Pesquisando

Mostrando postagens com marcador projeto feérico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador projeto feérico. Mostrar todas as postagens

domingo, 23 de fevereiro de 2014

e no universo paralelo de Feéricos...


Maria Ev'Ângela Maricotinha seria assim, uma menina responsável.
(Olha só o detalhinho na roupinha fofa <3)

Source: [Ksenia Solo - Cliché Magazine]

sábado, 22 de fevereiro de 2014

[conto com angie] tagarelando com moribundos

[cenário: porta dos fundos de algum hospital público instalado ali perto do Posto 2, entre a praça dos bombeiros e a avenida enorme da Metrópole.]

Um senhor varria devagar o pátio cheio de ambulâncias pegando poeira e fuligem, carros de marca importada e cestos de lixo hospitalar, quem ouvia era uma menina vestida como um acidente de carro, toda ao avesso, maquiagem pesada em uma máscara disfarçada para a noite urbana naquele lugar tão disputado pela boêmia. Ela o ouvia atentamente porque sabia que o senhor de estatura baixa - ombros curvados pra dentro, barriga saliente em um corpo magérrimo, de uniforme azul desgastado pelo uso e vassoura de piaçaba nas mãos de dedos longos e fortes - falava a verdade. Pela primeira vez em sua curta vida, alguém que falava a verdade sobre uma Realidade que ela imaginava que todos estavam usando truques para desafiá-la.


domingo, 2 de fevereiro de 2014

[projeto feéricos] arquétipo: O Devorador de Sonhos

[postando os rascunhos lá do Evernote para uma fonte de segurança - nunca se sabe quando aquele trem vai engolir teus escritos]

Para montar o cenário de Feéricos, tive que fazer o básicão de qualquer autor: distribuir arquétipos. Enquanto os personagens estão crus e na forma antes de entrar no forno mesmo, me orientei com esses tipos de arquétipos para futuras averiguações.

Arquétipo: O Devorador de Sonhos

Nota criada em: 30/08/2013 21:28
Nota atualizada em: 30/08/2013 22:45

Ganchos:

  • Um feérico sombrio anterior ao tempo da Corte atual - mais de 1.000 anos - oferecia perigo para a Corte da época;
  • Possivelmente um Juiz ou Alto Clero ou Carrasco - atuava pelas Cortes como conselheiro dos Reinos, mas também como Arquivista;
  • Também conhecido como O Coletor, O Carrasco, O Jurista - procurar expressões sobre cargos da época.

Traços de aparência:
  • Kith Eshu;
  • A lenda da Mórrighan - a simbologia do corvo e da foice.


Feats e poderes:
  • Seu poder era de "esvaziar sonhos", punir feéricos transgressores maiores - crimes hediondos ou subversivos comprovados. Ao esvaziar o Sonhar dos feéricos, o punido era exilado para o mundo dos humanos sem os poderes e sem as memórias da vida anterior.
  • O Devorador pode se mover livremente entre os Trods sem sofrer penalidades do trajeto.

O bom disso tudo?
  • Se fundir com as sombras;
  • Visão do Futuro (efeito dominó de acontecimentos);
  • Dom da Sorte e da Sina (funcionamento parecido com a Arte Chicana no livro de Changeling);
  • Leitura corporal avançada;
  • Leitura de auras;
  • Ofícios aprimorados: o Tear (ler a Tellurian como os Magos, algo parecido);
  • Dom Raro: esvaziador de auras e memórias (poder acumulativo e natural).


O ruim disso tudo...
  • Quimera primordial: algum objeto que contenha as Leis dos Feéricos que está imbuído as lembranças do Devorador. Sem esse objeto, o Devorador perde a referência de seu eterno serviço;
  • Nômades;
  • Mau agouro - não são bem vistos pelos feéricos, muitas histórias de terror foram introduzidas na sociedade feérica para transformarem o Devorador em um ser sombrio e envolto em sombras (descrever melhor o conceito de ver e perceber dos feéricos);
  • Má fama;
  • Glutão - comem o dobro ou triplo do que seus estômagos suportam (isso tem a ver com o poder do esvaziamento);
  • Juramento a Hierarquia Maior - desconhecida, mistica e de tendência caótica neutra.

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

[conto] rootless tree

Quantos rascunhos de contos deixei na inbox? Tou apavorada! Bem, postando sem terminar!
Sim, em inspirei na homônima música de São Damião dos pseudos-irlandeses pra escrever essa.

===xxx===
Abriu os olhos, pequenos olhos, de perninhas curtas e dormentes, de respiração ofegante já no começo da manhã, do retumbar ecoante dos passos no assoalho de madeira forte, mas que às vezes parecia frágil. Seguiu em passos trôpegos até a mesa do café, não havia nada para seu estômago: "Uma pena" pensou sem sentir as palavras, mesmo que sua Fome estivesse ali presente ao seu lado (Como um espectro amarelado cutucando seu corpo), a diversão lá fora era mais atraente.

Desceu as escadinhas de madeira, deu uma última olhada para a casinha tão humilde que habitava em suas horas de não-vigília e suspirou fundo. Hoje iria saber como era ser grande.

Em muito segundos incontáveis cruzou o quintal dos fundos, tênis surrado nos pés já grandes para prender com cadarços, calças amassadas pelo tempo que passou dormindo na cama improvisada da casa humilde, a blusinha de tecido fino balançava solta em seu corpo miúdo que não engordava nunca - falta de nutrientes, falta de tudo, falta de nada - ajeitou a touca rasgada entre os cabelos negros tão desgrenhados pela falta de banho e se aprofundou na Grande Floresta da Adultice.

[conto] elementos: água e fogo

Maaaais outro na fila (Como é que deixei isso acontecer?!), conto sobre um personagem novo do Projeto Feéricos. Resolvi dar um background mais leve pro coitado, porque ele tava sofrendo demais pro meu gosto masoquista de ser.

===xxx===
Era começo de verão, lembrava disso, muito calor nos Portos, muito suor, suas roupas grudavam não só de suor, mas de água salgada do Mar, do esforço de descarregar mercadorias, por ajudar os companheiros puxar as macas com os feridos, suor em seu rosto, impregnando seu paladar olfato, ardendo seus olhos, essa sensação não iria sair nunca de sua mente.

Depois haveria o suor da festança, da multidão de diversas cores no Carnaval europeu, das raparigas afoitas pelo seu pouco dinheiro e boa aparência, dos brutamontes em querer se aproveitar de sua força e seu gancho de esquerda, dos pequenos levianos que investigavam delicadamente sua cintura e bolsos a procura de moedas para roubar, nunca achavam e decepcionados e assustados ficavam quando ele percebia no delito. Não os repreendia, apenas sorria. O maluco galês é como o chamavam quando o encontravam andando sozinho no começo da manhã após passar uma noite inteira em algum taverna ao porto, os pequenos (Ele sabia) tinham algo de especial em seus olhares, talvez fossem como ele daqui algum tempo, ou fossem de uma outra geração do olho aberto na testa, mas os pequenos nem desconfiavam do quanto ele sabia que não eram tão pequenos assim.

Os brutamontes beijaram o chão quando o provocavam e o chamavam de demônio irlandês - aí sim acertavam parte de sua origem, pois não tinha nada de demônio em seu corpo e constantemente se purificava nas águas do Mar pedindo aos deuses infinitos que trouxessem paz para sua mente turbulenta e seu corpo ansioso - o pouco de dinheiro que ganhava era fazendo trabalhos sujos nas tavernas ou lutando com aqueles homens de corpanzil enorme, mas pouco entendimento da Realidade maravilhosa que os cercava. Alguns ele conseguiu dar uma pequena amostra, um truque aqui, uma coincidência ali, uma prece atendida, uma doença fatal curada, era assim que demonstrava o seu carinho com os filhos mais novos.

Já as raparigas, bem... Elas o deixavam confuso. Se a ganância por dinheiro era a prioridade, porque em noites de luar quente, escondidas debaixo dos lençóis demonstravam tanto que queriam Amor, carinho, atenção, devoção? O marinheiro - era como elas o chamavam - podia entender a complexidade de uma fórmula química eficaz para disparar um canhão sem desperdiçar tanta pólvora ou misturar o rum com água destilada de forma tão equilibrada que não virava grogue na mão dos outros marujos. Mas o marinheiro não entendia a complexidade das mulheres, seres tão abençoados pela natureza, tão divinos em sua existência, tão agraciados com suas maneiras e poucas sabiam como usar isso ao seu favor (Bem, algumas usavam o corpo e os sortilégios femininos, mas havia tanto mais!). A confusão que elas causavam aumentava quando sentia que a linha tênue entre o entendimento científico e a cegueira da paixão parecia sumir debaixo de seus pés tão ligados a Terra. Era nessa hora que ele decidia pegar outro navio e desaparecer dali o mais rápido possível.

O Mar o acalmava, desde criança nas praias do Oeste do Eire, olhar para o Grande era relaxante, sedativo, quantas vezes não adormecera só ouvindo as ondas do Mar batendo contra as pedras perto da choupana onde morava com a família? Mas sabia que o Mar era traiçoeiro e impiedoso, fora descobrir isso também pequeno quando a fúria da Natureza arrastara a choupana localizada há centenas de metros da praia em terreno firme e varreu todos os vestígios de sua família. Separados pela miséria, pela discórdia e principalmente pela ganância. Foi vendido por poucas moedas para uma família abastada do Norte sem nem verem seus dentes, logo descobriria que o ditado encaixaria muito bem em sua vida.

O suor sempre presente em seu corpo, ou no trabalho árduo nos estábulos cuidando de cavalos, puxando carroças com as mãos, deixando os filhos mais novos o fazerem de montaria. A terra tão presente debaixo de seus pés começou a lhe dar raízes fortes, tomou gosto pela vida rotineira da grande fazenda, apreciava cada refeição rala dada pela criadagem como se fosse a última, corria pelas campinas no meio da noite a procura de lobos e criaturas diferentes (E como as encontrou!), insetos de diversas formas, tamanhos e composições eram seu passatempo favorito para estudar e pesquisar e perguntar aos mais velhos. sabia de cada picada, cada lesão, cada peçonha, cada bater de asas, cada roçar em sua pele de noite enquanto dormia. Os vagalumes o fascinavam inteiramente, vê-los sobrevoar as campinas misturados a névoa fina era como estar conectado a algo superior que ele não compreendia. E a única coisa superior que ele havia visto em toda sua curta vida fora a onda enorme que o Grande Oceano baixou sob a praia onde vivia quando criança.

As chuvas torrenciais que ajudavam a colheita crescer, os pés descalços afundados em um charco lamacento recuperando as batatas que brotavam pra cima do solo, a terra debaixo de seus pés, isso sim o fazia querer ter raízes, ter uma vida ali, seja onde fosse, com o mesmo que tivera antes, com o mesmo que os outros diziam que era digno de se ter, queria ser como os outros rapazes e seus sonhos férteis de vida domiciliar, queria uma família para cuidar, nutrir, sustentar, aprender, ensinar, queria ser comum. Mas ser comum não era para estar em seu livro da vida.

[conto] parada pra breja

Comecei a escrever, não terminei, vou postar assim mesmo.
(Aí sou obrigada a terminar porque postei, lalalalala)

===xxx===
A criaturinha miúda arrastando os pés descalços, vestida como um acidente de carro, totalmente de preto e maquiagem pesada, parou na frente do balcão do trailer, deixando seus sapatos de salto agulha impossíveis no chão e pousou o queixo redondo na superfície de madeira pintada.
 - Baixa uma breja, monsenhor! - pediu ela levantando o dedinho mindinho e fechando os olhos com um longo suspiro. O homenzarrão que atendia dentro do trailer, alternando entre a preparação de um cachorro quente e uma leva de batatas fritas virou-se para ela com um hambúrguer lotado de recheio.
 - Chica, você sabe muito bem que não sirvo bebida alcoólica pra criança... - e batendo os dedos na travessa de alumínio com condimentos, ele chamou: - Mesa 42... - Angie pensou que o hambúrguer era para ela, mas levou um belo tapinha repreensivo do cozinheiro, indignada em seu estado de exaustão no meio da madrugada ela o olhou com revolta.
 - E-eu não sou criança! Tenho mais de 18 anos! - Emilio virou-se de novo para a chapa e continuou o preparo de mais um prato rápido para os poucos clientes da madrugada.
 - Apresente um documento de identidade válido e aí libero a bebida... - ela procurou nos bolsos inexistentes de sua saia frufru em fiapos e cheia de cintas de couro, rolou os olhos para o lado. A mesa 42 estava vazia. - Mesa... - Toby chegou esbaforido, ajeitando o pano de prato no ombro e sorrindo largamente para a cliente de sempre.
 - Boa noite, Angela...
 - Buenas noches, doguitozito... - ela disse sorrindo cansada para ele e o cumprimentando com o toque de mãos que haviam ensaiado tanto durante as reuniões no Clube de Caça. Toby pegou o hambúrguer e foi para a mesa 42. - Oh seu Emilio Santiago, não tem ninguém na 42, posso comer no lugar do cidadão faltante?
 - Tá maluca, anjinha? - questionou Emilio olhando para a mesa e acenando seriamente.
 - Tou vendo ninguém ali... - e realmente não havia ninguém sentado na mesinha de plástico barato com banquinhos de alumínio, o sanduíche entregue sumiu assim que tocou a mesinha. - Eeeeeeeita, o que é isso?! - exclamou a menina acordando de seu estado letárgico, seu corpo reagiu na hora com o sumiço do sanduíche. Toby veio andando com um gingado diferente no andar manco. - Tá soltinho aí por quê, oh Toddynho? Cê acabou de ver...
 - Os parentes do Toby finalmente estão frequentando o lugar...
 - O quê?! - Angie perguntou boquiaberta.
 - Alguns não gostam de aparecer para os humanos, então só dão um pulinho rápido por aqui e somem pro outro lado do véu... - explicou o menino-lobo endireitando a postura dela com uma puxada de leve nos ombros dela para trás. A garota feérica o olhou entediada.
 - Alguém pode explicar para eles que isso não é elegante? Tipo, confraternizar com a comida é algo sagrado nas minhas bandas... E não fazer sanduíches sumirem não é lá... muito... perigoso para um filho mais novo ver? - a pergunta foi feita para Emilio, mas quem estava ao lado de Angie era o mendigo do Arges, devorando silenciosamente as batatinhas fritas e sorvendo todo o refrigerante escuro que Angie detestava colocar na boca. - Okay, aparições como essa também assustam os clientes... Por isso você não tem caixinha no final do turno, Emilio. - ela tentou desconversar, olhando o mendigo de cima abaixo.
 - Bom ver você, Willian... - o mendigo grunhiu uma resposta positiva e continuou comendo sem parar.
 - Por Danu, olhe só você... Mal saiu lá do subterrâneo e está engordando com comida saudável e o líquido corrosivo do capitalismo... Parabéns...






sexta-feira, 29 de novembro de 2013

[conto] conversações com alguém em particular


Os biscoitos delicados se esparramaram do pratinho decorado com entalhes prateados para o chão de cascalhos, pétalas de ipês roxos e areia fina e perfumada. As mãos desajeitadas que deixara cair o complemento daquele chá costumeiro antes do anoitecer não conseguiram alcançar o chão e limpar a bagunça feita, o nervosismo aparente da pessoa mais alta, suja e de aparência maltratada pelo tempo não deixava sua coordenação motora muito boa.

Quem apanhou os biscoitinhos delicadamente foi sua eterna musa, donzela tão afável e fagueira que o acompanhara desde criança quando ainda era uma pequena criança inocente no velho Eire. As mãozinhas delicadas da ninfa recolheram os fragmentos dos biscoitos finos e os colocaram de volta ao prato de onde haviam caído. Após um breve momento de silêncio constrangedor, o gesto convidativo da ninfa para o pratinho decorado foi aceito com um rápido gesto, mãos desajeitadas que trituravam o alimento, levando todos os biscoitos diretamente a boca. De boca cheia e mãos descoordenadas por muito tempo atadas às costas, mãos que não serviam mais para fazer absolutamente nada que prestasse quando era vivo, apenas o agarrar grotesco e trêmulo em cima do alimento que o serviam para aliviar sua doença.

A ninfa, graciosa em seu jeito de ser, perfumada naturalmente com uma fragrância de morangos e vinho branco, sentou-se a frente dele, serviu uma xícara de chá para si e em um pote de madeira entalhada serviu o de seu convidado inesperado. O suspiro satisfeito dado pela linda filha da Grande Floresta chamou atenção do mais alto - desconfiado do jeito que sempre fora - agora tentava se lembrar como era o comportamento de um gentleman que fora antes. Seu rosto quadrado e muito desfigurado dos séculos de castigos corporais, sol, tempestades de areia e destroços tombou para um lado, decifrando aquele suspiro vindo dela, a pessoa que mais confiava dentro de seu coração.
 - Não seja tímido... Vamos, beba... - ela anunciou indicando o chá servido no pote. Ele titubeou na resposta corporal, poderia estar delirando novamente como muitas vezes delirara em sua prisão. Poderia ser uma armadilha e aquele pote fosse o seu passaporte para o tormento temporário de muitas dores infligidas e que seu corpo cansado jamais se acostumava. - Ou poderia ser só chá de morango, Annami... Vamos... Beba…
 - O nome é Willian... - ele resmungou pegando o pote como conseguia e surpreso ao ver a mágica feérica tomar conta daquele objeto emadeirado se encaixar exatamente nas curvas nodosas de suas mãos atrofiadas. O segurar na mão esquerda estava firme pela primeira vez em 125 anos, um sorriso surgiu debaixo da barba espessa e irregular, lábios ressequidos alcançaram a borda do pote e beberam todo o conteúdo sem derramar uma gota fora, um risinho amigável vindo da ninfa encheu seu coração de novas energias.
 - Você pode mudar de nome, de rosto, até de corpo, mas para mim sempre será Annami... - ela bebericou o seu chá com uma fineza impecável, ele recuperando um pouco das forças, forçou os ombros para trás para ficar ereto na postura, mas os ossos doloridos de estar sempre nessa posição no cativeiro, o fizeram mudar de ideia. Curvado ficou, mas entendeu que deveria se portar como um moço de família, como um cavalheiro, estava na presença de uma melíade, não poderia se envergonhar com suas maneiras primitivas. - Você pensa demais... - ela disse pegando um morango açucarado e retirando um pedacinho da pontinha. Com a destreza de uma elemental da terra (E mais por ser uma criatura travessa), apontou o fruto no nariz do homem turrão a sua frente e o acertou em cheio.

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

[Projeto Feérico] Trecho nº 3 - Estrelas estão no chão

A conversa não era tão amena como costumava ser. Havia aquela sensação de urgência disfarçada, às vezes palavras escapavam sem poder se conter. Na maioria das vezes era melhor respeitar o maldito silêncio que pregavam do que ter uma conversa amigável.
 - Andas muito quieta. Aprontando alguma? - a voz ao seu lado a fez sair dos pensamentos difusos que tinha para o próximo plano. Não era tão arriscado, mas precisava ter certeza que nada sairia errado. Não desta vez. Havia muita coisa nas entrelinhas para alguém perceber no que realmente aquela caçada a quimera-ônibus-escolar realmente significava. Ela fora o começo, e pelo jeito seria o fim.
 - Não que eu saiba... O clima não tá muito bom pra travessuras... - respondeu apenas abanando a cabeça com uma das mãos enluvadas.
 - Perdes um pouco do brilho quando o Inverno chega.
 - É esse vento frio chatonildo... Não gosto de ficar tremendo que nem vara verde... - o homem ao seu lado riu baixo, como se estivesse esperando aquela exata resposta. Tudo com ele parecia ser tão esperado e constatado, ele sabia de absolutamente tudo sobre ela, e ela apenas sabia que seu Dom da Sina não adivinhava nada sobre ele. Deu de ombros, não poderia reagir de outra forma. Quando criança ainda tinha fôlego para discutir sobre os encantos e adivinhações enigmáticas do Mestre, agora que passava para a vida adulta aprendera a escolher bem as palavras com algumas pessoas. Os dois mirando a escuridão do céu limpo do Inverno na Metrópole era como um ritual de entendimento solidário e solitário. Cada um em sua forma de se expressar carinho. A aprendiz cobriu a cabeça com o capuz felpudo de seu casaco, soltou um suspiro de frio e viu a condensação do ar formando em volta de seu rosto pálido, gostou do que viu. - Cê acha que vai nevar?

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Trilha para Feéricos: How to sleep in a stormy boat

Descobri essa moça de Nashville (Antro perfeito para artistas folk/country lá nos estaites) e fiquei completamente apaixonadinha pelas músicas dela. Amy Speace contribuirá ótimamente com a trilha sonora de meu projetinho lindo, ainda mais nas partes em que há muita calmaria para divagar no universo de Feéricos.



Red sky ahead, of the morning sun
And I've heard it said, that's when trouble comes
Have been blown by this wind, and I know this eve
I've been out here before, it's not a math that I need

Show me how to fly in the starless sky
Help me to hold on when there's no guiding light
Teach me how to sleep, how to sleep in a stormy boat.

I've been blown by this love
And I know these ways
There's no compus on earth
Could guide my way
I still don't know
but at the end of the day
Is it as simple as this, I want you to stay

Show me how to fly in the starless sky
Help me to hold on when there's no guiding light
Teach me how to sleep, how to sleep in a stormy boat.

And I've been out here too long,
Where it's dark and deep
Not waiting on words, it's not words that I need.

Show me how to fly in the starless sky
Help me to hold on when there's no guiding light
Teach me how to sleep, how to sleep in a stormy boat.
How to sleep in a stormy boat,
How to sleep in a stormy boat.

quinta-feira, 4 de abril de 2013

[Projeto Feérico] Trecho nº 2 - O Caminho do Fio de Prata

[começo da saga dos Eshus Dançarinos das Estrelas - Ângela e Stardancer - para uma breve apresentação da interação dos dois viajando em um Trod desconhecido, esse foi um exercício de escrita muito bom para mostrar os lados emocionais e racionais de cada um. Angie tem no máximo 11 anos e Stardancer está cuidando dela por 2 anos]

A trilha no meio do nada era escura e nevoenta. O calor que subia da terra escura e fina fazia com que seus passos ecoassem de maneira assustadora. A mão que pousava em suas costas miúdas demonstrava que era para ela seguir a frente, mesmo que não houvesse luz alguma para orientá-los. O fio de prata que surgia aqui e ali era a guia temporária para que pudessem fazer um percurso seguro e sem problemas e sempre havia problemas em caminhos como aquele.

A cada barulhinho diferente, um chiado esquisito, uma pedrinha que era chutada sem perceber, tudo era razão para que seu Mestre Stardancer sair do modo enigmático para desferir um olhar feroz para a escuridão. Mas nada acontecia de fato, apenas o fio de prata, a estrada vazia e os dois caminhando cuidadosamente. Ângela se sentia inquieta. Não por estar na presença de alguém tão sábio e aventureiro como Stardancer, mas sim por estarem tanto tempo em silêncio. O Mestre não falara nada para onde iriam e como chegariam seja lá qual fosse o destino, Ângela não estava acostumada a isso, não em sua pouca idade quando era a Fome que se encarregava de guiá-la em praticamente tudo em sua curta vida.

Outro olhar feroz para o nada quando ouviram um arrastar na terra escura. Um escorpião quase transparente, de cauda pulsante passou por eles como se nem os visse. A curiosidade infantil e inocente fez o corpo de Ângela trocar os passos e seguir o caminho do escorpião. A mão antes guiava a deteve com uma força sobrenatural. Ela não exprimiu a surpresa e a pequena dor que sentiu ao ser puxada de volta para o caminho do fio de prata, mas lançou um olhar de estranhamento e questionamento para o Mestre.
- Não desvies de teu caminho, little girl... Somente os teus passos é que desvendam o Caminho de Prata... - após isso o silêncio se restabeleceu novamente, mas agora a sensação era diferente da confusão de não saber para onde estavam indo: Era a notória provocação que a impulsionava a perguntar coisas que não deveria.
- Para onde vamos?

[Projeto Feérico] Trecho nº 1 - Kittie/Kristevá

[trecho perdido do Projeto Feéricos. A personagem LabGirl Kittie foi engavetada para o melhor fluir do enredo, aqui nesse pedaço há um pouco de como ela silenciava as vozes que ouvia quando entrava em crise de realidade vs o Sonhar]

A cadeira era confortável, a coceira atrás da orelha não. As vozes iam e vinham em intervalos longos como um eco de algo que não estava ali, ou talvez estivesse. Ela apenas não conseguia mais saber o que era real ou não.
- ...Orgulhoso de você, segundo-tenente... Orgulhoso.
" - Pode me dizer o que aconteceu com a minha esposa?"
" - Quantas pessoas você atende aqui embaixo? É difícil assim?"
" - Você sabe que é especial, não pode ir lá fora ficar mostrando o que faz. Eles vão saber."
" - Eles nunca sabem."
" - Eles vão saber."
" - Quem sabe de coisa alguma. Mude, destrua, reconstrua, continue."
" - Você poderia ficar bem aqui. É melhor para todos."
" - É melhor para mim que nós não conversamos mais."
" - É melhor para o mundo se ninguém souber o que você faz."
" - Você não faz nada, menina!"
" - Quantas vezes tenho que dizer para fazer o que eu peço???"
" - Tenente, isso não é coisa que se faça..."

terça-feira, 19 de março de 2013

Projeto Feérico: Ângela (sem nome)



Durante os meses de hiatus, tive alguns insights devido a aproximação com o cenário de Changeling - The Dreaming. Claro que despertou minha curiosidade, já que o pouco que eu conhecia antes de realmente jogar era um vasto cenário de fadas no Mundo das Trevas, mas nada de concreto para se começar uma crônica ou conto.

Aí veio a Ângela.

Um esforço em conjunto para parir essa menininha confusa, moradora de rua (Minha obsessão com moradores de rua tem se mostrado forte desde o Ano Novo de 2011), perdida e extremamente arrogante. Angie é uma criança feita dos sonhos do mundo moderno decadente, cheia de idéias espalhafatosas que podem dar errado caso sejam aplicadas em lugares errados. Sem nome, sem casa e sem destino, ela vaga pelo mundo em suas andanças na companhia de seu Mestre Stardancer (Atualmente desaparecido) e reinventando a Realidade onde vive.

A 1ª concepção de uma personagem mendiga veio de um sonho enquanto estava lá no Rio de Janeiro, lendo ávidamente o livro de referência e curtindo a densa chuva de verão do final do ano. No sonho, uma menina mendiga saía de um prédio abandonado que tinha perto de onde meu primo mora e conseguia viver bem como indigente e salvando o dia de jovens indefesos socialmente como ela. Uma Robin Hood sem causa e sem muitas convicções, a menina mendiga só tinha um objetivo instantâneo: nunca ficar com fome.

A sensação de ter um vórtex no meio do estômago já me era conhecida ao escrever sobre a ladina Lady Annie de Shindu Sin'dorei, a menininha anarquista, cria de Chronalis (Filho de Nozmordu) e que vagava pelo mundo atrás de aventuras aleatórias e de experimentar comidas diferentes. Tudo, literalmente, no mundinho da Lady Annie era voltado para a apreciação de comida. Até seu vocabulário era influenciado por essa vontade primitiva de se alimentar (#zombiefeelings). O curso natural foi transferir essa habilidade bizarra de comer, se empanturrar até dizer chega e nunca estar quieta no lugar. Sim, é minha versão da Magali, já que o Maurício decidiu tratar da Compulsão Alimentar.

Em um primeiro sketch feita em uma ficha improvisada, a Ângela (Que não tinha nome ainda) era uma menina de rua, sem ninguém para cuidar dela, com poderes esquisitos florescendo enquanto crescia e uma fome insaciável. Como escritora masoquista, quis dar um background de vida passada sofrida para ela como uma criatura evoluída de alguma Corte Changeling, mas que estava tão obcecada com seu próprio poder adquirido que a única forma de se manter viva e sã deveria ser devorar o Sonhar de outros Changelings. Creepy stuff né? Mas eu estava em passos iniciais ali.

$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });