Pesquisando

Mostrando postagens com marcador promessas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador promessas. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

promessas ao fogo são abóboras incendiadas


Assim como elas foram feitas - com seu testemunhos de labaredas beijando meus dedos que não são nada aptos com esse elemento tão volátil - elas se irão como vieram. Em uma combustão rápida, segura e sem danos maiores.

Era isso que eu esperava.

Queimei a primeira abóbora hoje, não porque fazia parte dos esquemas do Halloween, era porque eu precisava ver algo se queimando para me libertar literalmente dessa bad vibe que ando sentindo - não, não sou piromaníaca, tenho pavor de fogo e riscar fósforos ou acender isqueiros não faz parte da minha lista de coisas que gosto de fazer - tão forte e tão ferrada que me fez ficar desligada essa semana inteira, apenas me preocupando com meu próprio umbigo no mimimi eterno.

O elemento fogo não condiz com o meu querido elemento correspondente (terra), assim fiquei no embaraçamento de atear fogo a abóbora sem ter habilidade alguma para tal coisa, resultado: muitos fósforos riscados, muito papel de rascunho utilizado, muito incenso de turíbulo e bora botar tudo que está trancado aqui já faz 1 ano pra fora. Eles vão embora e eu fico, não inteira, mas permaneço, como sempre pude me manter.

Que assim seja.

Os ciclos vêm e vão, como já havia citado em algum lugar: a vida é como uma espiral de situações parecidas e com saídas diferentes, tudo que temos que fazer é preencher essas lacunas da jornada com as nossas singelas e audazes experimentações de vida. Esse ciclo agora possivelmente irá abrir meus caminhos para aquilo que tenho que consertar - começando a limpar as explosões de humor que estão piorando que é uma beleza - e o que preciso pra ser melhor para mim mesma.

Às vezes fico matutando se conhecer essa outra parte do mundo invisível foi uma boa, afinal. Trouxe tantas autodescobertas e planos realizados e sonhos concretizados, mas deixou um belo buraco escavado no meu coração todo cobertinho de dor, mágoa e vontade de morder algumas jugulares com o intuito de assassínio premeditado. Estou confusa, não sei o que sentir exatamente e por isso a Razão dominou nas últimas semanas, a boa e pura Razão dos antigos gregos. Aquele infalível, que poderia explicar tudo e todos se não fosse o mero detalhe de eu saber muito bem que apenas ela não me salva, não é ela que é verdadeira na minha vida, não é ela que vai me ajudar a sair desse ciclo destrutivo de pensamentos nada felizes.

A boa e pura Razão Greco-romana me impulsiona a cometer alguns atos baseados na hýbris dos heróis, aquela falhazinha crítica de zombar do Destino, de mandar banana para os deuses (Deuses, que deuses?!), de ser desmedidamente cega para enxergar o mundo ao meu redor. O estado piora com todo esse turbilhão de lembranças e emoções não sentidas e que parecem querer ser sentidas AGORA quase 1 ano depois F.U. heart, I ain't givin a fly fuck...

Enquanto o ciclo não se fecha para partir para o outro, mantenho a Razão como minha companheira de guerra, levanto o escudo e continuo segurando a lança: não é só de emoções cuspindo fogo que devo me preparar para enfrentar. Promessas feitas com o fogo como testemunha são fáceis de se apagarem, ainda mais no calor da emoção. A essa altura da intolerância emocional, me sinto stuck (novamente), voltando ao mesmo ponto do ciclo em que me encontrava mais tempo, quando o fogo não me machucava, quando não precisava ficar riscando fósforo. Tudo que preciso é pensar, seguir a razão, sentir novamente a areia debaixo de meus pés.

O Mar me acalma, Janaína me deu um pouco do seu Amor, agora vou buscar novamente no elemento que mais tenho medo meios de caminhar novamente.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

interlúdio entre manter promessa e manter a sanidade


Verdade seja dita, não consigo manter promessas.
A mesma força impulsionadora para que eu as faça é a mesma proporcional para o desinteresse da causa prometida. E se o desinteresse for altamente questionável, aí sim pode apostar que a promessa antes feita com todo carinho e amor será deixada de lado no limbo cósmico para talvez ser resgatada algum dia depois para averiguação.

É amargo ter consciência disso e não poder fazer muita coisa.
Mecanismos de auto-defesa é uma coisa, já auto-preservação é outra.