Pesquisando

Mostrando postagens com marcador estágio. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador estágio. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

referências, referências a todo instante


A gente esquece que é criança também.
Bem lá nos fundilhos, uma fagulhinha, só esperando ser reanimada pra poder acender.

Causar incêndio, explodir um quarteirão inteiro?

Não, pra não perder um bocado da inocência e das referências.
Referência é tudo, gente.
ABNT não, pelamooooooooor!

Anyways, sou suspeito pra falar o porquê amo biblioteca escolar.
Ali é um celeiro de ideias pipocando a cada criaturinha entrando pela porta, falando nonsense no balcão, as situações bisonhas e bizarras, a rotina que nunca é a mesma. Biblioteca Escolar pra mim é como voltar a ter 9 anos de idade, dentro daquela salinha meio escura cheia de livros enfurnados lá na roça onde cresci com o pouco que sabia.

O divertido é ver como a criançada reage a algumas referências, quando se joga no ar.

Assucedeu-se que fui dar um pulinho no banheiro do local onde estou estagiando atualmente (Soon, saindo, my <3 indo por ralo abaixo), eu com jarra para medir água da cafeteira na mão, entrei no box, fiz meu pipi, lavei minhas mãos, fui vendo a fila se formando para o único box funfando para o pipi, alguns olhares curiosos pra saber o porquê de estar carregando uma jarra de vidro.

Então resolvo jogar uma referência aleatória de Bob Esponja.



Só que eu exclamei "CAFÉÉÉÉÉ!!"
A primeira criança que estava na fila abriu o olhão e respondeu na hora: "Café?!"
Resolvi entrar no embalo e retruquei com: "CAFÉÉÉÉÉ!!"
Ela ia dizer novamente o "CAFÉÉÉÉÉ!!", mas aí parou no meio de caminho e virou serenamente: "É que nem aquele moço do Bob esponja gritando "CHOCOLAAAAAATE!!" no episódio né?!"
E eu: "Issaê!"

Dividimos um high-five, gritamos CAFÉÉÉÉÉÉ mais uma vez e pronto, saí do banheiro, com um punhado de crianças nos olhando e rindo da cena.

Isso que renova a minha alma criançola, saber que essa garotada não tá tão bitolada como esses adultos chateeeeeenhos tanto gostam de dizer.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

dando tchau, tchau, tchau pro estágio

Assim como a musiquinha grudenta da Vovó Mafalda, estou dando tchau para essa biblioteca linda onde me firmei como pessoa biblioteconômica (???). Não, não irei viajar porque isso é coisa de bibliotecárix ryyyyyyycxxxxh e famozxxxxx, então resolvi gravar um vídeo sobre a despedida.

Para aqueles que estão tentando entender o que quero dizer, é porque faz cerca de 2 dias que não durmo direito, logo o discurso tá meio fuén-fuén balão furado: 


Ano que vem estarei em outra escola da Rede Municipal, por mais 6 meses e a notícia não me deixou muito bem durante esses dias. Sim, eu sei, a oportunidade é ótima, novos ares, coisas novas, mas mesmo assim eu e mudanças? Não nos adaptamos bem de cara.

Agradecendo à escola que me acolheu tão lindamente desde o começo, por entenderem que dar voz aos alunos é bem mais importante que seguir o status quo, que tudo se resolve no diálogo, que as peculiaridades são preciosidades e que colocar um violão com cordas na hora do recreio faz milagres com alunos bagunceiros. 

No resumão? Sei lá o que tou sentindo, mas aqui vai ser o meu marco inicial de toda a bagagem que vou levar pro resto da minha vida nessa carreira.

Há o problema do workaholismo também. Fiquei parada por muito tempo no começo do ano por conta da perna, meu ritmo de trabalhar foi quebrado justamente quando tava começando a produzir bem e aí houve o trem da dedetização que parou por quase 2 semanas e bem... Eis o motivo de não conseguir dormir direito!

Final do ano sei que estarei uma pilha básica de produção e vou ter que direcionar pra algum lugar - e não vai ser para o acadêmico pelo jeito.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

como fazer uma estagiária noobie entrar em pânico


Então ocorreu esse peleja de dimensões astronômicas no lugar onde estagio e se tenho uma vaga idéia do que seja um pandemônio armado, este seria o perfeito exemplo. 

Às vezes esqueço que sou estagiária. Muitas vezes esqueço que minha função se limita a poucas responsabilidades já  pré-estabelecidas, o problema é que não há alguém para fazer as decisões da biblioteca novamente e sinto aquele aperto ao deixar como está porque assim foi ordenado. 

Tenho uma preocupação imensa pelo que a garotada vai precisar durante esse tempo de recesso/talvez mudança de prédio. Eles estão na reta final do bimestre e não é legal ser jogado em qualquer lugar sem o mínimo de amparo pedagógico. Pelo jeito parece tudo bem, mas como é que faço como pseudo-bibliotecária? 

O prédio da escola foi dedetizado dezenas de vezes desde a quinta passada impossibilitando as aulas e qualquer outra atividade escolar/administrativa. Para a coleção de enfartos pedagógicos, veio o pessoal da dedetização com borrifadores, eu no encalço pedindo pelamoooooor não aponta pras estantes. NÃO APONTA PRAS MÓDAFÓCA ESTANTES!!

A mistura de veneno + poeira + livros não é legal, ainda mais quando você tem um público que costuma ser muito tátil (e senão às vezes palatal) com o acervo. Uma questão urgente de saúde pública, mas que realmente não deu tempo de fazer absolutamente nada devido o tempo que me foi dado para tomar alguma decisão. Não deu tempo de guardar os livros em sacolas, não deu para cobrir as estantes, apenas observei em terror como uma simples decisão sem o discernimento preciso da gravidade do ato poderia causar tempos depois.

A.k.a. eu tava apavorada. 
Pode entrar em pânico, produção?

Créditos para: Shokly Digital Art
Não tou sendo drástica, cês não me viram sendo drástica.

Mas como sou babaca - e quando digo isso é pelo senso comum, já que ser "babaca" é fazer aquilo que não precisa se fazer porque a responsabilidade não é minha, logo, eu deveria ficar calada, quieta, sentada de braços cruzados e jogando angry birds no meu celular enquanto vejo o circo pegar fogo - tentei pensar no que faria caso a escola fosse para outro lugar, o que levaria de emergência para tapear um pouco a falta que o lugar físico do acervo faria diferença na vida dos alunos.

FYI: secretamente gosto de ver o circo pegando fogo, mas é porque meu cérebro já tá maquinando para apagar o fogo, seja lá onde ele tenha surgido.

Aí barramos com a problemática desse post: a responsabilidade NÃO É minha.

O que mais escutei esses dias é que eu não posso fazer nada. Não devo fazer nada. Não tem como fazer nada. E não dá pra virar pro camarada e dizer: I DO WHAT I WANT CAUSE I AM A PIRATE!!! Ou Bibliotecária, ou algo aproximado a isso. Sim, eu posso fazer. Eu preciso fazer, não é justo não fazer e deixar outros que não fazem a MÍNIMA IDÉIA fazerem e não entenderem o quanto isso é importante para a comunidade escolar.

E também porque entrei em estado de choque na sexta passada.

Fui ver a situação e meu estômago deve ter feito contorcionismo de tanto nervoso. A coisa tá feia. Nem vou dizer que a minha cabeça explodiu, minhas pernas falharam e deu vontade de sentar ali mesmo, no meio da biblioteca e chorar.
(Mas não, preferi ser mais idiota ainda e bater boca com a administração da escola sobre o que levar ou não para o novo espaço)

Acho que os bibliotecários de Alexandria devem estar patting minha cabeça e falando: "Oh dó, oh coitada...". Se essa foi a minha reação ao ver uma dedetização sem cuidados prévios, não quero nem ver alguma biblioteca pegando fogo.

Talvez esse tenha sido o Wake Up Call de me desapegar do local. De saber que daqui alguns dias não estarei mais com eles e que o processo de chamar por mais 6 meses vá demorar. Talvez seja uma daquelas pegadinhas do Universo em sua sábia ironia me dizendo: "Hey, cê fez o que tinha pra fazer, bora ganhar mais XP pra próxima fase..." - ou talvez seja o resultado de um acidental giro na ignição do Gerador Improbabilidade Infinita.
(Que nenhuma pulga tenha dito "Ai de novo não..." e me volte como um jarro de tupilas)

Enquanto a situação não se resolve, vou perdendo meu sono com ideias malucas de como resolver a situação, ou de já me prontificar a entrar no ambiente inóspito e limpar o acervo, um a um, livro por livro, até ter a consciência limpa de que a responsabilidade não é minha, mas pelo menos fiz alguma coisa. Ou posso ficar aqui em casa, desejando ávidamente a minha rotina de volta e ser distraída por dois gatos do barulho que aprontam muitas confusões.

Venimim Enfarto-pedagógico!!


Se você entendeu as referências para Guia do Mochileiro das Galáxias, vai saber o quão desesperador a situação está sendo para minha pessoa.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

menos de 1 semana

Saudades desse lugar, vixe.
(Tou perdida...)


terça-feira, 2 de dezembro de 2014

como acordar carrancuda e ir pra casa sorrindo?


O mesmo sonho estúpido de novo.
E de novo.
E finalmente de novo.

Sem resolução, óbvio. Há coisas na vida que não vão se resolver sozinhas dentro da sua cabeça, mas hey! Eu tento!