Publicado pela primeira vez em 1974, o D&D tornou-se logo um sucesso lá nas terras do tio Sam devido os entusiastas pela fantasia medieval. Entrar em masmorras, matar monstros, resgatar princesas e pilhar tesouros ocultos é a essência para esse tipo de cenário. A escolha de personagens jogáveis é variada, desde o humano comum guerreiro, elfo da floresta arqueiro, anão com machado e carrancudo, halflings (ou hobbits, mas o querido Professor Tolkien não aceitou que o nome de sua raça favorita fosse exposto em outros livros além dos dele) espertos e muitos mais. Um mundo de mistérios com panteão de deuses comandando o lugar, assim como há organizações de confiança duvidosa como gangues de rua, guildas de ladrões e cultos misteriosos.

Fanfiction - a ficção de fã

[Texto originalmente produzido e publicado para o blog Nerdivinas no dia 02 de março de 2013. Reprodução total do conteúdo com permissão da autora]


Para quem está ligado nos desdobramentos das interwebs sabe muito bem o que é uma ou um fanfiction - ficção de fã. O/a fanfiction é literatura feita de fãs para fãs. Consiste em histórias de longa ou curta duração, postadas exclusivamente na internet para fins de entretenimento. Apesar de usar o enredo de material protegido por terceiros, o/a fanfiction explora o melhor dos fãs: a criatividade em criar e recriar a história já feita.

Sabe quando você termina de assistir um episódio do sua série/filme/etc favorito e não gostou do final? Gostou do final e está empolgado com teorias além do roteiro original? Mais e mais empolgado ainda que gostaria de ver tal personagem do série/filme/etc contracenar ficcionalmente com outro personagem de outro cenário que você curte? Pois então, estamos falando disso!


Roleplaying Game - uma introdução rápida

[Texto originalmente produzido e publicado para o blog Nerdivinas no dia 28 de fevereiro de 2013. Reprodução total do conteúdo com permissão da autora]



Um assunto não muito explorado em blogs nerds é sobre RPG (roleplaying game), não a linguagem de programação, nem a lança-granadas-foguete ou a Reeducação de Postura Global (que também é interessante em ser discutido aqui entre nós nerds com problemas de ergonomia) - ou como alguns gostam de categorizar: RPG de mesa. Como é um assunto muuuuuito extenso e com tantos detalhes, tentarei dar uma resumida no objetivo geral do RPG.

Não se sabe ao certo quando realmente surgiu ou por quem foi inventado, mas o Roleplaying Game faz parte de nossa vivência desde os primórdios da humanidade como o xamã que contava histórias para a tribo, e permanece até hoje em nossa cultura oral. Quando passávamos horas nas brincadeiras de infância como "Polícia e Ladrão", ou brincando de casinha, tudo era baseado na imaginação e criatividade infantil de nossa cabecinhas inocentes. Às vezes criávamos falas para as bonecas, complementávamos o que nossos amiguinhos traziam para a histórias criadas do nada e refazíamos cenas algumas vezes para mantermos a história viva e interativa. Na escola professoras de primário narravam histórias de contos de fadas e por muitas vezes entrávamos tanto nesse mundo fantástico que mal percebíamos que estávamos interagindo diretamente com a história.

rpgdice

Nerd vídeo - Lindsey Stirling

[Texto originalmente produzido e publicado para o blog Nerdivinas no dia 23 de fevereiro de 2013. Reprodução total do conteúdo com permissão da autora]


Mais outro post musical, já que estamos no embalo de músicos nerds e geekies!

Quem ainda não conhece Lindsey Stirling, não sabe o que está perdendo!
Em meados de 2010 uma garota baixinha, de sorriso largo, grandes olhos azuis entrou no palco do reality show America's got Talent e impressionou jurados e espectadores ao fundir música pop e rap com arranjos em seu violino clássico. Partindo dessa premissa, Lindsey começou sua carreira como a violinista hip-hop de performance impressionante.

O estilo de Lindsey chama atenção por ter a capacidade única de tocar violino e dançar balé ao mesmo tempo! Em todos seus vídeos ela mostra as suas habilidades musicais unidas com uma harmonia invejável. Assim como todas as crianças prodígio, a garota começou a tocar violino aos 5 anos de idade e manteve sua educação musical desde então, misturando elementos de dubstep, música clássica, hip-hop, pop e rock em seus arranjos musicais.





Seu canal no YouTube se tornou popular por fazer versões de trilhas sonoras conhecidas, como a dos filmes Senhor dos Anéis e Missão Impossível (colaboração com o grupo The Piano Guys), o seriado Game of Thrones, os games The Legend of Zelda, Skyrim e Assassin's Creed e uma versão rock do tema principal da peça teatral Fantasma da Ópera. No começo do ano foi chamada pela Ubisoft para encenar umas das músicas que podem ser escolhidas pelos jogadores no dancing game Just dance 4. O vlogger Freddiew em seu site Rocket Jump a chamou para participar de um projeto curioso: Legend of Zelda - the Pot Smasher (Vide vídeo abaixo).




Seu 1º álbum - Lindsey Stirling - foi lançado há pouco tempo (setembro de 2012) e contém apenas músicas inéditas. Atualmente está em tour pelos Estados Unidos. Para mais informações sobre ela, visite o canal do YouTube e deixe a playlist tocando!

Como achar trilhas sonoras de seriados

[Texto originalmente produzido e publicado para o blog Nerdivinas no dia 14 de fevereiro de 2013. Reprodução total do conteúdo com permissão da autora]



Todos nós já passamos pelo aperto de acabar de ver um episódio de nosso seriado favorito e ficarmos literalmente malucos atrás de uma música específica que toca em uma certa cena marcante. Amigos nerds, os seus problemas acabaram!

Aí vão algumas dicas de sites especializados em fazer exatamente isso que gastaríamos horas no Google ao digitar no Search "música do episódio tal, temporada tal, na hora em que fulano de tal está em tal lugar conversando debaixo de uma chuva torrencial com beltrano". (É, acreditem, vai encurtar bastante a procura...)

tune
O primeiro site é o TuneFind, um compilador de tudo que praticamente já tocou em seriados, filmes, além de dar dicas de novos artistas e música popular no momento. Como uma Wikipédia musical, o TuneFind vai sendo construído aos poucos pelos próprios usuários, que identificam a trilha sonora dos episódio e alimentam o banco de dados com o nome da música, do artista e também da cena em que a música toca.

Com uma interface bem fácil de navegar, algumas opções do TuneFind são: adicionar e editar a música que toca em certa parte do seriado (Se você souber quem é o artista e o título da música), comprar a música através da Amazon ou do Itunes, votar se a música está correta mesmo na cena em que foi adicionada e quando não há rastro da música escolhida, você pode perguntar a comunidade.
Tudo isso é bem organizadinho, com categorias, temporadas, episódios e por ordem de cena ocorrida. 

Uma bela mão na roda hein?

O bom do site é que há uma lista imensa de seriados que parece crescer mais e mais a cada episódio que passa - belo trocadilho - além de seus usuários poderem cadastrar novos (ou antigos) seriados que estão no ar. Tudo é muito livre e bem fácil de mexer. Já o ruim é que precisa se cadastrar via Facebook para ter acesso a certas informações do episódio que você procura a música. Além de te darem um nickname horrível caso o seu já esteja sendo usado. Há um aplicativo no Facebook que apenas te redireciona ao site.

Outro site ótimo para referências musicais é o HaveDog-Play, um projeto simples de um webdesigner que resolveu pegar alguns seriados fazer a mesma compilação de episódio, música, cena. Seriados como House M.D.LostBonesAlias e Criminal Minds estão por lá, entre outros.

Se esses sites não foram suficientes para ajudar na investigação de novos sons em seus ouvidos, deixem um comentário com recomendações de métodos de descobrimento de trilhas sonoras.

As Doutoras da Morte dos Seriados



[Texto originalmente produzido e publicado para o blog Nerdivinas no dia 13 de fevereiro de 2013. Reprodução total do conteúdo com permissão da autora]

Para quem é ligado em seriados de investigação criminal sabe do papel importante dos médicos legistas no desenrolar das tramas dos episódios. Em muitas das vezes esse profissional forense é retratado como sendo um excêntrico e desajustado do time de investigadores, mais difícil ainda é imaginar que uma mulher poderia gostar de ocupar esse tipo de cargo tão funesto. Ledo engano, caros mortais.

Vemos cada vez mais a presença de mulheres nessa área, tanto na vida real quanto sua representação em seriados de investigação policial. Muitos seriados têm em seu elenco de apoio médicas legistas, cada uma com suas particularidades e demonstrando estarem muito bem adaptadas a essa rotina mórbida no necrotério, desde a revista nos corpos e avaliação de cena de crime, assim como tratando de assuntos delicados como abuso em vítimas vivas. Tudo isso com o belo toque feminino, é claro. Vamos relembrar de algumas personalidades femininas no cargo de "Doutoras da Morte":

Dana Scully de Arquivo X
Dana Scully de Arquivo X

Blog Nerdivinas - Girlish Girlie Nerds \o/


Em dezembro do ano passado o Blog Nerdivinas abriu um mini edital lá no Facebook e resolvi entrar com a cara e coragem. Escrever aqui é uma coisa, posso avacalhar o que quiser sem medos, já escrever para um Blog que faz parte de um Portal nérdico, aí é outra coisa.

Minha vontade de explorar esse mundo de artigos pequenos sobre coisas legais do Universo Nerd sempre me chamou atenção, só não tinha as manhas de ir e escrever algo que prestava, cá estou eu sendo errada de novo, estou amando a nova posição de colunista semanal de lá.

É artigo que vai pipocando na cabeça o tempo todo, assim como o conteúdo é relevante lá no Nerdivinas.

Como preciso vender meu peixe - e  também adorei o novo conceito das meninas do Blog - bora falar um pouco sobre o site. O Nerdivinas era um blog participante do Portal Nerdice.com e tinha foco em divulgar fotos de musas nérdicas e seus perfis pessoais. Até o glorioso momento em que resolveram colocar mais ação na equação, o Nerdivinas mudou! *insira sons de sparkly things here*

Com artigos diários sobre o nosso querido lar nérdico, o Blog está crescendo em proporções nunca jamais vistas. Me sinto bem livre escrevendo para lá e não há restrição de assunto. Só não pode sair da esfera nerd (Aliás, essa palavra se repetindo over and over...).

Para conhecer mais o Nerdivinas, peço encarecidamente que visitem o website, a FanPage no Facebook e comentem caso gostarem. Se não gostarem, também comentem, temos trolls de plantão para desargumentar o seu argumento. (Ou não!)