Pesquisando

sábado, 5 de setembro de 2020

setembro e os cobertores

Fico agradecide de minha mãe ter parado de perguntar se estou bem (se estou melhor, onde isso?) e de não trazer mais o assunto à tona quando estamos na varanda. Ela também não precisa mais perguntar o porquê tou me engasgando em lágrimas no meio da tarde, porque a dor tá aqui, mas já anestesiou tanto que a outra dor da operação e dos remédios e os altos e baixos e setembro meio que colocaram umas trocentas camadas de quentura em um buraco que estava passando vento gelado o tempo todo. Fico aliviade de não ouvir mais notícias, de não trombar em links aleatórios, em não desejar que meus olhos fossem arrancados com uma colher enferrujada ou cavar um buraco debaixo da minha cama e me esconder lá até ter amnésia retrógrada. Não vai acontecer.

Então tento ficar feliz por setembro ter chegado e depois de tanta merda acontecendo, respirar sem dor tá sendo uma dádiva. Acordar sem pesadelos hediondos tá sendo sorte. Saber que posso cumprir mais umas 14 horas acordade e torcer ao colocar a minha cabeça no travesseiro que amanhã, daqui a pouco, tudo vai ficar bem, pelo menos uma vez na vida, vai ficar bem. 

Perdi aquela vontade de ser feliz, mas não perdi a vontade de viver com um pouco mais de plenitude e paciência comigo mesme. Descobri Desirée Dawson, deixo aqui para ouvir posteriormente trocentas vezes, 1 dia de cada vez. 


segunda-feira, 31 de agosto de 2020

virei um jakalope

De acordo com algumas argumentações de pessoas feministas que excluem pessoas trans a.k.a. TERFs - criaturas nada mitológicas e imaginárias que infestam os cantos de nossos convívios e são um perigo constante com suas ideias beirando a supremacia branca e fascismo, muito legal isso dentro do feminismo - quando uma campanha de marketing de empresa de coletores menstruais decide usar o termo "pessoas com útero" está automaticamente excluindo "mulheres de verdade".

Porque também de acordo com essas mesmas pessoas, "mulheres de verdade" se reduzem ao fator terem útero e menstruarem com esse útero. Realmente não dá para entender qual o ponto, afinal.

Então eu, assim como milhares de outras pessoas nesse Brasil - que tem problemas uterinos e que podem ou não ter tirado esse complexo cisteminha de hormônios ensacado entre os rins de um corpo denominado "mulher de verdade" - estamos em um mundo paralelo ao mundo real delas.

Bem, sempre acreditei nisso desde criança, que algumas coisas bizarras que aconteciam no mundo real, dominado pela cultura hegemônica cisnormativa patriarcal, iria criar uma realidade alternativa para as pessoas que não se encaixassem na descrição do cenário. De vez em quando dá para tatear essa realidade alternativa, nesses últimos meses tenho feito essa peregrinação nessas terras, é um lugar seguro e sólido. Quero ficar por aqui para sempre.

Mas voltando a argumentação das "mulheres de verdade"... Se eu não uso mais meu útero ou menstruo mais - e realmente não irei mais - logo não existo. Ou existo nesse mundo paralelo onde as pessoas cis, infelizmente as mulheres cis em sua grande maioria, vão clamar que não sou alguém apto para habitar o mesmo espaço-tempo que elas. Algumas irão ser radicais e dizer que mereço morrer ou levar um estupro corretivo para "voltar" a ser "mulher de verdade" (então esse conceito adiciona punição humilhante ao corpo para ser aceito na realidade onde elas vivem... Hmmmmmm, será que é em algum lugar do medievo, talvez antes das inquisições, ou sei lá). Realmente é difícil de entender como essas "mulheres de verdade" constroem argumentos para viverem...

Esse é um Jakalope. E é da animação Pular da Pixar (2003)

Mas como sou pacifista (trouxa e frouxa) e não gosto de ver ninguém brigando, ainda mais se for com úteros de outrem (o meu deixa em paz que ele já causou danos perigosos), decidi que sou um jackalope.

Eu poderia escolher qualquer animal mítico do folclore brasileiro, sinceramente, boitatá pra mim sempre foi incrível, mas não encontro nenhum que denote a questão de transição a não ser esse coelho rombudo com chifres de veado e que tem propriedades alucinógenas ao ser visto. O chifres de veado foi tudo na minha escolha, adoro. 

Logo como jackalope devo dizer que o mundo dessas feministas radicais parece ser um lugar bem ruim de se habitar com tanto rancor, mágoa e ódio destilado pelas suas bocas, quando se era necessário um movimento contrário contra quem as oprime. Opa, nos oprime. Nos oprime? Não sei se o patriarcado violenta jackalopes - talvez sim, talvez não - mas ser solidário à luta também é essencial para demonstrar empatia, né?

Mesmo que seja TERFS tratando pessoas não-bináries e homens trans como lixo por conta de uma propaganda de coletor de menstruação. O sagrado feminino tá aí, namastê, para nos condenar, nós, milhares de unicórnios/jackalopes com útero, mas não condizendo a expectativa da fêmea fértil. Para todas as mulheres de verdade que então sofreram com câncer de colo, HPV, e outras doenças, para as que chegaram na menopausa, corpos estranhos habitando esse conceito de "mulher de verdade" com útero funcional para reprodução.

O meu já foi pro saco, controlado quimicamente agora e engoliu alguns meses da minha vida, me fazendo rever todas as opções que eu tinha para me manter nessa realidade. Tirou algumas esperanças também, abriu um ralo sem fundo para três pacotes de transfusão que me assustaram pra caramba (eu desejei intensamente que fosse alucinação, não foi) - então para esse complexo sisteminha de caldeirão hormonal que não mais funciona direito conforme as normas tácitas de uma convenção anciã de "mulheres de verdade" (e que excluem pessoas trans, ah vamos chamar de TERF mesmo, porque eufemismo é pra se gastar em ironia, não em apontar os dedos pra quem nos mata), eu sou uma pessoa inválida.




Logo jakalope. 
Olha só como ele é fofinho. 
E veadíssimo.

Prefiro assim do que passar vergonha em rede social destilando discurso de ódio, coisa mais péssima isso não direcionar a raiva pro capitalismo, tsc tsc. 

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

é o hiatus, ele tá aqui, calma que logo voltemos

É muito miserável passar parte da vida pensando que tudo é culpa sua quando na verdade, lá no fundo, não há culpa alguma pra ninguém. Na real, nem estão dando a mínima se você morre ou se vive, se está feliz ou triste, se tem futuro ou não.

Tô muito feliz em saber que aquela culpa toda, absurda em seu tamanho de dobrar joelhos, arranjar umas hérnias, arrebentar com uns músculos das costas e tirar sono, se foi assim que fui internada.

A gente sabe muito bem que tá no fundo do poço, abraçando a Samara e fudida no final de carreira quando observa uma bolsa de transfusão gotejando algo de volta pro teu próprio corpo (perdão, validação, paixão?!), algo que eu não deveria ter deixado vazar assim tão facilmente.

Seja lá o que tinha naquele pacotinho de B+, obrigada pessoas anônimas que me doaram esse pedacinho de vida e uma nova chance de fazer algo que preste na vida: não desperdiçar ela com culpa.