Pesquisando

Mostrando postagens com marcador quentin. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador quentin. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

[conto com angie] - alantakun (trecho)

Título: Alantakun (poBRMorgan)
Cenário: Original - Projeto Feéricos.
Classificação: PG-13 (Algumas palavras ofensivas).
Tamanho: 1840 palavras.
Status: Incompleta.
Disclaimer: Esse conto faz parte de algum rascunho perdido meu do Projeto Feéricos que vocês podem ver os pedaços sendo costurados aqui nesse post [x]
Personagens: Angela, Quentin, OC: prodígio.


A minha cabeça dói.
Não chegou a explodir, porque isso é lá do outro lado. Tá difícil compreender os esquemas desse Principado.
(Ops, rimou.)

Oh ótimo, estou fazendo versinhos enquanto soterrada numa montoeira de rolos de fita cassete. Pra que mexer com prodígios afinal?! Deixa os cabras quietos e finge que nunca viu. Bem fácil assim, ninguém se machuca, ninguém se atrasa. E eu tou mais que atrasada.

Atrasada duas horas se deixar, mas hey! Rolos de fita cassete, é quase irônico ver em como estou até o pescoço enrolada nessas coisas. Esse mago deve ter um senso de humor ótimo pra planejar essa antes de bater as botas. Queria ter conversado mais com ele, mas já que Quentin levou a porrada maior, tou tranquila. Aquele ogro precisa aprender que há sempre espaço para a linda diplomacia em casos assim. Não necessitava chutar o traseiro do velho enquanto fazia as perguntas.

Quentin é um bundão. E eu sou covarde. Que dupla dinâmica.
(Quede nossos uniformes? Exijo um collant lotado de paetê e purpurina! Sambar na cara da sociedade feérica!)

Uma coisa que aprendi com aquele maluco foi que ter paciência é tudo na vida, tou praticando isso agora, literalmente soterrada por material nostálgico dos anos 80 manjando dos entrelaçamentos. Paciência é uma virtude, monamu, paciência te leva a lugares inesperados.
(Meu traseirinho machucado que leva sim.)

O maluco não disse pro Q que ele deveria se manter calmo o tempo todo, a consequência é essa agora, nesse exato instante, em que no canto do olho vejo o aprendiz original de Stardancer sendo chutado, bem certeiro no rosto.

Yep, botas com bico de metal frio.
Yep, ele deve estar vendo estrelinhas agora. Ou patinhos de borracha.
Depende do nível de delírio que aquilo deve causar.
E yep, eu devo ser a próxima a sentir aquele treco gelado sendo pressionado na minha cútis de neném. (Não quero estragar a maquiagem, estava tão linda quando saí!)

O som da bota fazendo outro baque, dessa vez nas costelas do Q.
Velhote burro, todo mundo sabe que um ogro aguenta ser sovado até virar mingau.

O que muitos não sabem que o ogro do Q é uma versão melhorada e mais cheirosinha que aquele dos desenhos animados (Sim, aquele do pântano em lugar nenhum e que casa com uma princesa que vira ogra também e são felizes para sempre com um quadrúpede tagarela? É bem legal essa história, morro de rir com as piadas internas, sinceramente acho que vou ver o filme de novo quando sair daqui. Quando eu sair daqui. Se é que dá pra sair.).

Diferente dos contos-de-fada que o mainstream adora colocar na rodinha, Q continua sendo canibal (Nunca deixou de ser!). E com uma leve obsessão por cabeças. Tipo, para penduricalhos. Ou para encolher. Acho engraçadinho cabeças encolhidas e colocadas em garrafas, elas ficam com essa expressão risonha e imagino se falam fino e talz... 
$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });