Pesquisando

Mostrando postagens com marcador claire de lafontaine. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador claire de lafontaine. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 4 de março de 2014

o caso do violão

Acontece nas melhores famílias, já vi acontecer. Só pensei que seria só 1 caso em 1 milhão ou algo assim, mas há esse interessante fenômeno de completo desespero silencioso que nos ataca quando seguramos um violão ou instrumento musical qualquer na frente de qualquer pessoa - virtualmente ou não.

O bicho tá ali, manso no teu colo, só esperando o primeiro acorde, mas o trem não sai! É como uma paralisação geral entre a síncope e a sinapse cortex-cerebral que manda tudo pro sistema límbico e proclama: Hoje não toco não!

Tentando esmiuçar isso e mais medos advindos disso, fiquei surpresa quando descobri que Mestre Tom Zé sofreu do mesmo problema quando era mais novo, mas no caso o uso do violão era para impressionar a namoradinha ele errôneamente tentava ganhar. Oh coincidência, hein?


 A situação hilária é trágica, pois estar nos sapatos de quem empunha o violão é como ser um Quixote com um Sancho afirmando que os moinhos são mesmo gigantes, a coragem é muita, mas a mão que nos valha não presta para dar o primeiro golpe. E assim vai.

Tentei algumas vezes me forçar a fazer isso e o desastre parece seguir um padrão, minutos até horas de puro silêncio constrangedor até algo vir e me tirar o violão da mão ou simplesmente eu desistir mesmo (2ª opção sempre mais válida, melhor baixar as armas do que deixar o monstro decepar sua cabeça ainda com a espada e o escudo nas mãos). Quando há outras pessoas pra passar a vergonha comigo, ótimo, quando não há, apenas eu, toda a atenção virada pra minha pessoa: pronto, ferrou.

A querida Veronica Varlow escreveu esse post sobre como controlar a ansiedade uns dias atrás e com as dicas dela dá para se usar bastante quanto aos relatos do link aqui embaixo...

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

[conto] Forgiven: as consultas na madrugada

Mais outro conto que não finalizei, mas não posso ficar com nada na fila do final de ano. Esse é do cenário de Forgiven Jojo Ulhoa, um conto enooooorme e velhaco que fiz em 2007 sobre uma criaturinha que perdura no meu trato digestivo (Não, não andei dando uma de Cronos e comendo meus filhos, mas se é pra dizer que o ego trágico da Jojo costuma estar emaranhado perto do meu baço, aí sim).

Como o incrível resumo do NYAH! Fanfiction diz: A vida de uma legista hipocondríaca e com problemas de aceitação. Com vocês, Joanne Ulhoa, a louca.
(Jzuis, preciso atualizar esse bichinho ano que vem!)


Nunca fui de acreditar em contos-de-fada, muito açucarados para meu gosto, muito exagerados nos detalhes fantasiosos, pouco consistentes com a Realidade que eu constantemente via e vivia. Contos-de-fadas serviam para aliviar pessoas de sua trágica existência, confortavam crianças despedaçadas pela sociedade e às vezes... às vezes, eles costumavam povoar meus sonhos como um enxame de pensamentos aleatórios que ocupavam minhas manhãs mesmo após acordar.

Com o tempo fui aprendendo que contos-de-fada são construções simbólicas de determinações morais de nossa modernidade, algo que a burguesia capitalista instituiu em nosso meio para padronizar comportamentos, taxar aspectos moralistas, vincular o status quo com a existência humana. Muitos filósofos e pesquisadores desprezavam tal literatura para instruir seus discípulos, mas as massas, elas adoravam contos-de-fada.

A vida nos ensina que contos-de-fada não são reais, não há "Era uma vez" cada manhã que se acorda, não há "Final Feliz" no final do dia, não há príncipe encantado de armadura reluzente em seu alazão, nem beijo apaixonado no final da tarde com o sol a se pôr, os mocinhos se dão bem, os vilões sempre se dão mal. Nada disso acontece realmente. Não há extremos na vida que vivo, apenas borrões entre os termos. Como odeio isso.

Arrasto-me para mais outro plantão, minha cabeça pulsando mesmo com o gosto amargo da aspirina em meu paladar, o cochilo na sala dos internos não adiantou muito para remover os resquícios de uma bebedeira na noite anterior, jamais deveria ter pedido o turno de final de ano, sabendo o quanto de álcool poderia ser consumido pelos meus amigos (o que raios a Tracy não me ligou até agora? Coloquei a guria no táxi e ela nem para dar notícias se tinha chegado bem?!), jamais deveria ter enfiado meus pés pelas mãos ao tentar me aproximar novamente do meu projeto científico mais interessante em todos aqueles anos.

Aperto o botão para o subsolo e sou seguida pelo senhor da manutenção, um homenzinho mirrado, grisalho, com cheiro de água sanitária, desinfetante floral e uniforme mais desgastado que aquele prédio. Ele sorri em silêncio, respondo com um breve aceno de cabeça, não sei se meus lábios estão preparados para arriscar um sorriso amarelo (Não quero tentar igualmente), esperamos até o elevador chegar ao seu destino e a porta abrir com um rangido esquisito. Agradeço-o por manter a porta aberta para mim e me preparo para o pior: as macas no corredor para o necrotério do Hospital.

Essa rotina maluca de visitar o sujeito de pesquisa não estava fazendo bem para minha cabeça. Tudo bem lidar com os problemas dos outros, lares destruídos, casais com problemas, insegurança de homenzarrões do Exército, mas nada superaria o impacto que eu tinha toda vez que saía daquele elevador e dava de cara com aquele corredor vazio, gelado, de iluminação absurdamente alta, com zumbidos de maquinário funcionando para manter a temperatura ideal para retardar a decomposição dos cadáveres esperando nas macas enfileiradas, apenas esperando a próxima rodada. Odiava mais ainda o que teria que lidar quando entrasse na sala de atendimento, era como revisitar o Katrina e ter todo o tipo de lembrança ruim que aquele lugar perturbado trouxera para a gente. Eu felizmente conseguira me manter sã e salva com muita meditação, aulas intensivas de pilates, limpando bem meu corpo com uma nova dieta saudável e bem formulada, e felizmente tendo alguém para conversar quando o pânico e os pesadelos chegavam. Já o meu sujeito de pesquisa se enterrara em um PhD maluco em outro estado, achando que iria espantar seus demônios com trabalho de campo e estudos.

Como se a Ciência pudesse salvar a gente.