Pesquisando

Mostrando postagens com marcador prince pomposo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador prince pomposo. Mostrar todas as postagens

domingo, 26 de fevereiro de 2017

[conto com angie] as pequenas cismas


Título: as pequenas cismas (por BRMorgan)
Cenário: Projeto Feéricos.
Classificação: PG-13.
Tamanho: 2.889 palavras.
Status: Completa.
Disclaimer: Esse conto faz parte de algum rascunho perdido meu do Projeto Feéricos que vocês podem ver os pedaços sendo costurados aqui nesse post [x]
Personagens: Kristevá Todd, Raine, Angie, Tobby, Emilio, Smithens e Prince

Começara a entender as pequenas cismas, novos modos de se passar vergonha e cometer gafes memoráveis por todas suas vidas. Quem costumava entregar elas era a menina que se vestia como um acidente de carro, seja lá o que isso queria dizer para "eles".

A música alta e agitada de batuques e tambores, piso grudento de cerveja quente derramada, a meia luz que disfarçava os rostos suados, boêmios e entorpecidos dos foliões Muito contato tátil, pouco auditivo. Não gostava de se sentir sem audição em lugares como aquele. Passar noites na completa escuridão fazia parte de sua rotina, mas ter a privação das nuances auriculares era como retirar metade de sua capacidade de raciocinar. A música estava mais alta, óbvio, fazendo com que aqueles ali presentes se aproximassem e fazer aquela dança esquisita do acasalamento. Como essas criaturas sobreviviam há mais de milênios, nenhum de seus ancestrais conseguira explicar direito.

A batida da música mudou, algo mais primal, introspectivo, sugestivo, a dança humana mudava, o cheiro também. Técnicas de sedução, explicaram uma vez na biblioteca, procriar, reproduzir, nascer, crescer, desenvolver, decair, encolher, morrer.

Apenas entendia a última parte, essa era sua tarefa agora, fazer os outros como eles entenderem. Cada mortal com sua sentença, sua pluma, seu coração, sua balança. Quem vinha coletar não era quem eles tanto gostavam de repudiar, uma criatura deformada, esquelética, manto escuro comprido, foice na mão, olhos sem enxergar, uma lista.
Por que haveria listas?! Séculos de aprendizado e nenhum aproveitamento das lições. Tolos. Egocêntricos. Pedaços de estrelas mortas.

A surdez temporária pela tecnologia barulhenta dos mais novos aguçava sua vontade de voltar a sua forma primitiva e voar para longe dali. Bem, bem longe. O contato mínimo de um braço em seu ombro a fez se recolher alguns passos para trás e preparar algum tipo de insulto ensaiado: fora assim que aprendera da última vez. Era a menina vestida de acidente de carro.

domingo, 2 de março de 2014

[conto com Angie] a amazona de prata - parte 1

[cenário: trailer debaixo do viaduto, grupo de caçadores de quimeras estão em seu disfarce habitual, comendo cachorro quente e papeando sobre o que farão em seguida no próximo contrato. Uma jovenzinha de 20 e poucos anos chega esbaforida, passos desacertados em seus saltos altos plataforma chamando atenção de todos.]

 - Galera, galeraaaaaaaaa!! - e quando os trabalhadores noturnos na pausa olharam para ela. - Não vocês, galera! Acertamos o bingo amanhã, Zé Ferreira? - um dos trabalhadores levantou o copo de plástico de refrigerante e falou algo com a boca cheia. E chegando nos companheiros de caçada, ela firmou-se bem no lugar e pediu atenção com gestos dramáticos. - Parem tudo que estiverem fazendo! A-G-O-R-A! - os companheiros olharam para ela com cara desconfiada. - É, todo mundo, até você aí que não aparece muito... Prestenção, óia só que barato!

"Tava lá eu dentro do buzão certo? Aquela galera de madrugada, tudo meio sonolento, meio pra lá, meio pra cá, belezoca, eu tinha tirado meu cochilim, tava meio grogue por conta da festa... Não, naõ me perguntem que festa, sou uma dama e tenho uam reputação a zelar... Aí do nada, assim DO NADA!! olho pela janela esse buzão enorme pegando fogo! Piração na soda!!

O motorista acelerou mesmo com gente tendo que soltar ali perto, mas parecia ser tumulto de manifestação, mó doidera! Uns manés lá na frente começaram a gravar, como se desse, gente gritando, batendo pedaço de pau nas lixeiras, muita confusão, nada a ver com nada e aí BAM!! o buzão em chamas soltou essa rajada de sei lá do quê e putisgrila um dragão enorme!!"

 - Dragão ou dragonete? Há diferença... - perguntou Smithens, o baixinho carrancudo palitando os dentes.
 - Deixa eu explicar, por favor? Tou empolgada na narrativa aqui...

"Um imenso dragão flamejante wtf sei lá das contas!! Claro que ninguém viu, né? Só feérico pode ver esses trem, muuuuuita piração na soda, tou falando... Aí a coisa começou a bafejar ar quente na galera já alterada, tava chamando rebuliço pros camarada, pode?! Os metralha foram descendo né? Com fuzil, colete a prova de tudo e já descendo o couro nos que tavam na frente...."

 - Peraê, isso aí não é por causa daquelas manifestações bobas que os Filhos-mais-Novos estão fazendo por aí não? - foi a vez do Pomposo perguntar com incredulidade, o olhar que Raine deu a ele o fez se aprumar no lugar. Ela era a favor desse tipo de reação popular, pois trazia novos sonhos e expectativas para aquele mundo tão cinzento, apenas não concordava com o oportunismo de uns que se aproveitavam da violência para chegarem aos seus objetivos.
 - Era não, sô... Era coisa mais grave. Esses trem de policial entrar no morro e sair atirando a esmo? Pois é...

"Mas a bagunça tava feita e feia! O dragão baforando o povo, jogando aquela carga negativa ruim que essas quimera maluca faz na gente quando não sabemos o que fazer... Acredite, já enfrentei mais do que devia..."