Pesquisando

quarta-feira, 8 de março de 2017

[bibliotequices] o que, pra quem e porquê?

[Disclaimer: não uso o nome da Federal em que curso, porque já sofri uns backlashs lindos do próprio curso ao ter perfil de Facebook exposto em sala de aula por pessoinhas super bem intencionadas. Uso alusões a saga Star Wars para direcionar minha linda jornada na universidade mais tradicional de todo país. Também uso de sarcasmo e ironia pra poder escrever sem que ninguém em particular se sinta ofendido]

Uma piada recorrente entre os anos de 2004 a 2008 na PUC Betinópolis era sobre como nosso dinheiro da mensalidade ia para o Vaticano para construção da nova Estrela da Morte¹.

Because, razões tinham de sobra...

Uma coisa também que era zoeira na época - por conta de não perceber exatamente o que estudar com os Sith poderia criar - era como nossos professores eram extremamente avaliativos e rigorosos com nossa formação humana. Não era pegar a powha da Gramática e fazer pomposidade no idioma nem falado pela maioria da população, era usar aquele trambolho como instrumento de cidadania e destrinchar cada preconceito linguístico, cada inadequação temporal, cada vício elitista de "falar certo e falar errado" e mandar pro espaço sideral.

Estudar com os Sith me tornou, pasmem, Jedi. O lado iluminado da Força até pode ser feito de escuridão também (hello, bora estudar um pouco de física e refração da luz e espectros de cores), mas o que ficou na PUC dentro de mim foi esse bichinho miserável da avaliação contínua do que raios tou fazendo, pra quem tou fazendo e porque tou fazendo.

As tias fessoras mais didáticas é que adoravam repetir a romaria, quando você escreve um texto é pensando nesses três fatores - o que, pra quem, porque - e isso não mudava né um pouco na prática docente. E ser professor, caso tenha escapado do memorando, é uma das coisas mais sérias desse universo.

Se perder a noção do que tá fazendo, pra quem e porque, o trem desanda. E com consequências tão tão ferradas e sem lógica que você só vai perceber a m**** que fez daqui há 9 anos ou 12 anos, dependendo do ciclo educacional que pegar. Pra aí encontrar um colega de turma na primeira fase que não sabe interpretar uma notícia de jornal, escrever o essencial para reivindicar um direito seu, imagina só se meter com bibliotecas e livros e gente e talz?

A responsabilidade é enorme, algo que não quis abraçar a princípio por conta do olhar mais crítico que a PUC me abriu. A virginianice também tem culpa no cartório, a criação restrita com uma mãe detalhista, mas o olhar humanizado sob algo concreto, real e com consequências em longo prazo? 
Os Sith me deram.



E é com esse mesmo olhar que entrei na Biblioteconomia e é por isso que me sinto na obrigação de fazer avaliação atrás de avaliação sobre o rumo do curso, sobre tudo que aprendi até então e principalmente, ver o que isso tudo tá causando nos colegas de sala e de futura profissão. Não quero dar o pedala Robinho de imediato, mas a vida fora dos murinhos invisíveis da Universidade é bem cruel e a nossa atuação é parte fundamental em fazer alguma diferença no percurso acadêmico de uma criança cheia de sonhos, esperanças e fôlego.

Debaixo do link, avaliações, resultados, surprise, surprise modafóca, isso vai ser isso o tema do meu TCC até eu jubilar...

terça-feira, 7 de março de 2017

[interlúdio] entre o lacre e o jarro de picles

Comecei a escrever esse texto uma semana atrás, aí veio esse artigo na minha timeline do Facebook e isso no meu dashboard do Tumblr aaaaand, bem... caiu como uma luvinha.


(Florentina é deusa d@s desamparad@s nessas horas cruciais...)

Cê vai ficando coroca e não prevê mais as "cousa" direito.

Tenho essa mãe, meio me fez passar raiva quando mais novilhe, com todo um arsenal de cuidados e quadrados, tudo pra me encaixar em algum lugar. Ela massageava demais um ego que tinha tendência em inflar e sabotar uns feelings de vez em quando pra ajudar.

Não foi legal.

A gente via isso acontecer com os primos, a mesma neurose rolando, a mesma desculpa sendo repetida (nunca recebi amor dos meus pais), o sufocamento era o mesmo. Tardios na saída de casa, sedados por medo de crescer. Fracassados em algum lugar no lugar dos nossos pais.

A atenção era desmedida, no que tinha de "supermãe" para os outros, tinha era uma jarra de conserva sendo mantida. A vida dentro da redoma vai riscando algumas coisinhas da nossa vida, uma personalidade ali, uma opinião concreta aqui, às vezes moldava coisa que não devia, como seu verdadeiro eu, aquele que você procura tanto depois que perde quando criança, mas tá lá em algum fundilho rasgado do bolso de alguém. Nunca o seu.

A dependência, essa vai criando uns tentáculos bem oscilantes, traçando espirais de fuligem e tinta escura, obscurecendo aquilo que era pra ser naturalmente colorido. Dá pra entender: eles só querem o nosso bem. Apenas isso. Mas não compreendem que entre o bem e o mal tem um caminho bem tortuoso com um pedra gigantesca no meio e um horizonte que a gente não vê. 

É assustador.


quarta-feira, 1 de março de 2017

operação carnaval 2017 - parte 2

Queria ter feito uma trilogia, mas não deu tempo e lugar para fazer. 5 dias de feriado, 5 dias brigando com o Major Tom (PC capenga famigerado aqui) a voltar a funcionar. 

Primeira tarefa: ver se ele continuava a funcionar mesmo com a fonte ferrada - mal contato de fios e o cabo que não encaixava de jeito nenhum. Solução: Muita fita isolante, superbonder3000 e chinelo com solado de borracha (Porque ser eletrocutade pelo meu próprio PC não está na minha lista de mortes possíveis e imagináveis).

Segunda tarefa: ver o que o UBUNTU tava dando de errado. Apesar de ser mais rápido e responder melhor aos comandos, ele não instalava nenhum programa que eu queria nem a pau. Foi nessa:
  • AMD/ATI Catalyst: ferrou com a configuração de resolução de tela por 2 dias.
  • Battle.net: Porque O CRACK NÃO SAIU DA MINHA VIDA e eu precisava urgentemente jogar Diablo III
  • Diablo III: não instalou, nem quis pegar direito. FUI PRO CRACK E FUNCIONOU!! VADE RETRO! Aí desinstalei e pronto, o momento de deslize foi de poucos minutos.
Com as configurações de vídeo ferradas, não dava para ver vídeos, logo perdi o episódio de segunda de Supergirl (Tive que assistir no celular de madrugada e não pegar spoiler no Tumblr), não dava pra entrar no Youtube porque o FlashPlayer dava biziu, não dava para fazer NADA absolutamente. Logo veio a ideiazinha de jerico: tentar bootar com Windows 7 e ver no que acontecia.

Aí mais 1 dia de passar tudo que tava no Ubuntu para HD lerdo e minha paciência virou pudim, as bad vibe já estavam pressionando também, então resolvi descansar o corpo e cérebro por umas horas. Como hora-extra em Morfeu resulta em alguns contratempos, foi:
  • Pesadelos bem vívidos
  • Cansaço extremo de drenagem energética
  • Recusar a sair da cama até mesmo em situações em que o corpo pedia
  • All the fucking angst? Yep, teve o pacote todo de "como se sentir a pior criatura na face da Terra sem precisar muito esforço para isso". Patada nas fuça da Bete enquanto dormia me fez lembrar que preciso me manter em pé pra ir pro outro dia.
  • Pessoas felizes na timeline!!
  • Dormir babando no teclado às 03h, acordar do nada às 06h e pouca e passar o resto do dia fazendo exercícios para não capotar no sofá (Polichinelo funciona realmente)
No terceiro dia, começou a enxurrada de demandas para se fazer com um computador funcionando. Mais pressão, mais pensamentos nada bons, menos vontade de sair da cama, aí entre um cochilo nada tranquilo vem aquela lâmpadazinha bacana de alumiação! Bootei a powha do Windows, esperei pacientemente o Seven fazer update, já tasquei opção de migrar pro 10 na hora. Mais meio dia nessa, até madrugada estar com tudo preparado para a pior parte: achar os drivers.

Por mais técnico que tenha sido, com erros no percalço e vontade de ter uma DR *arrepios* com o dito computador, devo extrair uma lição desse feriado prolongado: paciência é preciosa nessas horas de mindfuck bode amarrado na perna.

Pra melhorar a situação?
  • Muita gatoterapia
  • Comer menos carne, me concentrar nos legumes
  • Ouvir o Blackstar na imersão da obra, não do fato da situação ali envolvida na feitura do álbum


domingo, 26 de fevereiro de 2017

os paralelepípedos


Quando a constante no teu mundo é de "Sorrie e acene" quando não entende como lidar com a situação, é importante sempre manter algumas cartas na manga. E elas são amarguinhas. Então os constantes paralelepípedos que me atingem nas costas quando penso em fazer algo da minha vida romântica (nula btw), deveria ser por falta de oportunidade, não de coragem. Porque coragem não tenho alguma.

Essa postagem é criptografada, as usual, e regada de jazz choroso de Nova Orleans...
(Debaixo do link, aqueles trem que não gosto de teorizar, mas preciso já que terapia não é mais uma opção - mas escrever é uma boa...)

[conto com angie] as pequenas cismas


Título: as pequenas cismas (por BRMorgan)
Cenário: Projeto Feéricos.
Classificação: PG-13.
Tamanho: 2.889 palavras.
Status: Completa.
Disclaimer: Esse conto faz parte de algum rascunho perdido meu do Projeto Feéricos que vocês podem ver os pedaços sendo costurados aqui nesse post [x]
Personagens: Kristevá Todd, Raine, Angie, Tobby, Emilio, Smithens e Prince

Começara a entender as pequenas cismas, novos modos de se passar vergonha e cometer gafes memoráveis por todas suas vidas. Quem costumava entregar elas era a menina que se vestia como um acidente de carro, seja lá o que isso queria dizer para "eles".

A música alta e agitada de batuques e tambores, piso grudento de cerveja quente derramada, a meia luz que disfarçava os rostos suados, boêmios e entorpecidos dos foliões Muito contato tátil, pouco auditivo. Não gostava de se sentir sem audição em lugares como aquele. Passar noites na completa escuridão fazia parte de sua rotina, mas ter a privação das nuances auriculares era como retirar metade de sua capacidade de raciocinar. A música estava mais alta, óbvio, fazendo com que aqueles ali presentes se aproximassem e fazer aquela dança esquisita do acasalamento. Como essas criaturas sobreviviam há mais de milênios, nenhum de seus ancestrais conseguira explicar direito.

A batida da música mudou, algo mais primal, introspectivo, sugestivo, a dança humana mudava, o cheiro também. Técnicas de sedução, explicaram uma vez na biblioteca, procriar, reproduzir, nascer, crescer, desenvolver, decair, encolher, morrer.

Apenas entendia a última parte, essa era sua tarefa agora, fazer os outros como eles entenderem. Cada mortal com sua sentença, sua pluma, seu coração, sua balança. Quem vinha coletar não era quem eles tanto gostavam de repudiar, uma criatura deformada, esquelética, manto escuro comprido, foice na mão, olhos sem enxergar, uma lista.
Por que haveria listas?! Séculos de aprendizado e nenhum aproveitamento das lições. Tolos. Egocêntricos. Pedaços de estrelas mortas.

A surdez temporária pela tecnologia barulhenta dos mais novos aguçava sua vontade de voltar a sua forma primitiva e voar para longe dali. Bem, bem longe. O contato mínimo de um braço em seu ombro a fez se recolher alguns passos para trás e preparar algum tipo de insulto ensaiado: fora assim que aprendera da última vez. Era a menina vestida de acidente de carro.

operação carnaval 2017 parte 1


Era para ser um dia legal, mas...

Debaixo do link tem ideias Wanderleicas, confusões com um bode chatonildo e como vou suportar ficar nesse feriado sem pirar.

E adoro esse gif da Nazaré confusa, mas sem as fórmulas matemáticas...

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

o santo que não existe, o publicitário e o do consórcio

Esse post tá atrasado uns 10 dias, mas vai mesmo assim!!

Há esse meme que brasileiro deveria ser estudado por conta das absurdidades que conseguimos produzir tão bem (pro bom ou péssimo lado) e por ter passado a data especial para o resto do mundo ocidental - hello dia de São Valentim? - ia ter brasileirice no meio né?

Ao pesquisar sobre a data em específico, indo nos lugares mais óbvios possíveis pra depois aprofundar os dados - até porque não tenho interesse em escrever uma dissertação sobre, logo não vou procurar artigos na Web Of Science, pow! Esse é um blog informal, pelamoooooor - descobre-se o origem do feriado mais romântico do planeta Terra. Ou não, depende do ponto de vista.

São Valentim era supostamente um padre/bispo romano gente boa que ficou conhecido por celebrar casamentos mesmo após a proibição do Imperador Cláudio II por alguma razão idiota. Senta lá, Cláudio!
(Sério? Quando mais gente sendo produzida, mais força de trabalho escravo, romanos? Vocês eram loucos mesmo!)


Valentim foi preso, sentenciado a morte (porque romanos não sabiam fazer mais nada além disso e micareta no coliseu... Oh oh!! Pavimentação de ruas!!) e pessoas apiedadas pelo pobre cara jogavam flores, bilhetes e orações para ele partir em paz. Não sei quanto era dos bilhetes, já que no mundo antigo era raro alguém da classe mais pobre saber escrever, mas bem... Vamos relevar a Wikipédia, porque ela salva! 
Ela e o Ctrl+S!


Aí o Valentim foi morto de algum jeito especial que os romanos deveriam gostar e após fazer algum milagre aí, Igreja Católica canonizou. O legal é que não tem registro disso em lugar algum, nem que na época do Carlinhos havia um bispo chamado Valentim.

A versão em inglês do artigo da Wikipedia¹ é tão mais lindo que dá pra entender a precariedade de informações sobre o suposto santo. Tem pelo menos 4 Valentins na mesma situação, que morreram em épocas diferentes e faziam os mesmo esquemas, e tem sincretismo com uma festa pagã romana chamada Lupercália que caía na mesma época. A máquina de marketing da Igreja Católica Apostólica Romana sempre me impressiona!

14 de fevereiro ficou pra ele no calendário insuportável de feriados católicos de 365 dias (Aliás, sabia que existe um santo para CADA dia do calendário? O panteão católico é uma máquina de fazer feriado, adoro!) e sendo assim a marca registrada de ser o Dia dos Namorados veio daí.

Aliás, o feriado foi descontinuado em 1969 pela Igreja, por conta da falta de comprovação quanto a existência do benedito, quer dizer do Valentino, mas a tradição perdura. A indústria de cartões e ursinhos de pelúcia adoram, creio que as de chocolate também.
(BTW 1969? Tipo, homem à Lua, volta dos sidhe para Arcadia, isso dá um plot lindo pra Changeling que...)

Mas o que tem a ver Santo Antônio? Não sei, tou pesquisando ainda e não achei nada de relevante para acrescentar no dia.

O jovem inquieto como Agostinho, ganhou o notório título de santo casamenteiro - porque atribuir isso a um cara que fazia consórcio para angariar fundos pra nobreza do clero é uma ótima ideia. E o cara era intelectual do baraleo. Com um santo guiando, menino JC no colo, ovelha do outro, Santo Antônio recebe a maioria das preces até hoje pra arranjar a metade da laranja, a tampa da tabela, vocês entenderam... Óbvio que tenho que postar NOVAMENTE o stand-up que mais adoro no mundo:


No resto do mundo, porque aqui no Brasil não entramos na brincadeira do possível sincretismo com religião pagã (diga algo que não saibamos, ahem) e santo fictício. Mas por que não? Por que somos espertos o suficiente nessa educação cristã-judaica a entender que contestar uma data do restante das outras datas no calendário de feriados católicos seria o mais ético a fazer? Procurar mais fontes? Não cair nessa? Nope.

Foi marqueteiro nos esquema.

João Doria era o nome do publicitário que cunhou o 12 de junho como Dia dos Namorados aqui no Brasil em 1969. Com a profunda consciência que deve ter sido abençoado, ele fez campanha para sua empresa para homologar o dia 12 de junho como Dia dos Namorados porque era o dia antes de Santo Antônio - que é o santo casamenteiro da mitologia, oooooops do canônico católico apostólico romano. Não foi por causa de um buraco no cronograma anual de altos e baixos de vendas no comércio, não, não, imagina.

Vamos também não relevar o fato de João Doria ser pai do atual prefeito de São Paulo que pelas suas últimas notícias já mostram o quanto a família é honrada em suas ações e palavras. E que são super generosos e cheios de amor pra dar.

Resuminho da ópera: adoro você, Capitalismo dos Ínferos!

================
N/A:
¹ - "É pseudo-bibliotequere e pegando artigo da Wikipedia?! Tem vergonha não?" - escuta aqui, por acaso esse blog vai pro meu Lattes e botar estrelinha da Scopus na minha testa? Há algum interesse sumário em fazer verificação de fontes bibliográficas de tal assunto? Só tou dissertando bobagem sobre um dia que obviamente foi fabricado, gente. Tou levando nada disso a sério não...
Ps: Wikipedia ruleia, julguem-me!!


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

[bibliotequices] Bibliotendicites

Esse post será um breve lembrete de como devo me encaminhar logo para umas aulinhas de gestão de pessoas.

Are you there, Loki?
Porque a vida tá estroooooooonha meu deus lindo! 
(Até botei Lionel Richie na rodinha, não adianta deixar a chamada em espera)

Em todos os anos nessa indústria biblioteconômica vital, nunca ouvi um profissional da informação não dizer que sentia dor. Tipo dor mesmo, do pior tipo, daquele que te manda pro hospital conforme uma abaixadinha ou uma virada errada. Aquela dor que tira sono e maltrata o humor pro resto da semana. Aquele tipo de dor que só passa com tarja vermelha com retenção de receita e CPF anotado pelo farmacêutico. Aquela dor que só passa quando vemos o trabalho danado ser finalizado e para algo bom.

Se vocês já descobriram qual é o tópico de hoje, eu vos saúdo. Mas não tanto, não consigo mais me curvar com a quantidade de dor que ando sentindo ultimamente.

Vamos falar de...
BIBLIOTENDICITES!!

Bibliotendicites:
                          do vulgo bibliotequês [biblios]

Você que está se enveredando nas estantes da vida, procurando sentido nas prateleiras (042, pelamooooor) precisa entender uma coisinha antes de qualquer coisa: Bibliotecárixs pegam peso. Muito. Demais.

Não, é uma lenda urbana aquele negócio de ficarmos atrás do balcão só dizendo "Xiiiiiiu!" ou repreendendo gente com olhares fulminantes. Até porque dá pra fazer isso em pé, ao lado do frequentador e carregando trocentos quilos de livros para lá e para cá.

A tortura é mais prolongada nesse vídeo do Tears for Fears

Desde que entrei na Biblio venho fazendo uma pergunta impertinente para tode bibliotecárie que conheço: "Você tem dor aonde?" e a resposta é batata (Não o tubérculo, mas!!): todos dizem algum tipo de dor corporal por conta do ofício.


O desgaste físico de muitos bibliotecários é tema de poucas pesquisas na nossa área, mas é extremamente importante ser discutido em algum ponto de nossas vidas. Afinal de contas já que não vamos aposentar tão cedo, temos que resguardar essa máquina que nos mantém vivos, né?

Para mais informações detalhadas de pesquisas, tem uns trem aí embaixo:





Ergonomia tá bem nesses esquemas e em qualquer profissão em que haja certos tipos rotinas como a nossa (o de ficar muito tempo sentado ou em pé, por exemplo), estudar um bocado disso seria excelente na graduação. Brinco que algumas optativas deveriam incluir disciplinas da Fisioterapia, Ed. Física ou Psicologia devido a essa estatística boba que faço sem intenção científica, mas faça o teste você mesmo: próximo bibliotecário que aparecer na sua frente, pergunte sem medos "Tem algum tipo de dor, quiridu?" - as respostas são bem similares.

Talvez ser projeto de bibliotecária deva ter me dado mais pontos de sabedoria, mas tirou as minha de destreza e física. Então recado para posteridade: quando chegar aos 35 fazer um plano de saúde que cubra ortopedia e fisioterapia, seguro de vida em nome de Ranganathan, beleza?

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

[interlúdio] testando 1,2,3...

Faço uns testes por aí
Uns mais sofisticados que os outros
Uns mais delicados
Oa resultados costumam vir imediatos
Uns testes aí

Pra não esquecer que viver é bom, navegar é preciso
(viver não é preciso, Fernandinho?)

Faço uns testes assim bem toscos
Aprecio mais que o devido
Tenho não muitas surpresas
Mantenho os relatórios
Nunca se sabe quando se precisa dos dados perdidos

Durmo menos que antes então
Não é por falta de sono, de cansaço, de lentidão
O mundo não me deixou respirar depois do safanão
É difícil

É uma pena manter o ritmo da música
Quando não se tem mais a partitura na mão
Às vezes faço uns testes pra ver como é que é
Você sem você como qualquer um outro ser humano normal
Quando se tem poucas horas pra si mesme
Quando se tem horário pra não se reprimir

Os testes que andei fazendo
Sempre acabam quando lembro de você
É batata o resultado quando tá doendo
Não tem onde mais a ferida crescer

Já fiz alguns testes, desses de desanimar
De te tirar de dentro do meu organismo
Pro sangue afinar e calibrar o que precisa ficar
O teste bem sucedido já foi, não tá mais doendo (mentira)

Mas aí lembro que há sempre algo a testar
Uma trilha, uma pedra, um canção, um fio prateado cortado antes da hora
Faço alguns testes por aí.
Ajuda a não cair mais no real momento
Deixa a vida seguir normal, é assim quando se tem ainda um tormento

Faço testes todos os dias
Parece que são mais
É um desafio vencido do absurdo
Um controle a menos na paz

O último teste que fiz foi até eficácio
Tinha mais etílico do que glóbulos vermelhos em minhas veias
E uma pergunta repetindo na cabeça
"Por que ainda se importa?"

Não vai ser o último teste, com certeza nem mais o primeiro, provavelmente será um intervalo junto ao interlúdio aqui.
Às vezes tentar dói mais
Do que se aprende

$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });