Pesquisando

Mostrando postagens com marcador orange is the new black. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador orange is the new black. Mostrar todas as postagens

sábado, 17 de agosto de 2013

sentido da vida do universo e tudo mais

Poderia ser 42, claro que deve ser 42 - o Pensador Profundo não erraria depois de milhões de anos pensando na resposta - mas aí essa frase tirada do contexto de um diálogo sobre um poema no seriado Orange is the New Black (Claro que a coisa toda era floreada e difícil de interpretar, então veio Chapman demonstrando o quanto smartass ela era):

-

-

Usualmente teria a mesma reação das meninas sobre não aguentar a Piper falando - e querer matá-la enquanto dormia - mas tenho que dar razão pra chatonilda. Ta-daaaa!!
(Por mais estranho que pareça, acho que já sei o meu desgosto pela Piper: ela é parecida demais com a Sorena Atwood de Shindu Sin'dorei. Mesmas reações, mesmos episódios de EPIC FAIL, mesmo tipo de pensamento paranóico narcisista, tem até uma morena linda, alta e dominadora na cola dela.)

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Tagarelices: 3 momentos de Alex Vause

Minha obsessão fangirlística recorrente é com o novo seriado da Netflix: Orange is the New Black (Para saber mais, tem esse post aqui no Nerdivinas que escrevi um tempinho atrás, sem spoilers, I swearz!), mais ainda pela personagem de Laura Prepon: Alex Vause.

Porque ya know, não posso me conter: ela é exatamente tudo que eu sonhei e mais um pouco. Menos a parte de ser traficante de drogas em um Cartel Internacional - apesar de que isso poderia ser um add-on estranho para o relacionamento fictício - mas entendo completamente do porquê a Piper Chapman ter ficado literalmente caída por ela.

Três momentos em que me fizeram ter meus pompons de fangirl agitados e derretidos ao mesmo tempo foram:

" - Eu era uma importadora..." *wink wink*
Durante a "reunião" do NA/AA dentro da prisão, ela explica porque começou a usar heroína, mesmo sendo a traficante (Tudo culpa do coração mole que ela tem debaixo daquela fachada badass apaixonante <3).

E ao falar a história do "fundo do poço" é que a gente percebe o quanto ela está ferrada nessa vida que escolheu, enquanto as outras estão apenas passando pelo tempo na prisão com as coisas já acertadas ou ferradas. O momento de "fundo do poço" para ela é ali mesmo, naquele momento, onde ela perdeu tudo que tinha (O poder1 de ser uma manipuladora de 1ª em um Cartel Internacional) e a única pessoa que tem um pouco de noção do que ela era antes é Piper - que está fazendo yoga no momento e morrendo de raiva dela do depoimento dela.

É fofo o jeito que ela trata sua relação com a heroína, a comparando imediatamente com o relacionamento que teve com Piper, então constatamos, mais outra vez: o Amor é uma Droga (Lícita e Involuntária, pelo jeito). Ou como Jojo Ulhoa falaria: é cego, surdo, mudo, ruim de mira e com retardo mental para errar tanto até acertar mesmo onde deveria acertar.

sábado, 3 de agosto de 2013

seriados - orange is the new black

[originalmente postado no site Nerdivinas no dia 01 de agosto de 2013]

O Netflix inovou a forma de entretenimento televisivo ao disponibilizar seriados de grandes produtoras da Tv a cabo de forma imediata aos seus assinantes. Com alguns reais por mês, os usuários podem usufruir de um catálogo bem variado de seriados numa tacada só - ah e você pode conectar o Netflix na sua tv de plasma ou LCD, tem recursos para isso. Essa nova forma de se ver televisão trouxe uma gama de seriados especialmente desenvolvidos apenas para um público exigente.

Orange is the New Black - um trocadilho com aquela frase sobre oque está na moda do momento e preto nunca sai de moda - é um projeto audacioso engatilhado pela criadora de Weeds - Jenji Kohan - e tem a mesma proposta de veiculação que Arrested Development e House of Cards (de Kevin Spacey) exclusivamente web e sem limitação de visualização para usuários de outros países (Hulu faz isso direto, méh). Lançado nesse último 11 de julho, com 13 episódios de 50 minutos, o seriado foi alvo de críticas excepcionalmente positivas e muitos queixos caídos ao tratar do sistema carcerário feminino nos EUA, questões sociais, raciais e de gênero, desconstrução de estereótipos, diálogos inteligentes e sem brechas para clichês e o mais importante: o elenco muito bem escolhido.

(Ah nem preciso falar que apenas indicado para maiores de 18 anos, não é? E a trilha sonora é da Regina Spektor, perfeição ao cubo!!)



$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });