Pesquisando

Mostrando postagens com marcador projeto feérico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador projeto feérico. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de novembro de 2015

[contos] Feéricos - fios emaranhados

[FYI: estava um pouco alta ontem com cerveja de abóbora no sistema circulatório. Saiu isso. Agora relendo, vejo que há um futuro para o rascunho, mas vou arrumar as arestas fora de esquadro aqui, eita... Ps: a cerveja é até gostosa, tinha gosto de canela + cravo + abóbora + pimenta]

Arte: Parisian Cafe/Le Petite Rolleback por S. Sam Park

Título: Fios Emaranhados (por BRMorgado)
Cenário: Projeto Feéricos.
Classificação: 14 anos.
Tamanho: 4230 palavras.
Status: Completa.
Resumo: Angie recebe um convite para um encontro com velhos amigos. O que ela não esperava eram as novidades serem além do que planejava originalmente.
Disclaimer: Esse conto faz parte de algum rascunho perdido meu do Projeto Feéricos que vocês podem ver os pedaços sendo costurados aqui nesse post [x]



Encontros formais me deixam com vontade de dormir. Escutar a Realeza sempre me deu sono. Os ricões não sabem contar boas histórias, aquelas que deixam a gente sem pregar os olhos por dias imaginando os desdobramentos dos acontecimentos. A magia do contar histórias tá meio mortinha entre eles. O contar dinheiro e posses, beleza, fábulas para a quiançada? Nope.

Bem, são poucos que me fazem sair da Metrópole às 7 da madrugada para aparecer em alguma viela sei lá aonde nesses trods da vida bem na frente de um café com arzinho parisiense. Tou sabendo da agitação esses dias aqui nas quebradas, não gosto de me meter com política feérica, muito menos dar pilha para hobgoblins só esperando uma oportunidade para mastigar os crânios da gente. Sinceramente, entre a brutalidade dos hobgoblins e acordar antes das 7 da manhã, fico com a primeira opção.

(Deuses sabem o quanto é um pecado fazer uma nômade como eu sair do quentinho de debaixo das cobertas em um dia particularmente frio e chuvoso na Metrópole, após dias de intensa investigação furada com os Caçadores de Quimeras. Heresia, eu diria. Mas quem sou eu para professar alguma coisa? Sou só a garotinha do Caminho Prateado, ninguém tem que prestar atenção em mim não.)

Aqui estou eu, me arrastando sem meus saltos 15, mas de chinelos. Não custa nada ser um pouquinho de casa aqui nesse canto do mundo, até porque essa cidade é o ícone do relaxamento fofo do romantismo barato. Eu que não acredito mais nesse tipo de coisa faz tempo, vou preparando as caraminholas da cachola para ouvir o que eles têm a dizer.

Seja lá o que for, deve ser muito urgente.

domingo, 7 de junho de 2015

[conto com Angie] as estrelas, o destino e o nascer

Maybe you were born from the stars...
With nothing in your past, nothing coming around your future.
Just be what you were destined to be.
Maybe you were born only to exist...
Nothing about happy endings, nice dresses, shoes and waltzing around the balls
Maybe there is no Love marked in your Destiny's list.
You just be what you were destined to be.
Just this. Nothing more.
No dancing, no fairy-tale, no magic, no power, nothing.
Just you, the Destiny and the stars...

Yeah, maybe you were born from the stars
All the signs are up there
The dim lights in the darkest night
The magic upon the magicians
The music for the dancers
The only powers for those never will achieve anything import in their lives
The obscure nothing of million questions for the scientists
The romantic meanings for the lovers
Maybe you were born from the stars...
With nothing in your past, nothing coming around your future.
Just be what you were destined to be.
Maybe you were born only to cease...
Just like that star, dead a long time ago and we are still blessed by its light

Maybe I was born to some idiotic mission to save someone else
Save them from themselves
Save them from myself
Maybe I was born from that damn destiny will predict
That kind of profecy that leaves a sour taste in our tongues
But we kissed so many times, so many times
It fades away after so many punches

Maybe I was born to be with you
Nothing more
I deserve anything better or worse
Just me, being what I was destined to be.
With you.
Not you with me.
Maybe someday I'll be a star too
That one you'll look and wish it was only yours
Maybe I was born only to watch you disappear...
Just like that star, dead a long time ago and still blessed by its light


===xxx===
A dificuldade de se colocar ideias no papel é quando você tem ciência que não sabe como fazer isso propriamente dito. Cá estou eu de madrugada, falando que nem gente grande e com um pedaço de papel debaixo do pulso e uma caneta azul em punho. Falar em voz alta dá problema (Sempre dá), pode alguém ouvir e achar que estou declamando coisa bonita para outro alguém.
Como se fosse.

Às vezes a gente precisa de um momento de pura solidão pra ter uma ideia do que a gente sente tanta falta.

Quando eu sento pra escrever, nada me parece estar a altura de qualquer coisa para se ter em um livro, deixado pro povo da frente, pra eles algum dia lá no futuro baterem os olhos nas páginas amareladas de algum tomo perdido e apontarem pro meu nome: "Hey olha, era aquela menina dos Ventos!" - a complicação começa aí. O nome que vai ficar.

Eu sei como eles me conhecem, escuto quando eles murmuram pelos cantos de onde eu venho, de quem eu sou, para onde eu possivelmente vá ir daqui a pouco, mas poucos sabem o que realmente sou. Tudo por causa de um nome. Uma simples alcunha que alguém que não mais está aqui para reaver o sentido do nome. O sentido se perdeu assim que perdi o fio prateado, que caí naquele ônibus, que fui obrigada quase matar meu semelhante para sobreviver. Tudo perde muito valor quando você é reduzido a um animal feroz para poder viver.

Eu olho pros versos rabiscados, suspiro com minha incompetência de não ser poeta como os outros como eu. Suspiro novamente por não ter alternativa a não ser jogar o papel na lareira, suspiro de alívio quando vejo aqueles versos chamuscando para o limbo de uma vez por todas sem a minha aprovação. Eu não aprendi a escrever direito por causa disso: a frustração.


domingo, 3 de maio de 2015

S01E01 - Ato I: Os Caça-Quimeras - Capítulo 2

Chapters: 2/?
Fandom: Original Work
Rating: Teen And Up Audiences
Warnings: Creator Chose Not To Use Archive Warnings
Characters: Angela, Raine, Toby, Emilio, smithens, Prince, madame fabulária
Additional Tags: fadas, feéricos, quimeras
Summary:
Uma metrópole comum em algum lugar do mundo.
O grupo de caçadores liderado por Raine é especializado em capturar criaturas criadas pelo imaginário dos Filhos-Mais-Novos (os humanos) e pelo seu próprio povo (os feéricos), manter tudo na devida ordem e paz nunca foi tão difícil até encontrarem um desafio a altura.

(História original, para mais informações visitem: http://tinyurl.com/feericos)

===xxx===

[cenário: alguma lojinha de penhores entranhada em algum prédio caindo aos pedaços na Metrópole. É dia, mas a chuva que cai traz um ar de melancolia na cidade.]


A vida é mais ou menos assim, sabe? A gente procura, procura, procura, acha e vai lá caçar. Bem facinho, sem surpresas. É até um bom ramo de trabalho se for pensar nos ganhos: a patroa não chia tanto, os colegas não são chatos (Tá, tirando o seu Smithens, ele é um porre!), a remuneração vai de boa, tenho sempre dimdim pra comer o que quiser. O grande problema é a barganha. Sempre mia.



Madame Fabulária é o ser vivo mais velho dessa cidade (Arrãm, podicrê maluco que a véia é antiga!), viu uma pancada de coisa, vendeu boa parte delas e não se surpreende com o que acaba caindo nas nossas mãos. Semana passada deu um preço mixaria pra uma parte da armadura de Leopoldo, o Bravo. A coisa ficou séria quando ela nos acusou de roubar propriedade alheia, dignamente a Chefia respondeu à altura e disse que continua sendo um direito dela de nascimento em fazer o que raios quiser fazer com qualquer um de nosso povo.

Macaquinhos amestrados com polenta frita: a coisa ficou REALMENTE séria.

Meus colegas de trabalho consentem com esse poder invejável, Raine da Floresta do Inverno Profundo é irresistível em fazer qualquer um obedecer suas ordens. Ela não faz por mal, a Chefia quer se manter na dela sempre, mas esse povo com complexo de procurar salvadores da pátria... Pffff...



- Oh Filha dos Ventos, não tinha uma roupinha melhor pra se vestir não? - e lá se foi minha raríssima paciência para tratar Prince com educação. Apontei o dedo do meio pro babaca e esperei o nosso convidado de honra chegar de táxi. A missão hoje era convencer a velha a pegar leve na troca, nada de alardes, nada de respostas ferinas, apenas falar o que ela queria ouvir... Nada melhor do que chamar o Prince pra fazer o trabalho, ahn... delicado... (Ele tem mais jeito com mulheres do que eu). Tudo seria perfeito se não estivéssemos com o senhor-eu-sei-de-tudo-sobre-fadinhas Nakamori, o menino-inseto.



- É um belo espécime... - murmurou menino-inseto. Todo mundo chamava o camarada assim porque ele era diferente do que a gente tava habituado, sabe? Os Feéricos do Oriente jamais botam o pé aqui nessas quebrada, tanto por rancor como por nojinho. Menino-inseto rodava meio mundo atrás das coisas que ele pesquisava, não ia ser a família que ia impedir ele de vir pra cá saber sobre nós. Com aqueles óculos fundo de garrafa, espiava minuciosamente um jarro de conserva (Era picles, cebolinha ou tomates secos? Hmmmmm deu fome agora...) cheio de larvas em uma cor azul doentia. Parecia que as praguinhas tinham umas inscrições em cada corpinho de menos de uma ponta do meu polegar com o menor sinal de luz. O pouco que conseguia captar da vibe: eram farejadoras e das boas.



Sim, porque o Toby não consegue fazer o trabalho de cheirador sozinho: precisamos de mais narizes nos esquemas.



Madame Fabulária era dura na queda pra negociar mercadoria, mas justa quando via que o cliente precisava realmente do item. Mercenarismo não era a cara dela, apenas o saber que não está



- 3 mil cada uma... - menino-inseto endireitou a postura pra parecer mais homem e fez uma expressão de escândalo em seguida. Falhou na primeira tentativa, rapaz...

- 3 mil?! Tá maluca?! - foi a minha vez de falar. - Tá doida a gente gastar esse dinheiro todo?! - O galã aqui do meu lado nem piscou pelo preço.

- Maluca estaria se te ofertasse pelo preço que você sugeriu... Esses são preciosos, menino-inseto. E se quiser um deles, é dinheiro pra cá, larvinha asquerosa para aí...

- V-você não tem idéia do que está falando!! 3 mil por larvas da Componésia?! - realmente o menino-inseto tá abalado. Quem mandou mexer com a velhaca?

- Matar o ninho foi um perrengue, o caçador anterior me disse isso... - o oriental andou um pouco em círculos, coçou a cabeça e me olhou com dúvida.

- Oh, crias da Componésia! - disse o pomposo de forma majestosa e teatral, parecia que tinha acordado de um sonho bom, o safado - Que honra ver que seus negócios sempre prosperam, Madame Fabulária... - se a velha ruiva cair nessa… não me chamo Maria Maricotinha Ângela da Silva Sauro...

- Pelo menos alguém aqui tem que ser sortuda em alguma coisa... -a velhota deu de ombros e logo mudou o tom de voz - E hey hey hey japinha! Nada de pegar mercadoria que não foi paga...

- Mas a senhora precisa entender que… - menino-inseto segurava o jarro de Componésias contra o peito como se fosse a coisa mais preciosa do mundo. Ainda me pergunto por que raios querem uma coisa dessas.

- Não me venha com o sermão novamente! - disse ela pegando o jarro de conserva e escondendo debaixo do balcão. - 3 mil e nada mais.

- Poxa vida, tá aí uma negociação que eu não perderia...

[continua...]

Para ler o texto na íntegra, clica cá!

[projeto feéricos: contos para sonhar] masterpost


Para quem não quiser perder nenhum capítulo do meu projeto - Feéricos: contos para sonhar - segue esse post aqui que tem todas as informações.

---xxx---
PROJETO OFICIAL

S01E01 - Ato I: Os Caça-Quimera
Capítulo 1 - Capitulo 2  -  Capitulo 3 - Capitulo 4 - Capitulo 5
Capitulo 6 - Capitulo 7 - Capitulo 8 - Capitulo 9 - Capitulo 10

As aventuras inusitadas de um grupo de caçadores de criaturas fantásticas chamadas quimeras. Atualmente está suspenso por tempo indeterminado, porque tive uma briga linda com a Musa - e ela foi comprar cigarro e nunca mais voltou.

---xxx---

CONTO COM ANGIE:

Coleção de contos narrados pela ótica da menina Angie. Não fazem parte do enredo principal do Projeto Oficial, mas são complementos e conexões com o cenário.

---xxx---

ESCORREGADIOS



Os Escorregadios - série
in manus dominum - Capitulo 2  -  Capitulo 3 - Capitulo 4 - Capitulo 5
Capitulo 6 - Capitulo 7 - Capitulo 8 - Capitulo 9 - Capitulo 10

Coleção de contos sobre "os Escorregadios", seres sobrenaturais que os Feéricos chamam que vagam pelo mundo assumindo identidades imutáveis e imortais. As histórias não fazem parte do enredo principal do Projeto Oficial, mas são complementos e conexões com o cenário.
(Ou minha desculpa para escrever sobre Múmias, yeaaaaaah)

---xxx---

Profiles de Personagens:

Ângela (sem nome)
Prince, Pomposo
Smithens, o Ferreiro
Emilio
Tobby

domingo, 26 de abril de 2015

S01E01 - Ato I: Os Caça-Quimeras - Capítulo 1

Chapters: 1/?
Fandom: Original Work
Rating: Teen And Up Audiences
Warnings: Creator Chose Not To Use Archive Warnings
Characters: Angela, Raine, Toby, Emilio, Smithens, Prince, Madame Fabulária
Additional Tags: fadas, feéricos, quimeras
Summary: Uma metrópole comum em algum lugar do mundo.
O grupo de caçadores liderado por Raine é especializado em capturar criaturas criadas pelo imaginário dos Filhos-Mais-Novos (os humanos) e pelo seu próprio povo (os feéricos), manter tudo na devida ordem e paz nunca foi tão difícil até encontrarem um desafio a altura.

(História original, para mais informações visitem: http://tinyurl.com/feericos)


--------------------------------------------------------------
É noite na Metrópole e há traços de chuva torrencial por todos os lados.

O cenário é debaixo de um viaduto de concreto, uma aglomeração de poucas pessoas em um trailer de cachorro quente ao lado de uma construção não-acabada de um edifício de muitos andares. Mesinhas amarelas de plástico com cadeiras e banquinhos de diversos formatos estão espalhados uniformemente perto do trailer, alguns clientes estão ali, aproveitando o final da noite para lancharem, um grupo de trabalhadores está em uma mesa dupla. O barulho da chapa fritando ovos e bacon é o som que mais se ouve, um homem alto de aproximados 30 anos, impecavelmente vestido encara seu smartphone com certa adoração e recita:


"A chuva da noite caía implacável no grosso teto de ferro escuro, uma dessas maravilhas da Humanidade depois que descobriram que podem moldar aço com fogo e martelo. As cristalinas gotas que se turvam com o cinzento de uma cidade que nunca dorme, turbulenta por sua ferocidade de concreto e óleo, como uma grande máquina alimentada por esperanças, emoções e sonhos. Pobre és chuva da noite por tocar chão tão..."


 - Quer parar de filosofar sobre a chuva? - disse o mais baixinho, cara emburrada e enfurnado na capa de chuva amarela berrante que cobria seu corpo atarracado.

 - Atrapalhas o dom de um poeta? Como ousas...? - respondeu o que segurava o celular novo, reluzindo a capa de prata e uma correntinha de ouro maciço no pulso. Ele desligou o aplicativo de gravação de voz e certificou-se de que não havia mensagens ou ligações novas na telinha de pura tecnologia.

 - Desde quando trambiqueiro é ser poeta?

[continua...]

Para ler o texto na íntegra, clica cá!

terça-feira, 21 de abril de 2015

Feéricos - contos para sonhar no Ao3!!

[Edit] terei que repostar again, porque fiz o favor de deletar o post com os Contos da Angie...


Okay, lá vou eu escrever de novo!

Nova sessão no Blog a partir do sábado que vem - quis fazer essa sexta, mas há outro evento feérico tomando conta das minhas noites e não há como me deslocar do outro lado do mundo paralelo para voltar a Metrópole de forma intacta  - sobre contos aleatórios coletados pela Eshu vestida como um acidente de carro.

Já tava demorando para tomar essa decisão, então em um momento de clareza delirante induzida por sono excessivo e arrastar para a minha caminha quentinha e linda, decidi que já tava na hora de postar o Projeto Feéricos de uma vez por todas. 

Como a quiança feérica não cala a boca nem um minuto, é impossível eu resistir aos impulsos de escrever coisas que não tem muito a ver com a história principal do Projeto Feérico, mas de certa forma estão atreladas ao universo que ando transpondo na escrita. Ela quer mais espaço, então terá, o que mais que essa menina vai pedir? Bananas dançantes? Brócoli-unicórnio lhama?

I can't Angie! Vai estourar meu orçamento!
Outro objetivo da nova sessão é refrescar o meu HD mental cheio de coisas para escrever, mas que não encaixam no Projeto Feérico direito, coisas que só a Ângela (agora com nome) captaria e conseguiria colocar em forma de palavras faladas, não escritas. Mais outra imperfeição do eu-lírico, méh.

Então bora sancionar isso logo: Feéricos - contos para sonhar - no Ao3.
Toda semana haverá um capítulo de no máximo 2 mil palavras ou que encaixe melhor na narrativa. Caso houver algo extra ou especial para colocar junto - backstory, fichas, curiosidades - postarei aqui com a mesma tag de Projeto Feéricos. Tá na hora de fazer a carroça andar, minha gente!

Muita música, prosa boa e finalmente tem que sair de algum ponto.
E comida. Tem que ter comida também!!

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

[video] Elastic Heart - Sia - e considerações

Já havia comentado da Sia por aqui, australiana, escreve letras bacanas para artistas consagradas, um rumo totalmente diferente de se aproximar do mainstream (Ela não mostra o rosto de jeito algum, ou faz shows de costas pro público). Acabei topando com ela em algum link estranho do Daily.Dot com esse vídeo aqui por conta da chamada do artigo: algo como Sia pede desculpas sobre vídeo controverso com Shia LeBeouf e Maddie Ziegler.

Fui ver.

Foi desconfortável.

Me interessou.


É creepy pra cacete você colocar um cara como o Shia numa jaula com uma garotinha que parece ter molas ao invés de articulações - fui ver algumas performances dela no Dance Moms (Reality show sobre dançarinas mirins e suas rotinas familiares) e a guria é fantástica! - e depois cobrir com essa camada que compõe a letra mais metafórica possível.

Tive que ler umas trocentas vezes pra ver se entendia direito, evitei de ir nos comentários para não ler coisas inflamatórias sobre o que raios se trata a música - pqp poesia é uma arte tão abstrata que teve gente que tirou recalques freudianos do fundo do baú pra justificar a intensidade do vídeo, não, apenas não.

O interessante desse vídeo foi a concepção da coreografia que parecia um bailar interno entre 2 lados de uma moeda. As impressões que eu tive foram que Shia era o centro protetor, o cuidador, aquele que mantinha a jaula em silêncio, enquanto Maddie é essa criaturinha selvagem, parecida com um lobo desembestado, não consciente de sua "prisão" (Ela até sai da jaula sem dificuldade em algumas partes do vídeo) e determinada a deixar o ponto de equilíbrio em um estado de vigilância eterna.

Por um tempo assisti esse vídeo quase todos os dias - escutava a música incessantemente pra poder descobrir o porquê me cativava tanto - até que ao ver hoje o making of e algumas considerações dos envolvidos no processo artístico do vídeo. Algumas certezas sim, outras dúvidas não. O mistério da letra que ainda paira sobre minha cabeça, até eu conseguir colocar isso em uma situação "real" de vida e que se encaixa perfeitamente com essa dinâmica imperfeita de Razão e Emoção.

Um sorriso bobo deve ter passado entre meus lábios, mas ao olhar novamente para Maddie pulando de lá para cá e dançando frenéticamente como se não houvesse amanhã, e a contraparte centrada, determinada em suas decisões, dotada de todo saber (E ironia!) contido em suas ações e palavras. Só pude remeter a uma dupla de changelings que mantenho um vínculo literário bem pitoresco.

O mestre silencioso com uma cicatriz no rosto, a menina que se veste como um acidente de carro.
E sim, os dois têm corações elásticos.

(Letras debaixo do link)

domingo, 18 de janeiro de 2015

[Projeto Feérico] Conversas ao amanhecer

Título: Conversas ao amanhecer (por BRMorgan)

Cenário: Original - Projeto Feéricos.
Classificação: PG.
Tamanho: 1808 palavras.
Status: Completa.
Resumo: Após uma noite de comemoração, Raine e Angie discutem sobre o que é o Amor.
Personagens: Angela, Raine.

A comemoração da noite anterior fora um sucesso-desastre. Sucesso, pois a caçada ao monstro do Lago (Que nem era tão monstro assim) havia sido finalizada, com grandes expectativas para o próximo contrato e uma recompensa muito boa para os Caçadores de Quimeras. Desastre, pois boa parte da recompensa agora estava depositada em grandes barris de cerveja envelhecida que abarrotavam a sala de jogos e Hall do Hotel.

Do chão perto do sofá na janela, uma figura meio torta tentava pegar uma caneca com mais líquido fermentado de cor escura e aroma achocolatado, uma mão esguia de longos dedos estapeou a mão pequena e com um grunhido depositou um copo d'água e comprimidos contra ressaca. Outro grunhido foi a resposta, o próximo grunhido foi abafado por um corpo maior se sentando no sofá confortável e se deixando deitar com a cabeça no braço de madeira antiga.

 - Bom dia, raio de sol... - rasgou a voz sonolenta de Angela, Filha dos Ventos, para a líder do grupo Raine. Pela tonalidade nada harmoniosa da menina Eshu, a Sidhe percebeu de imediato que alguém ali estava pior do que ela na questão da bebedeira.
 - Dia, querida Angela...
 - Quem colocou esse efeito legal no teto?
 - Que efeito?
 - Ele tá girando...
 - São apenas seus olhos, querida... - respondeu Raine com um leve sorriso no rosto pálido, olhos verdes ainda lânguidos pela quantidade de álcool circulando em seu corpo.
 - Cadê todo mundo?
 - Cansados e embriagados...
 - E o Tobbinho?
 - Debaixo da escada em sua forma mais branda...
 - Como é que ele consegue beber tanto e virar cachorrinho de madame depois? - perguntou a menina levantando a cabeça.
 - Segredos da natureza dos lupinos, menina...
 - Cara, o que que tinha nessa stout...? - a mão de Angela foi automaticamente para a caneca com a bebida, mas Raine a tirou de perto com um olhar fulminante, mesmo ainda anuviado.
 - Chega de levedo por hoje.
 - É malte! - disse Angela com certa aspereza.
 - Não discuta, sou sua Rainha. - Raine colocou o ponto final na conversa com um pouco de sarcasmo, a menina Eshu fez uma cara fechada, mas logo sorriu bobamente.
 - Oh sim Majestade... - tentando reverenciar Raine, mas falhando miseravelmente por sentir o corpo pesado demais para isso. Deixou sua cabeça quicar ao chão e boca amarga do sono induzido pela quantidade de cerveja que tomara.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

[Feéricos - contos para sonhar] os escorregadios: Kristevá Todd

Título: Feéricos - contos para sonhar os escorregadios: Kristevá Todd (por BRMorgan)
Cenário: Original - Projeto Feéricos.
Classificação: PG.
Tamanho: 471 palavras.
Status: Completa.
Resumo: Diálogo entre alguém e a Morte de triciclo.
N/A: Um pequeno rascunho que veio e acabei deixando de lado. Mas aí depois ao pensar nele, fiquei: hmmmmm acho que vai me servir para a posteridade. [Editando: Atualizado 11/09/2016]
================================================

Eis um corredor extenso de uma instituição qualquer.
Poderia ser de uma escola, universidade, hospital, escritório, o que for.
Antigo é o prédio, velhas são as edificações, enferrujadas são suas portas e janelas, há muita areia acumulada em muitos cantos e rastros por todo chão.
Nesse corredor extenso há uma única porta aberta.

Atrás dessa porta há um armário de limpeza qualquer, com estantes improvisadas com produtos de limpeza, algumas vassouras, esfregões e rodos já desgastados pelo Tempo. Uma enceradeira velha e descascada, galões de desinfetante de cheiro forte de limão, luvas de plástico amarelas penduradas em alguma estante. Sentada ao chão está uma pessoa que podemos identificar como "Visitante".

Do lado de fora desse espaço pequeno, no corredor sem porta alguma a não ser essa, está a Morte, personificada como a famosa ceifadora, vestida de grosso manto escuro, o capuz cobrindo a caveira angular, de protuberantes ossos em alguns lugares da bochecha e mandíbula projetada para frente com grossos caninos, não como uma caveira humana, mas de animal exótico. Sem olhos, ela observa, com sua foice pendurada nas costas, sentadinha em um triciclo infantil de cor rosa choque, encarando a porta como se estivesse ouvindo atentamente a pessoa visitante.
 - Você colocando dessa maneira parece bem mais fácil de entender... - continuou a pessoa visitante para a Morte de triciclo. Sua voz estava abafada por estar no fundo do closet de limpeza, mas isso não impedia do diálogo seguir normalmente. - Desculpe-me, mesmo... Tá tudo bem... O importante é que sei agora, né? - a Morte concordou com o seu capuz movendo para cima e para baixo no rosto cadavérico. - Agora sei o que fazer com o restante do meu tempo.
 - Apenas não se precipite. - avisou a companheira das últimas horas.
 - Não, não irei. Quero fazer direito, eles confiam em mim.
 - Não quer nem pensar em uma escapatória?
 - E por quê eu faria isso? Tem jeito? - a Morte de triciclo deu de ombros, a foice pendurada em suas costas mexeu um pouco.
 - Talvez dê certo. Alguns tentaram.
 - E foram felizes?
 - Infelizmente não sei. Apenas sei que tentaram.
 - Difíceis de pegar?
 - Escorregadios.
 - Não quero te dar trabalho. - um fio prateado escorregou do cabo da foice e foi serpenteando devagar até o fundo do armário, enlaçando calmamente a perna da pessoa visitante. Ela estremeceu sem entender o porquê ter tal laço frio.
 - Nem eu. - estremeceu a pessoa visitante sem saber o que falar. Suas memórias estavam ficando falhas novamente. Tinha pouco tempo agora. A Morte pega impulso em seu triciclo rosa-choque e pneus de plástico desgastados, mas antes que pudesse arrancar, a menina se moveu dentro do armário de limpeza no corredor de extenso de uma única porta.
 - O que acontece se um dos escorregadios conseguir?
 - Fica difícil de prever. Muitas coisas mudam, novos horários, pouco tempo para adaptar a carga-horária.
 - Se precisar de alguém... - a pessoa visitante deu de ombros ao dizer isso.
 - Com certeza não irei te chamar. - respondeu a morte de triciclo, apertou bem as mãos no guidão do triciclo, pedalando algumas vezes no extenso corredor de uma única porta. A menina colocou a cabeça para fora da porta, assistindo a ceifadora ir esvoaçante pelo corredor. Suspirou de cansaço, de tristeza, de impaciência.

Olhou para aquela porta que dava acesso ao corredor. Tudo parecia tão diferente agora que sabia o que fazer. Poderia tentar mais uma vez, não é?

Ser um escorregadio não estava nos planos dela.

Fez uma lista mental do que deveria fazer ao acordar:
Encontrar a bruxa solitária.
Conversar com a ninfa das árvores.
Socar o rosto do marinheiro.

Ia colocar algo a mais na lista, muito importante, não poderia esquecer, algo a ver com alguém que vinha das cavernas geladas quando sentiu a fisgada leve. O fio prateado em sua perna era puxado aos poucos, apertando seu tornozelo, aquilo estava certo? Era para ser... assim?

Seu corpo foi derrubado ao chão com violência e bruscamente, o fio prateado estrangulando o que tinha por dentro, levando o que tinha que levar, deixando apenas um invólucro vazio e sem memórias do passado, de sua missão e de seu futuro.

...

Kristevá Todd teve sua admissão no Hospital da Metrópole aos 9 anos de idade com um diagnóstico inconclusivo entre amnésia retrógrada e forte trauma infantil. A dosagem de remédios aumentou quando completou 13 anos de idade.

Esqueceu da lista.
Esqueceu da companheira das últimas horas.
Esqueceu de saber quem era.

Não sonhava mais.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

[conto] Projeto Feéricos - Nomes

Título: Nome (por @_brmorgan)
Cenário: Original - Projeto Feéricos.
Classificação: 14 anos.
Tamanho: One-shot ( + 3K palavras)
Status: Completa.
Resumo: Às vezes nomes não fazem diferença na vida das pessoas.
Personagens: Mirela Gauthier, Monique (Mona) Gauthier, mendigo do Arges, Walter McDougal, Philippe Gauthier, Christopher Gauthier.
N/A: Quis imaginar um pouco do cotidiano da família Gauthier da querida feérica Mona e veio dessa forma. O primeiro encontro entre família e enamorados.

Estranho era essa, a criatura humana.

Sentiam pena de si mesmos o tempo todo e quando pecavam à mostra dos outros, precisavam de permissão para conseguir atravessar a humilhação. Indivíduos de todos os tipos de pensamento, conceitos e credos, às vezes lembravam que existiam coisas além deles mesmos e o visitavam na estação.

Os poucos hóspedes de grande risco.

Projeto Feérico - Raine, a exilada.

[processando rascunhos da fila]

Como já sabem, estou formulando um Projeto de um possível livro ou talvez quadrinhos - ou sei lá, o que vier primeiro - sobre fadas, meio-fadas, coisas com glitter, pózinho de pirimpimpim e contos infantis. O Projeto Feérico está firme e forte e conforme o tempo vai passando vai tomando mais forma que o idealizado cerca de 2 anos atrás.

Parte desse Projeto foi influenciado por uma sessão de RPG de Changeling the Dreaming e contos espalhados sobre os personagens. Anteriormente eu havia apresentado o perfil da Angela (agora com nome) aqui no Blog e pretendo continuar colocando alguns destrinchamentos de personagens conforme a inspiração vem.

A escolhida de hoje é Raine, a sidhe de sangue Real e líder do grupo de Caçadores de Quimeras.



A concepção de Raine veio de uma velha fórmula que gosto de repetir até para poder dar peso aos outros personagens: alguém que quer se livrar do Passado, mas as pessoas ao seu redor sempre a lembram de seu status político. Partindo daquela de "Quem foi Rainha, nunca deixa o trono", é essa situação em que Raine se encontra. Como um estereótipo de sidhe básico, ela é obrigada a ser a detentora de responsabilidades que estão além dela, às vezes de forma inusitada e absurda.

A maioria das pessoas que a conhece sentem essa liderança exalando dela e sem perceberem se apoiam nas atitudes e ideias que ela tem durante as caçadas. Querendo ou não, Raine se torna uma líder mesmo quando tenta não mostrar que é - #aragornfeelings.

terça-feira, 20 de maio de 2014

[Projeto Feérico] conto com angie - dia de hoje

FAIRY MOTHER & CHILD
By David Delamare

Maria Ev'Ângela das Dores do Nascimento não gostava de feriados.
Afetava muito as pessoas a volta e quando você era uma feérica de muitas primaveras, pior ainda.

A Roda parecia girar incessantemente, desvairada, sem dar dica se iria parar em algum lugar ou simplesmente voltar para um ritmo normal e as pessoas ficavam um bocado estranhas. Ela mesma ficava estranha ao ver que as pessoas ficavam estranhas. Okay, estava um bocado confusa agora com toda essa estranheza no ar.

Os feriados eram como roletas russas para os feéricos: poderiam ser uma total alegria e felicidade, mas ao mesmo tempo deixar muitos em um poço de depressão e pensamentos ruins. Como poderia alegrar um Troll do Gelo quando todos comemoravam o começo do Verão? E que raios teria de bom comemorar o Dia das Crianças se o feérico já era milenar, velhaco, acabado e provavelmente usando fraldas? Dias específicos que os Filhos-mais-Novos decidiram incluir por conta de diversas razões (comércio, simbologia, religião, etc) eram os que mais traziam problemas e benefícios para os feéricos.

E os problemas eram o que ela deveria lidar mais.

quinta-feira, 17 de abril de 2014

[conto com Angie] Zoo Station

Título: Estação do Zoo (por @_brmorgan)
Cenário: Original - Projeto Feéricos.
Classificação: 16 anos. (Violência moderada, palavras de baixo calão).
Tamanho: One-shot ( + 3K palavras)
Status: Completa.
Resumo: Negociações são feitas no vagão do Metrô do Arges.
Personagens: Ângela, o Mendigo do Arges, pessoas comuns, a Tríade da Tribo Klovia.
N/A: Pirei no cabeção e enquanto ouvia o Achtung Baby pensei em fazer um conto por cada título de música desse álbum do U2, não necessariamente inspirada pela música, mas sim só o título, não explora não...

================================================
Trilha Sonora essencial: U2 - Achtung Baby. E sim, os contos vindos a partir do Metrô do Arges vão se basear nos títulos das músicas desse álbum.



[vagão de metrô no meio da madrugada em algum local subterrâneo da Metrópole]

A marca de fuligem minúscula espirrada na janela fechada em um dia de calor na estação de trem da Metrópole enfeitava um dos vagões. Passageiros da madrugada que iam para lugar algum, entretidos em seus silêncios, vigilantes de seus próximos. Um grupinho mais afoito escancarou a porta de comunicação com outro vagão, rindo, falando alto e vivendo a juventude como deveriam.

Um velho levantou o olhar turvo de uma doença ocular avançada, o jovem executivo de terno, gravata e sapatos não mais engrachados, bufou impaciente, o vigilante de salário miserável em um gesto impulsivo de sua profissão, fechou os punhos com vigorosidade para mostrar um pouco sua autoridade no vagão do silêncio.

domingo, 2 de março de 2014

[conto com Angie] a amazona de prata - parte 1

[cenário: trailer debaixo do viaduto, grupo de caçadores de quimeras estão em seu disfarce habitual, comendo cachorro quente e papeando sobre o que farão em seguida no próximo contrato. Uma jovenzinha de 20 e poucos anos chega esbaforida, passos desacertados em seus saltos altos plataforma chamando atenção de todos.]

 - Galera, galeraaaaaaaaa!! - e quando os trabalhadores noturnos na pausa olharam para ela. - Não vocês, galera! Acertamos o bingo amanhã, Zé Ferreira? - um dos trabalhadores levantou o copo de plástico de refrigerante e falou algo com a boca cheia. E chegando nos companheiros de caçada, ela firmou-se bem no lugar e pediu atenção com gestos dramáticos. - Parem tudo que estiverem fazendo! A-G-O-R-A! - os companheiros olharam para ela com cara desconfiada. - É, todo mundo, até você aí que não aparece muito... Prestenção, óia só que barato!

"Tava lá eu dentro do buzão certo? Aquela galera de madrugada, tudo meio sonolento, meio pra lá, meio pra cá, belezoca, eu tinha tirado meu cochilim, tava meio grogue por conta da festa... Não, naõ me perguntem que festa, sou uma dama e tenho uam reputação a zelar... Aí do nada, assim DO NADA!! olho pela janela esse buzão enorme pegando fogo! Piração na soda!!

O motorista acelerou mesmo com gente tendo que soltar ali perto, mas parecia ser tumulto de manifestação, mó doidera! Uns manés lá na frente começaram a gravar, como se desse, gente gritando, batendo pedaço de pau nas lixeiras, muita confusão, nada a ver com nada e aí BAM!! o buzão em chamas soltou essa rajada de sei lá do quê e putisgrila um dragão enorme!!"

 - Dragão ou dragonete? Há diferença... - perguntou Smithens, o baixinho carrancudo palitando os dentes.
 - Deixa eu explicar, por favor? Tou empolgada na narrativa aqui...

"Um imenso dragão flamejante wtf sei lá das contas!! Claro que ninguém viu, né? Só feérico pode ver esses trem, muuuuuita piração na soda, tou falando... Aí a coisa começou a bafejar ar quente na galera já alterada, tava chamando rebuliço pros camarada, pode?! Os metralha foram descendo né? Com fuzil, colete a prova de tudo e já descendo o couro nos que tavam na frente...."

 - Peraê, isso aí não é por causa daquelas manifestações bobas que os Filhos-mais-Novos estão fazendo por aí não? - foi a vez do Pomposo perguntar com incredulidade, o olhar que Raine deu a ele o fez se aprumar no lugar. Ela era a favor desse tipo de reação popular, pois trazia novos sonhos e expectativas para aquele mundo tão cinzento, apenas não concordava com o oportunismo de uns que se aproveitavam da violência para chegarem aos seus objetivos.
 - Era não, sô... Era coisa mais grave. Esses trem de policial entrar no morro e sair atirando a esmo? Pois é...

"Mas a bagunça tava feita e feia! O dragão baforando o povo, jogando aquela carga negativa ruim que essas quimera maluca faz na gente quando não sabemos o que fazer... Acredite, já enfrentei mais do que devia..."

domingo, 23 de fevereiro de 2014

e no universo paralelo de Feéricos...


Maria Ev'Ângela Maricotinha seria assim, uma menina responsável.
(Olha só o detalhinho na roupinha fofa <3)

Source: [Ksenia Solo - Cliché Magazine]

sábado, 22 de fevereiro de 2014

[conto com angie] tagarelando com moribundos

[cenário: porta dos fundos de algum hospital público instalado ali perto do Posto 2, entre a praça dos bombeiros e a avenida enorme da Metrópole.]

Um senhor varria devagar o pátio cheio de ambulâncias pegando poeira e fuligem, carros de marca importada e cestos de lixo hospitalar, quem ouvia era uma menina vestida como um acidente de carro, toda ao avesso, maquiagem pesada em uma máscara disfarçada para a noite urbana naquele lugar tão disputado pela boêmia. Ela o ouvia atentamente porque sabia que o senhor de estatura baixa - ombros curvados pra dentro, barriga saliente em um corpo magérrimo, de uniforme azul desgastado pelo uso e vassoura de piaçaba nas mãos de dedos longos e fortes - falava a verdade. Pela primeira vez em sua curta vida, alguém que falava a verdade sobre uma Realidade que ela imaginava que todos estavam usando truques para desafiá-la.


domingo, 2 de fevereiro de 2014

[projeto feéricos] arquétipo: O Devorador de Sonhos

[postando os rascunhos lá do Evernote para uma fonte de segurança - nunca se sabe quando aquele trem vai engolir teus escritos]

Para montar o cenário de Feéricos, tive que fazer o básicão de qualquer autor: distribuir arquétipos. Enquanto os personagens estão crus e na forma antes de entrar no forno mesmo, me orientei com esses tipos de arquétipos para futuras averiguações.

Arquétipo: O Devorador de Sonhos

Nota criada em: 30/08/2013 21:28
Nota atualizada em: 30/08/2013 22:45

Ganchos:

  • Um feérico sombrio anterior ao tempo da Corte atual - mais de 1.000 anos - oferecia perigo para a Corte da época;
  • Possivelmente um Juiz ou Alto Clero ou Carrasco - atuava pelas Cortes como conselheiro dos Reinos, mas também como Arquivista;
  • Também conhecido como O Coletor, O Carrasco, O Jurista - procurar expressões sobre cargos da época.

Traços de aparência:
  • Kith Eshu;
  • A lenda da Mórrighan - a simbologia do corvo e da foice.


Feats e poderes:
  • Seu poder era de "esvaziar sonhos", punir feéricos transgressores maiores - crimes hediondos ou subversivos comprovados. Ao esvaziar o Sonhar dos feéricos, o punido era exilado para o mundo dos humanos sem os poderes e sem as memórias da vida anterior.
  • O Devorador pode se mover livremente entre os Trods sem sofrer penalidades do trajeto.

O bom disso tudo?
  • Se fundir com as sombras;
  • Visão do Futuro (efeito dominó de acontecimentos);
  • Dom da Sorte e da Sina (funcionamento parecido com a Arte Chicana no livro de Changeling);
  • Leitura corporal avançada;
  • Leitura de auras;
  • Ofícios aprimorados: o Tear (ler a Tellurian como os Magos, algo parecido);
  • Dom Raro: esvaziador de auras e memórias (poder acumulativo e natural).


O ruim disso tudo...
  • Quimera primordial: algum objeto que contenha as Leis dos Feéricos que está imbuído as lembranças do Devorador. Sem esse objeto, o Devorador perde a referência de seu eterno serviço;
  • Nômades;
  • Mau agouro - não são bem vistos pelos feéricos, muitas histórias de terror foram introduzidas na sociedade feérica para transformarem o Devorador em um ser sombrio e envolto em sombras (descrever melhor o conceito de ver e perceber dos feéricos);
  • Má fama;
  • Glutão - comem o dobro ou triplo do que seus estômagos suportam (isso tem a ver com o poder do esvaziamento);
  • Juramento a Hierarquia Maior - desconhecida, mistica e de tendência caótica neutra.

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

[conto] rootless tree

Quantos rascunhos de contos deixei na inbox? Tou apavorada! Bem, postando sem terminar!
Sim, em inspirei na homônima música de São Damião dos pseudos-irlandeses pra escrever essa.

===xxx===
Abriu os olhos, pequenos olhos, de perninhas curtas e dormentes, de respiração ofegante já no começo da manhã, do retumbar ecoante dos passos no assoalho de madeira forte, mas que às vezes parecia frágil. Seguiu em passos trôpegos até a mesa do café, não havia nada para seu estômago: "Uma pena" pensou sem sentir as palavras, mesmo que sua Fome estivesse ali presente ao seu lado (Como um espectro amarelado cutucando seu corpo), a diversão lá fora era mais atraente.

Desceu as escadinhas de madeira, deu uma última olhada para a casinha tão humilde que habitava em suas horas de não-vigília e suspirou fundo. Hoje iria saber como era ser grande.

Em muito segundos incontáveis cruzou o quintal dos fundos, tênis surrado nos pés já grandes para prender com cadarços, calças amassadas pelo tempo que passou dormindo na cama improvisada da casa humilde, a blusinha de tecido fino balançava solta em seu corpo miúdo que não engordava nunca - falta de nutrientes, falta de tudo, falta de nada - ajeitou a touca rasgada entre os cabelos negros tão desgrenhados pela falta de banho e se aprofundou na Grande Floresta da Adultice.

[conto] parada pra breja

Comecei a escrever, não terminei, vou postar assim mesmo.
(Aí sou obrigada a terminar porque postei, lalalalala)

===xxx===
A criaturinha miúda arrastando os pés descalços, vestida como um acidente de carro, totalmente de preto e maquiagem pesada, parou na frente do balcão do trailer, deixando seus sapatos de salto agulha impossíveis no chão e pousou o queixo redondo na superfície de madeira pintada.
 - Baixa uma breja, monsenhor! - pediu ela levantando o dedinho mindinho e fechando os olhos com um longo suspiro. O homenzarrão que atendia dentro do trailer, alternando entre a preparação de um cachorro quente e uma leva de batatas fritas virou-se para ela com um hambúrguer lotado de recheio.
 - Chica, você sabe muito bem que não sirvo bebida alcoólica pra criança... - e batendo os dedos na travessa de alumínio com condimentos, ele chamou: - Mesa 42... - Angie pensou que o hambúrguer era para ela, mas levou um belo tapinha repreensivo do cozinheiro, indignada em seu estado de exaustão no meio da madrugada ela o olhou com revolta.
 - E-eu não sou criança! Tenho mais de 18 anos! - Emilio virou-se de novo para a chapa e continuou o preparo de mais um prato rápido para os poucos clientes da madrugada.
 - Apresente um documento de identidade válido e aí libero a bebida... - ela procurou nos bolsos inexistentes de sua saia frufru em fiapos e cheia de cintas de couro, rolou os olhos para o lado. A mesa 42 estava vazia. - Mesa... - Toby chegou esbaforido, ajeitando o pano de prato no ombro e sorrindo largamente para a cliente de sempre.
 - Boa noite, Angela...
 - Buenas noches, doguitozito... - ela disse sorrindo cansada para ele e o cumprimentando com o toque de mãos que haviam ensaiado tanto durante as reuniões no Clube de Caça. Toby pegou o hambúrguer e foi para a mesa 42. - Oh seu Emilio Santiago, não tem ninguém na 42, posso comer no lugar do cidadão faltante?
 - Tá maluca, anjinha? - questionou Emilio olhando para a mesa e acenando seriamente.
 - Tou vendo ninguém ali... - e realmente não havia ninguém sentado na mesinha de plástico barato com banquinhos de alumínio, o sanduíche entregue sumiu assim que tocou a mesinha. - Eeeeeeeita, o que é isso?! - exclamou a menina acordando de seu estado letárgico, seu corpo reagiu na hora com o sumiço do sanduíche. Toby veio andando com um gingado diferente no andar manco. - Tá soltinho aí por quê, oh Toddynho? Cê acabou de ver...
 - Os parentes do Toby finalmente estão frequentando o lugar...
 - O quê?! - Angie perguntou boquiaberta.
 - Alguns não gostam de aparecer para os humanos, então só dão um pulinho rápido por aqui e somem pro outro lado do véu... - explicou o menino-lobo endireitando a postura dela com uma puxada de leve nos ombros dela para trás. A garota feérica o olhou entediada.
 - Alguém pode explicar para eles que isso não é elegante? Tipo, confraternizar com a comida é algo sagrado nas minhas bandas... E não fazer sanduíches sumirem não é lá... muito... perigoso para um filho mais novo ver? - a pergunta foi feita para Emilio, mas quem estava ao lado de Angie era o mendigo do Arges, devorando silenciosamente as batatinhas fritas e sorvendo todo o refrigerante escuro que Angie detestava colocar na boca. - Okay, aparições como essa também assustam os clientes... Por isso você não tem caixinha no final do turno, Emilio. - ela tentou desconversar, olhando o mendigo de cima abaixo.
 - Bom ver você, Willian... - o mendigo grunhiu uma resposta positiva e continuou comendo sem parar.
 - Por Danu, olhe só você... Mal saiu lá do subterrâneo e está engordando com comida saudável e o líquido corrosivo do capitalismo... Parabéns...






sexta-feira, 29 de novembro de 2013

[conto] conversações com alguém em particular


Os biscoitos delicados se esparramaram do pratinho decorado com entalhes prateados para o chão de cascalhos, pétalas de ipês roxos e areia fina e perfumada. As mãos desajeitadas que deixara cair o complemento daquele chá costumeiro antes do anoitecer não conseguiram alcançar o chão e limpar a bagunça feita, o nervosismo aparente da pessoa mais alta, suja e de aparência maltratada pelo tempo não deixava sua coordenação motora muito boa.

Quem apanhou os biscoitinhos delicadamente foi sua eterna musa, donzela tão afável e fagueira que o acompanhara desde criança quando ainda era uma pequena criança inocente no velho Eire. As mãozinhas delicadas da ninfa recolheram os fragmentos dos biscoitos finos e os colocaram de volta ao prato de onde haviam caído. Após um breve momento de silêncio constrangedor, o gesto convidativo da ninfa para o pratinho decorado foi aceito com um rápido gesto, mãos desajeitadas que trituravam o alimento, levando todos os biscoitos diretamente a boca. De boca cheia e mãos descoordenadas por muito tempo atadas às costas, mãos que não serviam mais para fazer absolutamente nada que prestasse quando era vivo, apenas o agarrar grotesco e trêmulo em cima do alimento que o serviam para aliviar sua doença.

A ninfa, graciosa em seu jeito de ser, perfumada naturalmente com uma fragrância de morangos e vinho branco, sentou-se a frente dele, serviu uma xícara de chá para si e em um pote de madeira entalhada serviu o de seu convidado inesperado. O suspiro satisfeito dado pela linda filha da Grande Floresta chamou atenção do mais alto - desconfiado do jeito que sempre fora - agora tentava se lembrar como era o comportamento de um gentleman que fora antes. Seu rosto quadrado e muito desfigurado dos séculos de castigos corporais, sol, tempestades de areia e destroços tombou para um lado, decifrando aquele suspiro vindo dela, a pessoa que mais confiava dentro de seu coração.
 - Não seja tímido... Vamos, beba... - ela anunciou indicando o chá servido no pote. Ele titubeou na resposta corporal, poderia estar delirando novamente como muitas vezes delirara em sua prisão. Poderia ser uma armadilha e aquele pote fosse o seu passaporte para o tormento temporário de muitas dores infligidas e que seu corpo cansado jamais se acostumava. - Ou poderia ser só chá de morango, Annami... Vamos... Beba…
 - O nome é Willian... - ele resmungou pegando o pote como conseguia e surpreso ao ver a mágica feérica tomar conta daquele objeto emadeirado se encaixar exatamente nas curvas nodosas de suas mãos atrofiadas. O segurar na mão esquerda estava firme pela primeira vez em 125 anos, um sorriso surgiu debaixo da barba espessa e irregular, lábios ressequidos alcançaram a borda do pote e beberam todo o conteúdo sem derramar uma gota fora, um risinho amigável vindo da ninfa encheu seu coração de novas energias.
 - Você pode mudar de nome, de rosto, até de corpo, mas para mim sempre será Annami... - ela bebericou o seu chá com uma fineza impecável, ele recuperando um pouco das forças, forçou os ombros para trás para ficar ereto na postura, mas os ossos doloridos de estar sempre nessa posição no cativeiro, o fizeram mudar de ideia. Curvado ficou, mas entendeu que deveria se portar como um moço de família, como um cavalheiro, estava na presença de uma melíade, não poderia se envergonhar com suas maneiras primitivas. - Você pensa demais... - ela disse pegando um morango açucarado e retirando um pedacinho da pontinha. Com a destreza de uma elemental da terra (E mais por ser uma criatura travessa), apontou o fruto no nariz do homem turrão a sua frente e o acertou em cheio.