Pesquisando

Mostrando postagens com marcador 28 de junho. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 28 de junho. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Orgulhe-se

Orgulhe-se
É que estou lendo durante o dia todo
Um atrás do outro
Orgulho-se(mpre)
Duvidando da própria existência 
Orgulho, sinta
Negando sua identidade 
Orgulho, tenha
Das várias vezes que foi obrigada a sorrir e deixar o comentário odioso passar despercebido, que não destruiu parte da sua voz e ficou impregnado em seu coração 
Orgulho, viva(se)
Escondendo pelos cantos, vigiando ao redor, olhando de soslaio para ninguém perceber 
Orgulho de amar
Segurando a mão da pessoa certa e pedindo para todos os protetores divinos invisíveis para ninguém errado ver
Orgulho, seja
Sendo invisível pra não causar constrangimento, não fazer mais outra família se colocar contra alguém que não sabe se defender ainda
Orgulho, de cabeça erguida
Ouvindo pelo telefone ameaça de autoridade, de sacralidade, de parentes a vergonha que os causou, a expulsão de casa, a condenação a solidão
Orgulho, de cabeça baixa
Desviando dos olhares desejosos, porque é errado, tá errado, tudo tão errado em olhar
Orgulho, siga em frente 
Pra um futuro próximo que arrasta alguém adoecido pelo não-Amor, a intolerância, o orgulho ferido da vergonha social que os causa, os maltrata
Orgulho, sinta orgulho 
Arruinando qualquer relação posterior por morrer de medo de chegar muito cedo, muito tarde, chegar muito perto, afinal
Orgulho era o que eu devia sentir?
Sentindo orgulho de quem verdadeiramente sou
Escondendo por proteção 
Sobrevivendo por obrigação 
Desviando do trânsito transviado 
Transitando entre um mundo que vê um e outro, não vê apenas ser único 
Orgulho eu devia sentir
Esperando apenas mais outro dia passar
Com os dias contados nas estatísticas 
Nas enfermidades, nas perícias, nas imprecisões jurídicas, nas redes afetivas, tóxicas, ilícitas 
Orgulho de alguma coisa aí 
Continuando a ser chamado de aberração, destruidor de famílias, o plano C, a última opção, o estepe, "até namoraria você, mas as pessoas não vão entender" 
Orgulho de mim mesmo 
Pra chegar a esse ponto de escrever sem querer chorar, tremer as mãos, enterrar a cabeça no peito e pedir pelo amor de algo sagrado aí "o que que eu fiz de errado? por ser assim? por quê não sou como os outros?"
Orgulho, sinta 
Orgulhe-se sempre
Deixa eu viver em paz, além dos 35, um pouco mais?
Vê se me deixa em paz? 
"É só uma fase, vai passar..." 
"Não te criei pra ser isso não" 
"Não deixa ninguém saber, não quero passar vergonha." 
Tenha orgulho de si próprio. 
Um mês inteiro para fazer os outros entenderem que também faço parte desse mundo como elas também.
E todos somos temporários nessa existência.