Pesquisando

Mostrando postagens com marcador no light no light. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador no light no light. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 11 de julho de 2013

MusiK: No light, no light - Florence + the Machine


Uma coisa que me chamou atenção em Florence Welch - além de sua voz exuberante e insanamente impossível e o fato dela ser ruiva - foi o cacife lindo que a maravilhosa Dido deu a ela no Oscar de 2011 para cantar em seu lugar a trilha do filme 127 horas "If I rise" (Sorry, ninguém postou uma versão decente da apresentação no YouTube, mas vale a pena!).

Não costumava prestar muita atenção no trabalho dela, uma música aqui e ali, "Kiss with a fist" era divertida, "My boy builds coffins" sombria, mas também alegrinha, e de repente o mundo desaba quando usam uma música dela em um episódio de Warehouse 13  - que vocês já devem saber é minha obsessão atual de fandom e coisa e tal. A música foi "No light, no light" e transpareceu absolutamente TUDO que a season finale quis mostrar entre todos os personagens e as situações terminais do último capítulo.

Temos de um lado a equipe sendo obrigada a sair do armazém por Paracelsus (É, o cientista maluco da Renascença interpretado pelo magnífico Anthony "Giles" Stuart Head) comandar os esquemas todos e ameaçando trazer tudo abaixo, Claudia Donovan techgirl FTW cutch-cutch neném próxima zeladora do armazém sendo mais uma vez badass e querendo lidar com a situação ela mesma no modo mais nerdy-geeky-I-has-the-Powah-of-a-Jedi-Master, e para o desespero do fandom mais catastrófico e incompreendido da ficção-científica moderna: Myka OPHELIA Bering no leito de algum Hospital, pronta para ser operada por um possível câncer de ovários.

Muita emoção pra pouca pessoa.

Aí fui prestar atenção na letra da música (Que usualmente é a última coisa que faço quando ouço algo diferente e novo) e caiu como uma luva até para situações pequenininhas que ando passando - não com os feelings do seriado, mas bem IRL o angst também impera às vezes - foi o gatilho para uma porção de inspirações novas e mini rascunhos aqui dentro da cachola. Uma coisa que já me disseram sabiamente é que experiências dolorosas são ótimas para se criar Arte, então de certa forma devo estar no caminho certo, porque essa música foi como uma explosão de coisas cintilantes, purpurinadas e festivas aqui.

Já perceberam na continuidade do ritmo? E o imperceptível som da harpa? Se você for canalizando um som de cada vez, a experiência com a música muda a cada instante. Terrivelmente viciante.

Entonces, Florence Welch é uma cultista do Êxtase, sidhe übber awesome ou um anjo? (Ou os três tudo junto?)