Pesquisando

Mostrando postagens com marcador rezas diversas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador rezas diversas. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Poesias Nada Convencionais - Reza pra Doida Varrida

[originalmente escrita em 13:54 25/9/2007]

REZA PRA DOIDA VARRIDA
"Quem é que tá botando dinamite na cabeça do século? Quem é que me dá um  travesseiro pra cabeça do..." (Tom Zé - Curiosidade)

*murmurios de fundo*
Engajada naturalmente no sistema métrico
Atrelada a cosmologia do aparato cibernético
Aleatoriamente modernérrica
Constantemente cinética

Tem duas biblioteca aqui na cidade
A mais bem feita guarda livros
A outra guarda pessoas
Imagensoas personamagens

Um mundo tão moderno, tão bonito
Use a roupa, tome coisa, rosário de Santo Expedito
Faz oração no meio-dia, na meia-noite
Na noite meia, meio-dia e meia

Eu sou aquela menina!
Levanto a bandeira
Fico na linha de frente
Sou a de perder as estribeiras!

Sossega ela de novo
Faz sofrer o coração
Amor não-correspondido?
Não, foi sossega-leão

Eu entendo latido de gato
E mio feito cachorro
Sujo calçada com meus sapatos
Se vem alguém de lado, eu corro

Nas costas o comichão
No peito uma canção
Nos olhos a miopia avançada
Percepção intern(alter)ada

Poesias Nada Convencionais - Reza para Velhice Precoce

[originalmente escrita em 13:50 25/9/2007]

REZA PARA VELHICE PRECOCE

Valei-me meu Bom Deus
A velha caquética!
Fez uma década e um ano
Um quartenário de idéias!
Enxuta! Tá dentro dos esquema
Sorrindo, pulando, dançando
E esses gerundismos lindos

Acorda de manhã, sente o peso do sono
Sono eterno de uma pessoa passageira
Café frio, pão e manteiga
Sem queijo Minas, por favor!
Desde quando ela é mineira?

Sobe o morro de anos atrás
Sente a gravidade puxar
As costelas se embricam crispadas
A coluna começa a latejar

E não acredita! Há anos atrás!
Anos antes subia em 3 minutos
Hoje de tarde foram 20
Mais de 40 de velhice

Valei-me meu Bom Jesus
Reclamando de uma hérnia senil
Alojada no ventrículo esquerdo
Bombeando o sangue frio

Velhice precoce tem 6 sílabas
4 poéticas, 14 letras, 2 encontros
Resumidos em um corpo quebrado
Morreu de velha tão jovem!
Amamentando um verbo afogado
Atraído contraído. Amém
$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });