Pesquisando

Mostrando postagens com marcador poesias. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador poesias. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Poesias Nada Convencionais - Moderação

[originalmente escrita em sem data]

MODERAÇÃO
Moderação.
Serve pra alguma coisa aí
Ainda não descobri
Deve ser algo assim:
Modera e arruma aqui.
Aqueles trem que não entende primeiro
Aqueles tréco que vem depois
Um código binário de 3/4
Cérebro fritando e é fim.
Fim de semana coitado!

Moderação.
Ainda não sei pra que serve
Deve ser aquele trem que se perde
E não se acha mais
(No meu caso, usuário perdeu-se em...)

Aí pega tópico, move tópico, junta coisa
Edita coisa, revisa coisa, amola coisa
CORTA UM! grita outro, essas coisas aí.
Moderação. Modernação.
Moderna e ação.
Modess de perfeição.
Moderação.

Ainda não sei pra que serve
Eu tou no próximo posto
Pelo menos não tou de encosto
Favor dirigir uma MP pro Mod
Pode ser agora ou depois
Duas horas da manhã ou quando a net cair

E ela vive caindo.
Quem?
"A conexão e a moderadora uai!"

===xxx===
Essa é em homenagem aos moderadores de fóruns, grupos de discussão e chats e afins. Todos vocês têm a minha simpatia!

Poesias Nada Convencionais - Pompéia

[originalmente escrita em sem data]


POMPÉIA
Cartas, fantasia, leia, cultive
Não receba respostas, triste fique
Por 2 horas distraimento
Livros! livros que bom livramento
Pompéia não restou gente viva
Mas livros, os livros restaram que bom!
Livros! triste, triste
Vulcão não chegou nas tumbas, que bom?
Muita gente morreu, sô! Triste!
Fazer o mesmo com livro de seu coração
Melhor não, única coisa a fazer
Sem respostas, Pompéia? Resolva nascer
Triste ausência da (ser-cer)atonina
Triste movimento do estalar
Maxilar, duro como pedra
Triste ausência de perder
Perdido tempo no vazio, que bom!
Que bom! L-I-B-R-O-S! Triste, triste
Triste vida, alguém escreveu isso em algum lugar?
Lugar-comum. Ninguém quis
Tornar a vida um lugar-comum. C-O-M-U-M
Conte uma história, que bom!
Triste fim.
Pompéia.
Livros.
Noites solos, jantar frio
Papelada do dia seguinte. Triste?
Triste. Que bom é triste.
Vida injusta?
Justa.

Poesias Nada Convencionais - Advogado do Nada

[originalmente escrito em 14:02 25/9/2007]
ADVOGADO DO NADA

Teve um certo dia, em que o Nada foi acusado
Abuso de autoridade, formação de quadrilha
Angústia, Dúvida e Preguiça
Acusados de participarem do esquema

Angústia pegou 3 anos de reclusão
Dúvida está no reformatório
Preguiça se safou, virou deputado
Professor, funcionário público

Estelionato, corrupção de menores, estupro
Absurdo! Caos onde deveria estar?
Vendo TV, plimplim prateado
Mordiscando sanduíche de ar

O Nada foi vagabundeado
Virou trombadinha
Cheirou cola e cocaína
Roubou bolsa de velhinha

Advogado do Nada
Precisou recolher provas
Testemunhas e plantas
Estresse contínuo

Revisou o processo ativamente
Plantou pistas nas entrelinhas
O Nada se safava novamente
O júri era composto de galinhas

O Nada mascava chiclete
No Tribunal composto de Emoções
Sem querer soltou um arroto
Era o Juízo do café na manhã

E o Advogado: "Nada?"
"Sim". respondeu ele.
"Tu é inocente, eu sei disso!"
"Eu não sei de Nada.
$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });