Pesquisando

Mostrando postagens com marcador universidade dos megazords. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador universidade dos megazords. Mostrar todas as postagens

domingo, 16 de setembro de 2018

discursos paródicos

Demora uns meses pra esse texto sair do meu sistema. 
Por que? 
Porque aprendi com pessoas sábias a não gastar saliva com gentio com facilidade volátil e irritável do que tentar travar algum tipo de diálogo, falado.

O escrito está sendo formulado, afinal, como sempre, repetindo: o futuro da qualidade da educação em Biblioteconomia indo pro ralo por conta de histórico de briga de parquinho, e falta de carisma e alteridade para entender que estamos numa sociedade falida, capitalista e fadada ao repetitivismo, aquela junção de repetitivo com vitimismo. 

Já avisando, mais do mesmo, no mesmo teor parodico de certa fala feita durante certa reunião de certo departamento de certo centro de alguma universidade aí. 

Por onde começar? 
Pelo Fanfiction de péssima qualidade que estão tentando empurrar novamente para os alunos bucha de canhão decidirem?
(Mais sobre aqui, aqui)

A epopeia de egos fragilizados em departamento que se convence a cada dia que está a serviço da informação, MAS esqueceu completamente que informações são ideias intangíveis, diferentes de seres humanos, palpáveis e que usam a informação para fazerem algo? 

Preciso mesmo tocar no delicado assunto de medição de comprimento de Lattes, estrelinhas de Scopus, produção acadêmica em ritmo de Parnasianismo, arte pela arte, ciência pela ciência, "sou eu que coloco dinheiro aqui nesse lugar"? 

Tem necessidade de regurgitar a incoerência de que Ciências das Informação não é da área de Educação?! Que é necessário separar as Ciências da Informação - e seus agregados, Biblioteconomia, Arquivologia e o curso que vai formar a primeira turma agora, mas nem reconhecido pelo MEC ainda foi (e os diplomas válidos, minha gente?!) ?! 

Será que tocar no delicado band-aid da integração, interdisciplinaridade e COLABORAÇÃO em fazer algo novo, mas certo - Ciência da Informação, certo? Cadê o povo da Museologia pra conversar com a gente? - vai ilustrar essa postagem? 

Nananinanão. 

Devido a fala paródica, irei matutar parodicamente, já pegando a minha carteirinha na graduação em Letras em uma das universidades mais conceituadas do país (status é tudo nesse mundo acadêmico, gente, sério.) estudante mediana de Análise do Discurso e fazer pouco caso de quem desconhece ou finge que o populacho (estudantes) é otário. 

Talvez sejam. 
Talvez não. 
Fatalistas acreditam no inevitável e óbvio. 
Mas também adoramos ver otimistas se esforçando por um mundo melhor. 

(Debaixo do link, mais um capítulo besta da novela agora fanfiction...)

domingo, 1 de julho de 2018

a fanfiction de bad qualidade continua...

Postei essas parada no dia 26/06/2018, porque foi essa a data-limite que deram para fazer deliberação sobre um projeto esquisito, vindo de pessoas mais suspeitas ainda para falar algo de benéfico para a Humanidade. O mais engraçado é que deram uma data-limite para uma deliberação pública, onde na única reunião feita teve os gatos pingados de menos de 70 pessoas AND nem metade dos professores do departamento.


Hoje era a data limite para dar uma resposta discente para o parecer da tal vontade de desmembrar certo departamento de certo centro de certa universidade e virar um Instituto.

É, vocês leram bem: Instituto.

Porque não tá ruim demais estar alocado em um dos departamentos mais prejudicados pela política emburrecedora dos Temerários e ao invés de se unir pra resolver a situação, nããããããão não sei brincar, não desço pro play. Isso já acontecia há anos. O descer pro play. O tal departamento nunca desce do salto e pro play.

Escrevi um textão, fiz anotações estranhas no tal do parecer, tive brigas homéricas dentro da minha cabeça sobre as vantagens e as desvantagens dessa bagunça que estão querendo piorar mais em situação delicada que nos encontramos na Educação Superior.

Resolvi ligar o namastê filho da puta e desejar o melhor para quem vai ficar com essa batata quente, porque sinceramente gente da Biblioteconomia da Universidade dos Megazords? O que consegui ler e interpretar nesse documento está apontando um benefício direto e exclusivo para docentes e administrativo, a única vez que citam estudantes foi lá no final do documento, umas 2 linhas, como se a gente não servisse pra muita coisa mesmo dentro de um departamento esquisito. É quase como registrar o quanto não somos a prioridade para a boa qualidade do curso e consequentemente prestar um serviço de excelência pra sociedade.

Chega uma hora que ter fibra pra tentar conscientizar figurinhas carimbadas - com muitos anos de casa que quem faz o curso são os estudantes e não os trocentos doutorados e apresentações em eventos científicos - fica cansativo. Sacudir gente que ainda não acordou pro momento histórico onde vivemos também tá beeeeeeem cansativo mesmo.

Fatiar o bolo que já não é mais bolo, mas sim uma fatia bem minguada de uma fatia que ninguém mais quer comer é atestado de possível fracasso (logisticamente falando, vide a lenda lendária do bloco A), mas se as intenções forem boas das pessoas envolvidas e PRINCIPALMENTE dos estudantes que ficarão para ver isso acontecer algum dia, então vamos lá! Vão com Rangs! Toda força de Otlet procêis!

E pelamooooooor gente, parem de só assistir.
Cês tão passando vergonha federal, literalmente, já que vai mexer com dinheiro público, status acadêmico e ego inflado de muita gente (Inclusive o bom e velho nome do curso que não pode ser manchado de jeito algum, Dewey nos livre de tal vexame.)

O doc tá aqui, leiam, inspirem, expirem, façam movimentos circulares, contenham seus chacras.

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Coisas que não se pode falar, mas se escrever talvez seja mais fácil de entender

O título é longo, mas valeu dissertar absurdamente sobre isso.

Temos hoje, 3 itens para dialogar, vejeeeemos:

1) bife de caçar rolinha não é o mesmo que rifle de caçarolinha;
2) adote aquele docente que ainda não entendeu que participar de eventos da área, no quintal do próprio departamento, não é tão ruim assim;
3) você só vira bibliotecário depois que se forma em Biblioteconomia e paga registro no CRB e as anuidades em dia.

Para o item 1, sabe-se que a semântica é algo lindo de se subverter, para o item 3 não tem como sair da caixinha legislada, mas para o item 2, oh sim, esse tem muito sentido com o item 1 e 3.

Vamos lá falar do item 2 então?
Parece interessante.
Vamos também colocar algumas falácias pra geral ficar ligada também, mesmo não sendo verdade completa. O medo é real, mas não verdadeiro.

Se você não atinge as horas de extracurriculares e optativas, você não forma. Yep, simples assim. Vai ficar mais outro semestre mofando no curso, pegando optativas que cumpram a carga horária e torcer para haver eventos que possam lucrar tua cara das horas pretendidas no currículo.

É isso mesmo sim, e se ferra aí.

Então a solução apropriada para tal coisa não acontecer na 7ª fase ou no pulo da 8ª, adote um docente carente de informação.

É fácil notar essa tipologia de docente, pois em momentos cruciais de integração entre discentes, eles fazem 2 coisas peculiares: se recusam a aceitar que você vai faltar uma aula deles para ir ao evento; dão de João sem braço para fugir da gafe de recusar o aprimoramento da educação formal de seus alunos.

Como então adotar criaturas peculiares como essa?
Chega naquela pessoa que ministra suas aulas e não libera para o evento, seja gentil, pergunte como a pessoa está, se ela tem um tempinho para ouvir a palavra da Legislação do Curso, aprovada em caráter oficial e assinada com responsabilidade em instâncias que representam (pasmem!) eles mesmos!

Olha só que lindo esse conjunto da Palavra tão verdadeira e inquebrável!

Currículo 2005 [x]
Currículo 2016 [x]
O bendito Projeto Político Curricular do Curso
A linda da Resolução 01/BBD/2009 que ajuda a miopia acadêmica ficar mais nítida: 

A Bendita Palavra da Legislação do Curso e seus respectivos documentos comprobatórios são tipo... A regulamentação dos objetivos daquele curso. Se alguém fere ou interfere nessas sagradas escrituras pautadas por uma lei maior chamada (Resolução Normativa nº17 CUN de 1997 que regulamenta os cursos de graduação), cabeças rolarão!

Metaforicamente. Ainda.
Não sabemos o que acontecerá daqui alguns meses.
Já que a universidade é autônoma, assim como o curso ao decidir as suas escrituras-lei.
Infelizmente os professores e alunos não têm autonomia alguma pra decidirem coisas sozinhos ou terem aval em documentos que regem todo um departamento.
Metaforicamente.

A mesma Legislação e aparato legal que dá poderes a eles também é o que os deixam na mão da burocracia.

Ruim isso né?

Mas óia só, há a contra argumentação de que na 17CUN97 o aluno tem direito a 25% de faltas.

E de acordo com o Oreio (Aurélio), punição em meio acadêmico se caracteriza quando alguém de hierarquia superior usa de sua credencial como detentor de informações e conhecimento para coagir um bando de medrosos a acreditarem que se faltarem 1 aula na semana para ir a um evento, serão condenados por uma graduação inteira.

O que dizer desse docente que morre de medo de ser boicotado?
Como adotar docente carente de informação com eficácia?
Vai munido das escrituras sagradas, com um sorriso no rosto, introduz o quanto importante aquele evento vai ser pro teu futuro acadêmico e profissional. Lembra do Decreto de Lei de como um bibliotecário deve ser formado pra bem... Ser quem deve ser e explica encarecidamente que essa obstrução de não deixar participar de eventos é resquícios de um trauma na formação profissional dele e você não quer repetir isso enquanto tem chance.

Okay, a última parte pode só pensar, não falar alto.
Tem gente que não aceita crítica construtiva quando ela é apresentada com argumentos, documentação, fé, falácias e a tal da punição eterna.

Dar suporte para formar aluninho medíocre como profissional crítico não é lá uma das prioridades dessa categoria tão interessante de se observar, mas fazer o máximo pra se manter BEM LONGE. Porque é meio isso que docente carente de informações tá fazendo: te punindo com as brechas do sistema para você se ferrar mais lá na frente quando perceber que perdeu oportunidades de ter experiências incríveis no curso.

Ou você pode deixar de ser medroso, ir ao evento e não dar satisfação alguma, porque convenhamos, adulto você já é e já basta a sociedade mandar e demandar na tua carcaça desde que você se entende por gente. Você pode também não ir ao evento e perder igualmente a oportunidade de ter experiências incríveis no curso.

Há algo a se considerar também, docente carente de informações também já foi você, aluno, medroso, babaca, logo isso pode estar refletindo na visão que ele fez e faz sobre eventos.

Se o evento for de graça, no quintal do departamento, com colegas de trabalho dele, pega pela mãozinha, continua sorrindo, leva ele contigo pro evento. Não custa nada tentar né?

E para o item 1 fazer sentido nessa verborragia, agora que os termos estão nos lugares certos e o entendimento pode ser feito com mais clareza:
Não confunda bife de caçarolinha com rifle de caçar rolinha.

E ir a eventos é o bife.
A rolinha é você quando não se posiciona politicamente nas ações de seu curso e profissão.
O rifle acho que cês já sabem quem são.

Ah! O item 3!
Se você não se forma devidamente nesse curso, como é que vai ter condições de pagar registro e anuidade no CRB? Ficou 4 anos no curso de bobiça é?

Que feio.
Roubou a vaga de alguém que queria.
Nossa, como você é ruim.
Vou te culpabilizar por esse delito e esquecer a reflexão ética discorrida ali em cima.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Isso sim é um desabafo.

Acho um barato quando tentam deslegitimar a forma como nos expressamos racionalmente chamando de "desabafo". Porque há toda uma argumentação envolvida, uma organização de ideias a ser colocada, todo um esforço babaca de colocar pingos nos "is", citar nomes e datas, para mesmo assim "isso foi um desabafo".

Não quando você está tratando de algo sério na continuidade saudável do seu curso, da sua carreira, da sua vida. Não é desabafo justificar todo um processo em etapas de um problema que poderia ser resolvido com (pasmem!) empatia e alteridade. Um desabafo tem um teor mais emocional e apelativo para a 1ª pessoa, não um texto de quase 1 página explicando detalhadamente como a burocracia trabalhista de certos lugares podem prejudicar o andamento de um relacionamento bacana entre uma instituição de renome com outra instituição universitária de renome.

Eu não chamaria de "desabafo" usar o bendito português cânone - aquele mesmo que odiamos tão Machadiano em suas entrelinhas e que 90% da população não usa diariamente - redigindo um email enorme para argumentar o quanto o sistema é nocivo com os alunos e que oportunidades estão sendo perdidas por conta de burocracia cega.

A universidade não ensina a gente a dialogar, argumentar, planejar falas, redigir textos, expressar nossas ideias da forma mais metodológica científica possível para as instâncias maiores aceitarem. O cientista turco de "O pequeno Príncipe" tinha uma equação incrível de uma nova descoberta sobre o asteróide que descobriu, não foi aceito por se vestir como turco e não no padrão europeu p´re-estabelecido.

Uma pessoa - no caso estagiário, graduando, identificada pelo lado de fora como "mulher" (sim, rola um sexismo na questão ideológica da palavra "desabafo") - não tem a capacidade intelectual argumentativa de defender seus direitos como estudante, trabalhador e cidadão com um texto grande, mesmo com os pormenores citados, é um "desabafo".

É bacana brincar com isso, pois faz parte da vida de hackear o sistema através da linguagem. Ou impor o padrão do sistema de forma taxada em cima da gente ao desqualificar a defesa de um ponto de vista que se propõe a levantar uma questão pertinente e urgente no meio acadêmico e simplesmente dizer: "Foi um desabafo, né?".

Não foi um desabafo.
Foram os fatos, no modo empírico que esse sistema maluco técnico científico me manda obedecer todos os dias, seguindo padrões, normas, regras, os escambau para validar o que eu digo, mesmo que seja 1 página enchendo linguiça para então ter uma conclusão objetiva daquilo que é mais importante.

Isso a universidade não ensina. Na verdade doutrina, porque a gente PRECISA aprender a hackear a linguagem dessa forma.

Há a questão do suporte também, e seus destinatários, um email para instâncias maiores que um mero estagiário explanando uma situação como essa acima não se caracteriza como desabafo. É procedimento padrão de todo estudante que se preze em defender os seus direitos. Escrever sobre a situação toda num blog (como esse) pode ser caracterizado como desabafo, aqui qualquer um lê, qualquer um pode opinar, não tenho que me resguardar na escrita (mas estou por fins de dar seriedade ao tópico) . Mas tou usando o canone, não as estratégias informais de desespero com frases apelativas, isso não é um desabafo. 

A linguagem de novo regulando como se deve se expressar pro mundo. 

Afinal de contas, é novidade pro sistema acadêmico perceber que a gente usa o cérebro e pratica as mesmas normas que eles impõem sobre a gente pra pedir respostas por situações urgentes? 

Tá parecendo. 

Usei um "tá" - Eu sei, informal. Isso aqui é um desabafo? Deve ser, porque tou escrevendo num blog. 

quarta-feira, 7 de março de 2018

[bibliotequices] quem formamos?

Sou intrometide de natureza, queria ser cientista desde pequene, a vivência em vilarejo brejeiro reduto da família tradicional mineira, a graduação em universidade particular me ensinou que grade fechada, boca calada, mensalidade em dia e questionamento zero me faria bem. E fez. Até certo ponto.

Até perceber que os professores que tive eram propensos a fazer a gente a questionar. Não porque eram audaciosos, engajados politicamente (a maioria era reaça de convicções bem contrárias a uma educação libertária), mas eles cutucavam os lugares dentro da nossa índole de massa de manobra da licenciatura para fazer mais perguntas do que se satisfazer com respostas prontas. 

Apenas algumas exceções de professores que tinham orgulho de dizer que haviam servido ao serviço público e a respectiva universidade cristã por tanto tempo que questionar era um sacrilégio como perder a missa aos domingos. 
(o famoso: "Mas eu estou aqui há 20 anos e blá-blá-blá você não pode fazer isso porque é peixe pequeno") 

E eu era protestante naquela época. A etimologia do nome da crença não me foi adotada à toa. Mas a coleirinha social sim. 

Well, universidade particular não faz greve, não cobra por ensino de qualidade, não tem TAE acampando do lado de fora de Reitoria cobrando condições de trabalho dignas, os estudantes não precisam mesmo se preocupar se os direitos deles estão sendo prejudicados por manobras políticas diversas, na verdade o que me pareceu em 3 anos e meio de Letras Português é que a famigerada universidade do Papa Chico Sidious (na época era ele) se importava com o estudante de graduação. Sim, eles se importavam se faltávamos aulas, se não pagávamos os boletos, nos dava oportunidades de vivências com os diversos setores do município, porque eles tinham noção que ao sairmos daqui, formados, professores, seríamos propaganda ambulante de que a dita universidade era ótima, linda e maravilhosa. 

Muito simples: graduação pagava as contas deles e mandava moneys pro Vaticano. Pós-graduação era difícil alguém entrar pelo fato de não haver vagas suficientes, professores suficientes, ajuda financeira suficiente. Se era pra ir pra pós, que fosse na Federal dali, distante do município provinciano, cada um por si, CNPQ por todos. 

Fazer pós na tal universidade era luxo, era paga, era algo bem longe dos planos de um reles graduande sem noção. Por isso meus professores de lá questionavam, traziam a vivência pras aulas, contavam como era o Mestrado, o Doutorado, éramos colaboradores de sucessos acadêmicos - quando víamos um professor subindo de cargo após conseguir defender a tese dele e beneficiar o centro todo com os projetos de Iniciação Científica interdisciplinares, e aquela professora querida no meio do Doutorado, tendo insights durante a aula e discutindo teoria + prática para entendermos que ao sermos professores lá fora há uma expectativa enorme de quem vai receber essa educação que vamos compartilhar. A Gramática Normativa não serve pra nada, mas queridos, vamos entender esse sistema para explicar bem aos nossos curtidos alunos que eles podem se expressar e essa unidade formal da língua e um fragmento de como fazer isso. 

Todos sem exceção sinalizavam o quão enorme era o fardo de ser professor, como seria a responsabilidade ética que teríamos para frente ao entrarmos na sala de aula. Cada movimento, palavra minha poderia ser bem ou mau sucedida para uma criança ou adolescente seguir um percurso acadêmico desejável para ir para universidade. Sim, alguém tinha que ir pra universidade, afinal a famigerada instituição era a mais reconhecida na cidadezinha brejeira onde eu morava. 

Era um ciclo. Um ciclo que participei e vi a importância da graduação. 

O discurso de meus professores da Letras meio que instalou um modus operantis na minha cabeça: se é pra formar gente pra mudar o mundo lá fora, então faz direito. Faz com responsabilidade, faz pelo bem de todo mundo, faz por onde. 

E como experimentei bem o "por onde" nos estágios, creio que ir para uma segunda graduação na federal muito bem falada da região Sul do país seria algo incrível. E está sendo. Eles só não entenderam que quando você forma gente que mexe com gente, vem a lei do retorno. E ela vem pesada. Não importa qual crença ou ideias você siga, alho vai retornar para você em algum tempo. Colher o que se planta não é um ditado qualquer, é uma constância tão dolorida que para mim, como licenciade e pronte para encarar o mercado de trabalho foi demais pra mim. 

Eu não sirvo para modelos padronizados de didática. Não me sinto confortável na frente de um quadro, com cabeças viradas pra mim, em fileiras, absorvendo e não dialogando. Eu como alune não me sinto confortável nessa posição. Em uma biblioteca escolar, comunitária ou pública sei que sou mais capaz de fazer algo concreto, sensível, por isso estou cá ocupando esse lugar como projeto de bibliotecárie. 

Mas quem formamos na Biblioteconomia UFSC ultimamente? 
Quem você espera que vá se formar e fazer um trabalho legal lá fora no mundo real? 
Será que formamos pesquisadores capazes de ir para uma pós-graduação, porque é uma exigência de academicice ou de mercado? 
Por que meus professores saem da graduação, pulam para Mestrado e Doutorado e sequer passam por uma preparação em Licenciatura para serem, bem, vocês sabem... Professores? 
Por que eu tenho aulas com pesquisadores renomados se está estampado na cara da pessoa que ela prefere mil vezes estar atolada de artigos para escrever, extremamente estressada em orientação de outros pesquisadores, mas NÃO ali dando aulas? 
Como lidar nesse caso? 
Se a primeira graduação me deu um olhar aguçado pra esse tipo de erro didático sendo repetido pelo Bacharelado em Biblioteconomia, por que então insistir na contramão? 

Porque eu sou babaca. E quero mudar o mundo. E aprendi cedo que é na graduação que se começa a mudança com mais eficiência. 

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

[bibliotequices] bigornas fenomenais de resoluções estágio

Eu tinha prometido no começo do mês passado que não iria mais me estressar com a Biblioteconomia. Que ia passar longe dela como diabo foge da cruz. Que não iria dar bola pras notícias, babados e muito menos o que acontece lá em certo curso onde me encontro. Até evitar pessoas diretamente ligadas a ele tou evitando, o burnout com a decepção acadêmica ainda tá pulsando aqui, mas nada ganha do pulso tilintando na jugular quando vejo algo que modifica todas as relações de poder/ser dentro dessa redoma que se chama Biblioteconomia e poucas pessoas estarem dispostas a escrever/discutir sobre.

O próximo texto foi escrito/rascunhado/adaptado de 2 lugares, uma postagem em um fórum de graduação da universidade dos Megazords, e uma postagem no facebook ao compartilhar a postagem da colega graduanda de Sampa, então parte do texto tá meio mudado, por quê? Porque nesses dois lugares virtuais não posso mais fazer piadinha tosca, trollar geral e muito menos usar de sarcasmo em doses nada homeopáticas.

Aqui sim, já que é meu muquifo.

É, não dá pra largar de mão algo que faz meu coração bater mais forte - de raiva ou de paixão - quando aparece uma Resolução sobre estágios em Biblioteconomia bem linda, vinda de cima pra baixo, como uma bigorna em cima de um personagem de desenho animado, é necessário escrever sobre isso.

E achamos que não vai nos atingir, mas ops! Claro que vai!

Papo chato? Textão de novo? Legislação? Política?
Antes de pensarmos que isso não afeta a gente na graduação, vamos fazer um esforcinho de refletir como a Reforma Trabalhista orquestrada pelos grandões lá de Brasília vai afetar continuamente a nossa profissão e a nossa formação acadêmica.

Pela Lei de 1962, que cria a profissão de bibliotecário como profissional liberal de cunho liberal e tudo mais, há também a Resolução 152 de 1976 que especifica como é a supervisão de estágio na Biblioteconomia.

O update da 192 de 2017 coloca algumas disposições novas e alguns empecilhos para o estágio em locais que não há supervisor com título de bacharel e com registro ativo no CRB de sua região - apenas bibliotecários registrados podem supervisionar a gente. Beleza, coerente com a Lei de 1962, nosso Código de Ética e outras diretrizes como a parte dos estagiários na CLT.
(Para mais informações, favor clicar aqui nesse link e verificar a legislação que norteia nossa profissão e cursos no país.)

O que temos que observar e refletir no próximo ano, para quem está em estágios, se essa Resolução tá sendo cumprida, se o nosso Departamento tem ciência e está fazendo conforme a Legislação e o mais importante: se a nossa região/mercado de trabalho está condizente com o que a Resolução pede.

Há 2 discussões bacanas rolando no Facebook sobre essa mudança e o estado precário em que estamos indo com vagas de emprego para egressos/profissionais da informação que beiram ao desespero.

===> Discussão sobre a Resolução 192 aqui [clica no link]. 
===> Vaga de Bibliotecário de 10 horas por R$ 700,00 [clica no link]
(Essa vaga tá dando um bafafá danado, pois na semana passada veio outra com o aspecto de "Consultoria para bibliotecas escolares" com o caráter de aceitação do candidato através do menor preço de custo para o serviço. Leilão na Biblioteconomia? Urrum, tamos começando a ser marcados como gado, galera! Mooooo-moooo there is no cow level!)

O texto da Resolução está no Diário Oficial da União, edição 241, publicado em 18/12/2017, pode ser acessado aqui: https://goo.gl/zk3xYE.

Debaixo do link, mais considerações e quando tento abstrair dessa redoma, Santo Rangs é impiedoso.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

abandono à favor de algo edificante.


Então.

Assucedeu-se que para valorizar a minha integridade e saúde mental, resolvi abandonar uma famigerada aula.

A medida drástica se deu devido motivos extremamente importantes que deveríamos discutir mais vezes entre os discentes e docentes. Tipo mansplaining, gaslighting, maninterrupting, anacronismo, falta de responsabilidade social.
A famigerada aula tinha um potencial incrível de fazer a geração da Biblio e Ciências da Informação de contribuírem - mesmo que em menor escala - com as questões de acessibilidade e inclusão digital/social dentro do curso. Temos diversos problemas nesse requisito devido a infraestrutura do centro e do campus, mas com uma disciplina dessas seria promissor realizar um trabalho de campo nos diversos órgãos que o campus possui para facilitar e otimizar a vida de quem antes não era nem cogitado em estar ocupando uma carteira no ensino superior.

Mas aí o que ocorre?
Aquele erro crucial incrível que nós gamers chamamos de #EPICFAIL ao termos um exemplo de o mínimo de didática possível para instigar os estudantes a se aprofundarem nesse assunto. Ou se interessarem. Ou sei lá. Pensar nisso já me causou muitos problemas em anterior experiência. 

Não estou pedindo life changes, apenas fingir.
Sorrir e acenar. 

Desconhecer os órgãos da universidade que promovem Acessibilidade foi o mínimo, o pior foi receber a resposta ao questionar sobre se conhecia os locais (no próprio centro HÁ uma fucking Coordenadoria de Acessibilidade e Inclusão FFS) de que se eu mandasse por email com todas essas informações, ele daria aula sobre elas. 

Detalhe: pros de cinco dígitos na conta todo final do mês, beleza. Legal mesmo é ver a turma de bocós não aprendendo nada edificante pra vida de bibliotequeros. Sim, pessoas, vocês são bocós e estão se prejudicando por não saberem se organizar direito. Por não buscarem seus direitos. Por não levantarem a mão e questionar. Eu sou bocó também. Eu desisti. A bocosidade também me pertence.

Dali já sabia que minha Sanidade não merecia ser minada por incoerência. Dali não apareci mais na aula, e dali minha vida acadêmica foi se tornando bem mais feliz e aceitável. O problema é: com um registro de Frequência Insuficiente não tenho mais direito a estágio na dita universidade no próximo semestre. Se eu pensei bem antes de fazer isso?
Eu sei meus limites.
E os gatilhos.
E igualmente a morosidade das instâncias.
E a desorganização estudantil que meus colegas parecem sádicamente propagar quando algo assim acontece (botar o seu na reta por uma causa de urgência não, arruinar com ensino de qualidade, yep, bora lá!).

Então você que passa por esse aperto em alguma fase do curso de Biblioteconomia da universidade dos Megazords, não se preocupe: proteja a sua saúde mental primeiro.
Pelamoooooor, mantenha sua integridade mental.

[Editando porque olha só final de semestre!]

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

a@s fessores, aquele abraço!

Deix dias atrasado, mas hey! Quem disse que memória tem que ser periódica?!
Até onde sei, esse blog apenas me serve como terapia alternativa, vazão criativa e caso de emergência para algum caso futuro de amnésia.

BTW, era para postar no dia 15 de outubro, então...
===


Hoje é Dia dos Professores! Yey!
A profissão mais responsável e séria de todo universo.
Já escrevi sobre ela aqui [x] e volta e meia vou citando a bendita da docência (in)decente aqui no blog. Por que isso? É de família.

Não é legado não. Nem maldição. É tipo algum plano bem obscuro de manipulação mental que ainda não entendi direito como se faz.

Eu gosto muito de professores.
De incomodar bastante eles também.
Pois caso não tenham percebido, vocês são responsáveis por muita coisa que vai acontecer no futuro. Médico cortando cordão umbilical é pouco comparado com a (des)construção de vida que um professor é capaz de fazer com uma pessoa. E como eu acabo direcionando toda minha atenção para quem faz o trabalho com excelência (ou não), é possível perceber o quanto eu os adoro.

É porque eu quero mesmo ser professor algum dia desses, tipo num futuro distante.

Minha mãe já foi, minha irmã continua sendo, agora parece que só falta eu aprender os paranauê. Na universidade dos Stormtroopers aprendi que deveria ficar beeeeem longe do lugar/pedestal na frente de uma classe de carteirinhas enfileiradas, acabei tropeçando nas promessas e cair na Biblio. E aí a coisa mudou.

Mas a histórinha? Sim, tem que ter! Senão não tem reflexão do papel social em que estou inserida desde criança, né? Debaixo do link alguns professores que me fizeram acreditar num mundo melhor.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

a novela das eleições de certo centro de certa universidade dos megazords continua


(Pegue a pipoquinha e acompanhe de perto esse circo pegando fogo...)

Peço cuidado a ler o texto a seguir, pois enchi de mensagens subliminares, nonsense e discurso passivo-agressivo pra me autossabotar, caso alguém venha tirar satisfações depois. Leia conforme sua paciência ou se quer ideias para memes. Afinal de contas, por que dar crédito e credibilidade pra textinho chinfrim de estudante raso de Biblioteconomia?

E como está a nossa novela favorita?

Alguns episódios já passaram, pra quem perdeu tem três vídeos dos debates que ocorreram aqui, aqui e aqui. No capítulo especial da semana foi o backlash mandatório de parte dos alunos e docentes quanto a decisão de apoio do centro acadêmico a uma das chapas.

Democracia é opcional nesse contexto.
Outro tijolinho na parede?




Mas o alto dessa temporada aconteceu com duas CENAS significativas:

1) graduand@s afirmando que centro acadêmico não tinha que se meter em política (???) e não deveria apoiar chapa alguma.

Ué? Será que minha miopia atingiu níveis épicos?

Detalhe: ninguém chiou quando esse centro acadêmico e mais esse centro acadêmico que fazem parte do mesmo departamento deram apoio a outra chapa, cerca de 1 mês atrás com direito a videozinho e campanha.

Hipocrisia, a gente vê por aqui sempre.

(Debaixo do link, os emocionantes instantes da incrível novela do SEDE)

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Não parece, mas alguém aparece

Aquelas reminiscências de época de licenciatura sempre aparece.
Em uma conversa awesoooooome com a pessoa querida da Fran, resgatei algumas lembranças da época da graduação de Letras, os apertos que todo metido a docente vai passar algum dia e lembrei desse guri que foi uma experiência de alfabetização que deu errado - conforme o que a escola queria e a universidade dos Stormtroopers esperava em seus relatórios e estatísticas. 

O que eu devia fazer na época era ajudar alunos como ele - não regularmente alfabetizados em séries mais altas - a conseguirem no mínimo escrever o nome direito e saber o alfabeto. O carinha tinha 12 anos, tava parado na 2ª série (equivalente ao 3º ano agora, crianças entre a faixa de 8 a 9 anos), depois da bagunça estadual da reforma do ensino feita por certo governador almofadinha, agora senador com péssima reputação por conta de lava-jatos.

Crianças como ele ficavam retidas por um bom tempo até desistirem, haver um milagre docente, ou eram aprovados sem saber fazer uma conta direito pra desencargo de consciência do Estado. 

Era um bairro da periferia do vilarejo brejeiro, eu ia pra lá a pé na ida porque precisava chegar animada, motivada, ativada pra dar aula de reforço pra aquela gurizada ligada no 220v. Foram 8 meses nessa, eu, uma estagiária da biologia super zen, uma da matemática que passava um dobrado por não saber o que fazer e outro da psicologia pra fazer pesquisa de campo. Em geral a gente dava apoio aos professores das séries iniciais, dentro da sala de aula, eu preferia ficar com a galerinha que estava fora de sala de aula (aulas de educação física, horário alternativo pelo ensino integral) aprendendo com eles. E eles me ensinaram muito. 

terça-feira, 16 de maio de 2017

[bibliotequices] onde perdemos o diálogo?

Há uma década atrás na universidade dos Stormtroopers eu escrevia emails pra professores sem ter medo de ser informal, porque convivia com essas pessoas todos os dias, nos corredores, na Coordenação, na lanchonete minúscula do campus, e tudo e tal.

Tem um email de 2006 para um docente super bacana em que me explico o porquê de ter entregue o trabalho atrasado, de uma forma totalmente nada a ver, nonsense e nada convencional (Quem me conhece, sabe que quando tou empolgade, vou acabar fazendo alguma coisa que não é determinada pelo acordo tácito padrão, tipo: falar gírias, usar minerês, fazer piada interna, referência ao mundo nerd). A resposta foi na mesma intensidade de nerdice (E sim, deu pra entregar o trabalho, era latim, a vida não era legal com latim naquela época!)

E gif de péssima qualidade sim!! Porque a dancinha é clássica!

Me pergunto onde a gente perde essa sensibilidade e aproximação com quem nos dá aula todos os dias, se é por não conseguir quebrar aquela barreira invisível de um tá cá, outro tá lá, se é protocolo de Universidade Pública não deixar esse diálogo acontecer.

Talvez seja até da própria cultura acadêmica UFXQuiniana de haver uma placa de NÃO para conversar direito com os professores sem se sentir estranho. Ou intimidado. Ou violando algum código super secreto de convivência. Até o docente dizer abertamente que está de boas para dialogar.

Talvez pelo fato da Universidade dos Stormtroopers ser tradicional, particular e uber-conservadora (Olá, tou fazendo referência ao Império Intergaláctico aqui o tempo todo!) o diálogo acontecia por questões de cordialidade e por mais tempo dos professores no campus.

Talvez fosse numa cidadezinha brejeira no findemundéco de Minas Gerais, sem conexão de banda larga ainda. A tecnologia influencia nessas coisas! Vide o email citado ali em cima, totalmente informal, sem firulas acadêmicas. Hoje temos tecnologia na ponta dos dedos, mas sensibilidade e empatia? Muito difícil!

Talvez eu tenha ganhado um pouco de noção (???) e colocado o murinho invisível, é difícil dizer, mas é nítido ver como faz diferença quando o diálogo é aberto e honesto entre discentes e docentes.

Heeeeeeeeeey conversem mais discentes e docentes, ops ops ops!!

Porque aí a gente conhece o camarada, sabe? Entende o que raios ele tá fazendo ali e as motivações dele pra trabalhar, porque hey! Talvez algum dia eu queira também estar naquele ambiente, ensinando outras pessoas. O clima na Universidade - que não citarei o nome por medo de um Lorde Sith brotar do chão e me cauterizar com uma sabre de luz - era mais de parceria acadêmica (Tá, tinha gente que arrancava nosso couro, não vou omitir), até nos piores casos (Tipo aquela mudança linda de currículo em 2006, né?). Tinha picuinha, mas tinha diálogo, não backlash e desavença, silêncio e passividade. E isso fazia uma diferença danada na nossa forma de tratar o curso, de se identificar com o curso, amar o bendito curso.

Isso me chamou atenção, porque a gente passa 4 anos (Ou mais) no mesmo lugar, frequentando a mesma rotina e não sabe absolutamente nada da pessoa que tem a paciência de te dar aula, ou que vai dar aula algum dia.

É tensinho.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

[bibliotequices] higieniza mi amor higieniza


Vassoura = estudantes / Mickey = Universidade
[os gifs postados tem a ver com a temática da postagem: Aprendiz de Feiticeiro foi a minha primeira experiência entre manipulação e transformação a força do Equilíbrio natural do universo. Se Mickey Mouse era um ratinho legal para mim, naquele momento em que ele deu "vida" a uma vassoura foi a porrada no sonho infantil de usar magia para beneficiar o mundo. O que isso tem a ver com a Biblioteconomia? Oras! Informação é poder!]

Observando alguns momentos de crise cáusticos e movimentação nula ou quase silenciosa ninja nas imediações biblioteconomísticas, percebe-se uma coisinha muito muito violenta e sutil: quando o silêncio se instala em uma área das ciências, ela automaticamente higieniza seus semelhantes.

Higienizar é algo positivo quando você faz no seu banheiro ou na cozinha antes de cozinhar alimentos, limpeza é bom quando precisa botar ordem em algo que está atraindo coisinhas ruins tipo germes e moscas e insetos indesejáveis, mas quando se olha por um ponto de vista afastado do circo diário acadêmico: higienização na Biblioteconomia tá acontecendo.

Aliás, vem sempre ocorrendo, pois não temos tantas referências da "sujeira" por assim dizer. Nossa profissão já nasceu com glamour de status de elite, com bibliotecários da Casa Real fugida aqui pro Brasil, entulhando seus badulaques e livros roubados da Corte Portuguesa ali onde seria conhecida como Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro. Intocáveis em seus uniformes quase militaristas de requinte e pomposidade. Longe do populacho, apenas atendendo a família Real, os de título mais abastados, os letrados. Os poucos.

Temos os exemplos do que é limpo, claríssimo (Sim, vou usar essa palavra por um motivo bem bem alarmante dentro do curso), cientificamente desinfetado com muita técnica, legislação e burocracia. Tudo pode ser revertido a este estado tão límpido de aceitabilidade que o que se dá para perceber aqui de fora da bolha:

  • relações abusivas de dominação e submissão (emocional, hierárquica, acadêmica, sistêmica, etc);
  • apagamento de sujeitos que se tornam um mero rascunho dentro da Academia;
  • uma alteração no status quo que NÃO CONDIZ com a realidade aqui fora.

É para ser mais direte? Okay, vamos lá então.

Vassoura = estudantes / balde de água = discurso acadêmico

Comecemos com perguntas, tudo na vida sempre começa com a dúvida:

1) quantos professores negros você vê dando aulas na Biblioteconomia?
2) quantos estudantes negros estão ingressando ou se formando na Biblioteconomia?
3) quanto a voz da comunidade LGBT está sendo ouvida na Biblioteconomia?
4) há discussões sobre gênero, racismo, evasão de grupos em vulnerabilidade social na Biblioteconomia?
5) quantos de nós estamos enquadrados em algum tipo de perturbação psicológica que afeta diretamente nossos estudos, nossa visão do todo, nossa atuação?
6) estamos REALMENTE representando esses grupos ali descritos com o devido respeito e igualdade?
7) a gente se importa?

domingo, 6 de novembro de 2016

[bibliotequices] mobilização estudantil - sentido literal

Existe uma lei bem legal da Física que diz quando uma corpo se mantém em inércia ou em movimento retilíneo uniforme, ele permanecerá ad infinitum desse jeito. Óbvio que isso acontece no vácuo, se desconsidera a gravidade, as forças de atrito, as outras leis do tio Newton, a de Murphy, aí sim forévis parado ou no movimento. 

Então quando os estudantes não fazem nenhum movimento na inércia em que se encontram, nada andam, porque Newton, né? Não é tão difícil de decifrar o que tá acontecendo no campus, na cidade, no estado, no país. 

Mais cortes e medidas drásticas do golpinho temerístico e a inércia tá aí. 
Primeira Lei de Newton seguida com fervor! 

Ato falho meu, porque... engenharia \o/

Aí cortam subsídios de permanência pros estudantes, prejudicam a progressão de carreira dos TAEs (Técnicos Administrativos em Educação), dão ultimato pros professores que pra aposentar só quando eles estiverem com pé na cova. Concurso público? Esquece, governo não vai gastar com isso mais. Chama terceirizado que a coleira é mais curta e dá pra manipular a cordinha com mais facilidade. Congelamento de gastos com um teto tão absurdo de baixo que o jeito vai ser alocar recursos de um lado pro outro. 

Então, você, coleguxe fofuxe que acha que não vai ser atingido porque o curso de Biblioteconomia é imune as mudanças da sociedade, péssima notícia: um técnico ou alguém com notório saber vai tomar o seu lugar. 

E vai ser mais cruel, porque quando você estiver na metade do curso e tiver uma crise existencial individual do porquê raios tá fucking fazendo ali, servindo de panaca e cobaia pra um corpo universitário estagnado, a pergunta primordial será!? 

Vão me empregar com esse preparo que tive? 
Sou suficiente para o mercado de trabalho lá fora? 
Tenho certeza absoluta de minhas habilidades para levar minha carreira adiante? 
Como assim vou aposentar com 75 anos e sem direito a nada?! 

E aí tá todo mundo na inércia. 

No caso, a inércia fez esse lolcat continuar
 a girar, girar, girar, girar e girar

Pelo menos é lindo ver isso na Biblioteconomia da UFSC, onde há uma contrariedade de forças que sequer deveria existir em primeiro lugar. Um Departamento que não assegura os próprios interesses acima dos demais nem deveria estar constituído. 
(Sim, não é papo de coxinha reaça não, a lógica nas Federais é unir uma panelinha, defender o próprio curso/Departamento com os dentes e que se ferrem os estudantes. Eles conseguem direitos pra gente de acordo com o que as lideranças desses lugares acham mais vantajosas) 

E os estudantes? Inércia. 
E Happy Hour. Porque tem que ter.
Pão e circo e "me passa de semestre". 

domingo, 3 de julho de 2016

análise do Discurso arruína vidas

Análise do Discurso arruína vidas.
Ou o que a gente promulga como vida.

Essa criatura abençoada da terças e sextas me faz ter ataques escalafobéticos todo final de aula, poderia culpar o Foucault ou os teóricos, mas a persona em si, um docente, me fascina.

Estávamos na aula introdução da Análise do Discurso Crítica dos anglo-saxões - muita paciência e força na peruca com eles - e as ideias que eu tinha de organizar o TCC foram despedaçadas. E isso ao invés de me deixar pior ainda que já me sinto emocionalmente falando (sim, o monstro miserável aqui também fica estafado em sentir diversas coisas ao mesmo tempo), fez aquela chama do Prometeu saindo da caverna e dizendo: YOLO modafócas!! Chega da escuridão e Bora Rave!

Debaixo do link, problemáticas, discussões intelectuais comigo mesma (Faço isso direto no busão) AND possível tema de TCC futuro.
#RanganathanAbençoaFaixFavô

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

vida acadêmica com amnésia progressiva

Cursar uma 2ª faculdade é como andar no mesmo barco furado depois do remendo (O meu parece aqueles botes infláveis alaranjados), você sabe que em alguma parte vai afundar, mas até lá vai pegando baldinho pra jogar a água que tá entrando pra fora e muita silver tape pra aguentar os furos.
 
Nem tou falando de fandom aqui, mas o feeling é o mesmo na Biblioteconomia ¬¬''

Apenas me fui dar conta que já estou na metade do curso no começo da semana. Muitos me perguntam qual fase/semestre estou e costumo responder no "Deus sabe onde", cause... ya know... Só Eru na causa pra saber o que já fiz e o que não fiz. Arrumar a matrícula mais de 2 vezes me deu uma agonia tremenda, pois tive que abrir mão de 2 matérias que adoraria já fazer - uma a bailarina está se despedindo da Classificação, outra era algo extremamente importante para aplicar aqui na biblioteca - mas por motivos óbvios (turminha do barulho über competitiva que preciso dar um apelido irônico para definir esse grupo distinto) preferi deixar para o próximo.


Não me livrei da Sociologia, mas creio que com a primeira aula ter citado diversos filósofos e gente da História que com certeza vai me lembrar de Gaiola das Cabeçudas (Qual a diferença entre o Bibliotecário e o Estudante? Um tem salário fixo o outro é comdiante!), terei meu consolo tr0ll durante. Não que eu vá gostar, fiz 2 semestres de Sociologia na PUC-MG, fui monitora nos 2, pergunte-me se apreciei cada momento?
(Sim, aliás só soube escrever texto acadêmico devido a esse fator)

Há professores que admiro e estão nos corredores sempre apoiando quando possível. A minha possível futura orientadora continua com um otimismo lindo quando a encontro. Há muitos que desistem (Já percebi que parte da turma em que entrei na 1ª fase se foi e nunca mais voltou), outros que vão pra outros cursos, mas creio que meu pé esquerdo continua travado na Biblioteconomia (O direito tá meio bambeando e dolorido, cês sabem...)

O que mais me incomoda nesse percurso é que há alguns tropeções chatos de potência. Eu me sinto amedrontada quando não faço ideia do que estou fazendo e muitas aulas me pareceram ser feitas para me deixar desse jeito. Aí vem a vozinha na cabeça murmurando: "Não vai aguentar o trancooooo, pega leve mulé que tem tempo..." e foi isso que decidi fazer. Desisti de 1 disciplina pelo simples fato do professor ter usado o termo "cliente" ao invés de "usuário" - não consigo respeitar alguém que use tal expressão, me desculpa, mas NOPE, JUST DON'T! Isso e porque ao ler a ementa do curso e a bibliografia, foi um verdadeiro WTF estampado na minha testa.



Tive essa experiência em 2 disciplinas anteriores e o gosto amargo subindo pela garganta pra lingua não foi legal, não aprendi nada das disciplinas, não aproveitei nada em meu campo de trabalho e infelizmente tive que me pseudo-pendurar nos colegas de grupo para poder entender alguma coisa e apresentar trabalhos. Não é nada legal, gente, apenas não. Eu prezo por meu conhecimento e minha vontade de pesquisar é maior que meu ego, saber que não vou ser capaz de fazer isso devido um buraco enoooooorme no processo de ensino-aprendizagem que estou condionada me deixa horrível.

Desculpinha esfarrapada, vocês dizem, mas ahem não estou ficando mais nova, darlings... Já cheguei ao meu limite de apreensão de conhecimento para um filtro tão fino que mal consigo dar lugar a outras coisas que eu não consiga entender o básico.

E não é algo como "Oh você deixa de ser mandriona e pega o básico e vai estudar!" são disciplinas que tem pelo menos 2 ou 3 passos de teoria/prática e vivência para passar. Eu sei quando não tou pronta para uma coisa, ainda mais quando essa coisa vai resultar em outras coisas. Efeito dominó é algo recorrente na minha vidinha de escriba.

Resumo da ópera sem muitos secundários: estou na 5ª fase, mas parece que é menos.
Tudo bem, tenho mais 4 anos e meio antes de jubilar lol

segunda-feira, 29 de junho de 2015

breve carta para mim mesma daqui há 2 semanas

Prezada eu de daqui 2 semanas,


Foi mal, mas não deu para escrever metade do que eu queria hoje.
Sei que isso se chama negligência a Musa e alguns delitos na minha ficha de estagiária vitalícia de Morfeu, mas meu dia ficou reduzido a ler textos teóricos, pesquisa intensa em base de dados e bater minha testa na escrivaninha quando nenhuma palavra saía para redigir os trabalhos.

Sei que você está fula, mas aguenta aí beeeeeesha leeeeenda. Daqui a pouco volto ao normal, você vai ver.

Ps: não entra em pânico agora não, espera as notas chegarem e aí pode entrar na melhor crise existencial que só você pode ter.
Ps²: te cuida, o pé continua doendo. VAI NA POWHA DO HU MARCAR ORTOPEDISTA!!

terça-feira, 14 de abril de 2015

barraquinho na Biblio

Tudo começa com um grupo de boas querendo movimentar a representação dos estudantes aqui na Biblio, tudo bem, isso parece legal. As propostas são mais concretas que a edição anterior, trazer o CAB - Centro Acadêmico de Biblioteconomia - de volta à ativa, auxiliar os estudantes de baixa renda, entender o porque das estripulias do Departamento e minimizar os estragos provocados pela evasão que temos a cada novo semestre.

Não vi ninguém levantando bandeira partidária.
Não enxerguei intenção besta de botar banca pra um grupinho.
Vi uma oportunidade de praticar cidadania.
Me gusta.

Irá ter uma Assembleia amanhã para acertar alguns pontos para todo mundo SABER que temos representividade e aí vem um conhecido chatonildo advogado de regras pontuar que há um "probleminha" em fazer Assembleia quando não se passa pelo Comitê Eleitoral (???) - que supostamente existe - e tchum, barraquinho foi armado.



O babaca nº 2 da lista de hoje se esqueceu de pesquisar a etimologia da palavra, apenas enchendo com palavras pomposas sobre a "não-legitimidade" de se fazer uma Assembleia. Fio, shut the fuck up e deixa o povo se reunir pra discutir o que fazer, mmmmkay? Não custa nada e vai fazer bem pros graduandos.

Enquanto eu ruminava algo para escrever sobre o "aviso" que o cabra deu, veio outro barraqueiro de carteirinha VIP do curso e disse em letras garrafais tudo que eu queria falar e um pouco mais (Sem censuras, cortes ou deliberações, mandou na lata e pisou no calo alheio). Minha reação?


Aí o retruco veio na leveza/sutileza de sempre, ameaças no Judiciário e mais lagartinhos e cobras e demonstrações gratuitas de testosterona. Desperdício de tempo, sério. O mais absurdo ainda, os dois estão na última fase do curso e deveriam PELO MENOS assegurar que as coisas que vão ser discutidas na Assembleia condizem com a realidade passada do CAB e do próprio curso. Compartilhar experiências que é bom?! Nope.

Enquanto o pessoal aqui espera que eles parem com a palhaçada via Fórum de universidade e tratem de lavar louças ou get a fucking room (Oh não, estou sendo sexista demais, oh nouz!), o desenrolar continua na novelinha mexicana dos veteranos da Biblio.


sábado, 4 de abril de 2015

Guia do Universitári@ Probri: Panda's Edition

[Post originalmente postado no Blog Um Sofá para Cinco no dia 03 de abril de 2015]

Para embalar o tema desse post, gostaríamos de agradecer de coração a linda panda sem nominação aparente, que estava espoleta nas letras de pagode que resgatamos para recreação criativa. Prontos para iniciar esse post com a frase: "andei, andei, andei até te encontrar" por visitar diversos lugares da federal sem rumo nem beira?


wanderlust
1.A very strong or irresistible impulse to travel;
2.strong longing for or impulse toward wandering.
Tradução bem fuleira e cheia de licença poética: Andança - 1. um impulso forte e irresistível de viajar; 2. desejo forte ou impulso para bater perna sem ter destino algum.

Você é universitári@ sem nada o que fazer final de semana de um feriado, não vai pra casa da família (Ou não tá a fim de ficar com eles pra aturar as piadinhas do pavê ou pra comer) e se sente com uma vontade imensa de sair pra bater a perna? Mora nas imediações de Florianópolis? Você tá durang@? Sem um centavo no bolso? Só tem o cartão de passagem de estudante, uns passes do RU, muita disposição e espírito aventureiro? Então temos uma solução bem bacaninha pra você que não foi abençoado pela HOSTENTASSÃO e riqueza.

Vivemos num criadouro chamado Universidade Federal. Óbvio que em lugares como esse existe um local de engorda definitivo com uma dieta equilibrada, bandejas desajeitadas, suco na máquina bizarra. Às vezes eles têm piedade de nós, meros mortais que apreciam seu feijão com arroz, o RU - restaurante universitário - resolveu colocar no cardápio algumas comidas bem exóticas...

O dia de sexta-feira santa, feriado religioso comemorado nacionalmente (Estado Laico, Estado Laico, Estadooooooo fucking Laicoooooo!!) foi uma adição para o cardápio modificado: Estrogonoff de camarão.

Apesar de ser uma sacanagem tremenda em fazer um prato especial desses em um feriado quando os seus usuários NÃO ESTARIAM pelas imediações da universidade, lá fomos nós encarar o belo pratão de nomnomz. Tipo, camarão mesmo! Com molho consistente e batata palha (batatapalha-batatapalha-batatapalha-batatapalha), tudo que um estudante meia boca, sem grana pra gastar com comida mais ajeitadinha ou com preguiça de fazer almoço em casa poderia pedir.

Delicadamente feito com todo amor e carinho.


Sem muitos planos na agenda a não ser comer, sentar debaixo de uma árvore e falar besteira. Após o almoço bem servido, a árvore estava ali para um breve descanso, para então rumarmos para nossos recintos individuais... Até que esta que vos escreve teve a brilhante ideia de perguntar onde era o Planetário. A saga começa ali.

Sem ter mapa, um wireless que funcionasse decentemente e testando lindamente o senso de direção da Psycho Panda, rumamos a nossa aventura Ufisquiniana do Feriadão Santo. O primeiro lugar a ser visitado foi o Planetário, um domo redondinho com trocentos gadgets all around e pequeno de acordo com o que eu havia pensado antes. O bichinho fica ali nas beiradas do Bosque e atrás do RU.

Sim, eu tiro fotos de hidrantes

Como não registramos fotos do Planetário e Bosque (Deixa pra próxima andança, fiquem felizes com a foto do hidrante), vamos pular para a ideia linda da Panda mais velha, sim, aquela que escreve sobre músicas românticas creepy! Ela simplesmente foi dando a volta no Bosque, conosco no encalço e apreciando os entornos da Universidade que jamais conhecemos depois de anos estudando por lá e atingindo um dos lugares mais fofos da região...

Para ler toda a epopéia dentro do Antro Vil e Maléfico de Cthulhu, clique cá!

sábado, 13 de dezembro de 2014

sem entrar em pânico, as aulas acabaram

Primeiro fim de semana sem a UFSC pros próximos dias e me sinto como a Lola Perry de Carmilla the series:

Nem um pouco neurótica...


Sentir falta de estudar faz parte.
Tá na hora de arrumar as coisas para poder escrever ;]

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

eu na Biblio - guia semanal de como sobreviver a 2ª graduação

Vou ter que abrir uma sessão aqui no Blog pra poder conter esse pequeno momento de pura euforia em combustão espontânea que me acomete na parte noturna. Tá, sem floreios: finalmente consegui uma vaga no curso de Biblioteconomia da UFSC (Mais uma filial do antro vil e maléfico de Cthulhu aqui de Santa Catarina).

Por que fiz isso comigo mesma? Opções a seguir:
1 - Sou masoquista de carteirinha V.I.P. (Só falta oficializar);
2 - Gosto de fazer meus miolos fritarem dentro da minha caixa cranial por coisas absurdas;
3 - Porque não tinha nada pra fazer e a vida acadêmica me alegra muito;
4 - The Devil Nerdice made me do it;

De acordo com a linda Wikipedia (Que é de longe a 9ª Maravilha inventada):
"Biblioteconomia é uma área interdisciplinar e também multidisciplinar do conhecimento que estuda as práticas, perspectivas e as aplicações de métodos de representação e gestão da informação e do conhecimento em diferentes ambientes de informação tais como bibliotecas e centros de documentação, centros de pesquisa."
Aí junta a minha vontade de dominar o mundo via Bloco de Notas, meu pequeno desvio comportamental de organizar coisas virtuais como se fosse algo crucial e minha sede por conhecimento/pesquisa e voilá! Temos um novo projeto de Bibliotecário. Como o trem é multidisciplinar, a minha formação anterior em Letras vai ajudar bastante - aliás já está me dando paninho de fundos para pelo menos 2 projetos de pesquisa e o meu possível TCC, entonces... - além de ter muita coisa que vou ver se repetindo como um belo deja vú daquilo que deveria ter já esquecido devido a idade, os traumas acadêmicos, o pânico diário, maaaaaaas parece que há luzinhas piscando no fim do túnel e me sinto realmente confortável novamente no ambiente acadêmico. São mais 4 anos de estresse pós-traumático, mas poxa!

(Outros dirão que parece normal, como um jornal, leche e pão. Como um jornal, leche e CAPETÃO!!)

Nessa semana inaugural - 12/08 a 16/08 - é uma mistura de emoções antigas e novas.