Pesquisando

Mostrando postagens com marcador NSFW. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador NSFW. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

[conto] erros de comunicação NSFW

Título: erros de comunicação (por BRMorgado)
Cenário: Original - Nova Orleans.
Classificação: 18 anos. (Cenas insinuantes, menções de BDSM).
Tamanho: 2.783 palavras
Status: Completa.
Resumo: um quarto no bairro francês, uma discussão de relacionamento no quarto ao lado, um teste com mobiliário novo.
Disclaimer: É possível ou não fazer parte desse outro conto aqui. Conteúdo abaixo do link NÃO É apropriado para menores de 18 conforme as tabelinhas de classificação indicativa de filmes/seriados/livros e tudo mais. Então se não gosta dos temas acima, esqueça, vá ler outra coisa, pule de postagem. Não me culpe de corromper vossa mente ou que fui uma má influência.

Trilha sonora: "Ne me quitte pas" interpretada por Aurora Nealand & the Royal Roses



As usual: NSFW, quase, assim não tanto. Mas tá avisado.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

[contos] cobertas e regras - NSFW

Título: Cobertas e regras (por BRMorgado)
Cenário: Original/Cotidiano.
Classificação: 18 anos. (Cenas insinuantes entre mulheres, f/f, menções de BDSM).
Tamanho: 1407 palavras.
Status: Completa.
Resumo: Algumas regras são acertadas entre as cobertas.
Disclaimer: Conteúdo abaixo do link NÃO É apropriado para menores de 18 conforme as tabelinhas de classificação indicativa de filmes/seriados/livros e tudo mais. Então se não gosta dos temas acima, esqueça, vá ler outra coisa, pule de postagem. Não me culpe de corromper vossa mente ou que fui uma má influência


(Voltando a escrever algumas coisinhas, isso é um bom sinal...)


segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

[contos] Trust - NSFW - Rating +18

Já avisando, post NSFW, Rating +18,
classificação indicativa +18.
Título: Trust (por @_brmorgan)
Cenário: Original/Cotidiano.
Classificação: 18 anos. (Cenas insinuantes entre mulheres, f/f/f, femdom, leve BDSM, já avisei!).
Tamanho: One-shot (Curtinha)
Status: Completa.
Resumo: Confiança é algo que se conquista com o tempo, mas pode ser destruída em poucos segundos.
N/A: Tive um sonho, resolvi ficcionalizar. Não, não vou falar quem eram as protagonistas (Tá, falo se houver tequila no meio). Don't blame me, blame my pervyness...

Okay, um conto pequeno para testar algumas teorias e tocar algumas superfícies intocadas há alguns tempos. Fazia muuuuuito tempo que não escrevia smut-fic assim do nada, aconteceu que no Ano Novo tive um sonho - ahem - muito confuso e resolvi dar uma recalibrada nas cenas. Juntou isso e o povo do The Rabbit RPG soltar o verbo no grupo e pronto, deu até para fazer um plot legal. E sim, sou fui bem boazinha no enredo para poder exercitar melhor a escrita. 

Então avisando pela ÚLTIMA VEZ, conteúdo abaixo do link NÃO É apropriado para menores de 18 conforme as tabelinhas de classificação indicativa de filmes/seriados/livros e tudo mais oh internet fode tudo, literalmente! então se não gosta dos temas acima, esqueça, vá ler outra coisa, pule de postagem. Não me culpe de corromper vossa mente ou que fui uma má influência. BTW faço isso (o escrever smut-fic, pow!) desde os 13 e ninguém nunca reclamou até agora, então...

Oh pode apostar que há coisas que você não deveria
ler no trabalho ou em locais públicos.

domingo, 11 de agosto de 2013

Dica do Domingo - DumbDomme - BDSM Capitalization


BDSM Lexicon Entry #23: BDSM capitalization

E aquele velho interesse-mórbido sobre o discurso personalizado de dominatrixes veio à tona com esse post.
Dumb Domme é um blog que relata algumas experiências engraçadas da autora (Que é uma Domme, oras, e usei capitalização aqui, uia!), tanto a parte mais dolorida quanto as mais lolz. Diferente da Mistress de Nova Orleans com toda uma autoridade gramatical agressiva - até que fico bem confortável com isso, mas LiveJournal? Pessoas usam LJ ainda? - a DumbDomme sabe como fazer ironia sem perder o charme natural de sua linda escolha de estilo de vida que tanto me intriga/instiga/impressiona.

Gosto do jeito que ela compartilha os relatos, colocando muitos pensamentos filosóficos em sessões com o namorado de longa data (Nada descritivo, tá? Ela é boazinha nisso de manter discrição) e também fazendo comentários sarcásticos com a BDSM scene dos EUA. Não pulem os comentários, são os mais hilários!

Tenho a leve suspeita que ela seja virginiana (O overthinking is over9000)
Tenho uma teoria sobre ela já ter cursado Letras ou algo parecido (A desconstrução de discurso/texto/situações me é familiar de gente que foi educada na Humanas).
Tenho essa estranha sensação que quando leio as postagens dela, parece que há uma falha na Matrix.

R-18 - NSFW e nada indicado para quem tem coração mole e fraco para coisas esquisitas.
(Sou adepta de Cthulhu desde quiança, tenho Ph.D em esquisitice!)

sábado, 3 de agosto de 2013

Introduzindo a Playlist Dark - parte 1

Como eu tenho ideias muito originais e estupendamente incríveis (Sim, modéstia também faz parte das minhas qualidades tão esmeradas durante anos de pesquisa intensa), vou mostrar em alguns posts em como sua vida pode mudar ouvindo EBM - eletronic body music - já que é um dos estilos musicais que mais fazem parte da minha biblioteca musical. E porque é sexy, libertador e me dá vontade de escrever (A Arte e Pulsão de Morte by Freud, olááá?!). E porque pode ser até engraçado tentar explicar isso sem parecer pervertida ou maluca.

O primeiro a inaugurar os esquemas aqui  se intitula: "Como doutrinar um incauto ouvinte na Playlist Dark do EBM"

Há vários modos de se apresentar EBM - eletronic body music, uma variante do metal/eletrônico/industrial vindo lá de Berlim - para pessoas inocentes, mas curiosas pelo estilo musical. O mais importante de tudo é fazer isso com cuidado e sempre com consentimento psicológico para não haver aversão depois.

Claro que às vezes o tiro pode ser headshot e a pessoa jamais querer ouvir nisso por ser "coisa de maluco metido a doido" demais, mas vamos por partes: se você gosta de David Bowie na fase dos anos 90 pra frente, vai gostar de EBM. Se acha que Rammstein é o máximo, também pode ficar tranquilo que é o mesmo esquema, até a Nienna aka Amy Lee do Evanescence bebe da mesma fonte.

Alguns avisos são importantes: não recomendo ouvir EBM com fones de ouvido. Aliás, não recomendo mesmo ouvir tudo dessa seleção aqui com fones de ouvido, se quer causar damage permanente em algum aparelho auditivo, que seja o dos seus vizinhos ou familiares. Alguns temas tratados nos vídeos são NSFW, Rating-18 e definitivamente NÃO deixe as quianças na sala/quarto. Não me culpe caso alguém fique traumatizado pro resto da vida (Eu sei, eu sei...)! Não enviem suas contas de terapia pro meu endereço, não me xinguem por mostrar de forma explícita como entender esse universo oculto.

(Para não haver confusão, esse passo-a-passo foi testado inicialmente em mim, depois em mais 2 pessoas e até que deu certo, logo então, concluo que foi satisfatório o resultado!)

Tudo começa no Patrono Bowie, claro. Ali a partir de "Earthling" (1997) pra frente, se bem que com o projeto Tin Machine de 1989 ele já tava flertando com música eletrônica demais, mas bem. Começa com esse vídeo aqui!