Pesquisando

Mostrando postagens com marcador Depressão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Depressão. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

[interlúdio] e é por isso que não se pode ter coisas legais

E é por isso que não se pode ter coisas legais.

Tenso pensar assim né?
Que em um momento bem finito a gente tem certeza que agora sim, agoooora sim tá na hora de ser feliz, mas tem algo dentro do mecanismo bizarro chamado cérebro que pisca uma luz vermelha e dispara um alarme sonoro tão alto que dá pra ouvir por todo corpo e se dissolve antes de ser expurgado por algum orifício do corpo.

Fica ali, grudado entre os órgãos, só esperando o próximo alarme e se junta a nova massa de ansiedade pungente.

Explicar o que acontece na cabeça de quem tem depressão é como detalhar cada grãozinho de areia existente no cosmos. É impossível. Os sintomas são parecidos, mas como a coisa se aloja nas entranhas? Dificilmente.

Às vezes essa sensação de que tudo vai dar certo e que a invencibilidade pode ser uma opção bem legal de se seguir na vida (eita autoestima nas alturas!), mas quando tem uma dose de fatalismo/realismo na ficha de personagem - e somos todos máscaras a se trocar a cada ato desse teatro universal da vida - e um gosto peculiar por analisar fisiologicamente o que se está sentindo, se chega a esse ponto. 

Debaixo do link algo estranho que se escreve durante a madrugada. "Se escreve" mesmo, porque ao acordar não lembro de metade do que estava escrito e como chegou a isso tudo.

domingo, 14 de outubro de 2018

Reeditando a redigitação

Parece que o inferno astral do aniversário ainda não foi suficientemente doloroso, logo perdura. 

Conseguir lidar com pequenas coisinhas manejáveis está ficando cada vez mais difícil. Então meu corpo vai fazer o quê? Cair no sono de imediato e dane-se o que estiver acontecendo. Infelizmente no mundo real não dá pra se armar contra quedas súbitas de sono e bater cartão para Morfeu. 

Acontece. 
Deve ser algo aí da fisiologia que não dá pra entender muito bem. 

Estou reeditando a redigitação faz um bom tempo, como naqueles meados/miúdos estranhos entre 2011/2012 em que sobreviver era imprescindível pra provar alguma coisa de concreto em meus planos. Sobreviver pra se sentir de novo. 

Apatia é uma das piores coisas que eu desejaria a alguém. O não sentir transbordando aos montes, inundando um terreno que algum dia foi sua vida. A forçassão de barra tá sendo impecável, se tá adiantando? Apatia tá respondendo. 

A sede por café também. 
E aquele prédio abandonado ali perto da Matemática? Já mudei a rota essa semana, apenas seguir o caminho mais rápido pra chegar mais cedo e não ter que pensar que o prédio não tem muretas de segurança ou sequer outro empecilho. Infelizmente 4 andares, não passo desse fio de raciocínio... Até aí sou permitido a teorizar. 

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

[interlúdio] vivendo um dia com bode amarrado na perna

Viver com o bode amarrado na perna é mazomeno assim:

Esse bode é ilustrativo, o meu costuma ter a péssima mania
de balir tão alto que me atrapalha com o restante das coisas

Acordar terrivelmente cansade de uma noite cheia de sonhos que não vão acontecer e de pesadelos que já aconteceram e parecem não serem colocados na pasta de lixo mental que deveria desaparecer do repertório onírico, mas levantar né? Há algo a ser cumprido, logo não adianta pedir os 5 minutos na cama. É levantar, se arrumar no automático, fazer um esforço pra colocar comida no estômago e enfrentar o mundo barulhento lá fora. Aqui dentro tá bem alto também, mas depois de um tempo acostumar com a cacofonia de barulheiras vira rotina.

Porque o volume dos meus fones de ouvido está sempre no máximo, mesmo eu não conseguindo ouvir direito as músicas e a infecção sazonal no ouvido faz parte do mecanismo nada agradável de coping.

Aí surge algo que faz com que me sinta útil pra sociedade, o estágio faz isso que é uma maravilha. Ali consigo centrar o que me resta de ânimo e vontade para tarefas que não necessariamente vão gastar minha energia. Se tiver algo do tipo aí vou deixar o barulho de dentro da cachola cuspir algo nada a ver, tipo ajeitar as cadeiras de jeito diferente, botar algo diferente no telão do lab pros estudantes verem enquanto se acomodam na aula, pensar em uma postagem besta para ajudar a divulgar algo. Isso que é preciso pra tudo vir de forma mais fácil de lidar com a cabeça já cheia de palavras nada felizes sobre mim mesme, lembranças fragmentadas de episódios tristes e plim! O vídeo no telão dá munição para formular um esboço de cartaz de organização do que vou tratar no TCC. Mesmo sendo bobo, mesmo sendo amador, mesmo sendo talvez imprestável e que não vá usar.

Café. Oh café.

quinta-feira, 21 de junho de 2018

o se cuida

Com a idade vem a ruminação. 
Aprendi essa semana ao fazer o processamento de um livro ensaio sobre uma das teorias do Nietzsche que esse termo traduzido condiz ao se remoer um conceito até a exaustão para dali regurgitar algo. 

Não muito longe do verbo ruminar, a ação que os ruminantes bovinos fazem para completar seu ciclo de alimentação, a ruminação aqui se deve a uma constatação besta de ordem repetitiva. 

Pode ser uma pessoa motivada por um zelo extra ou por não saber o que falar mesmo, mas deparei-me com essa de desejar sempre pra todo mundo que passa por mim e/ou trava algum tipo de diálogo comigo com o "Se cuida.". 

Esse "Se cuida" não está mais reservado a quem tem meu apreço, mas com alcance até quem nem conheço, com a idade vem o peso das besteiras e às vezes, às vezes a gente precisa se cuidar. Ou ser lembrado disso. 

O cuidado consigo mesmo vai em diversas esferas de preservação. Ao dizer "se cuida", espero mesmo que a pessoa tenha cuidado consigo e não se exponha a nada que a tire de um estado normal de status quo. 
Porque o status quo mata, ainda mais quando são pessoas que não estão acostumadas a serem cuidadas, nunca cuidaram de nada ou que cuidaram de todo mundo menos de si mesmo.

quinta-feira, 26 de abril de 2018

devagarinho prá poder caber

O cuidado consigo mesmo é algo que se conquista com alguns entraves e engasgos. Mais tentativas e erros que acertos. Até chegar a uma fórmula ideal de manter a calma, ser paciente, estar em equilíbrio. Enquanto essa hora não chega, o que faço? Sim! Escrever é a única terapia gratuita que vem me ajudado por anos.


Debaixo do link, coisas para não me esquecer e sem alarmes e sem surpresas.
(OK computer é o álbum mais fodástico do Radiohead)

sábado, 31 de março de 2018

manuais e lagartas e outras coisas

Fonte: Créditos We Heart It StripedJumper
Pensamentos nada bons para a integridade física de nosso corpo são como pequenas lagartas fingindo que algum dia vão virar borboletas bem lindas e afrontosas.
(E meu pavor por borboletas não é a toa, pode apostar)

Em certo estado de depressão elas podem ficar mais ativas e persistentes e insistentes e altamente barulhentas. Quando a âncora pra se segurar nesse mar revolto não ajuda em nada, acabar escutando essas borboletas malditas pode causar consequências bem feias.

Pra quem já lidou com isso sabe muito bem que se torna sufocante qualquer coisa que se possa fazer para sair dessa com pelo menos um fiapo de dignidade. Problema é saber quando as lagartas estão planejando virar borboletas com suas asas coloridinhas e todo aquele jazz de "Hey, olha quanto essa ideia de voar, como parece legal".

Caso não entenderam a alegoria, tou falando de suicídio. E volta e meia as ideias-lagartas voltam como se foram. É um círculo vicioso infernal em esperar não ter ideias sobre, para isso levar a ter e quando ter, já ter o plano para parar de ter.

Se junta com ansiedade e outros monstrinhos empurrados garganta abaixo durante anos, pode apostar, as lagartas estarão lá como uma praga infestando qualquer lugar.

Durante o ano de 2016 foi de ler os 2 manuais do Narcóticos Anônimos e do Alcoólicos Anônimos. Mesmo sendo direcionado para uma forma de autoajuda documentada para uso geral, achei pertinente quanto a insistência de considerar os pensamentos suicidas como um tipo de vício. E são. Porque quando eles começam a surgir, nutrir cada um deles parece mais prazeroso do que sair do buraco e tentar ser um pouco feliz.

O processo se forma quase no mesmo patamar, desde de alimentar uma dependência fodida por algo que será prejudicial ao seu corpo e mente e como o tempo faz com que se torne cada vez pior se livrar dela. O desejo inconstante de se autodestruir, seja por meio de agente físico, também segue um paralelo ferrado em nutrir um vício em pensamentos suicidas.

Não falo com propriedade alguma, mas a forma de coping que encontrei foi de lembrar sempre o que aqueles 2 manuais diziam sobre a intrusão e insistência de pensamentos assim.

Ah, mas fácil falar! E como se escapa desse círculo vicioso? 
Aí que chamam de pulo do gato, porque há anos tento descobrir um jeito de escapar disso com poucas vitórias em não chegar a um ponto de pedir arrego e admitir que tem coisa errada.
(E demora, como demora admitir que não se tem mais controle sobre a própria vida)

Não somos totalmente conscientes de nossa parte tumultuada, e essa parte é que contém alto teor de violência e autodepreciação. Essa última aí vem sendo abafada por minhas escolhas profissionais e acadêmicas, até então correndo de forma linear e sem tantas surpresas, mas a emoção mais errada do cardápio? Sim, essa fica na superfície, esperando um belo momento de aparecer.

E não vai, porque aí entra o círculo vicioso da autodestruição e do medo, principalmente. Não é o medo de machucar, é o de doer. E dor é algo evito o máximo possível. Egocentrismo, mas infalível. Apenas esperando doer para entrar no looping infinito de não querer sentir nada, sentir algo, sentir tudo, sentir nada, e por aí vai.

Ajudar alguém nesse estado também é um desafio quando você mesmo não sabe o que fazer consigo próprio. Em um impulso de carinho há a possibilidade de acertar na medida e fazer a pessoa esquecer um pouco daquilo que fode a equação, mas todos sabemos que a dor não vai embora assim. É pra isso que há especialistas, há gente capacitada para dar assistência.

Fui aprender essa lição silenciosa de maneira bem dolorosa com a destruição de muitas coisas na vida, a confiança foi uma delas (a que sinto mais falta em momentos ruins) e tem outras que não prefiro comentar. Encarar essa condição como vício tem sido minha forma de lidar com mais calma pra ficar menos tensa, mais focada, receptiva a uma melhora, ou como dizem "ser normal", seja lá o que isso seja.

Tá cheio de lugar-comum nesse texto né? Mas é necessário para fixação de conceitos e quando sua mente passa 24 horas caraminholando coisas que supostamente não deveriam para ter uma qualidade de vida suportável = mecanismos de coping.

===[para ler]===

Para ler o manual do grupo internacional Narcóticos Anônimos na íntegra [clique aqui] - 231 páginas.
A versão do Alcoólicos Anônimos é parecida com a do N.A., mesmos princípios, algumas modificações de conteúdo.
E na pesquisa para linkar os manuais, encontro o CoDA - CoDependentes Anônimos, vale a pena dar uma lida no manual deles também [clique aqui]. Esse manual é baseado nos 12 passos, mas para uma questão pertinente sobre codependência.
(Detalhe a literatura dada pelos 2 grupos é restrita e apenas membros podem conseguir os exemplares pagando uma taxa. Oh well...)

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

vigilância constante

Fui perceber o quanto tava difícil de manter a seguridade da cachola quando percebi que não queria escrever mais.

Sério. Não escrever mais.

Deixar as histórias que estavam na minha cabeça esvaírem, não descerem pela corrente sanguínea, encontrarem os dedos.

Essa é a minha bandeira vermelha de que algo muito muito ruim tá acontecendo e não tou conseguindo controlar como o devido no modo "mecanismo de enfrentamento" 24/7.

É exaustivo.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

interlúdio - controle de danos

Eis uma rotina que vem atormentando periodicamente. Não é de hoje, nem de meses atrás, é de anos e anos tentando ser âncora pra navio que já afundou há Eras. 

"Mas vamoquevamo.", disseram. 

Primeiro lembrete do dia: paradoxos. 

Onde havia energia e motivação, apenas decepção e cansaço. Não precisa olhar no espelho, só checar o livro de cabeceira, algo aí da graduação que tanto empolgava. 

Não empolga mais. 
Nem faz muita diferença agora. 
Virou o que chamam de "mais outro ponto da lista de afazeres". 
Pede entredentes que não vire obrigação. Porque quando vira obrigação tudo fica bem mais insuportável do que costumava ser. Obrigação parece coisa de quem vai fazer algo sem sentido algum, servindo de bucha de canhão, fazendo papel de cão do sistema, sentado em algum lugar, atrás do balcão sem fazer coisa alguma. Aquele estereótipo de sempre que enojava. 

Agora tá ali, pensando se não seria melhor ser como muitos e apenas sentar atrás do balcão e ser um cão do sistema. Parece sedutor agora que não há motivação para absolutamente nada. Parece plausível com o sistema de tira e bota, do rentável ao imprestável. Prestativo não rendeu muita coisa, só dor de cabeça. 
E costas. 
E pulmões. 
E pernas. 
E coração. 

Pra quê então? 

Minutos se estendem pra sair da cama. Muito mais que o necessário. Hoje era para resolver coisas importantes, pois as coisas importantes serão o futuro daqui uns poucos meses, mas não há vontade de sair de cama ou às vezes da casa.

Hoje, pelo jeito, é dia de não querer sair de casa. 

Mas aí é preciso alimentar os gatos! 
Um deles arranhando a porta do quarto, o outro discreto, miando baixo perto da porta. 
Além dos gatos, se alimentar, manter o mínimo de vontade para fazer algumas coisas. Aquelas coisas importantes que precisam ser resolvidas. Aí vê o sofá e os gatos no sofá, e senta, os companheiros felinos entendem alguma coisa, pulam no colo, pedem carinho, arranham perna. Machuca, dói. Aparar as unhas dos dois quando der tempo. 

Que tempo? Tem tempo de sobra! 
Tá tudo bem hoje, hoje pode não ser dia de sair de casa, mas talvez de fazer a faxina, embalar suas coisas, lavar as roupas, dar comida aos gatos, verificar as caixinhas, não entrar em pânico, tem ainda muita ração e areia novinha. 

Que dia que conseguiu sair da cama pra comprar isso? 
Não lembra bem. 

Do sofá olha em volta e vê que não há ponto de fazer absolutamente nada. Porque pela lógica seguida é dessas tarefas, não há o que fazer, já que não há motivo grande para fazer algo mais. Posso deixar para amanhã pelo jeito. Ou não. Não sei mais.

Oh comer! Sim! 
E abrir a geladeira e ver a pia entulhada de trecos, e cozinhar. 
Cozinhar. 

Aí vem a parte perigosa do dia. 
Porque na cozinha há coisas e na cabeça há outras. Distração é uma delas, entre o ponto de deixar algo queimar ou de esquecer de esquentar algo. E as coisas da cabeça às vezes alertam sobre outras coisas que podem acontecer se não tiver mais cuidado com o que pensa, porque na cozinha há coisas. 
(afiadas, pontiagudas, quentes demais, um acidente pode parecer convidativo quando o dia...) 

Aí vem as mensagens. 
Alguém que importa. Alguém importante. 
Bons dias, bons dias, tudos bens, tudos bens, tá tudo legal? Tá tudo legal. Agora tá. Parece estar bem, agora, nesse momento. Aí o dia parece legal pra poder fazer algo. Comer um pouco, fazer a lista de que tem que fazer, pegar a oportunidade pra ir e ir! Senão da porta não passa. 

E é estranho.
Porque sair por aquela porta era fácil antes. Era só ter a rotina, o vale-transporte, o banho tomado, os gatos alimentados e tudo limpinho e abrir a porta. 

Abrir a porta demora mais que se levantar de manhã. Às vezes, mais que dias para abrir a porta. 

Ficar em casa também não é algo incrível, é suportável, como daquela vez em que sair da conchinha consumiu tanto que fui obrigado a pedir arrego e procurar ajuda de especialista. Só que nem tudo dura pra sempre. Por exemplo, antes havia listas de prioridades, o que fazer, com o que gastar, quem pagar, onde não comprar, como fazer quando tudo for pro ralo. Agora parece suportável, daqui a pouco não mais. Deve ter algo na geladeira para comer, sem cozinhar, esquentar talvez, nada de se aproximar de coisas da cozinha e não deixar as coisas da cabeça virem a superfície. 

É um acordo legal. 
Não de bacana, mas de legalidade. 
Afinal de contas, é a sanidade aqui que está em jogo.

No jogo também se distrai. A distração é permitida. Ou algum tempo de distração, tem que fazer as coisas importantes, não é? Mas hoje é dia de ficar em casa! Não abrir a porta! Não precisa cozinhar! Manter o mínimo, controle de danos, controle de danos. 

Danos. 
Não teve nenhum até agora. 
Agora tá tudo bem. 
Até agora. 
Até hoje. 
Hoje tá indo.
Amanhã não sei.
Controle de danos.
Não dá pra pensar em amanhã e ser que nem hoje.

Outra mensagem, alguém liga. Alguém importante. 
Tá tudo bem aí? 
Tá, agora.

Paradoxos.
Daqui a pouco não estará.
Fica no sofá ou vai pra cama?
E se for pra cama e não acordar mais?
Quem vai alimentar os gatos?

Então amanhã vai ser diferente.
Não como hoje.
Sem paradoxos.
Com controle de danos.
Amanhã vai estar tudo bem, melhor que hoje.
Tudo bem.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

A apatia nossa de cada dia


Lembro desse momento em que chorar, gritar, demonstrar sofrimento ou angústia não costumava surtir efeito pra alguma resposta lógica para o turbilhão de coisas bizarras acontecendo dentro da cabeça: a apatia pareceu ser uma companheira bacana de se manter por perto. 

Até porque se você não demonstra nada, logo não há como usarem suas emoções contra você, certo? O famoso gaslighting que sofremos quando a sociedade nos lê como corpos femininos frágeis e passíveis de estragos irreparáveis. As pessoas mais fortes que já conheci nessa vida eram mulheres (identificadas com o gênero feminino) e todas não demonstravam suas fraquezas como forma de barganha (como muitos acham que pessoas com algum tipo de problema psicológico faz). Ao contrário, escondiam porque sabiam que seriam julgadas automaticamente pelo tribunal de causas realmente mínimas

O de ficar em silêncio por muito tempo contribuiu para a afeição com a apatia, era nesse espaço em que conseguia colocar as ideias em ordem na cabeça. Só não esperava que a depressão pudesse transformar ela em catatonia. Por mais calmo e quietinho que esteja aqui, a minha vida interior (que definitivamente pode ser colocada como uma outra existência além da exterior, ou todo mundo é 100% honesto com o que realmente é dentro e fora?) é bem alta e ensurdecedora às vezes. Lembram de Roller Coaster Tycoon? Aquele game de construir parques de diversões com trocentas coisas ao mesmo tempo acontecendo e sons advertindo o que precisava ser feito/consertado? 

É mais ou menos assim em dias normais...


É por isso que não paro de pensar em coisas pra fazer. 
É por isso que quando paro de fazer isso, o barulho aqui fica sufocado como se colocassem um pote de vidro de conserva em cima da minha cabeça (o pote precisa ser grande, tá?). Nada entra, nada sai. Muita coisa vem filtrada ao extremo, pouca coisa vou reter até normalizar. 
Esses são os dias ruins. 

E esses estão ficando comuns de uns tempos pra cá, com tanta bagunça a ser colocada no lugar, prioridades mudando e saúde se tornando algo no topo da lista de "coisas que realmente me importam nessa vida". Ter tato com as pessoas ou dar a mínima para vida alheia não estão mais nessa lista e definitivamente ter disposição de compreender o que raios tá acontecendo foi uma que risquei no começo do ano. E a tia apatia (rimou) ajuda nisso mais que pensava. 

Mais um gift do Moz pra demonstrar o blasé anos 80 nos esquema?! Bora!


quinta-feira, 27 de julho de 2017

O que fica pra trás


Quando a gente desiste de ser trouxa, muita coisa fica pra trás, umas que dava pra conservar, mas que por precaução vamos manter bem dormentes e trancafiadas pra não cair na mesma trouxice. Outras a gente deixa porque senão endoida o cabeçote. 


Debaixo do link, catarse.