Pesquisando

prest'enção nesse trem aqui! [clica cá]

mudanças do eu-lírico/bibliotequices

Entonces... Resolvi dar uma repaginada nos esquemas do Bibliotequices - uma sessão que eu mantinha aqui desde outubro de 2015 - para or...

Mostrando postagens com marcador zumbis. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador zumbis. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Map of the Dead - Um Foursquare do Apocalipse Zumbi

[Texto integral originalmente publicado no site Nerdivinas.com no dia 21 de março de 2013]

Apocalipse Zumbi, aquele dia bendito em que alguém vai deixar a porta do laboratório de genética ou de física nuclear aberta  e espalhar uma estranha e terrível doença que fará com que os mortos se levantem de seu descanso e ameaçar a vida dos vivos. Pânico, caos e destruição da Ordem Social virá em poucos dias, até que a Terra onde vivemos seja devastada por uma horda insatisfeita de zumbis carniceiros que são difíceis de se evitar. O possível futuro pós-apocalíptico que anda em alta devido ao sucesso de filmes, livros, quadrinhos e seriados com temática sobre zumbis, está em uma nova instância: Aplicativos para iPhone e um Foursquare personalizado!

O Map of the Dead é uma iniciativa da Doejo.com - uma agência de publicidade californiana - que propõe uma alternativa nos planos de sobrevivência em um mundo infestado pelos mortos-vivos. O mapa mundial é todo feito no MapBox (um OpenSource muito legal parecido com o Google Maps, só que é livre para edição e adaptação. A versão anterior era usada em um filtro em cima do Google Maps, mas demorava para carregar os lugares mais importantes) e integrado ao serviço do Foursquare, assim assinalando os lugares perfeitos para esconderijos, arranjar comida, ter assistência médica ou militar ou traçar planos de fuga caso a situação fique ruim onde você mora - e quando os vizinhos arrombarem sua casa em gemidos horripilantes apenas querendo comer os seus miolos.

mapofthedead2


quarta-feira, 27 de março de 2013

Estratégias para o Dia Z – Pernas, pra quê te quero!


[esse artigo foi originalmente postado no site walkingdeadbr.com com o título Estratégias para o Dia Z - Pernas, pra quê te quero, 18 de fevereiro de 2012 - texto integral]
Como vai os walkers dessa noite? Tudo na medida do possível? Tudo certo em suas vidas rotineiras? E o que acontece se o Apocalipse Zumbi decidiu vir mais cedo e te acertou em cheio? Como proceder? O que providenciar? Entrar em pânico e correr como louco pelas ruas? Trancar-se em casa e manter sua família a salvo do potencial ataque de zumbis? Se entregar as legiões famintas seria menos doloroso que sobreviver em um mundo anárquico e dominado pelos mortos-vivos?
A nova coluna Manual de Sobrevivência WDBR vai para você, amigo, que já traça seus planos de estratégia, fuga, sobrevivência e reconstrução quando o Apocalipse Zumbi chegar batendo na sua porta – bem, não necessariamente batendo, mas com certeza vai fazer um barulho danado, além de grunhidos característicos.
Os textos da coluna irão tratar de algumas idéias, impressões e soluções adaptadas, calculadas e inusitadas, com uma perspectiva mais voltada para nossa Realidade – Brasil, situação econômica/financeira, risco de contaminação, classe média, ambiente urbano e outras estatísticas – quando o dia fatídico em que a Humanidade será varrida da Terra e ser substituída por mortos-vivos rastejantes.
Manual de Sobrevivência WDBR apresenta orgulhosamente:Estratégias para o Dia Z – Pernas, pra quê te quero!

sábado, 8 de dezembro de 2012

Um futuro próximo com zumbis em Floripa

Este post foi escrito sob a influência delirante de um calor horrendo de sensação térmica acima dos 40°, qualquer opinião expressada aqui está condicionada ao simples fato de que a autora estava morrendo de medo do Dia Z chegar e estar com metade do cérebro derretido

Todos nós sabemos que algum dia vai chegar o Dia Z, certo? Não adianta reclamar, dizer que o Apocalipse chega antes, quatro cavaleiros montados e blablablá, arrebatamento e sei lá, a Skynet invadindo o mundo inteiro com uma Revolução das Máquinas. Zumbis. Anota aí: É isso que vai acontecer.
E depois o resto possivelmente. De preferência tudo ao mesmo tempo ou seguindo uma ordem aleatória.

Okaaaaaaaay, sobrevivi a uma situação bem tensa ontem - 07 de dezembro de 2012, marcarei essa data como início de treinamento de sobrevivência - com os combinados: SEM LUZ e CALOR DE MAIS DE 35°. Estamos bem na premissa, beleza, por que o terror começa agora.

Desde de manhã no dia 07, os picos de luz estavam a me incomodar, até receber a notícia que algumas quadras mais a frente - onde minha irmã mora com sobrinhos e o marido - a luz havia acabado. Tudo bem até então, explicaria o porquê da luz ir e voltar por aqui. Aí caímos numa discussão linda sobre como a CELESC - Companhia Elétrica de Santa Catarina - é uma das empresas mais eficazes em atender chamados de emergência quando a luz cai. Mas para atender, meus amigos, não para solucionar o problema.

Como haveria de sair para o Norte da Ilha - apenas para lembrar, moro na Palhoça, cidade metropolitana da Grande Florianópolis, isso me renderia cerca de 2h30 de ônibus num dia ferrado de calor - saí de casa mesmo sem energia elétrica, não me faria falta mesmo, e me muni da garrafinha d'água gelada. Estava certa que aguentaria o calor de 32° que já assolava por aqui.

sábado, 14 de janeiro de 2012

Sonho Estranhos com detalhes - Zumbis domesticados

Acho que ver Return of the Living Dead 3 com a Melinda Clarke não foi uma boa idéia…
Zumbis militarizados e gás tóxico usado para guerrear? WUT?! E por que raios fazer isso nos EUA? Eles não preferem ferrar com nações “potencialmente perigosas” (aka cheia de campos de petróleo) não?!

Mas vamos ao sonho de hoje:
*musiquinha de programa matinal*


  • Pegue um filme classe D dos anos 80 com mortos-vivos;
  • Junte com Biologia genética que Mendell nos ensinou no Ensino Médio;
  • Faça o cruzamento das ervilhas com os milhos;
  • (Azinho azinho azão azão azão do meio, azinho 3/4 por aí vai)
  • Deixe de repouso e vá dormir tranquilo… Ou mais ou menos isso…


Lá estava eu em algum canto civilizado de algum lugar do planeta. A cidade era grande e bem organizada e tinha uma linha férrea passando pelo canto. Detalhe: Não havia ninguém nas ruas. Quase como aqui em Floripa que a partir das 13h não há UMA viva alma na rua, nem carro, nem nada.

Como meu espírito nada aventureiro me diz para lootar as coisas antes de perceber a gravidade da situação, eu looto algumas coisas caídas do chão, inclusive um relógio quebrado que não vai me servir de nada. Anda anda anda, pede informação a um sujeito maltrapilho se aproximando. Whoooooooooa!
Diálogo nonsense a seguir: