Pesquisando

Mostrando postagens com marcador sabedoria. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador sabedoria. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 23 de abril de 2015

vida social e laboratórios de informática

Agora me recordo do porquê não ter vida social na PUC-MG: laboratórios de informática.

Quando o ano de 2004 se estabeleceu, a banda larga não havia chegado ainda no vilarejo brejeiro onde eu morava há 3 anos atrás. Betinópolis tinha lan houses, mas era no laboratório da PUC-MG que eu praticava minha escrita fabulosa em blogs de layout sem CSS e postava obsessivamente em fóruns de fanfiction.

Eram bons tempos.

Logo não me restava tempo lá fora.
Com pessoas de verdade.
Com conversas filosóficas movidas pelo Vazio da Existência Universitária.
Ou movidas pelo teor etílico na corrente sanguínea.

O laboratório era meu ponto inicial e final.

Triste.
Mas foi a vida.

E agora estou aqui plantada em um da UFSC porque o celular não consegue postar devidamente as coisas que quero.

Lição aprendida na Biblioteconomia? Com a palavra Chelsea Handler e sua eterna sabedoria:

"A coisa mais importante é estar bêbada" - amém!

Não que eu vá praticar sacerdócio pra Dionísio (Até porque não dá, meu contrato com Morfeu é vitalício), mas realmente a experiência de segunda graduação está mudando meus hábitos de socialização interpessoal de uma maneira meio estranha.

quinta-feira, 6 de março de 2014

Sabedoria de ponto de ônibus

Encontro com colega de turma do semestre passado e o assunto vai e vem e uma metáfora supimpa aparece na hora para descrever algumas situações na vida:
"Somos como árvores, algumas folhas estão bem perto pra nos proteger, outras estão no meio e tem essas lá no final dos galhos que mesmo tendo conexão com o tronco, não quer dizer que iremos nos desdobrar até elas. Que elas fiquem lá e seja apenas uma conexão. Essas folhas nas pontas costumam machucar e de vez em quando escapam de nossa vigilância no tronco. Se elas caírem ou não, não significa que não iremos ir atrás delas para realocar nos nossos galhos, isso quer dizer que o que elas tinham que fazer está acabado e não vai mudar."

Sabedoria de ponto de buzão?
Não tem preço.