Pesquisando

prest'enção nesse trem aqui! [clica cá]

mudanças do eu-lírico/bibliotequices

Entonces... Resolvi dar uma repaginada nos esquemas do Bibliotequices - uma sessão que eu mantinha aqui desde outubro de 2015 - para or...

terça-feira, 25 de dezembro de 2018

howdy-ho, feliz Natal!

Se alguém perguntar o que faço de Natal, é ir ver esse especial aqui que está completo nesse link. Abaixo é o álbum maravilhoso com as melhores músicas ever :)




(Eu sei, eu sei, South Park é m dos piores desenhos adultos já feitos, com trocentos problemas polêmicos, mas zoar com o Natal americano é o que eles fazem de bom, então...)

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Hurricanes por Dido

A bunita depois de 5 anos sem dar notícias resolveu aparecer, e como de costume já vir com uma música pra fazer a gente cair no chão e não levantar tão cedo.


A fórmula é parecida com outros álbuns, consigo sentir uma vibe de Here with me, e uns badulaques eletrônicos lindos que só ela consegue fazer. Mas tem algo rolando na melodia dessa música que me aperta o coração pra fechar os olhos e apenas me deixar ir...

E acho que é vontade de chorar mesmo.
(Ou o riff de violão?)

o melhor conselho: terapia

"Diga a um terapeuta, não pro Facebook" - crédito
Algo que tem demonstrado forte o quanto as pessoas ainda não sacaram a questão de limites é quando você próprio tá no limite - tipo puxando a linha imaginária até ela ficar tensa que nem elástico antes de se soltar com toda força - e ainda assim te cobram por algo.

Qualquer coisa.

Um dos conselhos que vivo recebendo repetidamente da psicóloga em que me oriento é sobre não levar mais carga emocional de outrem. Isso já ferrou comigo desde criança, com todo rolo de viver em uma família em que abuso emocional era prato diário (e a criança madura aqui tinha que aguentar as pontas que supostamente nem eram dela, mas de adultos irresponsáveis e que não sabiam se comunicar?), não quero que cave um buraco a mais o que eu mesmo faço por vontade própria e com louvor (overthinking achievement aqui, muito obrigado).

Aí todo cuidado é pouco.

Porque a minha tendência é de ajudar ouvindo - aconselhar é um problema, isso já me abstenho - mas quando você está invariavelmente RUIM da cabeça, não é saudável tentar ajudar outra pessoa ruim também. Isso não é recomendável por diversos motivos, pois dependendo da situação, ou posso ser interpretada como alguém extremamente rude e egoísta, salvando a minha cabeça de piorar algo que já não tá mil maravilhas. Ou posso piorar as coisas dando uma opinião que não vai ser aquela que querem ouvir. ou eu simplesmente sumo que nem ninja e só apareço 5 anos depois como se nada tivesse acontecido (E aconteceu e guess what? Ainda estou remoendo por ter feito isso.)

É uma luta diária.

Ser fdp nessas horas pode te custar uma amizade, um amor, um laço de confiança. Mas gostaria de explicar o que que rola quando se está no poço, abraçando a Samara e cavando mais fundo no lodo com uma pá feita com meus pensamentos. Pode ou não acontecer como todo mundo que tem um bode balindo na canela. Pode ou não ser aplicado em todos os casos, pode ou não.

A gente não consegue sacar quando alguém precisa de ajuda, porque dependendo de como estamos, não vai rolar de adivinhar. Também aceitar ajuda é tenso, porque a bagunça é tanta dentro da cachola que nos convencemos que aquele problema é nosso e de mais ninguém, não importa o que nos digam para acreditarmos que é merecido ter ajuda de fora.

E aquele medo irracional que estamos atrapalhando a vida dos outros quando elas entram em nossos círculos de convívio. Aí imagina isso, esse bode balindo alto acima das vozes de quem quer ajudar e plim, aparece alguém que tá ferrado das ideias como você pedindo ajuda igualmente. E justamente pra você, diretamente ou indiretamente, e a única coisa que dá pra responder é algo nada feliz.

No meu caso, sempre aconselho pra procurar um profissional o mais rápido possível.

Às vezes o que a pessoa gostaria de ouvir NÃO É isso, talvez uma palavra de conforto, um "calma que vai melhorar", um sacudidão, um ombro amigo?

Como é que dá pra ser o ombro amigo se o complexo de Atlas chegou ao limite aqui? Como é que vou ajudar se eu mesma não consigo tirar os pés afundados da lama, dentro do poço, Samara abraçada? Faz sentido?

É que estava pensando nisso, das vezes em que fui âncora para resolução de cabeças perdidas, sendo que a minha sequer chegou a um ponto de começar a se consertar. E é injusto para ambas as partes, extremamente egoísta de ambas as partes, mas estranhamente rude somente de um lado.

Parece que o mantra do "amigos não são terapeutas" [x] está me perseguindo de uma maneira espetacular. E dizer isso em voz alta incomoda quem precisa de ajuda urgente, ou que acha que é urgente, mas que dá para procurar alguém especializado pra entender e trabalhar juntos nisso. Às vezes somos impacientes, e demandamos respostas para pessoas que sinceramente não tem estrutura emocional e racional para nos apoiar de forma mais adequada, por isso parentes, amig@s, namorad@s, bibliotecári@s (isso foi uma indireta, não sou terapeuta), tiozinh@ da esquina que tá esperando o mesmo busão não são terapeutas. Tem gente que não está preparada a ouvir o que tem a ser dito de nossas bocas, tem gente que se apavora por estarmos nessa condição horrível e não conseguirmos sair.

Tem gente que vai falar que é falta de Deus na vida. Falta de louça ou roupa pra lavar, falta de palmadas e surras, falta de homem na vida, falta de alguma coisa... Tem nada faltando não, é porque tou no mesmo barco, não tenho como ajudar se estou afundando também né?

Escrevi mais sobre isso aqui [x] [x] [x]

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

[videos] Youth por Daughter

Fun fact: essa banda fez a trilha sonora de Life is Strange - Before the Storm :)




domingo, 25 de novembro de 2018

[eu não sei fazer poesia] pensamento trancado

Pegar ônibus com todo mundo sentado. 
Passar na catraca. 
Sentar no fundo, por achar que é o único lugar onde não vão te incomodar.
Sentir dor no ouvido, não tirar o fone do ouvido.
Beber café - não pode! - porque constantemente está em estado de cansaço.
Não responda ao comentário TLGBQfobico na rede social de quinta categoria.
Sorrie e acene.


Pensamento trancado em apenas uma coisa, pra não deixar outras coisas piores virem ao mesmo tempo. 
Não ouvir músicas tristes. 
Perceber nos detalhes bacaninhas da vida acontecendo na sua frente. 
Escrever. 
Não lembrar tanto, apenas escrever. 


Respirar fundo pra oxigenar o cérebro. 
O oxigênio que é um dos fatores de oxidação dos ossos, tecidos, órgãos, não pensar nisso. 
Será que todo mundo tem esses pensamentos? Dentro da sala, no trabalho, no trânsito?
Pensa em como 
É estar trancado em um lugar-corpo que nunca te pertenceu, não mais cabe, não se contém. 


Contém 250mg de dipirona e tantos miligramas da droga legal de escolha para a dor nas costas. 
"Você usa drogas?" 
Viver já não é um barato loko o tempo todo?
Com a respiração e o oxigênio oxidando, enferrujando tudo?
Com direito as bad trips ocasionais que parecem não terem fim até atingir o fundo do poço. 


É lá que tudo se encontra 
O ilegal, o não-pertencimento, o corpo contido, o não merecer, as pequenas aflições diárias, todas acolhidas em detritos daquilo que poderia ser uma vida básica e em paz. 
Nunca foi. 
Nunca é. 
Oremos um bocado que seja. 
Amém. 

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

[interlúdio] e é por isso que não se pode ter coisas legais

E é por isso que não se pode ter coisas legais.

Tenso pensar assim né?
Que em um momento bem finito a gente tem certeza que agora sim, agoooora sim tá na hora de ser feliz, mas tem algo dentro do mecanismo bizarro chamado cérebro que pisca uma luz vermelha e dispara um alarme sonoro tão alto que dá pra ouvir por todo corpo e se dissolve antes de ser expurgado por algum orifício do corpo.

Fica ali, grudado entre os órgãos, só esperando o próximo alarme e se junta a nova massa de ansiedade pungente.

Explicar o que acontece na cabeça de quem tem depressão é como detalhar cada grãozinho de areia existente no cosmos. É impossível. Os sintomas são parecidos, mas como a coisa se aloja nas entranhas? Dificilmente.

Às vezes essa sensação de que tudo vai dar certo e que a invencibilidade pode ser uma opção bem legal de se seguir na vida (eita autoestima nas alturas!), mas quando tem uma dose de fatalismo/realismo na ficha de personagem - e somos todos máscaras a se trocar a cada ato desse teatro universal da vida - e um gosto peculiar por analisar fisiologicamente o que se está sentindo, se chega a esse ponto. 

Debaixo do link algo estranho que se escreve durante a madrugada. "Se escreve" mesmo, porque ao acordar não lembro de metade do que estava escrito e como chegou a isso tudo.

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

[contos] Seguir a Corrente - perfil de Isobel Atwood Wayland

A intenção era de construir a personagem protagonista que estou escrivinhando em Seguir a corrente, adaptei as perguntas do Tumblr Wordsnstuff.

Essa é a parcial ficha de Isobel Atwood Wayland, uma jovem de 24 anos que estuda na Universidade Miskatonic e trabalha em um laboratório do Departamento de Ciências Naturais.

(Fonte: Propnomicon)

Como você gosta de passar seu tempo livre?

Descobrindo velhos e novos livros sobre botânica e zoologia que posso conseguir. Em Arkham há poucas livrarias você se tipo de literatura, e já li quase todos das bibliotecas da Miskatonic. Quase todos, não tenho permissão para a coleção de obras raras. Ainda. 


(Debaixo do link, mais perguntas e mais imersão)

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

sons dos planetas



Porque TENHO que deixar registrado que Saturno é um bicho esquisito e barraqueiro.
E Plutão, filhinho, meu lugar é exatamente aí.

Aí o top comentário é esse:

Sun: I'm calm and Zen
Mercury: I WANT TO GET FREEEEEE
Venus: Giant Gong
Earth: FREAKING AIRPLANES MEANS HUMANS
Mars: Wind, creepy whispers. It's basically Doom.
Jupiter: What you think an H.R. Giger potrait sounds like
Saturn: PURE ABSOLUTE CHAOTIC EVIL FROM A LOVECRAFTIAN HELL
Uranus: It's just wind all over the place. If you're italian, that's a double joke for you. Giant fart maybe?
Neptune: Eternally Heavy Breathing Intensifies
Pluto: "Freaking Alien TV, it's just White Noise".

sábado, 10 de novembro de 2018

NaNoWriMo - bora lá?


Como estamos em novembro e já fiz as minhas obrigações acadêmicas parecerem mínimas (ah tá!), resolvi fazer algo para o evento mundial dedicado para nós que gastamos nosso tempo inventando estórias para entreter outras pessoas.


O NaNoWriMo ou National Novel Writing Month, começou lá nos estaites em 1999 (Bom ano, ótimo ano) e se espalhou rapidamente por todo o globo com a única missão: escrever uma estória, com tamanho determinado (50k de palavras), durante o mês de novembro, para o que exatamente?

Nada muito especial, mas pode se tornar em algo depois que você acabar de escrever né?

Acompanho desde 2012 apenas como leitor e me surpreendi com algumas fanfictions que saíram desse acampamento de literatura espontânea :)

Como eu como pelas beiradas, ficava lurkeando os fóruns e Tumblr de pessoas que anunciavam seus desafios de 50k de palavras para ver as dicas de escrita. Salvou muitas vezes as minhas escrivinhanças, obrigade, e está aí desde 1999, firmes e fortes.

Apesar de ter começado o Seguir a corrente no dia 23/10, tou levando esse conto pra frente como parte do desafio. Não sei se fecho as 50k de palavras, mas já tou no capítulo 3º capitulo e uns 5 rascunhos de coisas ainda não editadas e postadas.

Lendo as guidelines com mais atenção - não mais como escritor, vi uma oportunidade incrível de desenvolver um trabalho de fomento a escrita com essa empreitada. Umas adaptadas aqui e ali, uma biblioteca aberta a aceitar essa iniciativa, é possível fazer algo bacana. Ainda mais a gurizada que adora ler e escrever fanfiction, uma chance de aprimorar os escritos e encontrar com outros escritores, né?

Para dar aquela ajudinha no plot, tem umas fontes legais (Tudo em inglês, desculpa gente, tou indo atrás dos brazucas agora!) para pesquisar:


[E para não esquecer - Resources For Writing Period Pieces: 1900-1939 - Resources For Crime, Mystery, & Thriller Writers]

sábado, 3 de novembro de 2018

tia Emília Outono

Resolvi deixar aqui para a posteridade essa playlist marota da pessoa virginiana/libriana (Ela tá no meio, ok?) que mais me causa mindfuck problemas musicais de entendimento literário. Com vocês, Tia Emília Outono.




Não é a discografia toda, mas as músicas que acho que são pertinentes para se adentrar esse universo bizarro que ela formulou em suas obras Opheliac (2006), Fight Like a Girl (2012) e no livro The Asylum for Wayward Victorian Girls.

Para quem interessar, escrevi um bocado sobre ela aqui nessa postagem de 2011 [clica cá].