Pesquisando

prest'enção nesse trem aqui! [clica cá]

mudanças do eu-lírico/bibliotequices

Entonces... Resolvi dar uma repaginada nos esquemas do Bibliotequices - uma sessão que eu mantinha aqui desde outubro de 2015 - para or...

domingo, 1 de julho de 2018

a fanfiction de bad qualidade continua...

Postei essas parada no dia 26/06/2018, porque foi essa a data-limite que deram para fazer deliberação sobre um projeto esquisito, vindo de pessoas mais suspeitas ainda para falar algo de benéfico para a Humanidade. O mais engraçado é que deram uma data-limite para uma deliberação pública, onde na única reunião feita teve os gatos pingados de menos de 70 pessoas AND nem metade dos professores do departamento.


Hoje era a data limite para dar uma resposta discente para o parecer da tal vontade de desmembrar certo departamento de certo centro de certa universidade e virar um Instituto.

É, vocês leram bem: Instituto.

Porque não tá ruim demais estar alocado em um dos departamentos mais prejudicados pela política emburrecedora dos Temerários e ao invés de se unir pra resolver a situação, nããããããão não sei brincar, não desço pro play. Isso já acontecia há anos. O descer pro play. O tal departamento nunca desce do salto e pro play.

Escrevi um textão, fiz anotações estranhas no tal do parecer, tive brigas homéricas dentro da minha cabeça sobre as vantagens e as desvantagens dessa bagunça que estão querendo piorar mais em situação delicada que nos encontramos na Educação Superior.

Resolvi ligar o namastê filho da puta e desejar o melhor para quem vai ficar com essa batata quente, porque sinceramente gente da Biblioteconomia da Universidade dos Megazords? O que consegui ler e interpretar nesse documento está apontando um benefício direto e exclusivo para docentes e administrativo, a única vez que citam estudantes foi lá no final do documento, umas 2 linhas, como se a gente não servisse pra muita coisa mesmo dentro de um departamento esquisito. É quase como registrar o quanto não somos a prioridade para a boa qualidade do curso e consequentemente prestar um serviço de excelência pra sociedade.

Chega uma hora que ter fibra pra tentar conscientizar figurinhas carimbadas - com muitos anos de casa que quem faz o curso são os estudantes e não os trocentos doutorados e apresentações em eventos científicos - fica cansativo. Sacudir gente que ainda não acordou pro momento histórico onde vivemos também tá beeeeeeem cansativo mesmo.

Fatiar o bolo que já não é mais bolo, mas sim uma fatia bem minguada de uma fatia que ninguém mais quer comer é atestado de possível fracasso (logisticamente falando, vide a lenda lendária do bloco A), mas se as intenções forem boas das pessoas envolvidas e PRINCIPALMENTE dos estudantes que ficarão para ver isso acontecer algum dia, então vamos lá! Vão com Rangs! Toda força de Otlet procêis!

E pelamooooooor gente, parem de só assistir.
Cês tão passando vergonha federal, literalmente, já que vai mexer com dinheiro público, status acadêmico e ego inflado de muita gente (Inclusive o bom e velho nome do curso que não pode ser manchado de jeito algum, Dewey nos livre de tal vexame.)

O doc tá aqui, leiam, inspirem, expirem, façam movimentos circulares, contenham seus chacras.

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Orgulhe-se

Orgulhe-se
É que estou lendo durante o dia todo
Um atrás do outro
Orgulho-se(mpre)
Duvidando da própria existência 
Orgulho, sinta
Negando sua identidade 
Orgulho, tenha
Das várias vezes que foi obrigada a sorrir e deixar o comentário odioso passar despercebido, que não destruiu parte da sua voz e ficou impregnado em seu coração 
Orgulho, viva(se)
Escondendo pelos cantos, vigiando ao redor, olhando de soslaio para ninguém perceber 
Orgulho de amar
Segurando a mão da pessoa certa e pedindo para todos os protetores divinos invisíveis para ninguém errado ver
Orgulho, seja
Sendo invisível pra não causar constrangimento, não fazer mais outra família se colocar contra alguém que não sabe se defender ainda
Orgulho, de cabeça erguida
Ouvindo pelo telefone ameaça de autoridade, de sacralidade, de parentes a vergonha que os causou, a expulsão de casa, a condenação a solidão
Orgulho, de cabeça baixa
Desviando dos olhares desejosos, porque é errado, tá errado, tudo tão errado em olhar
Orgulho, siga em frente 
Pra um futuro próximo que arrasta alguém adoecido pelo não-Amor, a intolerância, o orgulho ferido da vergonha social que os causa, os maltrata
Orgulho, sinta orgulho 
Arruinando qualquer relação posterior por morrer de medo de chegar muito cedo, muito tarde, chegar muito perto, afinal
Orgulho era o que eu devia sentir?
Sentindo orgulho de quem verdadeiramente sou
Escondendo por proteção 
Sobrevivendo por obrigação 
Desviando do trânsito transviado 
Transitando entre um mundo que vê um e outro, não vê apenas ser único 
Orgulho eu devia sentir
Esperando apenas mais outro dia passar
Com os dias contados nas estatísticas 
Nas enfermidades, nas perícias, nas imprecisões jurídicas, nas redes afetivas, tóxicas, ilícitas 
Orgulho de alguma coisa aí 
Continuando a ser chamado de aberração, destruidor de famílias, o plano C, a última opção, o estepe, "até namoraria você, mas as pessoas não vão entender" 
Orgulho de mim mesmo 
Pra chegar a esse ponto de escrever sem querer chorar, tremer as mãos, enterrar a cabeça no peito e pedir pelo amor de algo sagrado aí "o que que eu fiz de errado? por ser assim? por quê não sou como os outros?"
Orgulho, sinta 
Orgulhe-se sempre
Deixa eu viver em paz, além dos 35, um pouco mais?
Vê se me deixa em paz? 
"É só uma fase, vai passar..." 
"Não te criei pra ser isso não" 
"Não deixa ninguém saber, não quero passar vergonha." 
Tenha orgulho de si próprio. 
Um mês inteiro para fazer os outros entenderem que também faço parte desse mundo como elas também.
E todos somos temporários nessa existência.

[interlúdio] aquele perdão secreto

Créditos: Arte de Ner-Tamin.
Hey você, você mesmo que sei que não dei braço a torcer, não escutei, não delimitei fronteiras do onde começava o nos para o eu e você.
Você que sei que não vai escutar, também não irei falar, silêncio é a nossa arma secreta de vidas passadas em profundo eco. Vivemos pela vida de outros?

Vivemos por nossas vidas por um período de tempo, esse que o silêncio afogou aos poucos, lembranças ocas em superfícies cristalinas.

O orgulho, o rancor, o amor, tudo dissolvido em galões de água turva acumulada em chuvas e tantos trovões.

O silêncio que nos tornou um fio tão quebradiço que quebramos, relações, afeições, paixões, em prantos. Silenciosos, mas prantos, que o orgulho alcança com finos dedos ossudos, velhos e cansados, espremendo qualquer suco que tenha dado alegria as nossas vidas conjuntas de duas vidas em conjunto

Hey você que não irei mais repetir o nome sem antes engolir em seco, trancar a garganta, arder os olhos, ranger de dentes, batimentos cardíacos contidos. Hey você que não pôde ser real e assumido, comprimido, estrangulado, sufocado por tudo ao redor de nós e que nunca foi feito para durar mais que segundos.

Hey você que não verei mais, mas cisma em assombrar meus sonhos, o canto do meu olho cansado, meus pesadelos paralisados, fantasma vívido de alguém que em uma chance impossível entre dois universos infinitos teria sido perfeito.

Teria
Haveria
Podia
Deveria
Pretérito mais que perfeito assombrando vidas de uma vida que aqui se afogou em águas do temor, do ardor, do esquecimento.

Hey você que algum dia sei que irei ver novamente, mas não lembrarei, ainda guardo uma pétala de uma flor
Uma canção escondida no violão
(e enterrada no meu peito até virar pó) 
Um tempero de uma vida que podia 
Um perdão secreto que jamais sairá de meus lábios 
Nem dos seus

quinta-feira, 21 de junho de 2018

o se cuida

Com a idade vem a ruminação. 
Aprendi essa semana ao fazer o processamento de um livro ensaio sobre uma das teorias do Nietzsche que esse termo traduzido condiz ao se remoer um conceito até a exaustão para dali regurgitar algo. 

Não muito longe do verbo ruminar, a ação que os ruminantes bovinos fazem para completar seu ciclo de alimentação, a ruminação aqui se deve a uma constatação besta de ordem repetitiva. 

Pode ser uma pessoa motivada por um zelo extra ou por não saber o que falar mesmo, mas deparei-me com essa de desejar sempre pra todo mundo que passa por mim e/ou trava algum tipo de diálogo comigo com o "Se cuida.". 

Esse "Se cuida" não está mais reservado a quem tem meu apreço, mas com alcance até quem nem conheço, com a idade vem o peso das besteiras e às vezes, às vezes a gente precisa se cuidar. Ou ser lembrado disso. 

O cuidado consigo mesmo vai em diversas esferas de preservação. Ao dizer "se cuida", espero mesmo que a pessoa tenha cuidado consigo e não se exponha a nada que a tire de um estado normal de status quo. 
Porque o status quo mata, ainda mais quando são pessoas que não estão acostumadas a serem cuidadas, nunca cuidaram de nada ou que cuidaram de todo mundo menos de si mesmo.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

a semana dos pesadelos

Assim como eventos esporádicos de nossa vida, a semana de pesadelos é um bocado tensa pra mim, pois é um aviso certeiro que minha mente está overloaded de informação.

Os feelings também fazem parte, já que este ano foi rollercoaster de emoções por trocentas coisas e descobertas e novas sensações e experiências.

Estar realizando um bom trabalho também mexe um bocado com os enredos de pesadelos. Então chego a conclusão que quando estou sendo boa demais em algo, é porque vai dar ruim. Fatalismo aqui comigo sempre...

Como já tinha relatado em post anterior, experiências de sonho lúcido foram um modo de coping as angústias de sonhos relativamente dolorosos e com monstros demais para se lutar. Quando se tem uma imaginação fértil para o cognitivo criativo, a vaca que vai pro brejo vira uma vaca revoltada com uma foice, raivosa e bípede. Sim, isso foi uma referência ao meu jogo favorito.

There is no cow level.

Exceto que na semana do pesadelo o círculo de palestras oníricas gira em torno de uma porção de atividades, desde terror noturno e episódios de paralisia do sono - que é o que tá rolando mais e tá agressivo os esquemas de sair do torpor - gatos fazendo rave de madrugada e me fazendo levantar pra ver o que será que derrubaram, viraram, se machucaram e talz. É cansativo.

Na maior parte do dia dá pra abstrair, fazer a rotina de sempre, tentar não me exaurir ao extremo pra chegar em casa, ir pro automático no chuveiro e dormir com metade do corpo fora da cama. Mas há sempre algo e esse algo vira uma série de pequenos enxertos de pesadelos que são costurados nos sonhos habituais (sonhos com rotina são os mais numerosos, eles me confundem às vezes ao acordar quando são intensos na questão de imersão).

Então uma situação que me incomoda no diário VAI vir me perturbar no sonho.
Mesmo tentando evitar de pensar demais nisso.

A semana do pesadelo não me priva de sono, mas me cansa mentalmente e fisicamente quando excede o limite possível. Já teve Passos do Luto, Clube da Luta, os sonhos que apelidei de "Cthulhu Calls" são os sonhos malucos com detalhes nada felizes e sempre terminam IRL com episódio de paralisia do sono. 

Paralisia do sono é aquela sensação em que você acorda e não consegue se mexer, falar, gritar, fazer qualquer coisa e para a cereja do bolo, há a sensação inquietante que há algo ou alguém no quarto em IRL com você. Muitos falam que esse estado de torpor é semilúcido, entre o sono profundo e o despertar, e é possível que tenha alguém (aí vai da crença de cada um, ok?) ali fazendo isso.

O que a semana de pesadelos faz comigo, acho que ninguém em IRL consegue fazer pra me tirar do sério. Pra manter o bom humor durante o dia é um custo, e os cochilos dentro do busão são mais proveitosos do que o conforto da própria cama. 

A falta de seguridade tá me perturbando até em sonhos.
Se não consigo relaxar em casa, no meu quarto que mantenho exclusivamente para dormir, então não sei mesmo como voltar ao ritmo normal e aceitável de descanso.

sábado, 9 de junho de 2018

Balanço do semestre


There I go.

Como resumir esse semestre?
Altas doses de oxitocina no começo do ano, muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, um alívio imediato por conseguir prosseguir no schedule acadêmico/profissional, aí aquela queda no poço da Samara com direito a aperto emocional de me fazer querer sumir da face da terra, um microondas queimado, receber apoio, dar apoio, sumir de vez em quando pra manutenção da sanidade, bombar em pelo menos duas disciplinas, pois não é saudável nessa altura forçar demais e ter uma crise nervosa, morder a própria língua, engolir o ego e o orgulho, voltar a morar na casa da mãe, melhora substancial de comportamento felino, as dorgas legalizadas que enganam as química dos celebro manolo!, Aurora Nealand, Ranhinha Ostraliana do Glitter, reconhecimento de alguns aspectos da vida, continuar no poço da Samara? Sim, mas agora confiar na rede que não vai me deixar na mão se eu escorregar. Falar pra minha mãe que sou trans não-binarie e não sofrer repreensão, negação, repulsa, incompreensão.

Dor.
Saudades. 
Escrita voltou. 

E que meu curso, de acordo com os doutores mais conceituados em suas bolhas alheias ao mundo real, NÃO É DA EDUCAÇÃO. Vixi Mary.

Foi um tanto de coisa, mas tô aqui, sobrevivendo. Tentando não entrar no ciclo vicioso de pensamentos infelizes e ações piores ainda.

Até deu pra notar novamente que meu coraçãozinho rude e gelado ainda funciona! Parece milagre, mas é só o atestado de que a maturidade emocional veio, então deve ser que haja alguma coisa boa para se aproveitar na vida além de querer causar caos e gerar questionamentos.

Ah! Voltei a sonhar.
Talvez seja a hora de reler os contos de fada com outros olhos.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

empirismo não me decepciona

Empirismo não me decepciona

Além do sarcasmo e da apatia, algo que me rende bons frutos (e menos ansiedade, dores no corpo e afins) é o empirismo condicional da vida corrente.

E como qualquer criatura ansiosa e insegura, é de lei que irei me basear na vivência mundana através de fatos e não de lados. Porque lados há muitos, se apenas vemos em 3 dimensões, miguxe, experimenta passar dias em medicação forte pra ver o quanto de percepção a gente capta em poucos segundos de observação.

Já fui trouxa, admito com certo orgulho, pois a trouxice me ensinou a medir empiricamente os limites entre a minha realidade e a do Outro, essa esfinge inabalável com charadas ferinas na ponta da língua e muito silêncio constrangedor.

Diferente de Édipo e Perseu, não tou nem aí em decifrar charada pra ir adiante, prefiro bater aquele papo com a Medusa, ser tão estimável e subestimado na categoria de "monstros da mitologia" - lembrando que a Medusa foi amaldiçoada por Atena, sim aquela deusa da "Justiça" que esqueceu o detalhe básico de que a moça antes humana estava sendo assediada constantemente e então violada por Poseidon no templo dela.

Conversar com a Medusa traz solidez (bora começar com os trocadilhos?!), traz convicção, traz sinceridade. Olhar em seus olhos mágicos e instantaneamente se petrificar com o fato ali dado: não adianta fazer muita coisa se só vai quebrar a cara.

Então, em certa situação, vamos dizer, em que pai e filho, encarcerados em um Palácio estonteante no meio de um labirinto de desespero, têm a brilhante ideia de construírem asas enormes de penas resistentes coladas com cera para escaparem dali para a liberdade. O pai preocupado com o filho avisa que podem haver consequências graves se voarem muito perto do Sol, mas o ímpeto do filho (éesua admiração/curiosidade ao deus-sol) é tanto que é certo sua queda fatal.

Pai em luto esquece sua invenção, sua liberdade, sua promessa de felicidade para reaver o defunto do filho tão jovem, tão cheio de ideias, de sabores, de amores, de projetos e planos. Foi assim que Dédalo e Ícaro terminaram, o guri estropiado indo pro Hades, pai se sentindo eternamente culpado por não ter contido o episódio funesto, mesmo sabendo das consequências de se fabricar asas coladas com cera.

Se substituir pai por minha vontade de criar e filho como as ideias que costumava ter, temos esse paralelo super bonitinho para se deliberar. Engessamento nas práticas dentro de um ambiente educacional mata mentes criativas. O excesso de ordem e progresso mata quem precisa se expressar constantemente em forma de atuação direta com a sociedade. Sonhos são esmagados ao darmos a autoridade maior ao sol e não quem produz as asas com cera.

Não foi isso que me obrigo a acordar todos os dias, mas tá sendo o default.

Mas como sempre, toda vida, porém, contudo, o capitalismo tem uma vozinha de sereia atacando a nau de Ulisses: se hipnotizar com a harmonia do sistema e se afogar com sua falácia até findar mais outro Ícaro.

E ver Ícaros caindo tem sido constante nesses últimos tempos, e dói mais quando a cera usada nas asas deles também é base pra minha. A qualquer momento o sol/Hélio pode muito bem chegar e decidir aumentar de temperatura, esquecer das ordens de Apolo e me transformar em torresmo. E ele vai, essa é a certeza.

Então antes de acontecer: se aprochegue a miguxa Medusa. Mais precisa e com um toque de realidade. Um exterior esculpido em pedra, para quê voar se minhas asas estão debaixo dessa carapaça petrificada?

O mais importante: por que ter asas se a esfinge está apenas esperando abocanhar suas palavras, seus sonhos, suas ideias, sua criatividade com as intermináveis charadas?

Por que tentar se o padrãozinho medíocre sócio-instalado e sufocar até a morte quem desvia do normal?

Pra que entrar em desespero com isso?
Pra modiquê perder noites de sono, suco gástrico estragado, tentativas de interação e buscar aprovação se NÃO É ESSA A RAZÃO de aceitar a missão?

Conviver com esfinges, minotauros, reis megalomaníacos, deuses abusivos, Dédalos e Ícaros está perfeitamente encaixado no meu empirismo. Relevar a importância deles em minha vida pessoal/profissional é que está sendo novidade. A conclusão geral de mais um episódio desse teatro que insistimos chamar de vida?

Mantenha a vida pessoal LONGE da profissional. 
Faça o que a função pede. 
Não seja idiota em achar que vão dar a mínima (não irão). 
Você é um mero parafuso no mecanismo, seja invisível.
(Tá sendo ótimo, empirismo nunca me decepcionou ao me distanciar do objeto de estudo)

quarta-feira, 30 de maio de 2018

[escorregadios] pequenos deslizes


Título: pequenos deslizes (por BRMorgan)
Cenário: Feéricos - contos para sonhar.
Classificação: PG-13.
Status: Incompleta.
Disclaimer: Esse conto faz parte do Projeto Feéricos "Escorregadios" que está sendo postado aqui no Archive of our own [clique aqui] - essa série é inspirada em Múmia - a Ressurreição (um dos melhores cenários de RPG do antigo Mundo das Trevas).
Personagens: Margaret "Doddie" Dodson, Gloria Smith, Anthony Lackfin, Terrence Filligan, o Xerife, Mendigo do Arges.
Resumo: No interior de uma cidadezinha, longe da Metrópole, há um grave acidente de carro.1999 é o ano e muitos eventos estarão ligados com o cenário do Ano do Escaravelho.

"Estrada deserta, pouca iluminação, o vapor de uma maquinaria subindo pelo ar, cheiro de óleo e gasolina vazando empesteando o asfalto sem muita manutenção. Um cervo abatido no meio da pista, um rastro enorme de sangue acompanhando o rastro de borracha derretida de pneus.
Um gemido de dor. Uma mão parcialmente suja de dedos quebrados aparece no matagal que esconde um brutal acidente de carro."

Continua aqui...

domingo, 27 de maio de 2018

[conto com angie] terra dos sonhos de ninguém

Título: terra dos sonhos de ninguém (por BRMorgan)
Cenário: Feéricos - contos para sonhar.
Classificação: PG-13.
Tamanho: 493 palavras.
Status: Completa.
Disclaimer: Esse conto faz parte do Projeto Feéricos "Conto com Angie" que está sendo postado aqui no AO³ [x]
Personagens: Angie.

Resumo: Ângela Filha dos Ventos entrou sem querer em um ônibus escolar quimera. Isso mesmo! E a quimera temporal a levou para um lugar onde apenas as lendas dos mais velhos contavam que existia. Ali ela ficou presa por 42 anos até certo grupo de caçadores de quimeras a encontrarem e a resgatarem do limbo.

[...] A Terra dos Sonhos de Ninguém. 
Sem alarmes e sem surpresas. 

Estou dentro de um ônibus escolar. 
Aqueles amarelinhos horríveis, com cadeiras tão velhas e empoeiradas que parece que estamos aqui há muito tempo. 
Agito minha cabeça, quero acordar de alguma maneira, pois não quero acreditar que estou realmente aqui. 
Não aqui. 
Não justamente *aqui*.

Vou para uma das janelas de vidro embaçado, nada. 
Nadica de nada, nem ninguém.[...]