Pesquisando

Mostrando postagens com marcador temperamento virginiano. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador temperamento virginiano. Mostrar todas as postagens

sábado, 15 de agosto de 2015

faxina do sábado

Post embalado por mulheres sofredoras cantando folk americana...

Tirar um tempinho para mim mesma parece um luxo que ando adiando desde ano passado em um ritmo nada saudável. Assim como qualquer ser humano teimoso, só recebo o aviso quando tá já na cara e ferrando com tudo - porque eu não quero ver, não preciso ver - logo parar, respirar, planejar as coisas é impossível quando a batata tá pelando na minha mão.

A dorzinha chata no pé voltou, apenas dando um alerta que o meu relaxamento quanto a prevenção de qualquer outra coisa pior foi ao máximo, sem conseguir dormir direito com os picos de dor ao virar para um lado errado me fez ter que pedir penico e ir pra codeína (yey não, horrível). Ao ser vencida pelo cansaço e o efeito do remédio, acordei num humor do cão.

Percebo um padrão aí: eu acordo puta da cara, quero morder alguém na jugular, desconto minha frustração por não cometer tentativa de homicídio em limpeza e acabou que deu um daqueles chiliques inspiradores para resolver um problema chato de espaço aqui na sala, sem café da manhã e um almoço às 15h resolvi a minha vida caseira em um ataque de limpeza básico, colocando tudo que queria no lugar e inventando moda. O trem até que saiu do jeito que eu esperava:

Como se livrar de um estrado que a cama não aguenta mais?! Facim, facim!
Esse foi o resultado parcial, pois algo pinicou no fundo do cérebro e me lembrou que sou uma beeeeeeesha cheia dos balangandãs - mal de família, juro! - logo ter coisas agregadas na estante improvisada teria que ser arranjado e logo. Peguei tudo que tava escondido nos armários agora esvaziados e fui pregando até dar aquele efeito de bagunça organizada de livreiro antigo. Até então Walter não cismou em subir em lugar algum e me poupou de me preocupar com alguma possibilidade de escalar os livros.

Sobrou o espaço que eu queria, ficou bem cheio das firulinhas que adoro e senti o humor melhorar drasticamente. Já no final da tarde estava saltitante, mas completamente dolorida de todas as manieras possíveis (Menos o pé machucado, esse é o último a dar sinal de vida), sentar e ver o resultado me deu aquela sensação de "lar, doce lar", tava demorando para chegar essa familiaridade.

Prestar atenção em algumas coisinhas me fez rever uns conceitos, isso é sempre bom quando vem com aprendizado silencioso. Ficar sozinha por muito tempo às vezes me é necessário, só assim que consigo colocar alguma ordem direta nos meus objetivos e no que devo fazer no futuro, o bom é que as pessoas com quem eu convivo sabem desse lado meu de querer entrar na conchinha e ficar lá dentro arrumando tudinho antes de sair... Agradeço demais por elas terem essa paciência de Jó pra me aguentar no grumpy-cat-mood e no anxious-party-hard

Walter photobombed!

A bagunça organizada começa a ter seu charminho... 
Vou tentar ir juntando mais tranqueiras pra enfeitar, pois quero deixar a sala com uma cara de loja de quinquilharias falida de Nova Orleans/Dublin. Próximo passo será dar um jeito na montoeira de roupa para lavar acumulada da semana - e o probleminha de pulguinhas do Sr. Zé Bunitoso.

Levou cerca de 3 anos pra me acostumar com esse lugar que resolvi chamar de meu, só agora que tá pegando no tranco, vai entender...

terça-feira, 26 de maio de 2015

coisas para não se falar agora

"Você devia ter feito algo!" - se eu ganhasse uma moedinha de R$ 1,00 cada vez que alguém me diz isso, já teria passagem pro táxi pra me levar no Hospital novamente.

Porque ouvir isso na altura do campeonato está me dando vontade de sumariamente ignorar a pessoa e arcar com as consequências.

É dar de Luanito e levantar o dedinho, porque não está ajudando. Ficar dando explicações demais para pessoas cansa, sério! Cansa tanto que esqueço das regras implícitas de manter a calma e subitamente ter o desejo irresistível de querer arrancar a jugular de alguém que me vier com essa de novo. Eu devia ter feito algo?!

[Edit: Alguém lembra do karma miojo que a minha família felizarda herdou de algum ancestral muito féladap0otinha? Pois é. Aconteceu... O cara que me atropelou teve a moto apreendida e perdeu pontos na carteira em uma blitz dias depois do acidente.]

Mimimimi rambling rambling.


$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });